domingo, 7 de abril de 2013

Ptolomeu, os epiciclos e as calorias

Quem me conhece sabe que sempre gostei de astronomia, física, e ciência de uma forma geral. Assim, analogias que envolvem estas áreas sempre me ocorrem. Como o leitor pode não estar familiarizado com o assunto, faço aqui um breve resumo. Depois deste desvio astronômico, segue a tradução de um artigo imperdível sobre calorias e obesidade. Vale a pena!

Na antiguidade, acreditava-se que a terra era o centro do universo. Todo mundo sabia que era assim. O grande astrônomo grego Ptolomeu, há cerca de 2000 anos, descreveu em grande detalhe matemático, o movimento dos corpos celestes. Isto permitia que os gregos pudessem, inclusive, prever com razoável precisão a posição dos planetas.

Havia um problema, porém. Todos acreditavam que os 5 planetas conhecidos descreviam órbitas perfeitamente circulares ao redor da terra. As estrelas percorriam trajetos (aparentes) perfeitamente circulares no céu, e os gregos acreditavam que a ordem celeste deveria ser perfeita, ao contrário do caos da terra.

StarRotation
Estrelas e seu movimento aparente no céu noturno: círculos perfeitos.

 No entanto, o comportamento dos planetas no céu era bem diferente. Descreviam movimentos estranhos, e às vezes, chegavam mesmo a andar para trás! (o termo "planeta" vem do grego, e significa "errante", ou seja, que anda sem rumo):

Apparent_retrograde_motion_of_Mars_in_2003
Movimento "errante" de marte - o planeta parece andar para trás

Como conciliar a nossa teoria de que a terra é o centro do universo, e de que todos os corpos giram em órbitas perfeitamente circulares, com o desconfortável fato, visível à todos no céu noturno, de que alguns planetas "recusavam-se a obedecer a teoria"?

Há 3 formas de lidar com esta contradição:
1) Emendar a teoria;
2) Descartar a teoria e mudar o paradigma;
3) Negar-se a aceitar os fatos (e queimar seus proponentes na fogueira).

A inquisição católica, os nutricionistas e médicos em geral adotam a estratégia número 3. Kepler, Galileu e um número crescente de pesquisadores atuais adotam a estratégia número 2. Os gregos adotaram a estratégia de número 1.

Ptolomeu (baseando-se em outros que o antecederam) introduziu o conceito de EPICICLOS. Segundo a teoria, as órbitas dos planetas eram, de fato, circulares. Mas os planetas estavam ligados a esferas ou círculos invisíveis (os epiciclos), que por sua vez giravam ao redor da terra, como pode ser visto na animação abaixo (o epicíclo é o círculo vermelho):

Ninguém se preocupou em saber se de fato os epicíclos existiam, ou de que seriam feitos. O importante, para os gregos, não era tanto o mundo real, mas a beleza matemática e geométrica de suas teorias. Se um planeta não descrevia uma trajetória perfeitamente circular no céu, não se abandonava a teoria, apenas se inventava um novo conceito, um novo círculo perfeito, para fazer com que os fatos se adequassem à teoria, e não o contrário. Retirar a terra do centro do universo estava fora de cogitação.

Levou mais de 1500 anos para que finalmente houvesse a mudança de paradigma - para que a teoria se dobrasse aos fatos, como deve ser. Eis o que realmente explica o aparente movimento retrógrado de marte:

Explicação do estranho movimento aparente de marte no céu, no modelo heliocêntrico.

Esta história fascinante ilustra uma verdade maior. Quando ficamos frente a frente com uma anomalia, ou seja uma série de observações que refutam nossas teorias, podemos reformular nossas teorias ou inventar epicíclos, tentando remendar uma teoria capenga. Com isto em mente, leiam agora o artigo abaixo, publicado recentemente no Medscape.com

http://www.medscape.com/viewarticle/780389

A despeito do aumento da obesidade, o consumo calórico nos EUA está diminuindo.

New York (Reuters Health)  - 06/03/2013 - Adultos dos EUA têm comido cada vez menos calorias por quase uma década, a despeito do contínuo aumento das taxas de obesidade, de acordo com dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças - CDC.

"É difícil reconciliar o que estes dados mostram, e o que está acontecendo com a prevalência de obesidade" disse o Dr. William Dietz, ex-diretor de nutrição, atividade física e obesidade do CDC.


Os resultados, publicados na edição de 20 de fevereiro do American Journal of Clinical Nutrition, são baseados em 9 levantamentos das Pesquisas Nacionais de Saúde e Nutrição (NHANES) que o CDC conduziu de 1971 a 2010. Milhares de adultos entre 20 e 74 anos foram aleatoriamente selecionados a cada 2 a 4 anos para responder o que comeram nas últimas 24 horas. 


O Dr. Dietz e seu colega Dr. Earl Ford analisaram as tendências desde os anos 1970 e descobriram que, entre adultos, o consumo energético diário aumentou cerca de 313 calorias de 1971 a 2002, e então caiu 74 calorias entre 2003 e 2010.


"Setenta e quatro calorias é muito e, como eu disse antes, nós esperaríamos ver um impacto mensurável na obesidade", disse Dietz.


Não obstante, cerca de 35% das mulheres americanas adultas são obesas, e este percentual permanece estável desde 1999, de acordo com o CDC. Para homens, a obesidade aumentou de 27% para 35% no mesmo período.


O Dr. Dietz diz que ele esperaria que as taxas de obesidade houvessem estabilizado para ambos sexos, e já estivessem caindo a essas alturas, já que as pessoas estão consumindo menos calorias.


O CDC liberou resultados semelhantes mês passado para crianças: os meninos cortaram 150 calorias, e as meninas, 80, desde 1999. A taxa de obesidade dos meninos continua a aumentar, contudo, e permanece estável para as meninas.


Os experts dizem que é possível que mais tempo seja necessário para que as taxas de obesidade respondam a mudanças no consumo calórico. Também é possível que os americanos tenham mudado seus hábitos alimentares mas ainda não esteja praticando exercício suficiente para queimar as calorias que consomem. Ou os levantamentos do NHANES estão errados.


"Se você cortar 100 calorias, você perderá 5 quilos", mas você verá apenas metade deste progresso no primeiro ano, a Dra. Claire Wang disse à Reuters Health. Ela estuda consumo e gasto calórico na Escola de Saúde Pública Mailman da Universidade de Columbia, em New York, mas não estava envolvida com este estudo.


Não haveria uma redução imediata na obesidade em níveis populacionais, disse a Dra Wang.


Ela acredita que a redução no consumo calórico possa dever-se a mais consciência sobre refrigerantes e bebidas adoçadas com açúcar, e campanhas de conscientização tais como as promovidas pela Casa Branca.


Mas, a essas alturas, "as pessoas já deveriam estar perdendo peso", disse o Dr. Dietz. O fato de que não estão pode representar más notícias, ele disse, pois poderia indicar que as pessoas estão queimando menos calorias com exercício.


Também é possível que, com maior conscientização, as pessoas fiquem envergonhadas em consumir porcarias e refrigerantes com açúcar, de modo que elas podem estar comendo essas coisas, mas não admitem na hora de responder os questionários, disse o Dr. Dietz.


Em geral, dados de questionários não fecham com o consumo calórico real medido por terceiros, de acordo com a nutricionista Marion Nestle da New York University.


Por exemplo, o levantamento do NHANES indica que homens consomem uma média de 1500 calorias por dia, e as mulheres 1800. Quando os médicos e nutricionistas medem o consumo calórico, eles encontram uma média de 3000 calorias para homens e 2400 calorias para mulheres, Nestle disse à Reuters por email.


Conquanto as estimativas possam conter erros, tais levantamentos são os melhores instrumentos para identificar tendências populacionais, ela disse.


"NHANES fornece os melhores dados que podemos conseguir em termos de tendências populacionais", disse ela. "Se acreditarmos nos dados, até que as notícias são boas".


Quando leio algo assim, tenho a nítida impressão de que esta seria a sensação de voltar no tempo, aos tempos de Ptolomeu. Imagine-se voltando no tempo e, já sabendo como realmente funciona nosso sistema solar, observar a angústia daqueles homens - pessoas inteligentes, porém presas a um paradigma superado - tentando desesperadamente fazer sentido de de dados que, PARA ELES, são paradoxais, mas que são completamente explicáveis pelo paradigma que você já domina!!


Vou copiar novamente o texto da Reuters, abaixo, comentando cada passagem sob esta perspectiva:


A despeito do aumento da obesidade, o consumo calórico nos EUA está diminuindo.



New York (Reuters Health)  - 06/03/2013 - Adultos dos EUA têm comido cada vez menos calorias por quase uma década, a despeito do contínuo aumento das taxas de obesidade, de acordo com dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças - CDC (os planetas insistem em descrever trajetórias estranhas no céu, a despeito de sabermos que deveriam descrever círculos perfeitos).

"É difícil reconciliar o que estes dados mostram, e o que está acontecendo com a prevalência de obesidade" 
("é difícil reconciliar o que os dados mostram, e nossas teorias sobre a terra ser o centro do universo") disse o Dr. William Dietz, ex-diretor de nutrição, atividade física e obesidade do CDC.

Os resultados, publicados na edição de 20 de fevereiro do American Journal of Clinical Nutrition, são baseados em 9 levantamentos das Pesquisas Nacionais de Saúde e Nutrição (NHANES) que o CDC conduziu de 1971 a 2010. Milhares de adultos entre 20 e 74 anos foram aleatoriamente selecionados a cada 2 a 4 anos para responder o que comeram nas últimas 24 horas. 


O Dr. Dietz e seu colega Dr. Earl Ford analisaram as tendências desde os anos 1970 e descobriram que, entre adultos, o consumo energético diário aumentou cerca de 313 calorias de 1971 a 2002, e então caiu 74 calorias entre 2003 e 2010.


"Setenta e quatro calorias é muito e, como eu disse antes, nós esperaríamos ver um impacto mensurável na obesidade" 
("um planeta andar para trás no céu é uma anomalia muito grande, esperaríamos vê-lo andar para frente"), disse Dietz.

Não obstante, cerca de 35% das mulheres americanas adultas são obesas, e este percentual permanece estável desde 1999, de acordo com o CDC. Para homens, a obesidade aumentou de 27% para 35% no mesmo período 
(não obstante, os planetes insistem em, nitidamente, descrever trajetórias estranhas no céu).

O Dr. Dietz diz que ele esperaria que as taxas de obesidade houvessem estabilizado para ambos sexos, e já estivessem caindo a essas alturas, já que as pessoas estão consumindo menos calorias. 
(Ptolomeu diz que esperaria que os planetas descrevessem trajetórias perfeitamente circulares, pois é isto que se espera de algo matemática e geometricamente perfeito)

O CDC liberou resultados semelhantes mês passado para crianças: os meninos cortaram 150 calorias, e as meninas, 80, desde 1999. A taxa de obesidade dos meninos continua a aumentar, contudo, e permanece estável para as meninas. 
(Os dados referentes à Júpiter também contradizem a teoria de que a terra está no centro do universo)

Os experts dizem que é possível que mais tempo seja necessário para que as taxas de obesidade respondam a mudanças no consumo calórico. 
(os especialistas dizem que devem existir EPICÍCLOS, esferas de cristal invisíveis, que expliquem o movimento dos planetas - elas PRECISAM existir, pois a terra É o centro do universo) Também é possível que os americanos tenham mudado seus hábitos alimentares mas ainda não esteja praticando exercício suficiente para queimar as calorias que consomem (tais epiciclos são compatíveis com a teoria de que a terra é o centro do universo, logo eles existem). Ou os levantamentos do NHANES estão errados (ou então, os planetas de fato descrevem trajetórias perfeitamente circulares no céu, e as observações de todo mundo é que estão erradas - a teoria não pode mudar!).

"Se você cortar 100 calorias, você perderá 5 quilos" 
(a Terra é o centro do universo), mas você verá apenas metade deste progresso no primeiro ano, a Dra. Claire Wang disse à Reuters Health. Ela estuda consumo e gasto calórico na Escola de Saúde Pública Mailman da Universidade de Columbia, em New York, mas não estava envolvida com este estudo.

Não haveria uma redução imediata na obesidade em níveis populacionais, disse a Dra Wang.


Ela acredita que a redução no consumo calórico possa dever-se a mais consciência sobre refrigerantes e bebidas adoçadas com açúcar, e campanhas de conscientização tais como as promovidas pela Casa Branca.


Mas, a essas alturas, "as pessoas já deveriam estar perdendo peso", disse o Dr. Dietz
(mas a essas alturas, já deveríamos ter enxergado os epiciclos no céu - por que não conseguimos vê-los??). O fato de que não estão pode representar más notícias, ele disse, pois poderia indicar que as pessoas estão queimando menos calorias com exercício.

Também é possível que, com maior conscientização, as pessoas fiquem envergonhadas em consumir porcarias e refrigerantes com açúcar, de modo que elas podem estar comendo essas coisas, mas não admitem na hora de responder os questionários, disse o Dr. Dietz 
(Também pode ser que os astrônomos estejam mentindo - na verdade, as trajetórias SÃO circulares).

Em geral, dados de questionários não fecham com o consumo calórico real medido por terceiros, de acordo com a nutricionista Marion Nestle da New York University.


Por exemplo, o levantamento do NHANES indica que homens consomem uma média de 1500 calorias por dia, e as mulheres 1800. Quando os médicos e nutricionistas medem o consumo calórico, eles encontram uma média de 3000 calorias para homens e 2400 calorias para mulheres, Nestle disse à Reuters por email. 
(as pessoas acham que enxergam trajetórias irregulares, mas na verdade estão tendo uma ilusão de ótica)

Conquanto as estimativas possam conter erros, tais levantamentos são os melhores instrumentos para identificar tendências populacionais, ela disse.


"NHANES fornece os melhores dados que podemos conseguir em termos de tendências populacionais", disse ela. "Se acreditarmos nos dados, até que as notícias são boas".


Bem, terminada a sessão humorística, vamos analisar NOVAMENTE o texto, à luz do que sabemos modernamente sobre nutrição e seus efeitos hormonais.

Reproduzo, abaixo, um gráfico do soberbo livro "The Smarter Science of Slim", de Jonathan Bailor (ver na postagem sobre livros):


Neste gráfico, a linha preta indica o consumo de carboidratos, a linha cinza indica o consumo de gordura, e a área cinzenta indica o percentual de pessoas com sobrepeso e obesidade. A seta indica o ano em que se passou indicar a pirâmide alimentar. Observem que o gráfico sequer fala em calorias. Tudo o que precisamos está nele: no final da década de 1970, as pessoas foram orientadas a consumir menos gordura e mais carboidratos. Como o gráfico evidencia, as pessoas de fato fizeram isso: passaram a comer mais carbs (linha preta), menos gordura (linha cinza) e, como era óbvio, engordaram. Ou seja, podem até estar consumindo menos calorias hoje do que em 1999, mas nunca consumiram tantos carboidratos.


A despeito do aumento da obesidade, o consumo calórico nos EUA está diminuindo.

New York (Reuters Health)  - 06/03/2013 - Adultos dos EUA têm comido cada vez menos calorias por quase uma década, a despeito do contínuo aumento das taxas de obesidade, de acordo com dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças - CDC.

"É difícil reconciliar o que estes dados mostram, e o que está acontecendo com a prevalência de obesidade"
(é difícil apenas para quem está preso no paradigma do balanço calórico; uma população que consome mais carboidratos refinados irá particionar mais calorias no sentido do armazenamento) disse o Dr. William Dietz, ex-diretor de nutrição, atividade física e obesidade do CDC.

Os resultados, publicados na edição de 20 de fevereiro do American Journal of Clinical Nutrition, são baseados em 9 levantamentos das Pesquisas Nacionais de Saúde e Nutrição (NHANES) que o CDC conduziu de 1971 a 2010. Milhares de adultos entre 20 e 74 anos foram aleatoriamente selecionados a cada 2 a 4 anos para responder o que comeram nas últimas 24 horas. 


O Dr. Dietz e seu colega Dr. Earl Ford analisaram as tendências desde os anos 1970 e descobriram que, entre adultos, o consumo energético diário aumentou cerca de 313 calorias de 1971 a 2002, e então caiu 74 calorias entre 2003 e 2010.


"Setenta e quatro calorias é muito 
(MUITO? 74 calorias não é nada. UM ovo tem 74 calorias. UMA maçã tem 65 calorias! Só pessoas com uma compreensão MUITO míope podem achar que uma maçã a mais ou a menos fará diferença. CLIQUE AQUI para saber por que esta lógica é ridícula) e, como eu disse antes, nós esperaríamos ver um impacto mensurável na obesidade", disse Dietz.

Não obstante, cerca de 35% das mulheres americanas adultas são obesas, e este percentual permanece estável desde 1999, de acordo com o CDC. Para homens, a obesidade aumentou de 27% para 35% no mesmo período.


O Dr. Dietz diz que ele esperaria que as taxas de obesidade houvessem estabilizado para ambos sexos, e já estivessem caindo a essas alturas, já que as pessoas estão consumindo menos calorias 
(A não ser, Dr. Dietz, que sua teoria esteja errada, não é mesmo? Afinal, milhares de pessoas fazem dietas com restrição de mais de 1000 calorias - não apenas 74 calorias - e não conseguem emagrecer, não é mesmo??).

O CDC liberou resultados semelhantes mês passado para crianças: os meninos cortaram 150 calorias, e as meninas, 80, desde 1999 
(mas estão comendo mais açúcar do que NUNCA antes - assistam este documentário). A taxa de obesidade dos meninos continua a aumentar, contudo, e permanece estável para as meninas.

Os experts dizem que é possível que mais tempo seja necessário para que as taxas de obesidade respondam a mudanças no consumo calórico 
(Ok, deixa ver se entendi: 74 calorias a menos por dia x 365 = 27000 calorias a menos por ano. Isso significaria 3,85Kg a menos por ano. Em 10 anos, cada americano deveria estar 38 Kg mais magro em média. Então, por que 10 anos não seria tempo suficiente para perder o peso? Leia (novamente) por que o motivo pequenas variações diárias de calorias são irrelevantesTambém é possível que os americanos tenham mudado seus hábitos alimentares mas ainda não esteja praticando exercício suficiente para queimar as calorias que consomem (Não existe nenhum estudo prospectivo e randomizado que demonstre que o exercício ajuda a perder peso - LEIA AQUI).  Ou os levantamentos do NHANES estão errados.

"Se você cortar 100 calorias, você perderá 5 quilos" 
("se você comer UM ovo a menos por dia, você perderá 5 Kg" - desafio qualquer pessoa a conseguir esta façanha - a ignorância desses "doutores" realmente não têm limites), mas você verá apenas metade deste progresso no primeiro ano, a Dra. Claire Wang disse à Reuters Health. Ela estuda consumo e gasto calórico na Escola de Saúde Pública Mailman da Universidade de Columbia, em New York, mas não estava envolvida com este estudo.

Não haveria uma redução imediata na obesidade em níveis populacionais, disse a Dra Wang.


Ela acredita que a redução no consumo calórico possa dever-se a mais consciência sobre refrigerantes e bebidas adoçadas com açúcar, e campanhas de conscientização tais como as promovidas pela Casa Branca.


Mas, a essas alturas, "as pessoas já deveriam estar perdendo peso", disse o Dr. Dietz
(Pois é, mas estão engordando. Será que a terra, quem sabe, não é o centro do universo??). O fato de que não estão pode representar más notícias, ele disse, pois poderia indicar que as pessoas estão queimando menos calorias com exercício (como são repetitivos - lembra um pouco aquelas moscas que ficam aprisionadas dentro do vidro - batem a cabeça eternamente no vidro, nunca dá certo, mas continuam batendo a cabeça até morrer).

Também é possível que, com maior conscientização, as pessoas fiquem envergonhadas em consumir porcarias e refrigerantes com açúcar, de modo que elas podem estar comendo essas coisas, mas não admitem na hora de responder os questionários, disse o Dr. Dietz. 
(Isso é verdade. Mas é verdade também para TODOS os estudos epidemiológicos que os MESMOS autores usam para justificar suas teorias bizarras de que carne faz mal, por exemplo)

Em geral, dados de questionários não fecham com o consumo calórico real medido por terceiros, de acordo com a nutricionista Marion Nestle da New York University.


Por exemplo, o levantamento do NHANES indica que homens consomem uma média de 1500 calorias por dia, e as mulheres 1800. Quando os médicos e nutricionistas medem o consumo calórico, eles encontram uma média de 3000 calorias para homens e 2400 calorias para mulheres, Nestle disse à Reuters por email.


Conquanto as estimativas possam conter erros, tais levantamentos são os melhores instrumentos para identificar tendências populacionais, ela disse.


"NHANES fornece os melhores dados que podemos conseguir em termos de tendências populacionais", disse ela. "Se acreditarmos nos dados, até que as notícias são boas".
(se estas são notícias boas, só imagino o que sejam notícias ruins).

44 comentários:

  1. Dr. Souto, parabéns pelo blog, sempre leio. Hoje me mandaram um link pra esse site http://180degreehealth.com/2010/07/low-carb-lowers-metabolism o que o Sr. acha?

    ResponderExcluir
  2. Já divulgando!

    ResponderExcluir
  3. A quebra de paradigmas não é fácil, exige do ser pensante uma ruptura com saberes enraizados e perpetuados muitas vezes por pessoas que têm muito prestígio diante das "verdades". Os professores, médicos, cientistas, muito desses profissionais não têm uma relação de compromisso com a saber para libertar, aprendem para satisfazer seus interesses e assim vão repassando meias verdades, falsas verdades...Isso acontece em muitos segmentos da sociedade. Mas, as mudanças acontecem, pessoas sérias estão se expondo e assim mentes vão mudando, vão pensando e se libertando. Concordo com a frase: "O problema com o mundo é que os estúpidos são excessivamente confiantes, e os inteligentes são cheios de dúvidas."Bertrand Russell

    ResponderExcluir
  4. Bertrand Russel: mais um dos meus heróis!

    Sent from Galaxy S3
    Em 08/04/2013 00:16, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  5. "Os professores, médicos, cientistas, muito desses profissionais não têm uma relação de compromisso com a saber para libertar, aprendem para satisfazer seus interesses e assim vão repassando meias verdades, falsas verdades..."

    É triste ver como as pessoas são enganadas e tem uma norm dificuldade de mudar de paradigmas mesmo frente a tantos fatos probatórios.

    E a própria midia ajuda a manter essas mentiras no senso comum.

    Na semana passada no programa Mais Você fizeram uma matéria mostrando o sucesso de um casal que emagreceu com a dieta Dukan, e na mesma semana o programa Bem Estar condenando a dieta de proteinas baseado no depoimento de "especialistas".

    Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
  6. Carla Daniel e a dieta que a fez secar 20kg: ‘Mudança de dentro para fora’


    http://ego.globo.com/beleza/noticia/2013/04/carla-daniel-e-dieta-que-fez-secar-20kg-mudanca-de-dentro-para-fora.html

    "O cardápio de Carla, bastante restrito, foi elaborado pela dra. Maria Amélia Bogea, médica e membro da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). Nada de carboidratos, gorduras, carne vermelha e frituras. Arroz integral, só de vez em quando, e muita, mas muita salada. “Quando saio da linha faço compensações, fico três dias com uma alimentação bem regulada. Meu organismo não tolera mais certas coisas. Depois dos 45 anos a coisa muda (risos). A gente come menos besteira, o corpo não tolera”."

    ResponderExcluir
  7. Bom Dia, o post está excelente!!! Obrigada pelo seu tempo! Dr Souto, o Sr conhece algum estudo que fale da dieta lowcarb/paleo no auxílio à tratamento de enxaqueca? Abraços, Pérola

    ResponderExcluir
  8. Obrigado.

    MUITOS paciente melhoram parcial ou completamente com paleo. Veja este artigo:
    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3321471/


    2013/4/8 Disqus

    ResponderExcluir
  9. a minha desapareceu!... E esses dias estava lembrando, fazia limpeza de pele a cada 4 meses... não faço mais!! Não tenho mais cravos, nem no período pre menstrual, onde normalmente algumas espinhas apontavam. E TODOS os dermatologistas falam que é normal por causa da alteração hormonal!

    ResponderExcluir
  10. Patrícia, estou na quarta semana de mudança da alimentação e realmente as espinhas sumiram absurdamente e o peso está indo embora voando...Minha enxaqueca é braba, dura 4-5 dias e tenho há muitos anos, uns 20 pelo menos...Estou com expectativa de que melhore com o tempo.

    ResponderExcluir
  11. Parabéns, Lilian!
    De tudo q vc citou, eu pararia apenas com o Whisky. A perda de peso não é um fenômeno linear. Há períodos de várias semanas sem perdas. Lembre-se: não há pressa, em um estilo de vida que não lhe deixa passando fome e melhora sua saúde como um todo.


    Em 8 de abril de 2013 16:35, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  12. :-) Obrigada, Dr. Souto! Suas palavras são um grande incentivo!! É bom lembrar que não preciso ter pressa...Há anos luto contra a balança...erros e mais erros nas refeições, loucas dietas de fome sem resultados permanentes...a dieta Paleo é um grande "achado", pois posso comer tudo o que mais gosto: SEM CULPAS!

    Quanto as bebidas, então eu vou ficar apenas no vinho seco na hora do jantar...Também, vou tentar o Jejum intermitente...acabei de ler a sua postagem sobre isso. As vezes fico sem fome à noite e também acordo sem apetite, como algo por costume...vou tentar e depois relato minha experiência.
    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  13. E a caspa, será que também tem alguma relação com o que comemos? Desde 2002 eu usava xampu anti caspa, pois se ficasse sem, a cabeça começava a coçar. Esta semana me toquei que estou usando xampu comum há mais de um mês e a caspa sumiu.

    ResponderExcluir
  14. Mais uma:


    http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2013/04/08/nutriente-da-carne-vermelha-usado-em-suplementos-causa-doenca-do-coracao.htm

    ResponderExcluir
  15. É ridículo....acho que esse blog deveria ser disciplina de faculdade para esses novos cientistas...estou de boa, sem me preocupar com emagrecimento, vivendo um novo "estilo de vida". E, acima de tudo, estou feliz

    ResponderExcluir
  16. http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2013/04/estudo-liga-bacteria-doencas-provocadas-pelo-consumo-de-carne.html



    Olha que nojo, pra começo de conversa, carne causa doenças. Isso é um axioma pra reportagem. Em nenhum momento isso é discutido. O médico faz uma ressalva no final que carne tem proteínas e vitamina b12, mas qualquer pessoa inteligente e desinformada pode pensar que dado que carne provoca doenças, seria melhor consumir proteína de soja e vitamina b12 em cápsulas...

    ResponderExcluir
  17. Carlos Salerno Gonçalves9 de abril de 2013 10:14

    Dr. Souto...mais um artigo sobre carne e doenças...quando possível nos de sua opinião sobre o tema específico...Obrigado
    http://www.nature.com/news/red-meat-wrong-bacteria-bad-news-for-hearts-1.12746

    ResponderExcluir
  18. Além de tudo, tem os embusteiros charlatões que tiram dinheiro do povo como os pastores inescrupulosos tiram dos fiéis:
    http://www.homeopatiaalmeidaprado.com.br/index.php?route=product/product&product_id=3&utm_source=utm_source%3Duol&utm_medium=utm_medium%3Dbanner&utm_campaign=utm_campaign%3Dbesomed

    ResponderExcluir
  19. Excelente post! Eu me deparei com muitos médicos que não praticam medicina baseada em evidências quando fiquei grávida pela primeira vez, os obstetras que marcam cesáreas por conveniência e pediatras que prescrevem leite artificial e farinha láctea foram minhas primeiras decepções, depois disso fiquei muito cética em relação aos profissionais de saúde, e aos consensos gerais tipo "tomei toddy a infância toda e não morri". Eu sempre soube que havia alguma coisa muito errada c/ as recomendações de alimentação saudável pelo fato do meu marido comer pouco, basicamente alimentos integrais e carnes magras, e mesmo assim estar ali perto dos 100 quilos aos 28 anos e a síndrome metabólica bombando, e enfim a dieta paleo-primal apareceu na nossa vida e respondeu completamente essas questões, felizmente encontramos pessoas com coerência falando sobre alimentação, obrigada gente rsrs!!!!!

    ResponderExcluir
  20. Olá Francisco.

    Eu já tive experiências com várias dietas e uma delas foi a dieta do tipo sanguino. O meu é tipo O. Não me dei muito bem porque tinha uns feijões que deveria comer e sou intolerante a feijões. E pior, frango e bacon não eram liberados. Engordei muito! Meu marido é tipo A e tentou a dieta tbm, engordou horrores, ficou muito fraco. Mas quem olha para o meu marido, vê um viking! Ele tem pele clara, olhos claros e ombros largos, não é muito alto mas é muito forte. É um homem das cavernas "loiro"! Seria lógico uma pessoa com este porte não comer carnes?

    E quanto as atividades físicas? A dieta do tipo sanguíneo propõe atividades físicas relaxantes, sem peso, nada muito forte... Imagina um homem com esse porte sem fazer musculação?? Essa conta não fecha...

    Não acho logicidade na dieta do tipo sanguíneo porque ela nos limita a 4 grupos... Nós somos muito diferentes, assim como nossos ancestrais. Não existe UMA dieta páleo, como vc mesmo observou, muitas pessoas se adaptaram. Exemplo disso é que temos pessoas que toleram bem a lactose, outras não podem nem passar perto.

    Por isso gosto tanto da páleo / low carb - é um caminho para o autoconhecimento. Nunca vi um estilo de vida ser tão coerente com QUALQUER pessoa. Porque? Funciona assim: comeu mandioca e tudo bem, então coma. Engordou? Deu gazes? Não caiu bem? Não coma!! Simples assim! Somos muito diferentes para exigirmos de todo mundo que não pode misturar isso com aquilo. Quanto a hora certa... bem, pra mim a hora certa de comer é quando tenho fome! Afinal, qual outra hora seria?? E quem trabalha de madrugada vai ter que cumprir os horários determinados por outra pessoa? Não consigo ver lógica nisso.

    Fui vegetariana por 2 anos, fiquei anêmica, muito fraca e depressiva. Fiz crudivorismo por 8 meses, fiquei fraquinha e minha pele sofreu horrores, cabelo caiu, além de ser muito complicado.

    Penso que alimentação boa é aquela que conseguimos integrar na nossa vida, porque se não... de que vale???

    Quando olhamos para um cão galgo é EVIDENTE que ele precisa correr. Que seu metabolismo, seu físico, suas necessidades são totalmente diferente de um yorkshire. É só OLHAR! Mas os dois são CÃES! Nós somos seres humanos. Somos os seres vivos mais complexos que existem. Não dá para querer impor um modelo de dieta que seja bom para todos. Os princípios básicos da páleo / low carb são ótimos, porque te dão um 'norte'. Mas apenas isto! O caminhar é individual.

    ResponderExcluir
  21. http://www.meupratosaudavel.com.br/#framegeral

    (a teoria de alimentação desse site é péssima, mas essa parte vale à pena ler)

    “O consumo exagerado de produtos com farinha branca, que se torna glicose no organismo, e de açúcares faz o pH vaginal mais ácido. Isso eleva a produção de bactérias locais, gerando a candidíase e o corrimento, que é uma das principais causas de consulta ginecológica”, explica Poliani Prizmic, ginecologista do Hospital e Maternidade São Luiz, de São Paulo (SP).

    Consumir muitos produtos industrializados, com alto teor de gordura ou ricos em leveduras, como cerveja, vinho e vinagre, entre outros, também propiciam condições para o desenvolvimento da doença, segundo Lara Natacci, nutricionista do programa Meu Prato Saudável, do Hospital das Clínicas de São Paulo (SP).

    Ela relata que uma nova vertente no estudo da candidíase defende que algumas pessoas podem desenvolvê-la por serem alérgicas a certos alimentos ou elementos químicos que promovem o crescimento do fungo Candida albicans. Entre eles, estão o fermento, o bolor (presente em alimentos como batata, queijos, cenoura, beterraba e alguns tipos de chás), a lactose (em leite e derivados), o glúten e agentes químicos como, por exemplo, conservantes utilizados em alimentos.

    “Algumas pesquisas realmente observam uma melhora dos sintomas quando são retirados da dieta alimentos potencialmente alergênicos como glúten, laticínios e frutas cítricas, mas são necessários mais estudos que comprovem esta relação”, observa Natacci.

    ResponderExcluir
  22. Por vezes dá vontade de gritar: PAREM E RACIOCINEM!!!

    Felizmente tenho conseguido mostrar nossas verdades para muitos.
    Por vezes sou inquirido e preciso descer as escadas dizendo: mas que gira, gira!
    São dogmas tão enraizados que puxar o assunto, por vezes, é como mexer em um vespeiro parecido com religião e futebol.
    Felizes de nós, os convidados para a santa ceia lowcarb e hifat.

    Obrigado, Souto, mais uma vez!

    ResponderExcluir
  23. And yet, it moves!


    Em 9 de abril de 2013 16:03, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  24. Olá, Dr. Souto!
    Conheci seu blog e achei fantástico tudo que li até agora. A quebra de paradigmas na ciência alimentar está avançando e tenho esperanças de que, em algumas décadas talvez, a humanidade possa reverter essa escalada crescente de obesidade e doenças relacionadas a Síndrome Metabólica. Gostaria de perguntar qual a relação entre a insulina e o ganho de massa muscular, pois já vi em alguns artigos que este hormônio contribui para o processo anabólico. Também queria saber se a dieta páleo pode ser seguidas por atletas. Não sou profissional, mas faço atividade física de forma intensa, diária, mínimo de 1h, e gostaria de saber se é possível cortar os carboidratos e não ter queda no rendimento. Se possível, gostaria de saber se o Dr. conhece algum site que trate sobre processo de ganho muscular x dieta páleo.
    grato e parabéns pelo trabalho!

    ResponderExcluir
  25. Me acabei de ria antes de chegar a parte que você dissecaria o texto mostrando mais verdades ou pelo menos análises coerentes sobre o fato abordado. É ridícula a insistência de que a gordura é o maior vilão vendo-se carboidratos destruírem dietas e ganhos de atividades físicas e simplesmente nem pensar que sejam eles os culpados... Pois é... Sem muito discernimento, sem muito estudo... as pessoas vão continuar reféns de reformuladores de teorias capengas como esses americanos.

    ResponderExcluir
  26. É, é trágico mas tem um lado cômico :-)

    Sent from Galaxy S3
    Em 09/04/2013 23:02, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  27. Carlos Salerno Gonçalves10 de abril de 2013 15:06

    Parabéns...cada vez que eu ia lendo...ia achando o texto cada mais genial..."grandes médicos cientistas da atualidade" fazem ciência buscando, criando e modificando fatos para que possam sustentar suas "belas" teorias usadas durante toda sua vida profissional e não imagino que mudariam de paradigma e/ou admitiriam que estão errados! Parabéns pelo texto...acho que esse texto demonstra de forma direta e clara os equívocos científicos atuais sobre nutrição, saúde e exercícios.

    ResponderExcluir
  28. Obrigado, Carlos :-)


    Em 10 de abril de 2013 15:06, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  29. Só um comentário, um ovo nao teria entre 80, 85kcal? Desculpa, eu estava lendo o post pelo celular e tive que entrar no computador pra conferir, porque me assustou o valor e eu estava quase segura que meu omelete com 3 ovos nao tinha 600kcal rs.

    ResponderExcluir
  30. Obrigado, Lyvia, já corrigi. Na corrida, consultei o valor por 100g e não por unidade.

    Sent from Galaxy S3
    Em 10/04/2013 19:47, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  31. Oi Patrícia, gostaria da sua opinião sobre drenagem linfática, sei que não emagrece, mas na sua opinião seria interessante fazer pela questão da retenção de líquido, ou caso já lido algo informativo sobre poderia compartilhar? Tudo de bom!

    ResponderExcluir
  32. Cephalalgia. 2011 Jul;31(10):1150-1. doi: 10.1177/0333102411412089. Epub 2011 Jul 4.
    Ketogenic diet in migraine treatment: a brief but ancient history. Maggioni F, Margoni M, Zanchin G.

    Front Pharmacol. 2012;3:59. doi: 10.3389/fphar.2012.00059. Epub 2012 Apr 9. The ketogenic diet as a treatment paradigm for diverse neurological disorders.
    Stafstrom CE, Rho JM.
    Source
    Department of Neurology, University of Wisconsin Madison, WI, USA. Abstract
    Dietary and metabolic therapies have been attempted in a wide variety of neurological diseases, including epilepsy, headache, neurotrauma, Alzheimer disease, Parkinson disease, sleep disorders, brain cancer, autism, pain, and multiple sclerosis. The impetus for using various diets to treat - or at least ameliorate symptoms of - these disorders stems from both a lack of effectiveness of pharmacological therapies, and also the intrinsic appeal of implementing a more "natural" treatment. The enormous spectrum of pathophysiological mechanisms underlying the aforementioned diseases would suggest a degree of complexity that cannot be impacted universally by any single dietary treatment. Yet, it is conceivable that alterations in certain dietary constituents could affect the course and impact the outcome of these brain disorders. Further, it is possible that a final common neurometabolic pathway might be influenced by a variety of dietary interventions. The most notable example of a dietary treatment with proven efficacy against a neurological condition is the high-fat, low-carbohydrate ketogenic diet (KD) used in patients with medically intractable epilepsy. While the mechanisms through which the KD works remain unclear, there is now compelling evidence that its efficacy is likely related to the normalization of aberrant energy metabolism. The concept that many neurological conditions are linked pathophysiologically to energy dysregulation could well provide a common research and experimental therapeutics platform, from which the course of several neurological diseases could be favorably influenced by dietary means. Here we provide an overview of studies using the KD in a wide panoply of neurologic disorders in which neuroprotection is an essential component.
    PMID: 22509165 [PubMed] PMCID: PMC3321471 Free PMC Article
    Em 08/04/2013 10:54, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  33. Olá Mônica.


    Drenagem linfática deveria fazer parte da cesta básica!... Seria maravilhoso pudéssemos fazer uma vez na semana. Intercalando com uma modeladora então, fica perfeito. Mas haja orçamento e tempo. Enfim, ajuda sim, na questão do emagrecimento porque facilita e eliminação de toxinas. Não que vá sair "gordura" na massagem. Mas pense em um rio com entulhos. A água corre por ele com certa dificuldade, ficando suja, mas corre.... Quando se retira os entulhos, a água corre rapidamente e o rio fica limpo com mais facilidade.

    ResponderExcluir
  34. Perfeito esse post! Para variar tenho uma pergunta: Qual a relação da dieta low carb com a menopausa? Alguma melhora de sintomas ou retardamento no aparecimento dos primeiros sintomas?

    ResponderExcluir
  35. Há relatos de melhora nos sintomas nos fóruns da internet, mas são apenas relatos pessoais.

    2013/8/15, Disqus :

    ResponderExcluir
  36. Dr, comi abacate com um pouquinho de mel de limão agora. Ai me perguntei: Será que o mel é açucar ruim como o refinado? O sr sabe o que a dieta low carb preconiza sobre o uso do Mel? Tks, Tatiana

    ResponderExcluir
  37. Mel é sacarose, igual ao açúcar de mesa. Se for usar, use bem pouquinho!
    2013/8/15, Disqus :

    ResponderExcluir
  38. Mais uma dúvida :-)
    Estou com gases no estômago, chega a doer a boca do estômago. Não estou comendo carboidratos. Será que tenho que mudar algo na alimentação?

    ResponderExcluir
  39. Olá Tatiana.

    Tem quanto tempo de mudança? "Constipação, diarreia, gases, qualquer coisa é normal logo de pois de mudar-se radicalmente de uma dieta para qualquer outra dieta. Seu intestino está-se adaptando, sua flora intestinal está-se adaptando. Tente identificar se há um alimento específico que lhe dá mais gases e mude."

    Fique atenta aos carboidratos , pois eles fermentam e provocam gases.



    Explore mais o blog! Digite no espaço "Pesquisar este blog" a palavra 'gases' e leia os comentários!

    ResponderExcluir
  40. É a mesma coisa que querer provar que é o papel e não o fumo do cigarro que causa câncer.....

    ResponderExcluir
  41. Ola! Estou com grande dificuldade em perda de peso. Ja troquei alguns post com a Patricia. Hoje descobri que pode ter relação com candida. Voces sabem me dizer algo sobre isso? Se realmente pode afetar?
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  42. Camila R Marquetto Saikoski25 de janeiro de 2014 01:46

    adorei a parte das moscas presas no vidro. Nível máx de humor ácido... rsrsrs

    ResponderExcluir
  43. Vanessa no capítulo 13 do livro "A Nova Dieta Revolucionária do Dr Atkins" diz que tem haver sim, eu inclusive entrei para saber o tratamento, já que sofro de candidíase recorrente (sempre piora próximo ao período menstrual) e descobri que se ingerir berinjela, engordo rapidinho...Dr Souto, qual o tratamento para o excesso de cândida em nosso organismo?

    ResponderExcluir
  44. Procure no google: candidíase e iogurte natural.

    ResponderExcluir