sábado, 16 de fevereiro de 2013

Muito Além do Peso - documentário

Muitos de vocês me mandaram links para este documentário, e fico até embaraçado pelo tempo que levei para finalmente assisti-lo. Mas, lá vai:

Muito além do peso é um documentário assustador. Trata da obesidade infantil no Brasil, de uma forma que você nunca viu.
O filme produziu em mim uma mistura de sentimentos, que incluíram tristeza, raiva, incredulidade, surpresa, enfim, tudo o que um bom documentário deve fazer.



O filme está disponível de forma gratuita em vários formatos: youtube (na íntegra), e com diferentes definições para ser baixado e visto na TV (ou mesmo gravado em DVD). Clique aqui para escolher o formato desejado.

Há alguns pontos que a mim, particularmente, chamaram muita atenção:

  • O problema afeta crianças em todo o país, e em todas as classes sociais (já comentei em outra postagem sobre o fato de que a obesidade, paradoxalmente, afeta mais os pobres);
  • As crianças não sabem mais identificar a comida de verdade: confundem pimentão com abacate, cebola com batata, etc. Afinal, só comem coisas que vem dentro de embalagens!
  • Há uma cena impagável, em que uma menina, acho que com 8 anos, é questionada ao ser apresentada a um saco de batatas fritas, "o que é isso?". Resposta: "batatas"; então, lhe entregam uma batata na mão. "O que é isso?", perguntam-lhe. Resposta: "uma cebola"?
  • Pessoas realmente paupérrimas gastando dinheiro todos os dias em refrigerante (que, na minha infância, eram consumidos somente no domingo, mesmo por quem tinha dinheiro);
  • Um supermercado flutuante de produtos Nestlé, vendendo todo o tipo de porcaria para gente pobre no meio da floresta amazônica, num local tão remoto do Pará que só se chega de barco;
  • Metade dos bebês recebem refrigerante na mamadeira
  • Boa parte dos entrevistados acha que açúcar não é um carboidrato.
O filme não parte de um viés low carb ou páleo. E eu penso que isto o torna ainda mais valioso. Por quê? Porque a diretora, simplesmente seguindo as pistas fornecidas pela realidade, chegou, por uma via diferente às mesmas conclusões que o movimento páleo/low carb: o problema reside na comida processada e no açúcar. O filme não menciona nada sobre os efeitos dos carboidratos na insulina, e sobre o efeito da insulina no acúmulo de gordura - mas, e precisa? Assistam o filme e vejam o que as crianças comem - é só açúcar, amidos, farináceos, refrigerante e sucos de fruta (não a fruta; sucos cheios de açúcar).

Enfim, é um filme sensacional, que mostra a nossa realidade (mostra até a rua em que eu moro!!). Estamos acostumados a ver os dados dos EUA, documentários com americanos gordinhos comendo fast food. Está na hora de olhar para o próprio umbigo.

A diretora Estela Renner fez um trabalho de qualidade singular e de extrema importância para a saúde de nosso país e nossas crianças. Ajudem a divulgar este filme. Gravem em DVD's e distribuam para os familiares e amigos. Somos pequenos, mas podemos fazer a nossa parte.

62 comentários:

  1. Em geral, é o José que me traz as novidades sobre boa alimentação e saúde. Mas o fantástico documentário de Estela Renner foi uma modesta contribuição minha para o blog. Ontem estava lendo a coluna da Rosely Saião (http://www1.folha.uol.com.br/fsp/equilibrio/92284-licoes-de-alimentacao.shtml) na Folha de São Paulo e ela comentou o documentário. Entrei no site do filme, assisti e, à noite, fizemos uma sessão aqui em casa, da qual participaram os nossos filhos.

    Creio que o que há de mais interessante no filme é mostrar que o problema da má alimentação e obesidade infantil independe de classe social ou raça. Vemos crianças da classe alta de Porto Alegre e Brasília, índios do Amazonas, crianças de aldeias paupérrimas do Piauí e Pará, todas consumindo os mesmos produtos. Outra coisa que me chamou a atenção é a constatação de que nem sempre os pais das crianças obesas são obesos. No documentário aparecem mães esbeltas com crianças gordinhas, o que faz pensar que a propaganda, os hábitos disseminados nas escolas, o ambiente em geral, estão tendo um grande peso no comportamento alimentar das crianças. Aquelas mães ou não consomem os mesmo que os filhos ou consomem em pequena quantidade. Por que, então, oferecem alimentos pobres e em tão grande quantidade para as suas crianças? É um ponto para refletirmos.

    ResponderExcluir
  2. Que desgraça...

    ResponderExcluir
  3. Dr., gostaria que o Sr. Fizesse um post sobre o dia do lixo, ou seja, fazendo suas considerações sobre uma pessoa que segue adequadamente a dieta low carb/ paleo durante 6 dias da semana e separa apenas 1 para degustar uma boa Pizza e/ou uma saborosa torta...o dia do lixo normalmente é algo recomendado pelos nutricionistas numa dieta...no aguardo, abçs

    ResponderExcluir
  4. Guilherme Montenegro16 de fevereiro de 2013 20:44

    Boa tarde, Doutor! Sou adepto a dietas lowcarb, mas tenho dois médicos na família (meu pai e minha mãe, para ser mais exato) que são um pouco céticos quanto a esse tipo de dieta, principalmente devido ao aumento da ingestão proteica que ela acarreta. E essa é minha dúvida: você abordou muito o fato de o aumento da ingestão de gorduras não ser prejudicial ao organismo, mas e quanto às proteínas? Elas poderiam ter algum efeito maléfico aos rins, por exemplo? Também já ouvi dizer que quando há aumento na ingestão de proteínas os níveis de ácido úrico poderiam ser elevados. Gostaria, se possível, que elucidasse tais questões. Sou fã de sua página e admiro muito seu trabalho em prol da dieta paleo. Grato, Guilherme

    ResponderExcluir
  5. Dr.JC, eu estava prestes a enviar o link após assistir o documentário quando vi que vc já tinha postado! Incrível o poder das indústrias alimentícia(?) combinado com o da farmacêutica: vc nasce perfeito , peças originais, é levado a consumir lixo alimentar, engordar e depois toma remédios para os "defeitos" que ficaram...Grande "dobradinha" elas fazem, não? Impressionante!

    ResponderExcluir
  6. A propósito do ácido úrico - seguindo a orientação do Dr. Souto para que nós, leitores, o ajudemos, na medida do possível, a responder as perguntas - relato minha experiência pessoal.

    Em janeiro quase abandonei a dieta nos primeiros dias - ainda a chamava assim, dieta, hoje a vejo como um novo estilo de vida - porque, ao pegar os exames (fiz antes, para poder comparar com depois), os índices do ácido úrico estavam um pouco alto (7,2). Como todos dizem que as carnes, etc, elevam o ácido úrico, pensei: meu Deus, não vou poder seguir com isso, vou ter que abandonar essa dieta.

    Continuei, e um mês depois, COMENDO MUITA CARNE, meu ácido úrico caiu para 6.6.

    Dr. Souto já escreveu a propósito: "Estou convencido que o maior vilão do ácido úrico não são as carnes, frutos do mar e embutidos, e sim a frutose (presente no açúcar). E há pesquisas científicas que embasam isso. Além disso, quando você emagrece e resolve a síndrome metabólica, o ácido úrico tende a cair".

    É isso. Abraços a todos!

    ResponderExcluir
  7. Obrigado Patrícia, realmente havia me esquecido deste post mas, de toda forma, tenho feito isto e testarei se funciona comigo...seria ótimo se funcionasse pois a coisa mais difícil pra mim é largar a tal da pizza definitivamente; rs

    ResponderExcluir
  8. Só a respeito de outro ponto que lembrei agora: já foi dito aqui, por mais de uma vez, que uma dieta low carb não é, necessariamente, uma dieta hiper-proteíca.

    ResponderExcluir
  9. Olá Tiago!

    Isso varia muito! Pra alguns funciona, pra outros não! Só você testando mesmo. Busque por "Lixo" no campo PESQUISAR ESTE BLOG e você encontrará vários comentários.
    O Doutor já comentou sobre isso aqui : "Autores como DiPasquale, Tim Ferriss e John Kiefer sugerem que consumir uma grande quantidade de carboidratos 1 vez por semana produziria um pico de insulina que, por sua vez, aumentaria a leptina, permitindo que a pessoa perdesse mais gordura corporal no resto da semana - low carb no resto da semana, é claro. O conceito é sedutor: comer porcarias uma vez por semana, e emagrecer! Os 3 autores indicam este caminho em conjunto com exercícios de musculação - que já pratico regularmente. Assim, resolvi testar. O resultado? Um ganho de peso de cerca de 1Kg por semana - e foi de gordura, e não de massa muscular. Certamente há pessoas para quem isso funciona (ressetar a leptina com uma dose semanal de carbs), mas eu não sou uma delas." http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/02/jejum-intermitente.html

    ResponderExcluir
  10. Olá Letícia.
    Parabéns pela sua inciativa! Não se preocupe com as pessoas que agem contra a boa informação, o que você está fazendo é coerente com o que você pensa! Mais importante é sua filha ver tudo o que você está fazendo pelo bem dela, seu e pensando no bem dos outros! Você está plantando boas sementes, tenha certeza que colherá bons frutos!

    ResponderExcluir
  11. Daniel Ricci Araújo17 de fevereiro de 2013 17:16

    Dr, será que pode ocorrer um platô na perda de peso por restrição muito rigorosa de carbs (0-10g/dia)?

    ResponderExcluir
  12. Cintia eu contei umas 15 famílias. Dessas 15, duas mães eram magras, uma não era obesa, mas não era magra... O que é até lógico porque os filhos aprendem com exemplo. A sua pergunta é pertinente: "porque oferecem alimentos pobres e em tão grande quantidade para as suas crianças?" Você viu quem manda nas casas? As CRIANÇAS! Como pode uma mãe falar : meu filho de 6 anos quer comer batata e tomar refrigerante, se eu não der ele dica com raiva... aí eu tenho que dar... Os pais não querem ter o trabalho de educar os filhos. Infelizmente.... E para educar os filhos que estão obesos, os pais obesos vão precisar se educar também! Vão precisar se informar, ler, ESCOLHER melhor tudo o que consomem. E quando digo consumir, não me refiro somente ao que comer. Consumimos também o que vemos e ouvimos (na TV, no cinemas, nas revistas, na internet) E deixar os filhos serem "educados" pela TV e pela internet é bem mais fácil né?...

    ResponderExcluir
  13. Muito bom o documentário. Mas os autores, na minha opinião, botaram as gorduras no mesmo balaio dos açúcares e não diferenciaram as boas gorduras das más - e também o fato das gorduras que estão presentes nos salgadinhos são as vegetais (trans). Fora isso, discordo um pouco do que eles falam sobre publicidade para as crianças, mas é só. Todas as escolas deveriam exibir este documentário.

    ResponderExcluir
  14. Faça como eu, como só o recheio da pizza! hehehe!

    ResponderExcluir
  15. Olá Daniel! leia isso aqui: http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/02/nao-e-tao-simples-o-set-point.html

    ResponderExcluir
  16. Tiago e Patrícia, vou passar a "receita" de pizza low-carb que tenho feito, e ao menos prá mim, mata a vontade:

    PIZZA NAPOLITANA LOW-CARB:
    - Corte um ou dois tomates em rodela (lembrando que cada tomate tem uns 2g de carbos);
    - Em uma panela elétrica, ou mesmo numa frigideira, derreta uma colher de sopa de manteiga - fogo médio, mas vá controlando -;
    - Coloque os tomates para grelhar levemente, uns dois minutos cada lado;
    - Coloque uma pitada de sal;
    - Coloque sobre os tomates, fatias de queijo mozzarella;
    - Salpique orégano à gosto por cima;
    - Após o queijo estiver derretido no ponto, com um jeitinho e o auxílio de uma espátula, coloque a "pizza" no prato;
    - Regue com azeite de oliva à gosto.

    BOM APETITE!!!

    ResponderExcluir
  17. Patrícia, certo dia estava ouvindo uma entrevista de uma psicóloga na CBN, que dizia que só deixava o filho ver no máximo uma hora de TV por dia - e não o lixo televisivo das emissoras privadas (literalmente... rsrs...), que disseminam o egoísmo e coisas desse tipo, mas sim, algo como o programa Ra-Tim-Bum da TV Cultura. Amar também é participar... ( http://www.youtube.com/watch?v=sd0RUcoBvdw ).

    ResponderExcluir
  18. Letícia, muito bom saber que vc teve essa iniciativa de espalhar o bem ao próximo, seja indicando esse blog do Dr. Souto, ou indo mais além como vc foi!!!

    ResponderExcluir
  19. Guilherme Montenegro18 de fevereiro de 2013 08:31

    Obrigado pelo esclarecimento, Roberto!

    ResponderExcluir
  20. Guilherme Montenegro18 de fevereiro de 2013 08:32

    Olá Leticia! Obrigado pelo post, ainda não tinha visto essa postagem do Dr. JC. Você saberia me dizer que tipos de exames podem detectar insuficiência renal? Obrigado

    ResponderExcluir
  21. temos ai o infarto como a maior causa de morte no brasil, realmente essas industrias nao vao falir sempre irao vender a comida o remedio e esses metodos ineficientes de emagrecimento justamente para manter ativo esse mercado eterno de consumo e claro com os apoios politicos necessarios. esse pra mim é o principal motivo que me faz acreditar no low-carb e paleo. e isso entrou tanto na cultura mundial que é muito dificil vc tirar da cabeça de uma pessoa que a gordura nao faz mal e sim o glutem e açucar onde que esta presente em tdo produto industrializado.

    ResponderExcluir
  22. pior que a educaçao nutricional está tao corrompido que se esses mal nutricionistas apresentam aquele triangulo ensinando a comer carbs a vontade, ai vai a criança que é inteligente e faz mesmo raciocinio que a menina fez ao ruffles e a batata (se batata faz bem ruffles tb faz E TEM POUCA GORDURA!!!!!)

    ResponderExcluir
  23. Provérbios 22:6 "Ensina a criança o caminho que deve andar e ainda quando for velho, não se desviará dele.” ;)!

    ResponderExcluir
  24. Sem falar na marginalização da gordura saudável (manteiga, óleo de coco, etc) e, ato contínuo, da promoção das gorduras inúteis (óleo de soja, canola, milho...) feita por programas de televisão como o "Bem Estar". Na verdade, o "bem estar" é deles com o $ que a indústria fornece para a Globo e os "médicos" (Alfredo Halpern) que promovem toda essa papagaiada, como por exemplo os remédios para emagrecer - justamente para quem NÂO PRECISA deles. Esqueci de algo?

    ResponderExcluir
  25. Dr Jose, sei que não pode dar uma consulta pelo blog, longe de mim querer isto, porém gostaria muito da sua opinião. No final deste mês completo 6 meses de dieta e dia 02/02 realizei exames de sangue para ver como estão as minhas taxas, estou assustada...gostaria de uma opinião sobre o assunto.

    GLICEMIA DE JEJUM ......................... 91 mg/dL
    TRIGLICERÍDEOS....................: 58 mg/dl
    COLESTEROL TOTAL...................: 304 mg/dl
    HDL - COLESTEROL..................: 62 mg/dl
    LDL - COLESTEROL...................: 231 mg/dl
    VLDL - COLESTEROL..................: 11 mg/dl

    Oq acha?
    Vou ter que abandonar Atkins?
    Onde foi que eu errei???
    Aguardo ansiosa pelo seu comentário.

    Se achar melhor pode me responder por e-mail : michelle.eck@hotmail.com
    Grata pela atenção.
    Michelle

    ResponderExcluir
  26. Creatinina. Deve estar abaixo de 1,3 na maioria dos laboratórios.

    ResponderExcluir
  27. Guilherme, alguém já postou, mas lá vai novamente: http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/05/dieta-e-perigosa-para-os-rins.html

    Nesta postagem está explicado que uma dieta low carb NÃO é uma dieta de alta proteína, e está amplamente explicado com referências bibliográficas que não há risco para os rins.

    Se seus pais são médicos, significa que lêem inglês. Compre na para eles o livro The Smarter Science of Slim (http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/12/livros.html) - ou um dos livros do Taubes.

    ResponderExcluir
  28. Sim, é possível haver platô com zero carbs. Leia as postagens sugeridas pela Patrícia, abaixo.

    ResponderExcluir
  29. Temos muito chão pela frente, não é mesmo Letícia? Mas cabe a nós desbravar o caminho.

    ResponderExcluir
  30. Sim, de fato, mas ainda assim é mais positivo do que negativo. Se formos esperar por um documentário absolutamente low carb / paleo em português, vamos esperar por um looongo tempo...

    ResponderExcluir
  31. Letícia:


    No caso de uma pessoa celíaca, é arriscado recolher o recheio da Pizza.


    Umas poucas gramas de farinha que alguém coma junto com o queijo raspado de uma pizza não vai ter impacto significativo na glicemia e na insulina - ou seja, para quem faz low carb, não faz diferença. Já para um celíaco, um pouco de glúten pode provocar uma reação muito intensa. No caso da menina, é preciso saber se ela tem uma reação intensa com pequenas quantidades ou apenas com quantidades maiores. Mas, de uma forma geral, eu não recomendaria esta abordagem da Pizza para um celíaco.

    ResponderExcluir
  32. Michelle, mas como era ANTES? Talvez vc tenha hipercolesterolemia familiar e, neste caso, não há dieta que resolva. Eu mediria os níveis de Apo-B e Apo-A1 e, se a proporção for alta, consideraria abordar com seu médico o uso de uma estatina.


    Outra abordagem, para os corajosos dispostos a aceitar os riscos inerentes, seria fazer exames para saber se você tem alguma doença cardiovascular: uma angiotomogafia das coronárias com escore de cálcio e um ecodoppler de carótidas. Se estiver tudo normal, poder-se-ia deixar os exames assim, SE se acreditar que o colesterol em si não é problemático, desde que não haja inflamação das artérias.


    Não existem exames de longo prazo para saber se um colesterol de 300 representa risco em quem faz low carb. Sabemos que representa risco em quem come a dieta americana padrão. Eu ACREDITO (crença, fé, não tenho como provar!!) que quem tem triglicerídeos baixos e HDL alto e PCR indetectável pode ter colesterol de 300 sem problemas. MAS não há como saber se isso é verdade até que os estudos sejam feitos.

    No fim, vc terá que decidir: ou toma uma estatina, ou aposta na lógica evolutiva (uma dieta com a qual evoluímos não pode fazer mal) e assume os riscos relacionados a cada abordagem. SIMPLESMENTE não há uma resposta definitiva em 2013.

    ResponderExcluir
  33. Obrigada Dr pela resposta.

    ResponderExcluir
  34. Bom dia Dr, bom dia Pessoal!

    Vejam a noticia do link abaixo...

    Temos que ter esperanças que isso chegue ao Brasil, e rápido!!

    http://f5.folha.uol.com.br/humanos/1232466-medicos-querem-refrigerantes-mais-caros-para-combater-obesidade.shtml

    ResponderExcluir
  35. Já que é difícil educar, é só meche no bolso... essa linguagem todo mundo entende. Mas não sei não... Angelita, vc viu o documentário "Muito Além do Peso"? Tem gente pobre, gastando TODOS OS DIAS com refri e salgadinhos... Será que vai funcionar?

    ResponderExcluir
  36. Olá Patrícia! Vi o documentário sim... essas pessoas tão carentes não imaginam o que estão fazendo para os seus filhos.... não enxergam além dos seus atos.... E as potencias multinacionais sabem pegar 'de jeito' nas feridas atuais da sociedade! Cultura e informação ajudariam esses pais a mudar seus hábitos, mas na falta deste, o Estado começando a proibir pelo menos o abusivo, ja seria algo. Se o Reino Unido que é um pais desenvolvido o Estado teve que interferir, imagina por aqui o que teriam que fazer!!

    ResponderExcluir
  37. Dr. Souto, veja essa reportagem:

    http://oglobo.globo.com/saude/fast-food-tem-mesmo-impacto-que-hepatite-no-figado-7617759

    ResponderExcluir
  38. é, quem sabe ajuda! seria bom mesmo. Pelo menos chamaria atenção para o problema!

    ResponderExcluir
  39. Eu como uma meia-dúzia de ovos por dia e meu colesterol é normal. Eu repetiria os exames, talvez em outro laboratório. É difícil de acreditar que o HDL não aumente com low carb high fat.

    Existe um percentual da população (menos de 20%), que tem um gene chamado Apo-E4, que reage mal à gordura animal. Se fosse o seu caso, talvez vc tivesse resultados melhores mantendo a ingesta de gordura alta, mas com abacate, coco, azeite de oliva, etc.

    ResponderExcluir
  40. Aos poucos a mensagem vai se espalhando...

    ResponderExcluir
  41. Estão começando a entender. A gordura sozinha não causa fígado gorduroso. A frutose causa. Mas frutose com gordura é a pior combinação de todas.

    ResponderExcluir
  42. essa palestra do jamie oliver tmb é interessante, algumas cenas dela aparecem no documentário:

    http://www.ted.com/talks/jamie_oliver.html

    ResponderExcluir
  43. ESTAMOS EM CHOQUE!!!! MAS TEMOS FÉ QUE AGORA VAMOS ACORDAR PRA DURA E TRISTE REALIDADE!!!!!! NOSSA DESPENSA VAI MUDAR!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  44. Assisti a este vídeo na época do lançamento, tenho uma filha de 4 anos. Fiquei simplesmente aterrorizado com a realidade. A agressividade do marketing é muito forte, não podemos perder tempo em conscientizar nossas crianças do que é alimento de verdade

    ResponderExcluir
  45. Mesmo quando tinha tinha obesidade mórbida, 180 Kg, meus niveis de colesterol e triglicérides eram normais, pois mesmo comendo "absurdos" em quantidade alimentar, nunca gostei de comer doces e gorduras, ou seja, meu não sabendo, adotava uma dieta baixa em gordura e alta em carboidratos. Quando cheguei ao tão "sonhado" peso almejado, para não voltar á "estaca zero", resolvi por minha conta sem nenhum acompanhamento médico, testar várias dietas, algumas "modais", outras inventadas por mim mesmo, sendo estas ultimas, mono-alimentares(ingestão de um único tipo de alimento. Ex. Café adoçado tradicionalmente) más, aí então, vi esta, que na teoria, seria minha salvação dietética. Sendo assim metabolicamente falando, esta elevação abrupta dos níveis de colesterol total, de 180 para 300 mg/dl, seria por conta mudança repentina de hábitos alimentares(HCLF --> HFLC)? Só nos preocupamos com nossa saúde, indo atrás de informações, quando notamos algo com a mesma.Talvez possa ser tarde de mais(Não para aquele que tudo criou)!

    ResponderExcluir
  46. Recomendo um documentário muito bom também, chamado <a href="http://www.youtube.com/watch?v=X95BTH-bc-U<strong>Sper Size Me(versao dublada)</strong></a>, do diretor <em>Morgan Valentine Spurlock</em>

    ResponderExcluir
  47. Veja este: http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/12/fat-head-documentario-legendado.html

    ResponderExcluir
  48. Gostaria de ler mais sobre alimentação paleo p crianças....to mudando muitas coisas aqui em casa,mas c um medo de errar, quer dizer td ja começa errado. Help

    ResponderExcluir
  49. Olá Samantha,

    Não tenha medo, afinal, quer coisa melhor do que eliminar produtos industrializados, refinados e açúcar da alimentação de seu filho? E qual alimentação seria melhor do que paleo? Foi com ela que evoluímos! Nada melhor do que comida de verdade!

    Essa postagem para grávidas vale também para crianças: http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/02/prezado-dr-souto-dieta-e-gravidez.html

    Explore mais o blog! A caixa de busca do blogger está com problemas. Para pesquisar o Blog, vá no google, coloque sua palavra-chave, seguida de "site:lowcarb-paleo.blogspot.com" (sem as aspas)

    Alguns comentários do Dr. Souto:

    "eu não faria low carb para uma criança normal não obesa. Mas tentaria fazer o mais páleo possível. Ou seja, tentar adoçar o mínimo possível, beber água para matar a sede, evitar sucos de fruta, mas comer frutas sem restrição.
    Evitar adoçantes artificiais (ninguém sabe seus efeitos no longo prazo). Estévia deve ser mais seguro do que o resto, mas eu acho que ela pode muito bem beber uma laranjada de laranja espremida, diluída com água - ao invés de sucos de caixinha (mais açúcar do que refri) ou mesmo de suco de laranja puro - para não acostumar o paladar ao açúcar - com o tempo ela achará as coisas doces demais, e o próprio paladar controlará as coisas. "

    "Eu também não me preocuparia com eventuais escapadas em festinhas. Mas manteria a CASA glúten-free."

    "É evidente que uma dieta de estilo paleolítico é saudável para crianças. E o é por definição: qual a melhor dieta para um animal, senão aquela com a qual a espécie evoluiu? Se lhe questionarem, não fale que é uma dieta low carb, ou "dieta da proteína", etc. Pense assim:

    - Alguém (instruído) acha que seria errado diminuir o açúcar da dieta das crianças?

    - Alguém seria contra diminuir salgadinhos/bolachas recheadas e trocar por mais frutas e alimentos naturais?

    - Ao invés de falar com cortar grãos, mude o argumento para "alguém seria contra reduzir os bolos, pães, tortas e guloseimas em geral e trocá-los por alimentos mais saudáveis, como frutas, carnes, ovos e vegetais?"

    "Para crianças, vale o princípio 80/20 - com 80% de dieta bem feita, não serão os 20% de furos na dieta (aniversários, finais de semana) que colocarão tudo a perder.

    Não vejo mal algum (no caso de crianças) em uns pasteis, pão de queijos e batatinhas de vez em quando - mas não como base da alimentação."

    http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/12/a-dieta-dos-esquimos-aventuras.html

    http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/02/prezado-dr-souto-dieta-e-gravidez.html

    http://lowcarb-paleo.blogspot.com/2011/12/por-que-com-mesma-dieta-uns-engordam-e.html#comment-1018289103

    ResponderExcluir
  50. Patricia Deus te abençoe pelo retorno....td o q linkou eu ja havia lido....então estou indo no caminho certo. Meu bebe de 10 meses bebe agua q da gosto, mas não vai com a cara de sucos de nenhum jeito, mas come frutas com gosto. Minha maior dificuldade é com a maior de 3 anos fã de procarias como ninguem....simplesmente nao as tenho mais em casa..ou as tenho em local seguro (o pai ainda gosta dessas coisas). Vou seguindo, lendo e aplicando...Obrigada.

    ResponderExcluir
  51. Olá Dr. e demais adeptos!! Conheci o blog e as propostas deste novo estilo de vida há umas 4 semanas...achei super interessante e bem aberta a experimentação. Entretanto, mesmo lendo os artigos a respeito, tenho problemas de colesterol e triglicerideos elevado há alguns anos. O último exame fiz agora no final de fevereiro: ct 258, hdl 68, ldl 142 e triglicerideos 241, glicose 78.3. Tomo medicamento para controlar estes índices. Tb descobri no final do ano que meu desconforto digestivo/intestinal frequente e é a tal da sindrome do cólon irritável. Nas duas ultimas semanas segui este estilo e me senti muito bem, porém, não emagreci. Minha dúvida é se o uso deste medicamento (o nome é Zetsim), pode interferir na dieta. A minha nutricionista até concorda em restringir carboidrato, mas não aceita que eu consuma gorduras. Quero muito mudar meu estilo, mesmo à contragosto dela, porém, fico com um pouco de receio neste cenário. Por favor, alguém tinha o mesmo problema que eu e se deu bem a médio/longo prazo com aumento da gordura? Dr. me dê uma orientação já que estou meio "sozinha" nesta! Obrigada!

    ResponderExcluir
  52. Dr.
    José Carlos Souto,

    Meu nome é Wagner Rabay, tenho 29 anos e sou de João Pessoa-PB.
    Aqui no meu estado não conheço nenhum profissional de saúde que possa me
    orientar sobre a dieta. Busco conhecimento em livros e em blogs como o
    seu. SOU PAI DE UM BEBÊ DE CINCO MESES DE IDADE QUE ESTÁ DESMAMANDO. TENHO
    MUITAS DÚVIDAS DO QUE DAR PARA MINHA FILHA NOS PRÓXIMOS MESES. SE O SENHOR
    PUDER INDICAR ALGUM MATERIAL PARA QUE EU POSSA LER A RESPEITO, OU MESMO POSTAR
    ALGUMA COISA A RESPEITO NESTE ESPAÇO, AGRADEÇO BASTANTE.

    Faço a dieta low carb há seis meses e já perdi 16kg
    (não pretendo perder mais nenhum). Estou estacionado neste peso há 3 meses. Não
    estou mais em Cetose há bastante tempo. Consegui manter o peso apenas me
    alimentando da maneira mais natural possível. Minha vida melhorou muito após o
    início do novo estilo de vida. Agradeço bastante por esse blog, pois aqui temos
    um espaço para conhecimento bastante diversificado e sempre orientado por um
    profissional.

    ResponderExcluir
  53. Excelente!!!

    ResponderExcluir
  54. Nossa.. me arrepiei várias vezes durante o documentário. Essa parte das crianças que recebem refrigerante na mamadeira me chocou demais. O pior é que os pais também comem essas coisas, é complicado... Nem sei o que dizer... é triste.

    ResponderExcluir
  55. Veruschka Mainhard11 de outubro de 2014 15:10

    Mais uma pergunta, Dr. Souto: como fica a dieta paleo para crianças? Sempre ouvi dizer que elas precisam dos carbos...verdade? Obrigada e abraço

    ResponderExcluir
  56. Páleo tem carbos

    Sent from mobile phone
    Em 11/10/2014 15:10, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  57. Nossa... Não sei se choro, se falo um palavrão bem feio... Impotente. Acho que esta é a palavra...
    Os pais são incompetentes??? Oi??? Aaahhhh... Esqueci... Foi o publicitário quem disse, né? Entendi agora!
    Sensação de medo total. O que será de nossas crianças?
    Este documentário tem que ser viral! Temos que espalhar, divulgar... Mesmo que sejamos vistos como obsecados (me chamaram de obsecrada anteontem)...
    Parabéns pelo documentário!!!

    ResponderExcluir
  58. Parabéns à Stella, diretora. Sim, também acho que deveria ser viral. Mas dura 1h e 40, e só coisas de 1 minuto e 40 se tornam virais. Nossa sociedade não é apenas movida a fast-food, mas também a fast-thought...
    Em 22 de outubro de 2014 11:34, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  59. Pois é... Fast-thought...😒😒😒

    ResponderExcluir