terça-feira, 29 de outubro de 2013

Um experimento natural - Kiribati e Vanuatu - 2 ilhas, mesma etnia, duas dietas diferentes

A reportagem saiu publicada em uma revista da Nova Zelândia.

Vanuatu e Kiribati são dois minúsculos arquipélagos do pacífico sul, países independentes, povoados por pessoas de uma mesma etnia. Então, porque uma ilha tem pessoas tão saudáveis, e a outra tem pessoa tão doentes? 




http://www.stuff.co.nz/life-style/wellbeing/9327862/Fighting-fat-with-fat

Combatendo a gordura com gordura

diet doctors

A epifania veio quando o professor Dr. Grant Schofield estava trabalhando em duas pequenas ilhas do Pacífico, Kiribati e Vanuatu, em uma missão de saúde pública.

Em Vanuatu, ele encontrou a maior parte da população saudável e feliz, vivendo da forma que sempre viveram, em vilarejos isolados com mínima influência do mundo exterior. Em Kiribati, entretanto, onde as pessoas dependem fortemente em ajuda humanitária do exterior, virtualmente todos os adultos tinham sobrepeso ou eram obesos. As crianças eram mal nutridas. O diabetes estava tão fora de controle que o hospital local amputava até 20 membros por semana.

"Eu saí de Kiribati pensando 'não há motivo para otimismo aqui'", disse 
Schofield. "Em saúde pública, você tende a ser sempre positivo, mas eu lembro de pensar, durante aquele voo, 'esqueça a elevação do nível do mar, essas pessoas têm um problema muito maior'"

A diferença? A comida. Especificamente, a quantidade de carboidratos. Em Vanuatu, as pessoas comem da forma que vêm comendo há décadas - mantimentos que eles mesmo plantam, colhem ou pescam - principalmente peixes, hortaliças e coco.


Em torno de 60% de suas calorias vêm da gordura, mais do que o dobro da ingesta na Nova Zelândia. Havia muito pouco carboidrato, apenas uma pequena quantidade de arroz.

Enquanto isso, em Kiribati, os ilhéus sobreviviam com base em importações baratas tais como refrigerantes, arroz branco, farinha de trigo, açúcar, peixes enlatados e macarrão instantâneo.

"Foi então que a ficha caiu!", 
Schofield disse. "Duas ilhas, uma funcionando com comida de verdade, a outra com as calorias mais baratas disponíveis - carboidratos refinados. Se você jamais quis evidências de que os carboidratos refinados prejudicam os humanos, você deveria ir a Kiribati e ver com os próprios olhos"


Foi este momento que impeliu 
Schofield, um professor no Centro de Potencial Humano da Universidade de Tecnologia de Auckland, a retornar à Nova Zelândia e tentar uma dieta de baixo carboidrato e alta gordura em si mesmo (Low Carb, High Fat, ou LCHF).

Ao invés de usar pão, arros e massa como principais fontes de energia, Schofield trocou para carnes, peixes e laticínios gordos -  incluindo queijo e nata - nozes, sementes e azeite de oliva, obtendo 80% de suas calorias da gordura.

O resto de sua energia vinha de frutas e hortaliças - com uma ocasional taça de vimho. Um dia típico começava com um smoothie de leite de coco com frutinhas vermelhas; atum, queijo e aipo no almoço; e filé grelhado e brócolis refogado no azeite de oliva na janta.

"Eu primeiro experimentei em mim mesmo pois achei que seria ridículo", disse 
Schofield. "Mas então eu fiz alguns experimentos com máscara respiratória e descobri: 'espere um pouco - parece haver algo interessante aqui!'"

Isso foi no ano passado. Hoje, depois que Schofield testou sua teoria de dieta LCHF em atletas no Instituto Millennium para o Esporte na Praia Norte de Auckland e comparou os resultados com os de 20 estudos clínicos randomizados de vários lugares do mundo, ele não apenas acredita que uma dieta LCHF funciona, mas que esta pode ser a chave para uma vida mais saudável - a chave para reduzir o diabetes e a obesidade.

"O que nos foi dito é que se você comer gordura, engorda", disse ele. "Mas, na verdade, a confusão é apenas porque se usa a mesma palavra para as duas coisas - gordura no corpo e gordura na dieta"

Ele prefere olhar a ciência por trás do assunto - "Ela faz sentido", ele diz. 

A melhor forma de explicar a ciência é usando roedores. Em seu computador, Schofield mostra uma imagem de dois ratos de laboratório lado a lado. Um tem tamanho normal. O outro é do tamanho de uma pequena bola de rugby, deitado, inchado e grotesco.

"OK, diz 
Schofield". "Nos foi dito que a única solução para a obesidade é se as pessoas comerem menos e se exercitarem mais - balanço calórico - certo? Bem, se por um lado isto, de certa forma, é verdade, eu penso que a fisiologia é um sistema MUITO mais complexo do que isso".

Basicamente, ele diz, há alguns hormônios no corpo que têm muito a ver com o controle do peso. Um é chamado de leptina. É secretado pelas células gordurosas e ajuda o cérebro a regular o quanto se come - como um interruptor que diz "eu já comi o bastante".

O rato obeso é de uma variedade que foi produzida para não fabricar leptina. Embora tenha sido alimentado com exatamente a mesma quantidade que o rato normal, ele acaba ficando mais gordo e comeria até morrer, se pudesse.

O segundo hormônio é a insulina, que é produzida pelo pâncreas para regular o açúcar no sangue (glicose).

Quando nós comemos carboidratos, elevamos a glicose no sangue, diz 
Schofield, e a insulina atua sobre as células adiposas desligado a sua capacidade de queimar gordura.

A insulina tenta fazer a glicose entrar nas células musculares para ser usada como energia. Se isso não pode ocorrer (pois já estão cheias de glicose), há ainda o fígado. E se o fígado também já está repleto de glicogênio (a forma com que nosso corpo estoca a glicose), a insulina faz que com armazenemos estes carboidratos como gordura.

Se você está em boa forna, diz 
Schofield, seu consumo de carboidratos provavelmente não será estocado como gordura. Entretanto, esta não é a única questão.

O segundo problema é a insulina propriamente dita - particularmente entre aqueles propensos ao diabetes tipo 2, que produzem insulina mas são resistentes a ela, o que significa que mesmo pequenas quantidades de glicose induzem grandes quantidades do hormônio no corpo.

O problema, diz Schofield, é que o excesso de insulina pode bloquear a ação do outro - e muito importante! - hormônio, a leptina, no cérebro.

"Ao fim e ao cabo, você se torna como aquele rato deficiente em leptina que só quer comer, comer e comer", diz Schofield. "Não se trata de força de vontade aqui. Sua fisiologia está trabalhando contra você".

Portanto, Schofield diz, a resposta parece óbvia. Restrinja os carboidratos e você resolve ambos problemas - seu corpo aprende a queimar gordura como fonte de energia ao invés de carboidratos e os níveis de insulina ficam sob controle.

E isso não é apenas para os que estão acima do peso. Eu seus testes iniciais, Schofield convenceu o praticante de Ironman Bevan McKinnon a fazer a dieta LCHF, e o levou para o laboratório.

Então, eles avaliaram a proporção de gordura e carboidratos que
 McKinnon estava metabolizando antes e durante a dieta - medindo a proporção de oxigênio inspirado e CO2 expirado durante o exercício.

Schofield descobriu que McKinnon podia agora metabolizar uma maior proporção de gordura depois de comer LCHF por 10 semanas - indo de 80% de energia proveniente de carboidratos para 80% da energia proveniente de gordura em 10 semanas.

McKinnon disse que ele se sentia, surpreendentemente, melhor agora, depois da dieta LCHF - até mesmo seu colesterol alto melhorou.

Outro que se converteu é o triatleta e ironman 
Graham Brewster, que já vem comendo LCHF há 1 ano.

"Eu sou uma das primeiras cobaias de Grant. Ele sentou comigo e disse: 'olha meu chapa, por que você treina tanto e continua tão gordo?'"

Em pouco tempo ele perdeu 7 Kg, e está com apenas 7,3% de gordura corporal. "Precisei de um pouco de experimentação para achar o nível certo de combustível para meus treinos, mas eu me sinto muito melhor"

Embora a teoria soe perfeitamente lógica em princípio, e os resultados sejam bons até agora, há um problema. A abordagem de Schofield é completamente contrária às diretrizes nutricionais do Ministério da Saúde da Nova Zelândia - que advoga o consumo de muitos grãos e vegetais, laticínios desnatados e carnes magras.

A Fundação do Coração, que advoga evitar a gordura saturada das carnes e laticínios, diz que tem receio da abordagem High Fat (alta gordura).

Schofield ficou em conflito com vários experts de muita expressão, como o professor de nutrição humana da Universidade de Otago Jim Mann, que diz não haver nenhuma evidência de que qualquer pessoa devesse se manter por longo prazo em uma dieta de muito baixo carboidrato (nota do tradutor - e as ilhas de Vanuatu e Kiribati??).

Mann disse que, de fato, algumas pesquisas mostraram que a "moda" de dietas de baixo carboidrato  (dietas em que os carbs perfazem menos de 40% das calorias) produz aumento dos níveis de colesterol (nota do tradutor - isso está comprovadamente errado - clique aqui) - o maior fator de risco para doença cardiovascular - em alguns países (nota do tradutor - o maior fator de risco para doença cardiovascular, na atualidade  é a síndrome metabólica, o diabetes e a obesidade; mesmo que o colesterol dos habitantes de Kiribati seja mais baixo por comerem low fat, eles são obviamente muito mais doentes - a preocupação obsessiva - o obcecada - com o valor do colesterol impede a pessoa de ver o todo!!).

"Esta abordagem é vista como uma coisa lunática", diz 
Schofield.

"Algumas pessoas pensam que estou louco. E talvez eu esteja. Mas, na ciência da nutrição, como em todas as ciências, temos que estar preparados para mudar nossas ideias frente às evidências. Se estivéssemos corretos, então não estaríamos em meio a uma epidemia de obesidade e diabetes".
Schofield conseguiu convencer alguns profissionais de saúde, incluindo colegas da Universidade, a unirem-se a ele em sua saga.

Ele já tem vários colegas a bordo graças ao seu incansável entusiasmo - um dia ele atravessou o escritório bebendo nata pura para da o exemplo - e palestras públicas sobre a dieta têm estado lotadas.

A Dra. Caryn Zynn, uma nutricionista, é uma das que está adotando a abordagem e já começou a recomendar a seus clientes.

"No geral, as pessoas gostam da dieta", ela diz. "Eles se sentem saciados. Muitos dizem que eles sentem como se fossem viciados em carboidratos - o que provavelmente é verdade, pois o açúcar, como sabemos, é viciante".

Zynn diz,no entanto, que há muitos obstáculos a serem superados. Um problema é que as pessoas têm medo da gordura.

O segundo problema é se a coisa é factível e acessível - dado o custo relativamente alto da comida fresca - para famílias, no longo prazo.

"Estaremos olhando para os que têm sobrepeso, diabetes - tais como a população dos habitantes das ilhas do Pacífico", diz ela.

"Queremos ver o quanto irá beneficiar estes grupos."

Zynn diz que, embora seja uma abordagem pouco convencional, ela sente-se confortável em recomendá-lo e está ansiosa para realizar mais pesquisas. "Nós apenas temos que pensar - esta dieta irá prejudicar alguém? E as evidências claramente dizem que não".

Schofield aponta para o prato de comida de sua mesa como exemplo - carne, queijo, abacate, nozes - e diz: "De que forma isso poderia ser ruim para você? Estamos falando de comida fresca, do tipo que as pessoas vêm comendo por 99% do tempo em que existimos na face da terra. São os produtos (processado) que duram semanas e semanas que me preocupam mais".

Zynn irá agora conduzir mais pesquisas com pessoas obesas.

Schofield, por outro lado, é mais ambicioso. Ele quer convencer os experts em saúde pública de que esta abordagem merece ser testada.

Depois de 20 anos apoiando a abordagem tradicional, ele agora quer que seus colegas de nutrição considerem que podem ter estado errados durante todo esse tempo.

"O que vínhamos fazendo não está funcionando." "A recomendação de comer produtos nacionais foi uma tentativa válida por um certo tempo. Eu argumentaria que podemos fazer muito melhor", diz Schofield. Sua pesquisa ainda precisa ser publicada.

Esta semana, o número de obesos deverá atingir 1 milhão (na Nova Zelândia). O número de diabéticos segue aumentando.

"Então, sim, estamos avançando rapidamente", diz Schofield, "mas não rápido o suficiente".

- © Fairfax NZ News

71 comentários:

  1. Quero dizer o seguinte:

    E que surjam muitos outros Schofields, Soutos, Wolfs, Sissons, Bailors!
    E que a saúde possa ser retomada para a vida das pessoas com uma alimentação simples e inteligente...

    E quem sabe que seja rápida o suficiente...

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo EXAGERO de me colocar entre esses :-)

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 30/10/2013 00:05, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  3. Patrick, concordo com vc. Que venham mais destes: Schofields, Soutos, Wolfs, Sissons, Bailors! E também: Polessos e Geoshs ( do emagrecerdevez.com ),Willians ( Barriga de Trigo) Hiltons ( do blog: paleodiario), a Marias ( do "mais gordura e menos carboidratos). E com certeza mais pessoas que estão tentando fazer-nos voltar a alimentação original do ser humano!!Muito obrigada Drº. Souto por sua dedicação em nos conceder seu tempo,para traduzir textos que nos trazem tantos esclarecimentos!!



    Abraços e que o Criador lhe ajude cada dia!!

    ResponderExcluir
  4. É tão emocionante ver depoimentos de como as pessoas estão descobrindo a verdade... q estão vivendo a verdade. Tomara q isso se espalhe e mais gente com o cérebro (é raro. provavelmente a glicose faz vc virar um zumbi tbm. ainda vou fazer um estudo randomizado sobre isso e provar a origem do apocalipse zumbi kkkk) veja, pense e descubra sobre isso e possa viver melhor.

    ResponderExcluir
  5. Não há exagero algum. O merecimento é todo seu. Ainda consome tempo com traduções, sem mencionar que o Brasil é um país pouco acostumado com o debate e com as evidências científicas.
    Aqui o debate aqui leva cinco minutos para cair nos argumentos ad hominem ou na desinformação, porque a "evidência científica" aceita é o nome dos considerados experts no assunto, que jamais podem estar errados, já que são semideuses ou coisa que o valha. Uma visão anticientífica e dogmática. Não é só o caso da alimentação, é o jeitão brasileiro de tratar certos assuntos mesmo. As opiniões valem mais do que os fatos. É fato!
    Vc merece todos os elogios. O seu trabalho é a referência no Brasil sobre nutrição. Trate de aceitar os elogios e pode comemorar com um bom vinho, porque o trabalho de formiguinha vai alcançar resultados espetaculares.
    Abço,

    ResponderExcluir
  6. Você merece, doutor! Já eu... :-D

    ResponderExcluir
  7. Dr. seu Blog tem me ajudado muito, falta pouco para ler ele todo! Muito bom mesmo!


    Tenho uma dúvida: Vitaminas, preciso tomar algum tipo de suplemento?


    Já como muitos vegetais e alguns legumes, não sinto falta de frutas, mas dizem que elas contem muitas vitaminas!


    Perdi 3 kg em 40 dias, nos finais de semana geralmente saio um pouco da dieta, ao menos em uma refeição.


    Faço musculação 5x por semana, 16% de gordura e pretendo chegar aos 12%, não me importo muito com peso, quero mesmo é ficar saudável.


    Também tomo Whey Isolado, após os treinos!


    Muito Obrigado!!!

    ResponderExcluir
  8. Ah, Hilton, suas postagens são muito boas também!!! Tento me espelhar em você e no Dr. Souto em meu blog.

    ResponderExcluir
  9. Muito obrigado:-)

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 30/10/2013 16:27, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  10. Meça a vitamina D para saber se está baixa.

    Vegetais são mais nutritivos do que as frutas, não se preocupe.

    Se eu puder sugerir, musculação mais pesada e MENOS vezes (3x/semana)

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 30/10/2013 17:56, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  11. Imaginem vocês que as pessoas, mesmo vendo que eu perdi bastante peso com a reeducação alimentar Low-Carb e Paleo, não acreditam na ingestão dos alimentos que eu descrevo! Escuto de tudo: - Abacate e coco engordam! Tem que comer carne menos gordurosa! E por fim acreditam que eu estou tomando remédio para emagrecer. Atingi, em 94 dias da mudança da alimentação, uma perda de 21 quilos, de 115 para 94. Se médicos conceituados, estudiosos e que se baseiam em pesquisas científicas e fatos concretos não conseguem ter, digamos assim, uma aceitação nas orientações, imaginem um simples mortal igual a mim! A lavagem cerebral no povo foi extremamente eficiente.A indústria alimentícia é fortíssima, hein? Mas eu continuo tentando propagar o que eu aprendi. Abraço a todos!

    ResponderExcluir
  12. Muito Obrigado! Vou seguir as orientações!

    ResponderExcluir
  13. quebrar paradigmas e simplesmente pensar um pouquinho as vezes custa um bocado para nossos cérebros. "como o cardiologista da minha vizinha pode estar errado, ele estudou anos"....é o tipo de pensamento que acomete a muitos...

    ResponderExcluir
  14. Belo depoimento, Cindy! O "medo inicial" quando abraçamos LCHF é uma coisa assustadora mesmo, e os dedos que a família nos aponta não ajudam em nada. Fique firme, e bola para a frente!

    ResponderExcluir
  15. "A verdade é o que assombra" - Renato Russo

    ResponderExcluir
  16. Cindy - vou GUARDAR esse seu texto!! Obrigado :-)
    Lembre-se de eliminar completamente as leguminosas (coisas que crescem em vagens, incluindo amendoim), que também podem alterar a permeabilidade intestinal (o glúten, afinal, é uma lecitina, parente das lecitinas da leguminosas).

    Quando vc voltar aqui, me dê um update por email também, para eu não perder isso!

    Se vou ajudar a fazer uma revolução no Brasil, tenho minhas dúvidas. Mas fazer uma revolução em algumas vidas, como a sua, já me fazem ganhar o dia!

    Em 31 de outubro de 2013 02:20, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  17. Claro que você faz parte deste time Doctor! Abraço

    ResponderExcluir
  18. Cindy, lindo depoimento. E vc não está sozinha...eu também sofro de ataque de risos quando vejo banha, bacon e óleo de coco. Boa sorte!

    ResponderExcluir
  19. Que lindo! Que maravilha ler seu texto Cindy! obridada por compartilhar!

    ResponderExcluir
  20. Concordo com a Nilza. Todo o seu empenho, toda a sua doação...é algo admirável! Parabéns! Merece sim estar juntinho dos grandes!

    ResponderExcluir
  21. Nossa, que depoimento lindo! Sinceramente, me emocionei. Já estou lendo a muito tempo sobre esse estilo de vida, mas ainda não consegui colocar em prática tudo, mas tô engatinhando. Peço licença para copiar seu texto para passar para minha mãe que pode ter o mesmo problema que o seu, mas não me "escuta". Digo que pode ter o mesmo problema, pq minha tia, irmã dela é celíaca e já vi muitos casos de ser genético. Obrigada pelo depoimento!

    ResponderExcluir
  22. Dr. Souto, sei que nao é o assunto, mas queria tirar uma dúvida. No meu exame de sangue, o TGO e TGP ficaram muito mais altos que o normal. TGO está em 138 U/L, onde a referencia é de até 40 U/L. E o TGP está em 51 U/L, onde a referencia é até 41 U/L. Poderia informar se esses niveis altos são algum problema? Faço LCHF 2 meses. Agradeço desde já pela atenção.

    ResponderExcluir
  23. É revigorante saber que posso comer minhas comidas prediletas e sem culpa, muito abacate, gergelim, azeite de oliva, ovos, carnes em geral, verduras e, há pouco tempo, sem farinhas e leguminosas.
    Minha pergunta é: É normal ficarmos tanto tempo sem fome? Tomo meu café da manhã, 8 h, e se duvidar só sinto fome lá pelas 17 h. Hoje sinto-me muito melhor que há 15 dias, quando eliminei/reduzi drasticamente os carbs.
    Um grande abraço ao Dr. Souto por divulgar e partilhar seus conhecimentos, somos todos gratos.

    ResponderExcluir
  24. Como eram antes?


    2013/10/31 Disqus

    ResponderExcluir
  25. Sim. O anormal é ter fome o tempo todo - por causa dos carbs.


    Em 31 de outubro de 2013 16:13, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  26. Mariana Montezzana31 de outubro de 2013 17:43

    Fantástica a matéria. Aos poucos vamos mudando o corpo e a opinião das pessoas. Juntos por um mundo mais saudável. Fico MUITO FELIZ de poder ajudar um pouco. www.vidalowcarb.com.br

    ResponderExcluir
  27. Em Maio/2012 o TGP estava em 45 U/L, e o TGO estava em 25 U/L.

    ResponderExcluir
  28. Acho que vc vai precisa investigar isso com um gastro. Descartar hepatite. Avaliar a possibilidade de toxicidade de alguma medicação que vc esteja usando.


    2013/10/31 Disqus

    ResponderExcluir
  29. Que bom que nao é hepatite. Pode ser gastro mesmo, pois ja fui diagnosticado com gastrite e bulboduodenite, acredito que em 2011..

    ResponderExcluir
  30. Alan, eu disse que vc precisa descartar hepatite, não que não é hepatite - pode até ser!


    2013/10/31 Disqus

    ResponderExcluir
  31. Mas graças a Deus com a alimentação LCHF não sinto NADA de queimação, refluxo... :)
    De medicamento só mesmo losartana potassica e hidroclotiazida, pois sou hipertenso.

    ResponderExcluir
  32. Entendi. Vou procurar entao um gastro. Para investigar possivel hepatite, qual especialidade eu deveria procurar?

    ResponderExcluir
  33. Gastro também


    2013/10/31 Disqus

    ResponderExcluir
  34. Perfeito. Muito obrigado, Dr.! Estarei na sua palestra aqui no Rio de Janeiro, no dia 09/11! Grande abraço!

    ResponderExcluir
  35. Sim

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 01/11/2013 05:55, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  36. Amanda Antunes Petuba1 de novembro de 2013 09:53

    Dr. Souto, tem algum artigo que fale sobre o metabolismo da gordura animal no nosso corpo sem falar sobre colesterol? Meu marido me perguntou sobre como é o caminho do carboidrato dentro no nosso corpo e eu o respondi prontamente. Depois me perguntou sobre o metabolismo da gordura animal e eu não soube falar muita coisa. Sei que não interfere nos níveis de insulina, sei que não interfere muito nos níveis de colesterol, mas não sei como é metabolizado pelo nosso organismo. Vira "energia" e o restante vira gordura corporal? Não ficou claro para mim essa questão. Os artigos sobre gordura animal falam mais de colesterol e de doença cardíaca do que dela mesma. Fico confusa, essa questão não ficou clara para mim. Se puder me indicar um post sobre o assunto, agradeço.

    ResponderExcluir
  37. Olá. Não existe gordura animal ou gordura vegetal, gordura é gordura: http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/03/gordura-vegetal-versus-gordura-animal.html
    As gorduras, na vigência de baixos níveis de insulina, são metabolizadas nas mitocôndrias, gerando acetil-CoA que entra no ciclo de Krebs e produz elétrons para a cadeia respiratória gerando ATP para energia. Quando a insulina está alta, são desviadas preferencialmente para armazenamento, enquanto a glicólise transforma a glicose em acetil-CoA.


    Em 1 de novembro de 2013 09:53, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  38. meu fim de semana teve uns deslizes...empadas abertas do belmonte (quem é do Rio sabe o que estou falando kkkk) e uns chopps...além de uma feijoada (digo pelo feijão). Só sei que voltei a controlar minha fome somente hj...de segunda a quinta tive desesperos de fome no final da tarde (não cedi um mm da alimentação paleo LC)...será que foi pelos deslizes? pelo consumo dos carbs? será que isso despertou o leão dentro de mim? kkkkk mas pelo que vejo hj a coisa já está controlada...fora uma dor de cabeça violenta que tive pela manhã...

    ResponderExcluir
  39. Dr. Eu tenho uma certa duvida sobre o que sao legumes e o que nao sao, essa tal de lecitina e a mesma coisa que lectina? E a respeito do tabagismo voce tem alguma dica pra ajudar a parar

    ResponderExcluir
  40. Legume, do ponto de vista botânico, é o que cresce em vagens. Sim, são sinônimos. Parar de fumar é como para de comer carboidratos - precisa estar decidido e aguentar a abstinência. Se não de sozinho, um médico (em geral pneumologista) pode lhe ajudar.


    2013/11/1 Disqus

    ResponderExcluir
  41. Fernando Angelo Dannolfo1 de novembro de 2013 13:58

    Boa tarde Dr. Souto e demais paleos lowcarbers...

    Hoje no site do Terra havia esta notícia, e naturalmente que o velho bla bla bla sobre diabetes foi pregado de novo. Naturalmente também que eles colocam o fato da possível descoberta de uma nova droga como algo maravilhoso.

    http://saude.terra.com.br/,8d0a45fa11f02410VgnCLD2000000dc6eb0aRCRD.html?fb_ref=FBRecommPluginTerra

    Quanto à frase a matéria "Estudos demonstram que os obesos têm níveis mais reduzidos de adiponectina, hormônio que regula a glicose e aumenta a eficácia da insulina." Não poderia este ser um ponto relevante (caso a informação apresentada seja verdadeira) para complementar o tratamento de síndrome metabólica?

    ResponderExcluir
  42. Fabio Ricardo Silva1 de novembro de 2013 17:02

    Como saber a quantidade de ingestão diária de carboidratos??? E ainda assim perder peso.

    ResponderExcluir
  43. Corte tudo que não for salada verde e frutinhas vermelhas, comece a perder peso sem fazer força, reintroduza os carboidratos páleo se quiser, se parar de perder peso, é porque está com carbs demais. É simples assim.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 01/11/2013 17:02, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  44. Fabio Ricardo Silva1 de novembro de 2013 17:17

    Mas não tem um número não??? é q gosto de comer besteiras, portanto se soubesse a quantidade exata ajudaria muito!!

    ResponderExcluir
  45. Amanda Antunes Petuba1 de novembro de 2013 20:07

    Obrigada pela atenção, agora a ficha caiu. Sobre a "gordura animal" já tinha lido o artigo mas não tinha assimilado a ideia. Queria me referir à "gordura boa de se consumir" (sem ser óleo de soja, girassol, essas coisas, mas acabei me enrolando). Matei essa aula na escola e tenho um pouco de dificuldade para entender o metabolismo, principalmente quando se trata da gordura. Será que posso fazer esse resumo, pra ver se meus dois neurônios conseguem entender:

    Alto nível de insulina + ingestão de gordura = armazenamento.
    Baixo nível de insulina + ingestão de gordura = energia.

    Agora tudo faz sentido. É por isso que as pessoas não acreditam em quem faz lowcarb e emagrece, porque elas imaginam o acréscimo da gordura, mas não consideram a redução no carboidrato.

    Ainda bem que eu tinha seguido seu conselho no final do artigo que você indicou: se for difícil de entender, basta comer comida de verdade. Foi o que fiz. Obrigada.

    ResponderExcluir
  46. Perfeito!

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 01/11/2013 20:07, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  47. Só se fôssemos todos clones. Se você for magro de ruim, pode comer 400g de carboidratos sem engordar; se for muito resistente à insulina, não poderá passar de 20g. Só experimentando pra saber.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 01/11/2013 17:17, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  48. Incrivel esse post!!!

    Dr e colegas,

    Em setembro reduzi drasticamente os carbs. Emagreci 3kg. Em outubro introduzi as gorduras( oooo delícia) e fiz contagem dos carbs. Fiquei entre 100-150gr por dia. Emagreci outros 3 kg.

    Para novembro, minha meta é ficar entre 50-100g de carbs/ dia.

    O que mais vcs me sugerem para continuar emagrecendo?

    Tenho 20kg a eliminar.

    Desde já mt obrigada!!! Não sei o que é ter fome e compulsão por doces.

    ResponderExcluir
  49. ""empadas abertas do belmonte (quem é do Rio sabe o que estou falando kkkk)"" . Sei muuito bem, aquilo é uma tentação !! A de camarão com catupiry então meu Deus nem se fala, mas a minha preferida é a de carne seca. Quem sabe 1 vez no ano tipo assim em aniversário ou bodas eheheh eu vá e coma 1. Abraços, resista às tentações carbs.

    ResponderExcluir
  50. Dr. Souto ,tem uma tabelinha do que pode e o que nao pode comer? De repente ficaria mais fácil, p mim...obrigada

    ResponderExcluir
  51. Olá Fabio,

    Além de não existir um número, como salientou o Dr. José Carlos, as fontes de carboidratos são bem diferentes.


    Se quiser fazer um teste, compare a mesma quantidade de carboidratos de uma batata doce com outros provenientes de “besteiras”. A resposta do organismo é totalmente diferente! (Falo de inchaços abdominais, saciedade, compulsão por mais carboidratos... Além, é claro, de controle de peso)

    Para reduzir a carga glicêmica da dieta, além de reduzir a quantidade de carboidrato devemos melhorar as fontes daqueles que restam (se for o caso).

    Não existe a quantidade mágica. O que vai fazer a diferença é a condição metabólica que criamos pela alimentação.



    Um abraço a você e ao Dr!

    ResponderExcluir
  52. Olá Dr. Souto!
    Só chegamos a esses, graças ao seu magnífico e incansável trabalho, o qual, tem nos oportunizado o acesso a estas belas reportagens.
    Hoje, tenho um novo estilo de vida, comecei em 2011 com LC, atualmente LCHF.

    ResponderExcluir
  53. Grande Edis, meu garoto propaganda :-)

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 02/11/2013 14:10, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  54. Fabio Ricardo Silva2 de novembro de 2013 16:51

    valeu mesmo, abração!!!

    ResponderExcluir
  55. Fabio Ricardo Silva2 de novembro de 2013 16:58

    Seguindo essa dieta, existe a possibilidade de ocorrer mal-hálito ou até pelo fato de passar muito tempo sem comer nada.

    ResponderExcluir
  56. Nada que beber água frequentemente não resolva

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 02/11/2013 16:58, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  57. http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/01/como-devo-comer-comida-de-verdade.html

    Comece por aqui.
    Tabelinha, como em Atkins, não tem, que eu saiba. Mas é uma boa diretriz, se quiseres usar.

    Qual teu objetivo? Queres fazer Paleo ou Low Carb?

    ResponderExcluir
  58. Muitíssimo obrigada por todo o conteúdo do site!!
    Tenho Diabetes tipo 1 e já senti uma melhora com a nova alimentação sem carboidratos!
    Já comprei o livro Barriga de Trigo, estou louca pra ler!
    Acredito que eu tenha também intolerância a lactose.. neste caso posso cortar os carboidratos e também os laticínios sem danos pra saúde?
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  59. Cortar carboidratos só traz benefícios à saúde. Quanto a laticínios, o que tem lactose é o leite. Os laticínios fermentados são ok.
    Para quem tem diabetes tipo 1, há um livro indispensável: http://www.amazon.com/Dr-Bernsteins-Diabetes-Solution-Achieving/dp/0316182699/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1383848729&sr=8-1&keywords=bernstein+diabetes

    Em 7 de novembro de 2013 15:33, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  60. Eu sugiro apenas ter paciência (: as diretrizes estão aqui no site. Você já está seguindo, os resultados já estão aparecendo, o corpo sabe o que fazer, mesmo que a perda de peso passe a ser mais lenta no futuro. Boa sorte (:

    ResponderExcluir
  61. Coma feijoada sem feijao. Eu faco assim. Como os pertences e deixo o pouco de feijão que veio na concha lá no prato.. hahaha.

    ResponderExcluir
  62. É.. me acalmei. Não vou me cobrar tanto pois o estresse também engorda. Obrigada pelo comentário, Teresa.

    ResponderExcluir
  63. Bom dia Dr Souto, tudo bem?
    Me foi recomendado pela nutricionista (para dor nos joelhos, sou praticante de Crossfit) o uso de um produto chamado NUTRA FLEX (Stearic Acid, Magnesium Stearte, Di-Calcium Phosphate, Pharmaceutical Glaze) dizendo ser condroitina, glucosamina e minerais quelado... 2 tabletes por dia!!
    Dei início a Low Carb e Paleo seguindo as orientações do blog ontem (de forma correta), semana passada ainda consumi algumas frutas indevidamente, por inexperiência! bem, pergunto devo continuar tomando isso???
    Grata,
    Adriana

    ResponderExcluir
  64. Acho que não vai fazer mal - nem bem...


    Em 16 de novembro de 2013 09:16, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  65. tem um site, PatientsLikeMe, que poderia servir para divulgação da dieta low carb. quem sabe por aí a indústria farmacêutica e de alimentos não comece a perceber o que as pessoas realmente precisam (comida de verdade)

    ResponderExcluir
  66. outra coisa: de que serviria uma pessoa q faz a dieta low carb e não é diabético usar metformina? conheci uma pessoa q faz isso.

    ResponderExcluir
  67. Se a resistência à insulina permanecer alta após a dieta, reduzir resistência com metformina pode ajudar, pois valores de insulina mais baixos favorecem a perda de peso.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 21/11/2013 17:21, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  68. Ayowa Aromas Da Terra21 de novembro de 2013 22:24

    Ola amigos eu aqui com minhas duvidas, estou no 11 dia de dieta estou ainda meio estranho , meio aéreo acrescentei mais sal e tenho bebido muita agua,. Hoje fiquei meio enjoado de comer carne ,meu cafe sempre ovos bacon e depois abacate , almoco carnes e saladas a tarde tenho tomado coalhada com mel jantar carne e salada, sera que tenho feito algo errado,senti que havia emagrecido mas agora parece que estou meio cheio estufado.Qualquer ajuda e bem vinda
    Eugenio carlos

    ResponderExcluir
  69. Olá Eugenio,


    11 dias é pouco. Espere um pouco mais. Não vi você mencionar as boas gorduras (óleo de coco, manteiga, banha, azeite, gordura natural dos alimentos). Elas garantem energia e saciedade.

    ResponderExcluir