sábado, 24 de dezembro de 2011

Sobre dietas e Darwin

Imagine um futuro distante, no qual as pessoas sejam vegetarianas e no qual os leões selvagens tenham sido extintos. Você é o responsável por um grupo de 2 dezenas de leões criados em cativeiro. Só há um problema, os leões já foram extintos há tanto tempo, que não se sabe qual a sua dieta ideal. Como você fará para descobrir? Bem, você pensa, todos sabem que vegetais são saudáveis (lembre-se, você é vegetariano, este é seu paradigma), de modo que você oferece uma bela salada aos leões. Naturalmente, eles recusam, e começam a emagrecer. Então, você oferece frutas a eles. Eles comem, mas não parecem nada bem, ficam prostrados, alguns vomitam. Então, você começa a conduzir estudos nos quais varia os tipos de frutas, e descobre que a saúde dos leões é melhor com, digamos, coco, abacate e batatas do que com laranjas e limões. Sua conclusão? Naturalmente, são as frutas cítricas que estão matando os leões! Como seu paradigma nem cogita a possibilidade de que estes animais tenham evoluído para um tipo de dieta competamente diferente, você conduz intermináveis estudos para descobrir os vegetais mais adequados. E, naturalmente, os resultados são contraditórios, pois os leões acabam adoecendo com qualquer variação de dieta herbívora. Mas você é um cientista altamente sofisticado. Então, você conclui o óbvio: leões são animais de saúde naturalmente frágil. A solução está na tecnologia. Vamos começar desenvolver medicamentos para as várias doenças que os leões estão desenvolvendo desde que chegaram ao zôo. Ao final do processo, você terá uma série de leões doentes, tomando 4 ou 5 variedades de remédios ao dia. Suas conclusões: 1) ainda não temos evidências de qual a melhor combinação de vegetais para a saúde ideal dos leões. 2) Estes leões com certeza não estão seguindo as recomendações dietéticas, tampouco estão se exercitando como recomendado.

Numa cidade vizinha, um cientista responsável por outro zoológico resolve adotar uma abordagem evolutiva, isto é, buscar as evidências de que tipo de dieta estes animais tem consumido nos últimos milhões de anos. Os dentes afiados, o intestino curto, as garras, tudo aponta para uma dieta carnívora. Sítios arqueológicos mostram fósseis de leões contendo ossos de outros animais em seus estômagos, e nenhuma evidência de fibras vegetais. Por fim, pesquisadores descobrem uma colônia de leões selvagens na África, em situação que deve ser análoga à de seus antepassados fossilizados. Estes leões comem exclusivamente carne! Além disso, são extremamente saudáveis, correm a 60 Km/h, enfim em nada lembram os leões adoentados do zôo. Então, nosso cientista resolve oferecer aos animais uma dieta baseada em (heresia!) carne. Para sua surpresa, os animais respondem muito bem. Em 30 dias estão fortes, ativos e já não precisam de medicamentos.

Se você faz uma pergunta a um físico, a sua resposta ocorrerá dentro do contexto da teoria da relatividade, ou da mecânica quântica. Afinal, estas são teorias unificadoras do conhecimento físico. Qual a teoria unificadora das ciências biológicas? Sob qual ótica TODAS as conjecturas em biologia são analisadas desde o século 19? É a evolução pela seleção natural. É notável que nossos cientistas estejam tão perdidos sobre a nutrição humana quanto os personagens da fábula acima. A resposta evidente está na abordagem evolutiva. Estamos procurando respostas com os cientistas errados. Precisamos de Charles Darwin.

29 comentários:

  1. Veja isto!

    "Como costuma acontecer nesta área, o que vc ouviu dizer está errado. As cetonas são o produto da oxidação dos ácidos graxos (gordura) pelo fígado. Não são subprodutos tóxicos, são uma fonte de energia ideal para nossas células. Ao contrário da glicose (que tem 6 carbonos), que precisa ser metabolizada através da glicólise para das origem a um composto de 2 carbonos que possa entrar nas mitocôndrias para nos fornecer energia, os corpos cetônicos são compostos de 2 carbonos que passam facilmente através das membranas e podem ser oxidados diretamente nas mitocôndrias. São tão bons que estudos mostram que os neurônios quando expostos a glicose e a corpos cetônicos, oxidam preferencialmente estes últimos.
    Todos nós dependemos dos corpos cetônicos para os períodos de jejum natural, como o sono por exemplo. Durante o sono, são os corpos cetônicos que nutrem boa parte de suas células - são compostos completamente normais e não tóxicos e que todos possuímos e usamos diariamente." http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/09/materia-do-g1-perdeu-83-kg-em-1-ano.html

    "A dieta paleolítica é uma dieta anti-inflamatória. Parece haver 2 grandes motivos para isso. O primeiro é a remoção de agentes causadores de inflamação. Já discutimos previamente que a maior causa alimentar de inflamação sistêmica são os grãos, em particular o trigo, em função do glúten. Outros alimentos industrializados tais como gordura vegetal hidrogenada e inúmeros aditivos químicos são automaticamente eliminados quando se adere ao conceito de Comida de Verdade. Para algumas pessoas, os laticínios também produzem reação inflamatória, embora em muito menor escala do que os grãos.

    Há um outro motivo, relacionado às gorduras poli-insaturadas. As gorduras poli-insaturadas são ácidos graxos essenciais, ou seja, só podem ser obtidas através da alimentação. Há 2 tipos básicos de gorduras poli-insaturadas: ômega-3 e ômega-6. Ambas são importantes, e devem ser consumidas em equilíbrio. Nossos antepassados paleolíticos consumiam uma proporção de cerca de 2:1 de ômega-6 e ômega-3, respectivamente. Na dieta ocidental contemporânea, esta proporção varia de 10 a 20:1. Por que isto é importante? O predomínio de gorduras ômega-6 é pró-inflamatório. Isto explica a grande quantidade de literatura médica indicando o efeito protetor dos ácidos graxos ômega-3 no que diz respeito a doenças cardiovasculares, demência, alguns tipos de câncer e doenças auto-imunes." http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/02/dieta-e-inflamacao.html

    ResponderExcluir
  2. O motivo da confusão entre os "especialistas" é ignorância.

    ResponderExcluir
  3. Quer saber sobre a química de cetose? Vc que pediu:

    http://eatingacademy.com/nutrition/ketosis-advantaged-or-misunderstood-state-part-i

    http://eatingacademy.com/nutrition/ketosis-advantaged-or-misunderstood-state-part-ii

    ResponderExcluir
  4. Obrigado Patrícia!!!

    Veja isto também: http://eatingacademy.com/nutrition/is-ketosis-dangerous

    ResponderExcluir
  5. http://www.olavodecarvalho.org/semana/090220dc.html - Por que não sou um fã de Charles Darwin

    ResponderExcluir
  6. Cade meu comentário que fiz ontem?

    ResponderExcluir
  7. Por que não sou um fã de Charles Darwin

    Olavo de Carvalho

    Diário do Comércio, 20 de fevereiro de 2009

    http://www.olavodecarvalho.org/semana/090220dc.html

    ResponderExcluir
  8. Sou eu que estou apagando - não acho adequado para ficar aqui. Para quem quiser um livro acessível sobre evolução, ler: http://www.amazon.com.br/O-Gene-Ego%C3%ADsta-Richard-Dawkins/dp/8535911294/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1413297847&sr=8-1&keywords=gene+egoista
    2014-10-13 8:26 GMT-03:00 Disqus :

    ResponderExcluir
  9. Voce leu o artigo? O Richard Dawkins é um defensor do evolucionismo, eu estou sugerindo alguém que não se diz contra ele, mais o contesta pelo menos. Isso é democracia. Não acha adequado para ficar aqui? O que é então? Só os concordam? Gosto muito do blog mais, mais caiu de conceito comigo... vlw

    ResponderExcluir
  10. Não exatamente. Democracia é no Facebook. Aqui, eu modero os comentários. E o Olavo de Carvalho é um fascista religioso extremista - é a minha opinião. E é o meu blog. Desculpa se te decepcionei.

    2014-10-14 14:04 GMT-03:00 Disqus :

    ResponderExcluir
  11. Você leu o artigo pelo menos? Só queria saber isso. Chamar de fascista religioso extremista é fácil. Isso é chavão conhecido, quero ver refutar. Mais ta tranquilo.. fica na paz aí rs, vlw.

    ResponderExcluir
  12. Sim, eu li.
    1) Ele não domina o assunto;
    2) Ele usa sua característica linguagem pomposa em difícil - o contrário do que considero boa prosa, na qual a leitura deve ser fluida e clara;
    3) Ele comete uma falácia lógica ridiculamente básica - esperaria mais de um "filósofo":
    Argumentum ad consequentiam ( http://pt.wikipedia.org/wiki/Argumentum_ad_consequentiam):

    A expressão latina *argumentum ad consequentiam* ("argumento por consequência") é o argumento pelo qual uma premissa é verdadeira ou falsa em função das consequências desejadas ou indesejadas a que ela conduz1 . Este raciocínio é uma variedade do apelo à emoção é uma forma de falácia
    lógica , uma vez que o valor de uma premissa não depende do nosso desejo.

    Forma por contradiçãoSe P, então Q vai acontecer.Q é indesejável.Então P é falso.
    Exemplo do texto: Se aceitarmos o Darwinismo, isto poderia ser utilizado para justificar a inferioridade de algumas raças;O racismo é indesejávelEntão, o Dawinismo é falso.
    É típico Olavo de Carvalho: linguagem complexa para traduzir conceitos simples e errados, baseados em fundamentalismo cristão. NESTE blog, não vai rolar.

    2014-10-14 14:38 GMT-03:00 Disqus :

    ResponderExcluir
  13. "Notem bem: não sou contra a hipótese evolucionista. Do que tenho observado até hoje, devo concluir que sou o único ser humano, no meu círculo de relações próximas e distantes, que não tem a menor ideia de se a evolução aconteceu ou não aconteceu. Todo mundo tem alguma crença a respeito, e parece disposto a matar e morrer por ela. Eu não tenho nenhuma." Eu fui, chega de Darwin..rs

    ResponderExcluir
  14. Democracia é no facebook? Tá de brincation with us? ;)

    ResponderExcluir
  15. Olá, Ramon, sou "olavete" de carteirinha, mas também admiro o Dr. Souto. Ambos em suas respectivas áreas contribuem para meu aprendizado. Não concordo com tudo o que o Olavo diz (ou como diz)... assim como não concordo com tudo o que o Dr. Souto diz, sobretudo quando fala sobre explosão populacional e evolução. Sou religioso e, portanto, adepto da teoria do design inteligente... Mas Dr. Souto tem razão, o blog é dele e aqui escreve o que pensa. Lamento que a opinião do Dr. Souto seja diferente da minha quanto ao Olavo de Carvalho. Se o Olavo dissesse o mesmo do Dr. Souto, também lamentaria..., mas, como diz Santo Agostinho, deixemos de lado o que nos separa e busquemos o que nos une. O que conta aqui é que temos aprendido a viver bem e com saúde. (Dr. Souto, se o senhor moderar este comentário, vou compreender).

    ResponderExcluir
  16. Sim, é claro leão, está certo. Mais só tem uma coisa, se o Olavo não domina o assunto, o Dawkins muito menos.

    ResponderExcluir
  17. Rezo para que Dawkins um dia passe a ver o mundo de forma menos cartesiana.

    ResponderExcluir
  18. Ele sabe a realidade, só tenta invertê-la.

    ResponderExcluir
  19. Dawkins não me impressiona tanto quanto a importância que dão ao que ele diz. Ele tenta refutar uma realidade que não aceita (metafísica), logo, sua opinião sobre o assunto, para mim, se torna parcial, um mero ponto de vista.
    Mas o grande mérito de Dawkins é levar, mesmo que de forma negativa, o antigo debate sobre fé religiosa e fé científica pro campo da especulação midiática e literária. Isso abre espaço para oportunos esclarecimentos de ambos os lados e, quem sabe, a queda de ressentimentos, preconceitos e incompreensões... ou, que Deus nos livre, o recrudescimento de tudo isso.

    ResponderExcluir
  20. Ele tem que ler mais Aristóteles, Sto Tomas... o problema é a certeza que ele diz que Deus não existe. Já bateu o martelo rsrs

    ResponderExcluir
  21. Meu "pé atrás" com a obra de Richard Dawkins não tem a ver com o fato dele ser ateu. Ateus não acreditam em Deus e por isso são indiferentes a tudo relacionado à religião, mas, por outro lado, os ateus interpretam o fenômeno religioso como um mero adereço antropológico-cultural e, portanto, o respeitam enquanto tal.


    Por exemplo, não acredito em "sereias", nem em "Saci-Pererê", nem em "Apolo" e "Zeus", mas nem por isso vou exigir à escola dos meus filhos que retire as gravuras alusivas a esses personagens e nem que o folclore não seja ensinado a eles, apenas porque não acredito que existam. Ateus não se sentem incomodados com a expressão da fé alheia. Para eles, é mero folclore. Mas há os que se sentem incomodados, querem que símbolos sejam escondidos e a história mudada, esses não são ateus apenas, mas pessoas que não toleram a religião.


    Assim, ateus como Diogo Mainard, enquanto ensina seus filhos que Deus não existe, não se importa de que estudem numa escola que tenha ensino religioso. Essa é a diferença essencial entre um ateu e alguém que é contra a religião. Esse último penso ser o o caso do nosso amigo Dawkins. Ele não só não acredita em Deus, mas milita para prová-lo, ou seja, assim como Nietzsche, Dawkins se dedica a coisas que "não existem". :-(


    E para não fugir do tema do blog, lembro de que os homens do paleolítico, bem como os atuais aborígenes tinham e têm o senso religioso manifestos através de suas crenças ancestrais, recheadas de fantasias e superstições. Esse é o homem e ontem e de hoje.

    ResponderExcluir
  22. É o meu caso, Lister, ateu desde criancinha, mas que - como vc já deve ter percebido - gosto de empregar umas citações bíblicas. Querendo ou não, faz parte da cultura geral do indivíduo e de nossa bagagem cultural como espécie. Quem já visitou algum bom museu dom mundo sabe que perde-se 80% do conteúdo se não se tiver ideia das histórias bíblicas e de outras mitologias que os famosos pintores retratam. E sim, concordo que a espiritualidade é um traço evolutivo, embora eu tenda à linha do Sam Harriss, de espiritualidade sem religião. Mas, enfim, acho que este blog não é o fórum correto para essa discussão. Sugiro ir encerrando esse assunto.

    Em 16 de outubro de 2014 13:31, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  23. Ok, Dr., o senhor é quem manda. C'est fini. obrigado por permitir as divagações. ;-)

    ResponderExcluir
  24. Poderia debater isso com alguém como vc por dias. Mas nem todo mundo tem seu grau de civilidade. E eu já gasto muito tempo/energia com assuntos nutricionais (em geral no intervalo de consultas, com gente na sala de espera, como agora). Os existenciais iriam requerer um texto gigante pra cada resposta. Não que eu não goste :-) Mas não tenho tempo, e as pessoas se exaltam quando se toca nesses assunto. Obrigado pela compreensão.

    Em 16 de outubro de 2014 16:24, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  25. obrigado pela deferência... é do meu interesse e do pessoal aqui que o senhor dedique seu tempo e energia aos assuntos nutricionais... ehehe... eu é que devo agradecer sua compreensão.

    ResponderExcluir
  26. Genialidade pouca é bobagem! #ídolo

    ResponderExcluir
  27. hahaha!! Fã-clube montado!

    ResponderExcluir