terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Evolução, água do mar, atmosferas e dieta

Se você ainda não leu o artigo que traduzi em Colesterol V, leia.

Eu vou citar minhas partes favoritas, antes de construir uma argumentação sobre elas.

  • Devido ao fato de que os cientistas compreendiam os passos individuais do metabolismo do colesterol com tal nível de precisão, eles presumiram que também compreendiam o todo.
  • ..."Reducionismo". Ao desmontar um processo, nós podemos ver como tudo se encaixa; o mistério complexo é destilado em uma lista de ingredientes. 
  • explicações causais são uma super-simplificação.
  • Há um descompasso fundamental entre a forma com que o mundo funciona e a forma que pensamos que ele funciona.
  • Enquanto as correlações nos ajudam a traçar as relações entre medições independentes, como a ligação entre fumo e câncer, elas são muito menos eficientes em dar sentido à sistemas nos quais as variáveis não podem ser isoladas.
  • Embora nós tenhamos mapeado todas as partes conhecidas das rotas bioquímicas, as causas que realmente importam simplesmente permanecem desconhecidas. Se isto é progresso, é um tipo muito peculiar.
  • A única solução para esta falha em nosso funcionamento mental é ignorar deliberadamente o excesso de fatos, mesmo que os fatos pareçam relevantes.
  • Os detalhes sempre mudam, mas a história permanece a mesma: nós achamos que entendemos como algo funciona, como todos aqueles fragmentos de fatos se encaixam. Mas não entendemos. 
  • Não importa com quanta precisão conhecêssemos um dado sistema, Hume deu-se conta, suas causas subjacentes permaneceriam sempre misteriosas, obscurecidas por margens de erro e incerteza.
  • Ao contrário, vivemos em um mundo no qual tudo está amarrado, um emaranhado impenetrável de causas e efeitos. Mesmo que um sistema seja finalmente dissecado em seus componentes mais básicos, estas partes sofrem ainda a influência de um turbilhão de forças que, ou não conseguimos entender, ou esquecemos de considerar, ou achamos que não tinham importância. 
  • Por muito tempo, fingimos que o velho problema da causa e efeito pudesse ser curado por nosso mais novo pedaço de conhecimento. Se apenas devotássemos mais recursos para pesquisas, ou dissecássemos o sistema em um nível ainda mais fundamental, ou procurássemos por correlações cada vez mais sutis, poderíamos descobrir como tudo funciona. Mas uma causa não é um fato, e nunca será; as coisas que nós vemos serão sempre limitadas pelas que não podemos ver.
A pergunta é: se não podemos nunca estabelecer com certeza as relações de causa e efeito, como podemos lidar com a complexidade? Como vamos navegar por situações TÃO complexas como, por exemplo, dieta e estilo de vida?

Neste blog, eu cito inúmeros estudos que sugerem que uma dieta com menos carboidratos refinados seja mais saudável, mas tratam-se de associações estatísticas, todas sujeitas a erro. Afinal, qual o caminho a seguir? Temos como saber? 

Sim.

Vou usar algumas metáforas que, espero, esclareçam que, ao menos em biologia, há uma forma segura de navegar pela incerteza de tais sistemas complexos.

1) A água do mar.
Responda rápido: se você fosse um peixe marinho e tivesse de ser colocado em um aquário gigante, destes com milhares de litros de água, qual das opções abaixo seria a melhor para garantir sua sobrevivência:

a) pegar água doce e acrescentar sal;
b) pedir a um químico para que prepare uma solução de água e sais minerais com a mesma composição da água do mar;
c) Usar a água do próprio mar


Se VOCÊ fosse o peixe, e sua vida dependesse disso, em que água você se jogaria? Na água doce com sal? Na preparada pelo químico? Ou no oceano?? Por mais que os cientistas estudem a água do mar, o número de variáveis é por demais grande para que possam ser todas conhecidas manipuladas. E isto é DESNECESSÁRIO, pois já sabemos, por definição, que a melhor água para a saúde de um peixe é aquela na qual a sua espécie evoluiu. É importante para a ciência conhecer a composição química da água do mar. É importante para a ciência conhecer detalhadamente a flora e fauna que habitam a água do mar. Mas é desnecessário dominar estes conhecimentos a fim de saber qual a água mais saudável para um peixe marinho. Pior ainda: o conhecimento parcial (e TODO o conhecimento é parcial) destes assuntos pode fazer com que tentemos "melhorar" a saúde do peixe "melhorando" a água do mar. Por exemplo: cientistas podem concluir que o peixe precisa de menos sal, mais iodo, etc... Na pior das hipóteses, podem fazer uma pirâmide para descrever como deveria ser a água ideal.

2) A atmosfera.
Responda rápido, se você fosse colocado em uma nave espacial e levado para uma base lunar, que atmosfera você gostaria de levar junto? Vou lhe dar 3 alternativas:

a) Levar apenas oxigênio puro, afinal você aprendeu no colégio que este é o gás mais importante que respiramos - e ele é puro!
b) Levar ar comprimido da cidade de São Paulo (com todos os gases, inclusive a poluição), pois, afinal, você não faz ideia de quais gases existem na atmosfera, então é melhor levar todos.
c) Levar a atmosfera de algum outro planeta do sistema solar.

E aí, qual opção é melhor para sua saúde? Oxigênio puro, o ar da Avenida Paulista ou a atmosfera de Júpiter?

Obviamente você não vai escolher a atmosfera de outro planeta, pois ela só faria bem para seres que evoluíram lá.
E entre oxigênio puro e ar poluído? Ambos tem seus problemas, mas o oxigênio puro vai lhe matar MUITO antes. Dependendo da pressão atmosférica presente na base lunar, o oxigênio puro pode lhe dar convulsões em questão de minutos (pressões maiores, como as usadas por mergulhadores) ou problemas neurológicos, pulmonares e outros em cerca de 24 horas (pressões de 1 ATM).

Então, você preferiria que a composição de sua atmosfera artificial fosse definida por um químico, um médico, ou...? Pela natureza?
Pela natureza, é claro!! Você deveria levar o ar da terra consigo!

Qual é a melhor atmosfera para humanos respirarem? Aquela com a qual nós evoluímos. 78% é nitrogênio, que é um gás inerte? Azar, quero meus 78%. 20,9% são oxigênio; não quer mais um pouquinho? Quem sabe 30%? E se os cientistas disserem que 30% vai melhorar seu desempenho, fará bem para o cérebro... Não, obrigado! Quero 20,9%. Por quê? Porque nossos corpos evoluíram com 20,9%, e estão equipados para isso.

3) A dieta
Responda rápido, se você fosse colocado em uma nave espacial e levado para passar os próximos 2 anos em marte, quem você gostaria que desenhasse a sua dieta ideal:

a) um químico?
b) um biólogo?
c) um médico?
d) um nutricionista?
e) o governo dos Estados Unidos?
e) a natureza?

Quando você estiver tentado a acreditar numa alegação sobre dieta contida em alguma diretriz, SEMPRE pense que estão falando sobre a composição do ar que você respira.

Um exemplo: o governo diz que você não deve consumir gordura saturada. A espécie sempre consumiu, durante toda a evolução. Então, imagine que estão falando sobre ar, e não comida:

"O governo diz que devemos respirar 10% de oxigênio. Mas durante toda a evolução respiramos 20%. Mas o governo tem cientistas que estudaram isso a fundo, e você não é cientista. O que você deve fazer?" OBVIAMENTE a resposta é mandar que eles respirem os 10%, pois você não precisa ter estudado o assunto, basta você respirar o ar com o qual a espécie evoluiu. SIMPLES assim.

23 comentários:

  1. Muito interessante essa comparação, Dr. Souto!

    Na verdade, esses "ajustes" são infinitamente mais complexos do que aparentam. À propósito desse assunto, recomendo esse vídeo, tem ~80 minutos, mas vale cada segundo, vale a reflexão (não se intimide com os primeiros 10 minutos, pois apesar do enfoque dado, a questão é científica, e tem tudo a ver com esse tópico que o Dr. postou):
    http://vimeo.com/11692920

    ResponderExcluir
  2. Precisando de uma ajuda para entender melhor o funcionamento do organismo diante desta dieta.
    Há uns anos atras segui a dieta do Dr Atkins.
    Segui mesmo... levei a sério.
    Comprei seus livros e li, media a cetose, fiz todos os exames de sangue antes de começar e depois de 3 meses.
    Só depois dos 3 meses e com o resultado dos exames, é que contei para a endocrinologista na época, qual dieta estava seguindo - a grande maioria não aprova este tipo de dieta... você bem sabe.
    O resultado dos exames?
    O melhor possível!
    Os tenho até hoje para comprovar.
    Meu colesterol ficou perfeito
    A endocrinologista, chefe do departamento de diabetes de um conhecido hospital público aqui no Rio, fico bastante surpresa com os níveis apresentados.
    Porém... não emagreci.
    Não engirdei, mas também não emagreci.
    Daí... desisti... desanimei no quarto mês.

    Minha prolactina é alterada... variando na casa dos 100 até 200.
    Nenhum tumor, nenhuma sela turca... vazia ou lá o que possa ser.
    Todos os exames feitos e foi constatado que ela atua junto com o emocional.
    (Devidamente tratada por uma neuroendocrinologista... antes disto cheguei a tomar dostinex erradamente... que nem ele baixou minha prolactina).
    Bem... a questão é:
    A culpa foi da prolactina alterada?

    Gosto deste estilo de alimentação.
    Gostaria de adotá-lo definitivamente... mas também sem ilusões.
    Virar estilo de vida, porém sabendo que a prolactina "poderá" ser sempre o grande entrave para o "emagrecimento".

    ResponderExcluir
  3. Adorei a ideia do jejum.
    A ideia...

    Vamos começar com calma!
    Mas como fica a questão do hálito?!

    ResponderExcluir
  4. Olá Karla.

    Se você esta cetoadaptada, provavelmente não terá problemas com hálito. Mas caso aconteça, como já disse o Doutor "nada que um halls sem açúcar não resolva"

    ResponderExcluir
  5. Mas no caso do jejum de 12 horas ou mais.... haja balinha, né?!

    ResponderExcluir
  6. Dr. olha que interessante e ao mesmo tempo, correlacionando, preocupante: http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/1229832-dieta-rica-em-carboidrato-separou-os-caes-dos-lobos.shtml

    ResponderExcluir
  7. "haja balinha" foi ótimo! Não Karla, como eu disse antes, o corpo se adapta a usar gordura como combustível rapidamente. E nem é assim, viu? muitas pessoas não tem problema nenhum com hálito. E tbm vale o cuidado de associar o mau hálito só com jejum. Boca seca tbm causa mau hálito. O Jejum não é de líquidos. Vc já testou e teve problemas com mau hálito?

    ResponderExcluir
  8. Não sei se a prolactina explica alguma coisa. Mas leia estas postagens:
    http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/11/expectativas-versus-realidade.html
    http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/02/nao-e-tao-simples-o-set-point.html
    http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/02/jejum-intermitente.html

    ResponderExcluir
  9. Legal! O gráfico que mostra a composição da preferência alimentar dos cães é exatamente o que eu indicaria para uma pessoa.

    Quanto mais os cães adotam a dieta humana, mais desenvolvem as doenças humanas, e isso é que é fascinante.

    ResponderExcluir
  10. Não testei com líquidos....
    Vou testar.
    Obrigada pelas explicações e dicas.

    ResponderExcluir
  11. Simplesmente espetacular Dr. Chego até a me divertir com os seus artigos. Gosto da sua forma de falar a verdade "na lata". Parabéns mais uma vez!

    ResponderExcluir
  12. Bravo, Souto! Uma pequena e grande aula de filosofia da ciência bem temperada com o bom e velho ceticismo. Obrigada.

    ResponderExcluir
  13. Obrigado, Katarina :-)

    ResponderExcluir
  14. Genial, magnífico! Que abordagem espetacular! Faltam adjetivos...

    Certamente terás um lugar, ao lado do Carl, na lembrança de muitas pessoas, enquanto elas existirem neste pálido ponto azul!



    Obrigado Dr.!


    ______
    42

    ResponderExcluir
  15. Quando puder, veja essa linda "leitura" de Pálido Ponto Azul, na incomparável voz de Guilherme Briggs: http://www.youtube.com/watch?v=4_tiv9v964k



    ______
    42

    ResponderExcluir
  16. Natalie Semanovschi4 de setembro de 2013 16:37

    Adoro, quendo leio esses textos acido escritos pelo Dr. Souto! hahahahah
    Sem duvida um dos melhores achados esse ano de 2013, foi o seu blog Dr.

    ResponderExcluir
  17. Muito Bom Dr. Sempre vejo os comentários em seu blog de pessoas com um certo receio em mergulhar de cabeça nesta dieta e quebrar os paradigmas. Confesso que eu tb tenho este medo. Mas, lendo seu blog me senti confiante até que me lembrei que ano passado fiz exame e a HOMOCISTEÍNA estava um pouco alta - 15.4. Como não vejo muitos comentários sobre isto, resolvi perguntar ao Sr. Há alguma restrição alimentar para esta dieta, com este nível de homocisteína.? Estou comendo gordura animal a vontade, frituras, etc...Obrigada pela sua atenção!

    ResponderExcluir
  18. Não esqueça dos ovos, ricos em colina, bom para homocisteína.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 26/01/2014 12:45, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  19. Sim estou comendo bastante ovos, carnes, bacon, queijos etc.. Entendi sua resposta: não há restrição! Obrigada!!

    ResponderExcluir
  20. Perfeita argumentação! Vamos sempre com a natureza, e como diria Alain de Botton, com as consolações da filosofia!!!

    ResponderExcluir