quarta-feira, 15 de maio de 2013

Documentário sobre colesterol e estatinas - em inglês

Este fascinante documentário sobre colesterol e estatinas está finalmente disponível na íntegra no YouTube. Dura uma hora, de modo que não tenho condições de legendá-lo, mas não deixe de assistir se você entende inglês.

********* ATUALIZAÇÃO *********
Falei com o diretor do documentário - o mesmo foi retirado do Youtube por uma questão de direitos autorais (da distribuidora). Mas está disponível no site do Dr. Mercola até o dia 18/05/3013, ou seja, nos próximos 3 dias! Assistam e baixem o documentário (e leiam o artigo do Dr. Mercola):

http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2013/05/11/statin-nation.aspx

23 comentários:

  1. Excelente doutor, e impressionante! Me lembrei que a sinvastatina está inclusa nos medicamentos distribuidos pela Farmácia Popular - ou seja, é muito brasileiro tomando sem resultado e com os riscos dos efeitos colaterais. E quanto à Proteina C Reativa, pode-se esperar significativa redução com a dieta LCHF?

    ResponderExcluir
  2. Sim, é uma das primeiras coisas que melhora. Em geral, fica indetectável.
    Sent from Galaxy S3
    Em 24/04/2013 04:26, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, Professor! Ontem estava lendo sobre colesterol. E fiquei com ravia do meu médico que me receitou rusovastatina, meu colesterol estáva em 185, parei o remédio, fui trocar as outras caixas por outras coisas. Além de divulgar intensamente o uso dessas drogas, pois tenho muitos amigos e familiares que fazem o uso. Acredito que pela alimentação pode encontrar a cura.

    ResponderExcluir
  4. Pior do que isso, é a pergunta: curar o quê?

    Sent from Galaxy S3
    Em 24/04/2013 11:09, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  5. Katarina Ribeiro Peixoto24 de abril de 2013 13:27

    MARAVILHOSO!

    ResponderExcluir
  6. Alberto Americano24 de abril de 2013 20:55

    Este documentário é excelente! Mas tão bom quanto ele, é a entrevista que tem nos extras do DVD, com a Dra. Natasha Campbell McBride. A entrevista tambem dura 1h e ela explica de uma forma extremamente didática muitos dos conceitos que o Dr. Souto trata neste blog, tambem com excelente didática. Recomendo a aquisição do DVD: http://www.statinnation.net/buy-the-dvd

    Deixo claro que não tenho nenhum laços com os produtores, apenas achei esta entrevista fantástica!

    ResponderExcluir
  7. Doutor, apenas pra complementar o entendimento: na leitura dos textos do blog, entendi que ataques cardíacos estão diretamente ligados à altos índices de Proteina C Reativa, estou correto? Toda minha família materna tem histórico de doenças cardíacas (avós, mãe e tios).... e claro que tenho grande receio de ser mais um.... portanto, uma vez que os meus níveis da Proteina C Reativa baixem, posso ficar despreocupado?

    ResponderExcluir
  8. É um dos fatores de risco e, na minha opinião, bem mais relevante do que o colesterol. Se estiver bem baixo, sugere baixo risco de doenças cardiovasculares.


    Em 25 de abril de 2013 16:13, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  9. http://www.youtube.com/watch?v=XiaET24DwaU

    Doc, acho que vai gostar do video!

    ResponderExcluir
  10. Assista esse: http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/12/fat-head-documentario-legendado.html

    2013/4/28 Disqus

    ResponderExcluir
  11. Olá Dr. Souto! Desde janeiro/13 leio seu blog incansavelmente! Leio sobre
    metabolismo e alimentação há bastante tempo e já fiz muitas experiências comigo.
    Descobri que tenho hipoglicemia há 14anos(no GTT minha glicemia chega a
    38mg/dl). Durante toda a minha adolescência sofri muito com os sintomas:
    tontura, fadiga, dores de cabeça, má digestão, memória fraca, dificuldade de
    concentração, tinha ovário policístico...fui a vários endocrinologistas e a
    única coisa que me receitavam era a tradicional dieta de cereais integrais,
    leite desnatado... Continuava mal. Esse quadro se agravou e passei a ter
    distúrbios digestivos, dores articulares, musculares, cansaço extremo, variações
    de humor, um frio sobrenatural, queda de cabelos...tantos e tão variados que
    parecia maluquice. Além de tudo isso estava sempre passando fome, muita fome,
    para conseguir manter meu peso estável. Treinava pesado para maratonas, tinha
    nutricionistas me acompanhando! Não comia refinados, refrigerantes, doces,nem
    gorduras ! Aí tive uma crise há 2 anos, parecia que estava toda "inflamada".
    Muitos médicos depois: Lupus! Fiz tratamento com reuquinol e melhorei, mas não o
    suficiente. Procurei uma homeopata e depois de uma longa entrevista ela tinha a
    mesma suspeita que eu: alimentação! Apenas ela e eu!! Levei a informação ao meu
    endócrino e surpresa ! ele disse que a disbiose intestinal e intolerâncias
    alimentares podem ter ligação com o lupus. Continuava minhas pesquisas e
    descobri um mar de informações relacionando alimentação com doenças autoimunes (
    tudo em inglês, lógico! ). Procurei novos nutricionistas,nenhum acertou! Estava
    frustrada, desanimada(mais uma vez), cansada de passar fome e decidida a
    procurar eu mesma a minha dieta . Foi aí que descobri o seu blog. E me lancei de
    cabeça , um mergulho radical, sem volta. Me agarrei aos seus artigos, à sua
    segurança e determinação como a última tábua de salvação! Após 3 meses e meio em
    paleo muito low carb (100gs de castanhas são suficientes para desencadear a
    hipoglicemia), sinto-me muuuiiiito bem, quase todos os sintomas se foram, parece
    mágica!! Em fim de janeiro pesava 59kg, hoje estou com 53kg; minha irmã caçula
    até brincou comigo: "quando crescer quero ter um abdômem igual ao seu,kkkkk " ,
    ela é 10 anos mais nova( tenho 43 anos). Você está sendo maravilhoso!! Sei que
    ainda tenho um longo caminho até me sentir "normal" novamente, mas você está me
    mostrando o caminho das pedras! Após esses 3 meses e meio refiz todos os meus
    exames e fiquei preocupada com o de colesterol total : 335! Meu HDL é 99,
    triglicérides 39, VLDL 8, glicose 86(aumentou um pouco), proteína C reativa
    0,04mg/dl. Fiz várias contas (através do site do dr. Mercola) e estou dentro de
    todos os índices considerados normais . Mesmo assim estou assustada! Parei de
    acrescentar a nata ao meu café, e de comer os queijos gordos , espero não
    voltar a ficar faminta ! Sei que os resultados comigo são sempre uma surpresa...
    Quando o colesterol de todos que seguem a dieta low carb abaixa o meu eleva! Não
    quero tomar remédio e não gostaria de restringir muito mais a minha
    alimentação... Mas, se for necessário,continuo com suas orientações...

    Muito obrigada pela disponibilidade, paciência e dedicação !!

    Você faz a diferença!!
    E Patricia, você também
    é especial!

    ResponderExcluir
  12. Olá Gisele!

    Que depoimento MARAVILHOSO! Cada dia fico mais feliz em ver a quantidade de pessoas que conseguem se curar com páleo/LCHF. O mais legal é que vc descobriu o que vc deve ou não comer. Esse autoconhecimento é o que há de melhor pra todos nós. Tem gente que quer a "receita" da dieta, não entenderam que é individual! E vc encontrou seu caminho!

    Dr. Souto me corrija se estiver errada, mas seus exames estão ótimos! Não precisa deixar sua nata e seus queijos gordos.



    Obrigada pelo carinho!

    ResponderExcluir
  13. Oi Patrícia !
    É isso mesmo? Não preciso me preocupar?
    Depois de ler vários sites me pareceu que se o colesterol passar de 350 uma luzinha vermelha se acende! Outra coisa: o colesterol continua aumentando indefinidamente? O médico disse que quando uma quantidade muito elevada de LDL fica circulante ele acaba se depositando nas artérias?!? Insisto no assunto porque ainda estou insegura., mas confio em vocês!
    Obrigada por tudo!
    Gisele

    ResponderExcluir
  14. Muito obrigado, Gisele, por este fantástico depoimento. Uns meses atrás, eu escrevi o seguinte (http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/02/colesterol-iv.html):

    "Eu entendo o receio das pessoas, mas não consigo deixar de me indignar quando recebo perguntas do tipo "Eu estou seguindo uma dieta páleo low carb há 6 meses, perdi 15 Kg, me sinto ótimo, minhas enxaquecas passaram, não sinto mais fome o tempo todo, durmo melhor. Mas meu colesterol subiu de 170 para 210, eu meu [médico/nutricionista/amigo/mãe] disse que eu tenho que parar com essa coisa se não vou morrer. O que faço?"

    Onde e por que perdemos o bom senso? Quando foi que a medicina deixou de tratar doenças, e passou a tratar números? Quando foi que passamos a ignorar que a sensação de bem estar costuma ser um sinal de saúde?"


    Quanto ao seu caso específico, tenho 2 comentários a fazer (além dos comentários super-pertinentes que a Patrícia já fez, abaixo):


    1) As reduções de risco observadas com o uso de estatinas são minúsculas. Elas só parecem grandes à luz do risco relativo. Na postagem que citei acima, explico bem isso. Sem o uso da droga, tem-se um risco de morte de 3% em 5 anos; com o uso da droga, o risco cai para 2% em 5 anos. Isto é uma redução de UM por cento. Mas como 2% é 30% de 3%, eles dizem que a redução é de 30%, o que é matematicamente correto, mas é uma forma de lhe enganar.


    2) Um colesterol de 350 provavelmente lhe coloca num risco cardiovascular um pouco maior. Por que provavelmente? Porque o que se sabe sobre colesterol foi observado no contexto da pavorosa dieta americana padrão. Ou seja, se você comer lixo o dia inteiro (sucrilhos, refrigerante, pães, bagels, tortas, doces, massas, sobremesas industrialisadas, etc) e tiver um colesterol de 350, isto é um marcador de risco. mas NINGUÉM SABE o que acontece com pessoas que têm estes níveis de colesterol mas tem uma dieta páleo saudável, faz atividade física, e tem outros marcadores de risco cardiovascular MARAVILHOSOS, com triglicerídeos abaixo de 100 e HDL acima de 60 (o seu HDL é 99. NOVENTA E NOVE!!). Se eu estiver certo, vc viverá até os 100 anos.


    O que eu faria se EU estivesse no seu lugar? Eu faria exames, talvez cada 2 anos, para me certificar de que eu não estou desenvolvendo nenhuma doença cardiovascular - eco doppler de carótidas e TC de coronárias para medir o ESCORE DE CÁLCIO CORONÁRIO. Se os exames estiverem Ok, azar é o do colesterol, pois o que queremos, em última instância, é evitar doença, e não modificar um número.


    Metade das pessoas que morrem do coração têm LDL BAIXO. Minha opinião? Um LDL baixo não lhe protege se vc tiver síndrome metabólica (que é uma fator de rico muito maior); da mesma forma, um LDL alto não lhe ameaça se vc não tiver inflamação sistêmica e tiver HDL alto e triglicerídeos baixos.

    ResponderExcluir
  15. Patrícia li todos os posts novamente e fica claro como é difícil mudar de paradigma. Concordo com tudo o que o Dr.Souto publica e tenho o meu próprio bem-estar para corroborar as pesquisas atuais sobre alimentação. Mais uma vez agradeço imensamente sua disponibilidade, dedicação e paciência( e do dr. Souto tb ! )
    Grande abraço!
    Gisele

    ResponderExcluir
  16. Olá Dr Souto ! Estou imensamente grata pela atenção! Decidi por continuar com a alimentação LCHF, procurar um endócrino mais "aberto" e fazer os exames propostos por você. Hoje inicio mais uma fase de tratamento com imunossupressor, por causa do lupus, e estou beeemmm confiante !
    Um grande abraço!
    Gisele

    ResponderExcluir
  17. Dr. Souto, convém a um diabético tipo 2 ,que não tem doenças cardíacas, nunca sofreu infarto nem avc, fazer uso de estatinas?

    ResponderExcluir
  18. Bom, vc assistiu ao documentário...

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 19/03/2014 16:33, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  19. O documentário está incompleto( apenas 13 min.)...Fiquei com dúvida.

    ResponderExcluir
  20. Dr. Souto, como refutar definitivamente o uso das estatinas?
    O que dizer sobre este estudo?
    http://www.boasaude.com.br/artigos-de-saude/3937/-1/as-estatinas-e-o-risco-de-demencia.html

    ResponderExcluir
  21. Não há o que refutar definitivamente. Os dados atuais são conhecidos ( http://www.thennt.com/nnt/statins-for-heart-disease-prevention-without-prior-heart-disease/), e são os seguintes:

    1) Estatinas não prolongam a expectativa de vida em prevenção primária e não previnem nenhuma morte nessa situação (colesterol alto, mas nunca infartou)
    2) Estatinas previnem um evento cardiovascular não-fatal para cada 60 pessoas tratadas em 5 anos (59 não têm benefícios)
    3) Estatinas aumentam o risco de diabetes mais do que previnem os eventos cardiovasculares não-fatais nessa população
    4) Estatinas evitam um morte para cada 83 pessoas tratadas por 5 anos em prevenção secundária (pessoas que já infartaram uma vez) - 82 toma de graça, sem benefícios
    5) Estatinas previnem um evento cardiovascular não-fatal para cada 39 pessoas tratadas por 5 anos em prevenção secundária (pessoas que já infartaram uma vez).

    Uma dieta mediterrânea (não estou nem falando em páleo!!) reduz a mortalidade e os eventos cardiovasculares MAIS do que isso, não causa diabetes, e consiste em peixe com vinho tinto, salada com azeite de oliva, nozes e castanhas.

    Quanto ao estudo que você citou, é epidemiológico.


    2014-07-22 10:09 GMT-03:00 Disqus :

    ResponderExcluir
  22. O link para este estudo está quebrado... :) Como posso acessá-lo?



    O documentário da ABC Australia ter sido tirado do ar pelos motivos que foi (tem o PDF com o resultado da investigação sobre imparcialidade do programa) é triste! O programa estava mostrando um ponto de vista e a opinião de especialistas a respeito.


    Se houver outros vídeos parecidos e quem tiver o link puder mandar! Abs

    ResponderExcluir
  23. http://www.thennt.com/nnt/statins-for-heart-disease-prevention-without-prior-heart-disease/

    Em 26 de agosto de 2014 08:51, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir