sábado, 17 de dezembro de 2011

O livro "Why we get fat", de Gary Taubes

Era final de abril de 2011. Comprei o livro na amazon através do Kindle, de modo que comecei a lê-lo no mesmo dia.



Eu definiria "Why We Get Fat" como o mais importante livro que li em muitos anos. Bem escrito, instigante, e revolucionário. Nenhum dos livros deste autor foi traduzido para o Português. Quando abordo o assunto (dieta restrita em carboidratos), várias pessoas tem me perguntado sobre livros em português. Infelizmente (como costuma ser o caso), não há NADA. Assim, decidi fazer um longo resumo do livro (e de outros que li na sequência), nas postagens que se seguem; espero que seja útil como uma introdução ao assunto.

11 comentários:

  1. Olá José Carlos,

    Parabéns pelo blog! Excelente!

    Comprarei este livro "Why we get fat" com certeza. Gostaria de dizer que tenho acompanhado com interesse (até mesmo porque sou gordo) há algum tempo livros que têm dito coisas semelhantes: o açúcar e o desequilíbrio da insulina são os grandes responsáveis pela obesidade.

    Há um médico americano chamado Al Sears que publicou um livro chamado "Dr. Cura Coração" que diz coisas muito parecidas com o que encontro aqui.

    E há também um livro chamado "O Livro Negro do Açúcar" que também segue a mesma linha, mas dedica-se a atacar de frente mesmo o consumo do açúcar.

    A própria dieta do Dr. Atkins segue também um caminho semelhante.

    Enfim, espero conseguir aplicar todos esses conceitos e conseguir, um dia, emagrecer de maneira saudável e permanente.

    Acompanharei de perto o seu blog a partir de agora, com muito interesse.

    Obrigado,
    []s
    Andre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado André:

      Muito obrigado por prestigiar este blog. O livro "Why we get fat" é, de fato, essencial para quem quer ir além de um simples livro de dieta e compreender o PORQUÊ das coisas. Se vc domina o inglês, com certeza vá em frente e adquira o livro - já li muito sobre o assunto, e este livro é, na minha opinião, a melhor síntese.

      Dito isto, é verdade que a ideia da restrição de carboidratos não é nova (aliás, o livro "Why we get fat" faz um excelente histórico de todo este processo). No entanto, o que temos hoje é um acúmulo de estudos científicos que dão suporte à ideia de que a restrição de carboidratos é não apenas eficientes, mas também segura. Mais do que isso, saudável. O Dr. Atkins foi um pioneiro, que lançou sua dieta no pior momento possível, quando a fobia em relação à gordura estava no auge. Foram necessários 30 anos para que o acúmulo de evidências científicas o redimisse.

      Já que vc lê inglês, sugiro o livro "New Atkins for a New You". É um livro escrito por 3 autores acadêmicos, ligados a importantes universidades americanas (gente que publica muitos artigos em prestigiosas revistas médicas), que atualiza a dieta Atkins para o século 21 (com mais vegetais, por exemplo).

      Se vc ler estes dois livros, só precisará de persistência, pois os resultados com certeza virão.

      Excluir
    2. Dr.,

      Obrigado pelas dicas. Comprarei os 2 livros.

      Sobre o Dr. Al Sears (vc conhece ele ou o seu livro?), ele indica tb, além de uma dieta semelhante à paleo, exercícios físicos.

      Mas os exercícios físicos que ele indica não são os do tipo aeróbico (ele critica muito o exercício aeróbico). Ao contrário, ele indica séries de exercício do tipo "cardíaco", isto é, forçando o coração.

      Um exemplo de um exercício indicado por ele:

      Uma corrida na esteira

      - um breve aquecimento (2 ou 3 minutos)
      - em seguida vc corre que nem um desesperado, por 1 minuto (corre o máximo que conseguir, de início vc não aguentará 1 minuto não)
      - descansar por 3 minutos ou até recuperar os batimentos

      E repetir a série acima 3 vezes.

      Este é um modelo de exercícios que ele recomenda ser feito diariamente. O ideal é consumir entre 15 e 20 minutos nele.

      Segundo ele, este tipo de exercício irá fortalecer o coração e os pulmões. E, além disso, ele diz que o ser humano foi feito para este exercício de disparada (como numa caça ou correndo de perigo) e não para ficar correndo maratonas.

      O que é meio chato no Dr. Al Sears é que ele tem todo um estilo "Shoptime", onde ele oferece um montão de produtos para ser adquirido. Isso passa uma imagem meio de picareta.

      Mas mesmo assim, ele parece ter bons fundamentos no que recomenda.

      Sobre os exercícios indicados por ele, o Sr. tem alguma opinião ou indicaria outra coisa?

      []s
      André

      Excluir
  2. Olá. Eu não conhecia este autor. De fato, o sujeito tem uma abordagem um tanto comercial. No entanto, sua orientação sobre exercício me parece bem compatível com o que é apregoado pela comunidade "paleo". Chama-se HIIT (High Intensity Interval Training). A ideia tem, mais uma vez, um fundo evolutivo: é improvável que nossos antepassados ficassem correndo monotonamente à mesma velocidade por uma ou 2 horas. Assim, é evidente que não foi para este tipo de atividade que evoluímos. Nosso deslocamento natural é a caminhada, e evoluímos para correr rápido e por pouco tempo a fim de escapar de predadores ou de alcançar presas. Muitos estudos têm comprovado os benefícios do HIIT. Sugiro consultar o livro The Paleo Soution, de Robb Wolf, para mais detalhes.

    ResponderExcluir
  3. Olá Doutor. Meu nome é Vivian. Gostaria de parabenizá-lo pelo blog e fazer algumas perguntas.

    Sou vegetariana e queria adotar esta dieta para aumento de massa magra e redução de gordura no corpo. Assim sendo, verifiquei que você sugere o aumento do consumo de ovos e leite.

    Por que as pessoas reclamam quanto ao alto índice de ácido úrico? Tem como reduzirmos este volume?

    Qual a quantidade de gramas de carboidrato sugerida para consumo.

    Grãos como quinoa, centeio, linhaça, aveia, etc... podem ser consumidos? O índice glicêmico é alto?

    Lentilha, feijão, soja, grão de bico, etc... podem ser consumidos? O índice glicêmico é alto?

    Não gostaria de reduzir drasticamente o consumo de frutas. Assim sendo, você acredita que exista um horário específico para consumo. Exemplo pré ou pós treino... período da manhã... ou isso é indiferente?

    Com relação aos produtos refinados vou extinguí-los urgentemente!

    Obrigada e no aguardo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vivian, primeiramente, obrigado.

      O principal determinante do ácido úrico é a frutose. As proteínas, que costumam levar a culpa, são secundárias. Se você não sofre de gota, não se preocupe com isso.

      Para perder gordura, sugiro menos de 50 ou 40g ao dia de carbs

      Duas colheres de sopa de aveia já devem ter mais carbs do que vc deveria comer em um dia inteiro. Centeio, além disso, tem glúten. Fuja dos grãos! Linhaça e quinoa são Ok, com moderação.

      Legumes - coisas que crescem em vagens - são desaconselhados - 70% carboidratos. Soja, além disso, tem outros problemas.

      Frutas: gaste sua quota de carbs em frutas, não em grãos e legumes. Melhor pré ou pós-treino, e à noite. Há estudos sugerindo que quem consome seus carbs à noite perde mais peso.

      Repito abaixo o que respondi a outra leitora vegetariana que queria saber se valia a pena passar a adotar páleo para quem era ovo-lacto-pesce-vegetariana:

      O povo de Kitava, uma pequena ilha do pacífico (veja http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/01/entrevista-com-staffan-lindeberg.html), consome uma dieta genuinamente paleolítica, têm uma saúde fantástica, e sua dieta é pesce-vegetariana - creio que isso responde à sua pergunta. Em outras palavras, SIM, faz TODO o sentido adotar uma dieta páleo. É importante entender que páleo é mais um ponto de referência do que uma descrição minuciosa do que se deve comer. É mais fácil definir páleo pelo que NÃO se deve comer. No paleolítico, nossos antepassados comiam TUDO o que podiam. Se viviam na savana africana, comiam carne. Se viviam numa ilha do pacífico, comiam coco, peixes e raízes. Mas é CERTO que não comiam pão, biscoito, gordura trans, óleo de soja, batata frita ou coca-cola.

      Leia esta postagem de uma ex-vegetariana - é muito interessante: http://curezone.com/forums/am.asp?i=1728051

      Leia também este blog, dedicado a dietas low carb vegetarianas: http://www.lowcarbvegetarians.com/

      Excluir
  4. Receio que vc esteja equivocada: o Dr. nunca "sugeriu" o consumo do leite, muito pelo contrário: o leite deve ser evitado.

    ResponderExcluir
  5. Leite, não (lactose). Queijos, ok. O que aumenta MESMO o ácido úrico é a frutose (açúcar). A quantidade de carbs por dia depende do metabolismo de cada um. Sugiro algo entre 50 e 100g ao dia - vá testando.

    Gãos - NÃO. Linhaça ok, quinoa, um pouco, mas NADA de trigo, aveia, centeio = glúten+açúcar (amido).
    70% das calorias de um feijão são carboidratos - há que ter cuidado - mas são melhores do que grãos.

    Frutas - escolha as com menos açúcar, consuma como sobremesa e não como refeição. Ou associadas ao exercício físico.

    ResponderExcluir
  6. Pessoal,

    Primeiramente boa tarde a todos!

    Meu nome é Eric, 22 anos, meço 182cm e peso 76kg. Até os 17 anos eu media 174cm e pesava 92kg. Hoje, após muitos tropeços e MUITAS dificuldades, tenho um corpo que projetava, na época, ter. Claro que tive altos e baixo, emagreci e engordei várias vezes.Hoje tenho outras ambições e estou caminhando para ter um corpo mais definido, sem usufruir de anabolizantes e cia.

    Li algumas das matérias postadas e sinceramente fiquei triste. Achei bem legal a divulgação, a força de vontade em divulgar uma solução para quem está precisando de ajuda. Porém após muito tempo de leitura em muitas fontes diversas, aprendi que não é o carboidrato que nos engorda, como diz este livro. Este é, na verdade, um dos maiores mitos ditos em diversas revistas e livros afora. O carboidrato é ESSENCIAL para quem está praticando exercícios físicos, seja em academia ou qualquer atividade física, ou inclusive quem não faz nada de exercícios. Digo isso, pois vi na prática. REALMENTE excluindo o carboidrato do cardápio, 'aparentemente' emagrecemos mais rápido. Há muitos estudos que comprovam que por mais rápido que percamos peso no começo, após um certo período, ficamos estagnados no mesmo peso, ou perdemos de uma forma muito lenta e prejudicial. Sem dizer que quase TODOS os alimentos possuem carboidrato, e privar-se desses alimentos só aumenta a ansiedade por come-los mais e mais. Eu mesmo já passei mal (tontura, fraqueza) DIVERSAS vezes realizando este regime, e engordei diversas vezes por privar-se tanto de comer e não aguentar.

    Não pretendo inserir aqui diversos motivos para não seguir esta dieta, pois não sou perito ou médico no assunto, mas gostaria de convida-los a perder peso/ganhar massa de uma forma muito mais saudável e mais fácil do que se imagina: leia o livro MALHAR, SECAR, DEFINIR. Autor Michael Matthews. Este cara é excepcional. Mudou totalmente o meu conceito a respeito de regimes, suplementos do mundo fitness e principalmente à alimentação. VOCÊS NÃO IRÃO SE ARREPENDER! Inclusive, segue link do blog do Michael, que esclarece quaisquer dúvidas dos leitores, e ainda posta diariamente dicas EXCELENTES para seguirmos. No link em questão, inclusive, há uma matéria desmascarando o regime sem carboidratos.

    http://www.muscleforlife.com/carbohydrates-and-weight-loss-should-you-go-low-carb/

    Um grande abraço! Espero que atinjam seus objetivos, sempre!

    Eric

    ResponderExcluir
  7. Olá Dr. Souto, primeiramente parabéns pelo que tens feito pela humanidade através deste seu blog! Vejo que temos aqui um verdadeiro "tesouro".
    Tenho aplicado em minha vida ensinamentos do emagrecerdevez.com do Rodrigo e também os seus que tive contato através de podcast e videocast. Agora estou indo fundo em tudo que tem aqui em seu blog e estou maravilhado.
    Além disso, comprei hoje o livro do Tim Ferris (4 horas para o corpo, em português) e vou fundo nele também. Me parece que além do que citei, os dois blogs e este livro, há mais dois que complementarão o que preciso de conhecimento, que são os livros do Ray Cronise, Fuel the Burn e o do Gary Taubes que vc cita nesse post. Meu problema é que não domino o Inglês e não estou encontrando esses livros em português, nem mesmo alguma tradução feita por alguém. Terias alguma de como eu poderia conseguir isso?
    Desde já agradeço.
    Abs,
    Pedro

    ResponderExcluir
  8. Pedro, enquanto vc se matricula num curso se inglês (caso contrário, vc sempre estará alguns anos defasado - matricule-se logo, em uns 4 anos vc estará lendo coias que ainda não terão sido traduzidas até lá), leia o Barriga de Trigo, que saiu traduzido.


    Em 5 de agosto de 2013 13:55, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir