sábado, 19 de janeiro de 2013

Livro - Fat Chance, de Robert Lustig - o começo da reviravolta

Foi lançando nos EUA há poucos dias o livro Fat Chance, de Robert Lustig:



Anotem aí, este livro fará muito barulho. Eu diria até mesmo que poderá marcar o início de uma virada na opinião vigente sobre o papel dos carboidratos na dieta.

Primeiramente, quem é Robert Lustig? O Dr. Lustig é um endocrinologista pediátrico, professor da prestigiada Universidade da Califórnia em San Francisco (UCSF), especializado no tratamento da obesidade infantil. Lustig ficou muito conhecido por seu vídeo de 90 minutos, que se tornou viral no Youtube: "Sugar: The Bitter Truth" (A amarga verdade sobre o açúcar):



Trata-se de uma densa palestra, recheada de bioquímica (e me desculpem, com 90 minutos de duração, eu não tenho como legendá-la). Como diabos tornou-se TÃO popular (o vídeo já foi assistido mais de 3 milhões de vezes no momento em que escrevo esta postagem)? Lustig é simplesmente um comunicador brilhante. E parece ser isto que faltava ao mundo low carb: um médico, professor de uma universidade americana de grande prestígio, autor de vários estudos publicados em revista médicas de prestígio, CARISMÁTICO, e que defendesse a ideia de os carboidratos e a insulina são a questão fundamental do binômio saúde-dieta.

No início de 2012, eu já havia mencionado o Dr. Lustig, em função de seu excelente artigo na revista Nature, no qual ele afirma que o açúcar é uma toxina que deveria ser regulada da mesma forma que o álcool e o tabaco. Pois bem, desde então o prestígio e o impacto do Dr. Lustig junto à mídia norte-americana só faz crescer.

Este prestígio atingiu o ápice com a publicação deste novo livro. O Dr. Lustig está em todo o lugar (no mundo de língua inglesa): sites, telejornais, programas de entrevista.

Quem assistiu o vídeo do youtube sabe que o Dr. Lustig é um grande fã do falecido Dr. Yudkin, o grande fisiologista e pesquisador britânico que desde os anos 1950 já afirmava aquilo que defendo neste blog: que são os carboidratos, e não a gordura, os reais culpados pela decadência da saúde ocidental. Já fiz uma postagem sobre ele no ano passado.

Para entender os argumentos de Lustig, é necessário entender o que é o açúcar.

O termo açúcar é um pouco confuso, pois misturam-se na cabeça das pessoas seu significado científico e seu uso na linguagem diária.

Existem, na dieta humana, basicamente 3 açúcares simples, compostos por uma única molécula: glicose, frutose e galactose.

E existem 3 dissacarídeos - uma combinação de duas das moléculas acima: sacarose (glicose + frutose), lactose (glicose + galactose) e maltose (glicose + glicose). O que dá o gosto doce ao açúcar é a frutose (por isso o lactose não deixa o leite doce, nem a maltose deixa a cerveja doce).



No uso comum do termo, "açúcar" refere-se à SACAROSE. O açúcar de mesa, a "coisa branca" extraída da cana de açúcar, é a sacarose, que é 50% glicose, e 50% frutose.


Lustig explica que a frutose, na natureza, está presente sempre em pequenas quantidades, e sempre associado a fibras na frutas. Para Lustig, a frutose é uma toxina, muito parecida com o álcool (e que é metabolizada pelo fígado de forma similar). Assim como no caso do álcool, pequenas quantidades de frutose não são ruins. Mas grandes quantidades, como as que consumimos no mundo moderno, levam ao acúmulo de gordura no fígado (esteatose), resistência à insulina, síndrome metabólica, etc.

No livro Fat Chance, Robert Lustig não defende exatamente uma abordagem Low Carb - para o Dr. Lustig, o problema não é a glicose (presente no amido, por exemplo), mas sim a frutose, ou seja, o açúcar. Neste sentido, não concordo completamente com o Dr. Lustig, mas tais divergências são apenas detalhes.

Ele afirma, por exemplo (e nisso ele tem toda a razão), que o que há de comum a todas as dietas que funcionam (Atkins - low carb, Zone, Ornish - low fat) é que todas restringem o açúcar e os alimentos altamente processados.

Lustig deixa ainda bem claro que as gorduras não são o problema, que a gordura saturada é neutra, que a gordura monoinsaturada é saudável, que ômega-6 em excesso é ruim e que o problema são as gorduras artificiais (óleos processados extraídos de sementes e gorduras trans).

Você, que acompanha este blog, será testemunha: em breve, nossas principais revistas de circulação nacional estarão publicando sobre este assunto com destaque - quando sair na Veja, lembre-se: você soube primeiro, com exclusividade, aqui!

No que diz respeito a este assunto (low carb), não sou exatamente um otimista - quem me conhece sabe que costumo afirmar que a mudança de paradigma (a exoneração da gordura e o reconhecimento do papel dos carboidratos nas doenças ocidentais) levará décadas, e que duas gerações precisam se aposentar e morrer antes que isso aconteça. Mas estou começando a achar que os anos de 2012-2013 serão um ponto de inflexão. No futuro, daqui a 30 anos, poderemos dizer: "no início dos anos 2010" a maré começou a mudar.

Não por acaso, a prestigiada revista médica britânica BMJ (British Medical Journal) desta semana traz um editorial denominado "Science Souring on Sugar" (A ciência sobre o açúcar está-se azendando), indiciando o açúcar (e não as gorduras); na mesma edição, há uma fantástica reportagem comemorado os 40 anos da publicação de qual livro? Pure, white and deadly (Puro, branco e mortal), o grande livro do falecido John Yudkin. O livro está sendo reeditado depois de 40 anos (ano passado tive grande dificuldade de conseguir uma cópia usada), um claro indício de que a maré está mudando. O texto inclusive admite que a ênfase nas gorduras e o "esquecimento" dos carboidratos nos últimos 40 anos tem a ver mais com pressões econômicas do que com ciência.

Há 2 anos só se ouvia falar sobre colesterol e gordura saturada. Uma revolução está em andamento. Vai levar anos, mas é simplesmente impossível abafar os fatos científicos para sempre.

**** ATUALIZAÇÃO ****
Segue abaixo uma reportagem sobre o Dr. Lustig, gentilmente legendada pela Bruna e pelo Caio do PRIMAL BRASIL, um blog que vocês devem SEMPRE conferir!!

49 comentários:

  1. Puro, branco e mortal: assim eh o veneno nosso de cada dia.

    Os pos brancos que viciam - acucar, farinha, sal - tambem sao temas frequentes em minhas leituras e postagens.

    Espero logo poder ler FAT CHANCE.

    Otima analise, Doutor!

    ResponderExcluir
  2. Doutor, tomei a liberdade de relacionar o seu artigo a uma postagem do meu blog: "Açúcar, o veneno nosso de cada dia" - http://claudiafitblog.blogspot.com.br/2012/12/acucar-o-veneno-nosso-de-cada-dia.html

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde Dr Jose,
    Estou fascinada com o assunto e ja comecei ontem a minha dieta e que vai ser defenitiva...gostaria de saber se pode usar adoçante? E atum em lata?

    Parabéns e que Deus te abençoe

    ResponderExcluir
  4. Caro Dr. José,

    Tomei a liberdade de criar uma página no Facebook que apenas avisa quando sai um post novo aqui: https://www.facebook.com/pages/Dieta-Low-Carb-e-Paleol%C3%ADtica/139327229556443

    Tudo bem para você?

    Notei que seu link é para o livro na Amazon.com.
    Eu agora estou usando a Amazon.com.br, pois assim pago em reais e sem impostos.

    Os links na Amazon.com.br são:
    Fat Chance
    http://www.amazon.com.br/Fat-Chance-Beating-Processed-ebook/dp/B0095ZMPTU/ref=sr_1_1?s=digital-text&ie=UTF8&qid=1358628660&sr=1-1

    Pure, White And Deadly
    http://www.amazon.com.br/Pure-White-And-Deadly-ebook/dp/B009CTYTCA/ref=sr_1_1?s=digital-text&ie=UTF8&qid=1358628644&sr=1-1

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal, nem sabia que dava para fazer isso :-)

      Adolfo, boto o Link da Amazon americana pois, se a pessoa entrar por ali, mesmo que depois vá para a Amazon.com.br, eu ganho uns centavos a cada compra :-)

      Excluir
  5. Dr. José e Rose, eu evito comprar atum "em óleo comestível", pois acredito com quase toda certeza que seja óleo de soja.
    Assim, eu prefiro comprar atum em lada daqueles conservados em água e sal, e colocar eu mesmo o azeite de oliva. A sardinha (muito saudável), também adoto a mesma precaução (já tem uma ou duas marcas de sardinha que oferecem as mesmas em água e sal, ou com ervas, mas sem azeite).
    Fica a dica... Junior-cwb.

    ResponderExcluir
  6. Não vou ler agora mas não me contive, comprei =P

    ResponderExcluir
  7. Boto muita fé no Lustig, como bem disse o Dr. o cara é um show man e tem credenciais impecáveis. Cortando o açucar, o gluten e os óleos vegetais de plástico é muito provável que a saúde das pessoas já dê um salto. E esta observação empírica da melhora pode abrir caminho para a abordagem low-carb e paleo.

    O que mais me incomoda é não conseguir convencer a minha familia a mudar a forma de comer, e a saúde deles se deteriora a olhos vistos, pelos mesmos motivos que a minha saúde ia de mal a pior. Afinal temos os mesmos genes! Não moro com a minha filha e acho uma perda de oportunidade tremenda a menina ficar sujeita a altos e baixos constantes de glicose. Ela come doce, refrigerante, pães e massas em excesso porque todo mundo na casa da mãe dela consome essas coisas, e na minha casa também. Exatamente como eu e a minha irmã ela fica com o estômago repleto e tem refluxo, percebo pelo hálito dela! Quando ela está comigo ela se delicia com ovos, carne e frutas que eu sirvo. Mas infelizmente não mando na casa da mãe dela, e pra todos os efeitos sou um maluco fazendo dieta de maluco. Minha decepção com isso não tem tamanho.

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Leandro N., vá fazendo a cabeça de sua filha, e principalmente dê o exemplo! Contra fatos, não há argumentos... Jr-cwb.

      Excluir
  8. Olá,
    gostaria de parabenizar a criação deste blog, pois tem bastante material para ler e aprender. Os textos estão bem escritos, e com boa referencia a outros autores.

    ResponderExcluir
  9. Tomara mesmo q a revolução chegue logo!
    Dr., experimentei comprar creme de leite fresco, bater até virar chantilly e depois misturei com whey, mais umas gotinhas de baunilha pq baunilha nunca é demais... :-)
    Q coisa gostosa! Com isso e chocolate 70% sem açúcar dá pra controlar facilmente a "fome" por doces!

    ResponderExcluir
  10. Dr, tenho uma duvida: estou fazendo dieta atkins e eh incrivel como fico energica e com boa qualidade de sono, no entanto fico na duvida quanto a nao poder comer queijos brancos como coalho ,ricota ou polenguinhi light. Por quê? Atrapalha mesmo a dieta? Pois AMO queijo ricota . Ele e o polenguinho sao
    Praticos para lanchar no trabalho.
    Se eu comer esse queijo branco corta a cetose? Gostaria q vc me explcasse! Lembrando q ambos
    Possuem 0 carbo na embalagem.
    Outra coisa, se nao pode acucar, quer dizer q nao se pode shoyu ou molho inglês?? Fica dificil comer sashimi sem shoyu rsrs
    E comecei a dieta terca. No carnaval vou sair um pouco beber champagne e acredito q comer alguma batata frita e pao ja q vou ficar numa casa de praia c mta gente . Isso vai me fazer engordar em 4 dias? Recuperar td?? E depois o metabolismo fica mais lento e acumula rapido ou consegue voltar logo a cetose e ser eficiente na queima assim q eu retomar a dieta? Pois uma amiga fez e disse q perdeu uns.3 ld em
    Dois dias de dieta nas 48h primeiras . E depois q parou a dieta e reiniciou ela nessas nova 48h so perdu 200g.
    Obg aba

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Quanto mais curado (envelhecido, amarelo) o queijo, menos lactose. Por lei, qualquer coisa abaixo de 0,5 pode ser colocada no rótulo como sendo zero. Acontece que um produto pode ter 0,49 gramas de carbs em uma PORÇÃO de 20g. No rótulo vai aparecer ZERO. Mas se vc comer 200 gramas, que são 10x mais do que 20, estará comendo 10x 0,49 0 4,9 gramas de carbs. Assim, fique atenta ao tamanho das porções na tabela nutricional (que é a forma de o fabricante dissimular coisas). Claro que 5 gramas não vai liquidar a sua dieta - mas são 5 gramas que precisamos ter consciência que estão lá, no somatório geral.

      Quanto ao resto de suas dúvidas, leia estas duas postagens:
      http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/12/comi-carboidratos-foi-tudo-por-agua.html
      http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/11/expectativas-versus-realidade.html

      Excluir
  11. Dr., o Polenghi normal (sem ser o light), está liberado? Jr-cwb.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um bom lanchinho, portátil. Prefiro queijo de verdade, mas tenho que admitir que algo embalado individualmente e que não precisa de refrigerado quebra o galho numa emergência.

      Excluir
    2. OK - e pensar que antes eu pegava o insosso light... rs...

      Excluir
  12. Dr, estou em cetose com 20g de carbo por dia, mas bateu uma vontade de um doce na tpm. 1/3 de chocolate amargo (45% ! Nao gostei do choco de 70%) tem 14g de carbo. Posso comer essa quantidade sem interferir na cetose e fazendo
    Parte dos 20g?? E se eu passar 6 dias comendo 20g de carbs e um dia 120g de carbo, isso vira uma ciclica, mas pra quem nao malha esse 1 dia de luxo serve? Ja q nao malho e nao sera utilizado como glicogenio ele vai acabar sendo estocado em forma se gordura? ah ! E se eu fizer 6 dias de 20g carbo e um dia de 120g mas mantendo a caloria diaria de 1000 calorias evita engordar? Ou nao
    Importa a caloria nessa quebra de um dia?? Valeeeu mestre!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1) Vc pode, sim, testar 1 dia de carbs liberados em ver o que acontece
      2) 45% não é amargo, é a prova de q vc ainda está meio viciado em açúcar. Eu sei, pois eu era assim também. hoje como 70% como se fosse um doce (e bebo café sem adoçante), mas isso leva meses.
      3) com certeza seria melhor depletar o glicogênio malhando antes ou depois dos carbs
      4) No dia em que vc fizer 120g de carbs, não precisa fazer restrição calórica.
      5) Faça o teste, se não der certo, largue de comer açúcar!

      Excluir
  13. Dr. José Carlos, moro no interior de São Paulo (Presidente Venceslau) e gostaria que o senhor me indicasse na cidade de São Paulo um especialista na área (nutricionista, endocrinologista) com orientação paleo/low carb (com o mesmo pensamento do dr. Robert Lustig) que atenda CRIANÇAS (infantil/pediátrico).

    Estou realmente disposta a fazer orientação com um profissional, mesmo que isso me faça viajar 600km, pelo bem do meu filho.

    Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.
      Mariana Muniz
      R Pará, 50 cj 92, Higienopolis
      Tel: 3255-9096

      Não sei se atende crianças, mas pergunte a ela

      Excluir
  14. Dr. José,

    parabéns pelo post! Há tempos sou fã do Dr. Lustig, mas esse livro promete gerar ainda mais impacto do que documentário sobre o açúcar! Afinal, mesmo a mídia convencional "sabe" que o açúcar faz mal!
    Também acredito que vários anos ainda vão se passar até que a gordura seja absolvida da culpa pela obesidade, mas sinto que nós fazemos um trabalho de formiguinha, tentando abrir a mente de uma pessoa por vez para uma alimentação saudável sem lights e diets e com comida de verdade!!

    Abraços!

    Bruna

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruna, eu posso até não concordar com 100% do que ele escreve (a defesa dos grãos integrais, por exemplo), mas é um aliado de peso, alguém de quem a mídia gosta, enfim, está no nosso campo! Nosso trabalho formiguinha um dia ainda mudará o mundo. Abraço para vocês!

      Excluir
    2. Ah, sem dúvida os grãos integrais são um grande ponto de divergência, mas de fato a mensagem geral que ele passa é muito favorável.
      A quem interessar, lengendamos um vídeo dele no blog: http://primalbrasil.com.br/acucar-o-vilao-da-obesidade/

      Abraços!!

      Excluir
  15. Desabafo:

    Não há nada melhor do que vc testar em vc mesmo as orientações deste site e constatar a veracidade delas. Eu iniciei o low carb e em duas semanas havia perdido peso naturalmente, e com o passar dos dias não senti nenhuma vontade de comer carboidratos, mesmo aqueles que eu não abria mão (pão e chocolate).

    O chocolate ainda é uma tentação do qual ainda não me libertei completamente, mas ao assistir esse vídeo e ler este e outros artigos sobre o quanto é prejudicial à minha saúde o "danado" do açúcar, venho me afastando do chocolate. No final de semana passado comi uma tablete de 170g de chocolate ao leite, confesso que o sabor delicioso dele não mais está me deixando satisfeita, pois eu lembro de todo o processo químico que acontecerá dentro de mim depois dessa ingestão (alto índice glicêmico = pico de insulina = estocagem de gordura nas células = doenças futuras) soma-se ainda uma insatisfação total por adquirir um quilo a mais depois disso. Colocando a perder a minha dieta low carb que estava indo tão bem...

    Bem, nada do que uma experiência frustada como esse fim de semana, regado a chocolate, para me conscientizar do dano que eu mesma posso causar a minha saúde. E como disse o Dr. Souto - em outro artigo - "Ninguém te obriga a comer nada". Acho que a partir daqui é uma questão de estar sempre consciente do eu devo comer de forma responsável e não simplesmente pelo desejo do meu paladar.

    ResponderExcluir
  16. Muito bom! Quanto ao chocolate, depois que suas papilas gustativas se desacostumarem ao açúcar, há o chocolate com 85% de cacau, que pode ser consumido até mesmo diariamente, e é MUITO bom (para o paladar e para a saúde).

    Sent from Galaxy S3
    Em 20/03/2013 08:27, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  17. Alessandra, eu tbm peco pelo doce! além do chocolate a 85%, o cacau a 100% é delicioso! Misturo com nata e um pouco de sucralose e satisfaz muito! É uma forma de se acostumar com o cacau e não com o açucar do chocolate.

    ResponderExcluir
  18. Quer uma receita melhor ainda? Cacau em pó, manteiga derretida, sucralose, coco ralado

    ResponderExcluir
  19. Huumm, deve ser bom! Vou tentar fazer! :)
    Esse sucralose é um adoçante artificial é? nunca usei...


    Dr., o senhor conhece o Agave? é um adoçante natural orgânico, eu tenho utilizado ele em substituição do açúcar. Eu li que numa escala de 0-100, em termos de nível de índice glicêmico, ele equivale a 20.


    Será que fica bom se eu trocar o sucralose pelo agave?


    Obrigada pela receita! (se tiver as medidas...eu agradeço) ;)

    ResponderExcluir
  20. E é tão difícil de encontrar chocolate com alto teor de cacau né?! Eu às vezes como um que tem 55%, mas confesso que o meu paladar ainda não aprova o sabor dele, rsrsrs. Mas a minha mãe conseguiu acostumar com a chocolate amargo, eu também vou conseguir... Valeu! :)

    ResponderExcluir
  21. Olá Alessandra.

    Cuidado com esses produtos "naturais". Maconha tbm é natural! hehehe, brincadeiras a parte, Agave tem alto teor de frutose.

    ResponderExcluir
  22. Sobre sucralose e outros adoçantes, leia aqui: http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/02/adocantes-e-rotulos.html

    NÃO, NÃO USE AGAVE. É natural, mas veneno de cobra também é. O índice glicêmico é baixo porque é 90% frutose. A frutose não eleva a glicemia, mas é MUITO pior do que a glicose. É metabolizada apenas no fígado, transformada em gordura, é responsável por esteatose, ácido úrico elevado, síndrome metabólica. A frutose é a parte realmente tóxica da sacarose - deve ser consumida em pequenas doses, como ocorre naturalmente nas frutas. Entre agave e açúcar de cana, MIL vezes açúcar de cana, ao menos é apenas 50% frutose. O único adoçante não calórico natural que é a estévia.


    Em 22 de março de 2013 08:04, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  23. O que é difícil é achar por preço baixo. Normalmente se encontra da marca Suíça Lindt (70, 85 e 90% cacau), por 15 reais a barra de 100g.
    É caro, mas as pessoas gastam bem mais do que isso em cerveja todos os dias. 55% cacau é leite açucarado misturado com cacau. É amargo apenas para quem ainda está viciado em açúcar. O paladar muda, e vc aprenderá a apreciar um café sem adoçante e um chocolate 85%, mas leva TEMPO. 55% não te ajuda, é uma ilusão, é comer um monte de açúcar achando que é melhor porque a embalagem tem uma cor mais escura e está escrito amargo. No primeiro mundo, amargo é 70% pra cima. Mas lá, um Lindt custa US$ 1,50 a barra.
    Pagar caro também é uma forma de comer pouco - pense nisso.


    2013/3/22 Disqus

    ResponderExcluir
  24. Dr. Souto me corrija, mas em barra tem o 70% da Nestlê (barra de 1k). Tem açúcar. E em 25g tem 9,4g de carbs.
    Já o Lindt a 85% Tbm tem açúcar e em 40g tem 15g de carbs. Talvez o Nestlê seja uma opção mais barata pois custa entre 28 e 33, 00 o quilo.

    ResponderExcluir
  25. Interessante, Patrícia, é uma boa opção! Na verdade, o 70% tem mais açúcar adicionado, e o 85% tem menos açúcar adicionado. Há os carboidratos do próprio cacau - o que faria com que mesmo um hipotético chocolate 100% cacau e com zero de açúcar adicionado tivesse carbs. Mas é muito melhor os carboidratos naturais do próprio cacau do que açúcar adicionado (pra começar, menos frutose, e absorção mais lenta). No experimento de cetose nutricional do Jimmy Moore (procurem no google), o consumo de chocolate 85% diariamente não o impediu de ficar em cetose. EU SEI que não há necessidade de ficar em cetose, mas cito o fato apenas para salientar que um chocolate realmente amargo pode ser consumido em quantidades mais generosas, e diariamente, sem comprometer os benefícios de uma dieta low carb, além de fornecer outros benefícios à saúde proporcionadas pelo cacau. 55% não é, na minha opinião, uma opção aceitável neste contexto.


    Em 22 de março de 2013 09:54, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  26. :O Nossa! eu não sabia! Bom, vou ler o artigo e ver qual a melhor escolha. Na verdade eu só queria um adoçante que fosse saudável pro cafezinho que gosto de tomar todas as manhãs...No geral não costumo utilizar o açúcar ou adoçante pra mais nada. Quando tomo leite, é sem açúcar, suco de fruta tomo muito raramente e sempre sem açúcar.

    ResponderExcluir
  27. Puxa, o agave parecia ser uma escolha tão boa... :/ Bom de qualquer forma ele muito caro mesmo, rsrsrsrs, vou ver qual a melhor escolha. A propósito, o que vc usa?

    ResponderExcluir
  28. Vou procurar esse chocolate.
    Eu sei que o sabor não é bom, mas se faze bem a saúde...
    Realmente eu preciso desacostumar do chocolate ao leite, pois eu ainda sinto uma vontade quase irresistível de comê-lo.

    ResponderExcluir
  29. Ixi, isso vai demorar a sair em revistas populares. Recentemente a Veja publicou uma matéria mostrando que alongamento estático não serve para nada, nem antes nem após um treinamento, aliás, mostrou que antes pode deixar o sistema músculo-tendão mais elástico e dificultar a transmissão de força, expondo as articulações a lesões. Isso deu o que falar. Ocorre que tem um texto no GEASE que usou exatamente a pesquisa que usaram há mais de 10 anos! Professores de educação física, médicos, revistas de saúde e nutricionistas ainda creem em aeróbios para emagrecer, coisa que estudos perfeitamente controlados e construídos provam que não há 40-50 anos... Então isso irá demorar. O maravilhoso da internet é que as pessoas não dependem mais apenas de jornais, TV e revistas para se informar. Se meus alunos estiverem lendo o blog com atenção como recomendei, certamente estarão repassando para seus amigos, e depois o amigo do amigo e a coisa vai se agigantar primeiro na internet, eu acho! hehe

    ResponderExcluir
  30. Estou entrando no 1º mês da dieta e já adorando o chocolate 85% cacau, hoje tomei numa boa café sem adoçante e achei muito bom, sem aquele gosto amargo. Sinto muito falta é do pão, mas nada compulsivo. A hora que vejo, principalmente um pãozinho francês fresquinho, dá muita vontade, mas estou seguindo firme. A minha sorte é que eu amo queijo e é onde procuro socorro, junto com um cafézinho preto.

    ResponderExcluir
  31. Oi Felipe.
    Não entendi a questão do alongamento estático. Já li alguns estudos que mostram exatamente isso que você falou: que alongamentos estáticos pré-treino reduzem a força num treino com pesos, tanto em indivíduos experientes quanto inexperientes. Isso tá certo?

    Mas falar que não serve pra nada, é um exagero gigante.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  32. Olá, Thiago. Talvez eu tenha copiado as palavras da revista. Vc está correto. Na minha prática, aplico alongamento estático em pessoas cujo encurtamento atrapalha a correta execução dos exercícios de musculação. Tb realizo em mim ao menos uma vez por semana. Vou te relatar um caso. Entre os meus alunos, há um ex-jogador de futebol profissional. Extremamente encurtado e duro. Porém muito forte na musculação e com um chute fortíssimo. Por outro lado, tenho uma aluna na casa dos 35 anos, flexível como uma artista de circo e fraca como uma mulher de 50-60 anos. Então, estou começando a relacionar uma menor flexibilidade com maior força. Tenho me questionado se o alongamento (depois da sessão ou no dia seguinte) é realmente bom para qualquer modalidade esportiva. O que vc acha? abraços

    ResponderExcluir
  33. Dr. Souto, qual a quantidade diária considerada saudável para uma dieta low carb, podemos consumir de chocolate 85% cacau???

    ResponderExcluir
  34. Se for o Lindt, até umas 50g (dá apenas 10g de carbs)
    O da CacauShow - metade disso


    Em 24 de julho de 2014 17:16, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  35. Sensacional! parabéns Dr. Souto!

    ResponderExcluir
  36. Uso sucralose. http://lowcarb-paleo.blogspot.com/2013/02/adocantes-e-rotulos.html

    ResponderExcluir
  37. É isso. Eu diria que é especialmente ruim se alongar antes (detalhadamente) antes de praticar esportes, de uma maneira geral. Músculos-tendões mais "frouxos" podem expor a luxações e rompimentos de ligamentos e cartilagens.

    ResponderExcluir