quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Flora intestinal - muito além dos carboidratos

Prepare-se, leitor! Essa será uma postagem DENSA. Se cansar de ler, vá para o final, e leia a conclusão. Estou há mais de UM ANO protelando essa postagem pelo tempo que sabia que demandaria e pela complexidade do assunto - enfim, para evitar as dores do parto. Mas, enfim, 2014 chegou e a postagem nasceu.


O corpo humano tem cerca de 10 trilhões de células. Células humanas, quero dizer. Pois cada um de nós carrega cerca de 100 trilhões de bactérias. Ou seja, para cada célula nossa, há DEZ células bacterianas. Não seria, portanto, errado se definíssemos a nós mesmos como uma grande colônia bacteriana ambulante. A maioria dessas bactérias encontra-se em nosso intestino. Essas bactérias evoluíram junto conosco - precisamos delas para viver. Elas nos ajudam a digerir nossa comida, ajudam a manter o número de bactérias patogênicas sob controle, e cumprem um sem número de outras funções (ativação de hormônios, produção de neurotransmissores, e por aí vai). Por isso mesmo, perturbações na flora estão associados a várias doenças, muitas das quais nem imaginaríamos que possam ter qualquer relação com o intestino.

Muitos artigos têm sido publicados sobre esse assunto, inclusive na mídia leiga, nos últimos meses:
  • Quando pacientes desenvolvem uma grave doença chamada colite pseudomembranosa - uma doença de alta mortalidade cuja causa é justamente alterações da flora intestinal devido ao uso excessivo de antibióticos - um dos únicos tratamentos é o transplante fecal. Você leu bem! Pega-se fezes de um familiar, passa-se em um liquidificador e se introduz através de uma sonda nasoenteral no paciente - a restauração da flora intestinal saudável cura a doença (veja aqui). Pacientes que receberam tais transplantes passaram a apresentar melhora de outras doenças, para surpresa dos médicos; O FDA americano já aprovou o tratamento em tempo recorde em 2013, por ser muito eficiente;
  • Pacientes com diabetes tipo 2 que recebem transplante de fezes de pacientes magros e sadios apresentam melhora na sensibilidade à insulina e nos triglicerídeos (veja aqui). No entanto, com o passar dos meses, o efeito desaparece (veremos porque adiante);
  • Doenças inflamatórias intestinais (Crohn, colite ulcerativa, cólon irritável) às vezes entram em remissão com transplante fecal (veja aqui);
  • Outras doenças auto-imunes (esclerose múltipla, asma, alergias, sinusite, artrite reumatoide, etc): há relatos de caso de melhora e mesmo remissão com transplante fecal (veja aquiaqui e aqui).
O que isso tem a ver com o assunto deste blog (dieta paleolítica e obesidade e doenças ocidentais)? Tudo. E, como veremos, é uma forma de conciliar várias contradições: 1) de que forma low carb funciona mesmo quando se consome proteínas que também elevam a insulina? 2) por que a perda de peso se interrompe (platôs de perda de peso) mesmo mantendo os carboidratos baixos?; 3) por que algumas sociedades com alta consumo de carboidratos (Kitava, Okinawa) são magros e livres das doenças ocidentais? 4) por que doenças de natureza inflamatória crônica e auto-imunes tendem a melhora com páleo?

Ok. Vamos começar com uma das notícias que circulou na mídia em 2013 sobre flora intestinal e obesidade. Veja os seguintes trechos dessa reportagem de revista Ciência Hoje:

"O experimento em questão começa assim: extraem-se bactérias da flora intestinal de irmãs gêmeas – isso é feito por meio de amostras de fezes. Mas, no caso, uma irmã é magra; a outra, obesa – isso ocorre em cerca de 5% dos gêmeos. Injetam-se esses micro-organismos no intestino de camundongos livres de micróbios.
Os roedores que receberam a flora das irmãs obesas ganharam mais peso e acumularam mais gordura, apesar de terem sido submetidos à mesma dieta e igual quantidade de comida que o grupo que recebeu as bactérias das magras.¨
Segue a reportagem:
"Vanessa Ridaura e colegas, da Universidade de Washington (EUA), puseram na mesma gaiola camundongos que haviam recebido as bactérias das gêmeas magras e aqueles que as receberam das obesas.
Camundongos praticam a coprofagia – ou seja, comem fezes. Com base nessa prática, os autores do estudo perceberam que, depois de 10 dias, os roedores obesos começaram a emagrecer e também tiveram o metabolismo alterado. Os camundongos ‘magros’ não foram afetados – ou sejam, seguiram magros e sem alteração metabólica."
E agora, a parte mais interessante:
"Segundo os autores, as bactérias da magreza não conseguem se hospedar em indivíduos que não se alimentam saudavelmente. O trabalho está emScience. Ou seja, dietas não saudáveis (por exemplo, pobres em fibras) acabam inviabilizando a flora intestinal responsável pela magreza."
(por favor, não saia correndo para catar as fezes daquela vizinha magricela!)

E que "dieta saudável" seria essa, para humanos? Isso nos leva a esse maravilhoso artigo, publicado em 2012:

 Traduzindo: A comparação com dietas ancestrais sugere que carboidratos densos acelulares promovem uma microbiota (flora) inflamatória, e podem ser a causa primária da resistência à leptina e da obesidade.


Ok, leitores, apertem os cintos:
  • Os autores começam por indicar que foi um grande erro implicar o consumo de gordura como causa de obesidade (ou seja, são pessoas esclarecidas);
  • Com a dieta ocidental, manter-se magro requer restrição calórica voluntária contínua;
  • Mesmo os ocidentais magros têm leptina alta (leptina é um hormônio que deveria produzir saciedade e maior gasto calórico; neste contexto, leptina alta é um indicador de resistência à leptina, uma situação na qual há redução do gasto calórico e aumento da fome);
  • Os nativos de Kitava, que consomem uma dieta páleo de ALTO carboidrato (60-70% das calorias na forma de raízes e frutas, mas sem grãos nem açúcar), têm níveis de leptina, insulina e glicose dramaticamente mais baixos que os dos ocidentais (embora seu nível de atividade física seja o mesmo de um trabalhador braçal ocidental);
  • As causas não são genéticas/étnicas, pois os nativos que mudam-se para as cidades tornam-se obesos;
  • O mesmo fenômeno foi observado em outra culturas caçadoras-coletoras mundo afora;
  • É notável a independência da proporção de macronutrientes na saúde das populações que consomem dietas ancestrais:
    • Kitava: ALTO carboidrato, incluindo alto índice glicêmico
    • Masai, Kavirondo, Turkhana: muita carne vermelha, baixo carboidrato.
    • São todos igualmente saudáveis e livres das doenças ocidentais;
  • TODOS os estudos comparando uma dieta com grãos versus uma dieta sem grãos indicam benefício da dieta sem grãos;
  • Dietas páleo são cerca de 30% mais saciantes do que a dieta ocidental - medida em estudos clínicos controlados;
  • Esta maior saciedade é independente da densidade calórica, da densidade de fibras ou da proporção de macronutrientes - basta ser páleo.
  • O balanço geral das evidências aponta para os alimentos processados em geral e para os grãos em particular como os principais responsáveis pela obesidade;
  • A obesidade é caracterizada por inflamação crônica sistêmica;
  • Lipopolissacararídeos (LPS) circulantes - fragmentos de bactérias da flora intestinal, presentes no sangue e absorvidos através da parede do intestino - estão muito relacionados à inflamação crônica sistêmica e à síndrome metabólica;
  • Pacientes com fígado gorduroso têm níveis mais elevados de LPS circulantes e maior permeabilidade intestinal;
  • O consumo da dieta ocidental-padrão (alto carboidrato+alta gordura) está associado com aumento dos LPS circulantes
  • Inflamação do intestino precede e prediz a obesidade modelos animais de obesidade induzida pela dieta;
  • Esta inflamação é associada a alterações da flora intestinal e da permeabilidade intestinal;
  • Os LPS (oriundos das bactérias da flora intestinal) induzem a resistência à leptina através da ativação de determinados genes;
  • O início do aumento da ingesta alimentar nos modelos animais de obesidade induzida pela dieta coincidem com este aumento da leptina (e da resistência à leptina);
  • A leptina, se estivesse funcionando, aumentaria a sensibilidade do sistema nervoso aos mediadores da saciedade; no entanto, na vigência da inflamação induzida por LPS's, isso não ocorre;
  • A modulação da microbiota intestinal de camundongos geneticamente obesos (Ob/Ob) com antibióticos reduz os níveis de LPS, marcadores inflamatórios, intolerância à glicose, gordura visceral e peso;
  • Estas alterações da sensibilidade à insulina, glicose e marcadores metabólicos relacionadas à flora intestinal é um fenômeno altamente conservada do ponto de vista evolutivo, estando presente até mesmo na mosca da fruta (drosófila);
  • Há evidências de que as floras intestinais de caçadores-coletores diferem significativamente das floras de pessoas com dietas ocidentalizadas;
  • Em roedores, uma dieta rica em gordura saturada aumenta a endotoxemia (presença de LPS's pró-inflamatórios e pró-obesidade no sangue, presumivelmente pelo facilitação do transporte dessas substâncias através da mucosa);
  • Em humanos, no entanto, dietas low carb reduzem o peso de forma espontânea, enquanto dietas low fat só funcionam mediante restrição calórica forçada;
  • Em humanos, caçadores-coletores de sociedades com alto consumo de gordura são tão saudáveis quanto caçadores-coletores de sociedades de sociedades com alta consumo de carboidratos - ambos não apresentam sinais de problemas metabólicos ou inflamatórios;
  • Assim, há ALGO na dieta ocidentalizada que é responsável pela inflamação e obesidade, e não é a proporção de carboidratos e/ou gorduras;
  • Uma teoria universal da obesidade precisa ser capaz de conciliar as observações de que sociedades primitivas com dietas de baixo carboidrato e alto carboidrato são, AMBAS, magras e saudáveis;
Segue o artigo:
  • A HIPÓTESE:
  • O elemento comum à todas as variantes de dieta ocidental são os produtos não perecíveis FARINHA e AÇÚCAR;
  • Uma distinção fundamental entre os alimentos modernos contendo estes produtos e os alimentos ancestrais é a DENSIDADE DE CARBOIDRATOS;
  • No gráfico abaixo, em cor cinza estão os alimentos que fazem parte da dieta ocidental, e em branco os alimentos que fazem parte da dieta ancestral (páleo); observe que a densidade de carboidratos (quantos gramas de carbs estão presentes em 100g daquela comida) é MUITO maior nos alimentos atuais (modernos):
  • Os outros 2 gráficos mostram que há certa sobreposição entre densidade calórica e índice glicêmico entre alimentos ancestrais e modernos - ou seja, estes dois não são os fatores que diferenciam as dietas; 
  • Tubérculos, frutas e folhas guardam seus carboidratos em organelas intracelulares, dentro das células vegetais com paredes fibrosas; a densidade máxima de carboidratos nessas estruturas é de 23% (a maior parte das células são água);
  • Os CARBOIDRATOS ACELULARES (açúcar, farinha e amidos processados) são consideravelmente MAIS DENSOS;
  • Os GRÃOS também são DENSOS;
  • Alimentos vegetais com células vivas manterão sua densidade de carboidratos baixa até que as enzimas digestivas quebrem as paredes celulares;
  • Assim, o QUIMO (o produto da digestão no estômago) produzido pela digestão de carboidratos acelulares (farinha, açúcar, grãos) terá uma densidade de carboidratos MUITO MAIOR do que qualquer coisa que a flora intestinal humana possa ter encontrado durante a co-evolução humana-bacteriana;
  • Isto poderá alterar significativamente a composição dessa flora intestinal;
  • Propõe-se aqui que esta flora intestinal inflamatória, induzida pela dieta ocidental rica em carboidratos densos acelulares, possa ser o fator iniciador da resistência à leptina que caracteriza as pessoas que consomem dietas ocidentalizadas
  • UMA VEZ QUE a flora inflamatória esteja estabelecida, AÍ SIM o consumo de gorduras (especialmente as refinadas) aumentaria a absorção de LPS's, o que tornaria uma dieta rica em AMBOS, carboidratos acelulares densos e gordura, altamente obesogênica;
  • A retirada total dos carboidratos acelulares densos tenderiam a restaurar uma flora intestinal menos inflamatória, resistente aos efeitos exacerbatórios da gordura sobre a obesidade;
  • Parece haver uma relação não-linear entre o consumo de carboidratos acelulares densos e a flora inflamatória, de modo que mesmo pequenas quantidades parecem induzir resistência à leptina;
  • As pessoas de descendência europeia parecem ter desenvolvido algum grau de resistência a esses efeitos quando comparados aos caçadores-coletores; nos europeus, em geral, a obesidade e a franca diabetes só aparecem quando, além de comerem pão, substituem as demais fontes de carboidratos celulares (frutas e vegetais) - por fontes de carboidratos acelulares densos: açúcar, farináceos e comidas processadas com óleos refinados
  • A adoção dos carboidratos acelulares densos produziu uma epidemia de cáries a partir do neolítico;
  • O mesmo fenômeno que ocorre no intestino, ocorre na boca - a indução de uma flora altamente inflamatória;
  • Patologias gengivais (periodontal) são altamente correlacionadas com doença cardiovascular, obesidade e diabetes;
  • A dieta mediterrânea é um POUCO melhor que a dieta ocidental padrão, devido à inclusão de mais carboidratos celulares no lugar de carboidratos acelulares densos e gordura, e ênfase em pães um pouco menos densos;
  • No entanto, uma quantidade suficientemente grande de carboidratos acelulares densos permanece, mantendo a microbiota intestinal inflamatória e prevenindo redução significativa da leptina;
  • Isso explica a necessidade de manter a restrição calórica voluntária na dieta mediterrânea para evitar o ganho de peso;
  • Uma dieta LOW CARB reduzirá drasticamente os carboidratos acelulares densos como um efeito colateral de reduzir TODOS os carboidratos;
  • Isso reduziria a flora intestinal inflamatória, com perda de peso SEM restrição consciente das calorias e melhora dos marcadores metabólicos;
  • Entretanto, dietas LOW CARB retêm alguns carboidratos (tipicamente de 20-50g/d), SEM preocupações quanto à sua densidade (clique aqui para ler a diferença entre low carb e páleo, que neste momento dever ter-se tornado óbvia);
  • Isso significa que a pequena quantidade de carboidratos que são mantidos na dieta, SE FOREM DENSOS, podem manter a flora inflamatória e, assim, ter o efeito aditivo das gorduras que facilitam a passagem dos LPS's para a corrente sanguínea;
  • Isso, possivelmente, explica o "platô" (a parada de perda de peso) que frequentemente se verifica nas dietas Low Carb, inclusive com o reinício do ganho de peso mesmo mantendo os carboidratos baixos;
  • Mais uma vez, uma dieta paleolítica seria capaz de reverter a microbiota intestinal para um perfil menos inflamatório;
  • Na adoção inicial da mudança alimentar, ocidentais com sobrepeso podem inicialmente beneficiar-se de uma dieta páleo LOW CARB;
  • Entretanto, com o tempo (e assumindo que a pessoa não tenha o pâncreas permanentemente prejudicado pelo diabetes), a restauração da sensibilidade à insulina deve permitir a reintrodução de níveis maiores de frutas e raízes não-refinadas;
  • Isto é justamente o que tem sido relatado, de forma anedótica, pelas pessoas que adotam uma dieta páleo, e é compatível com o que se observa na ilha de Kitava;
  • A importância da celularidade e da baixa densidade  dos carboidratos poderia explicar porque suplementar fibras e antioxidantes não funciona - pois não afetam a flora intestinal da mesma forma que os carboidratos acelulares densos intactos (células vegetais íntegras); em outras palavras, as células vegetais devem estar íntegras - separar industrialmente a fibras e o amido e depois juntar novamente não tem o mesmo efeito.
**** XXX *****

Ok, respire fundo, tome um café. E vamos adiante.

Isso significa uma mudança geral em tudo o que está escrito nesse blog desde 2011, em especial na teoria da insulina? Não necessariamente. Vou me socorrer de uma analogia da física.

Até o advento do século 20, a teoria de Newton e suas equações pareciam descrever com perfeição o movimento dos corpos e a gravitação. Haviam sido testadas por centenas de anos, e seus cálculos sempre descreviam os resultados experimentais com perfeição. Então, Albert Einstein propôs a teoria da relatividade. Suas previsões eram quase idênticas em situações de velocidades e gravidade terrestres, mas completamente diferentes em velocidades próximas à da luz ou em campos gravitacionais intensos (como os das estrelas). De fato, quando se substitui, nas equações da relatividade especial, valores de velocidade comuns na terra, essas equações ficam virtualmente IGUAIS às da física newtoniana.

Você ainda está aí? Ótimo! Onde quero chegar com essa analogia? É o seguinte:

  • Karl Popper, o grande filósofo da ciência, explicava que "a teoria científica será sempre conjectural e provisória. Não é possível confirmar a veracidade de uma teoria pela simples constatação de que os resultados de uma previsão efetuada com base naquela teoria se verificaram. Essa teoria deverá gozar apenas do estatuto de uma teoria não (ou ainda não) contrariada pelos fatos." (as diretrizes nutricionais vigentes, por exemplo, são contrariadas pelos fatos);
  • Uma teoria científica não pode, contudo, CONTRARIAR a realidade (como dizer que a terra é plana ou que a pirâmide alimentar é saudável);
  • Toda a explicação científica é, portanto, esquemática e, no fundo, uma simplificação provisória;
  • Já pincelei esse assunto em uma postagem prévia;
  • Isso significa que a teoria da insulina está ERRADA? Não, da mesma forma que a mecânica de Newton não está errada - está apenas INCOMPLETA;
  • A mecânica de Newton está CONTIDA na relatividade de Einstein;
  • Há, contudo, situações em que as explicações da mecânica clássica deixam de explicar os fenômenos físicos; da mesma forma, há situações em que a teoria da insulina é insuficiente para explicar a realidade (Kitava, por exemplo).
É neste contexto que proponho a re-leitura do seguinte trecho desta minha antiga postagem:

"Somente a ciência experimental foi capaz de estabelecer com certeza qual teoria descrevia o mundo como ele realmente era. Mas nenhuma das teorias (geocentrismo ou heliocentrismo) negava o fato de que o sol nascia no leste e se punha no oeste. (...) Vejamos. O FATO da vida, demonstrado por todos os estudos prospectivos e randomizados, é que uma dieta pobre em açúcar e farináceos, sem glúten, menos processada, e rica em fibras, rica em proteínas, rica em gorduras naturais produz melhores resultados na saúde humana (ver aqui, ou aqui, ou aqui para alguns exemplos). Várias teorias podem ser utilizadas para explicar este fenômeno, de acordo com o paradigma que se adota. O Dr. Atkins e Gary Taubes diriam: "é claro, funciona pois reduziram-se os carboidratos e a insulina"; O Dr. Lustig diria "é claro, funciona pois removeu-se o açúcar, e com ele a frutose, que é uma toxina"; O Dr. William Davis diria "É claro que funciona, afinal é uma dieta sem glúten"; O Dr. Stephan Guyenet diria: "É claro que funciona, pois com a remoção dos alimentos processados e do açúcar, diminui a palatabilidade da comida, e come-se menos"; e Loren CordainRobb Wolf e Mark Sisson diriam "é claro que funciona, pois estes são os alimentos que nossos ancestrais consumiam, e aos quais estamos geneticamente adaptados". Eu não sei se já está ficando claro para o leitor, mas alguns podem estar certos e outros errados, ou mesmo todos podem estar certos ao mesmo tempo. MAS ISSO NÃO MUDA os fatos. O sol continua a nascer e a se por, alheio aos devaneios geocêntricos ou heliocêntricos. A saúde das pessoas continua a melhorar de forma prodigiosa com estas modificações de estilo de vida, independentemente se isso se deve à adoção de uma dieta ancestral ou se é apenas pela redução da insulina. TANTO FAZ."


Apenas acrescente, acima, a teoria da flora intestinal.

Há uma antiga lenda indiana, que cai como uma luva nesta situação:


File:Blind.JPG

"Numa cidade da Índia viviam sete sábios cegos. Como os seus conselhos eram sempre excelentes, todas as pessoas que tinham problemas recorriam à sua ajuda.

Embora fossem amigos, havia uma certa rivalidade entre eles que, de vez em quando, discutiam sobre qual seria o mais sábio.
Certa noite, depois de muito conversarem acerca da verdade da vida e não chegarem a um acordo, o sétimo sábio ficou tão aborrecido que resolveu ir morar sozinho numa caverna da montanha.
No dia seguinte, chegou à cidade um comerciante montado num enorme elefante. Os cegos nunca tinham tocado nesse animal e correram para a rua ao encontro dele.
O primeiro sábio apalpou a barriga do animal e declarou:
- Trata-se de um ser gigantesco e muito forte! Posso tocar nos seus músculos e eles não se movem; parecem paredes...
- Que palermice! - disse o segundo sábio, tocando nas presas do elefante. - Este animal é pontiagudo como uma lança, uma arma de guerra...
- Ambos se enganam - retorquiu o terceiro sábio, que apertava a tromba do elefante. - Este animal é idêntico a uma serpente! Mas não morde, porque não tem dentes na boca. É uma cobra mansa e macia...
- Vocês estão totalmente alucinados! - gritou o quinto sábio, que mexia nas orelhas do elefante. - Este animal não se parece com nenhum outro. Os seus movimentos são bamboleantes, como se o seu corpo fosse uma enorme cortina ambulante...
- Vejam só! - Todos vocês, mas todos mesmos, estão completamente errados! - irritou-se o sexto sábio, tocando a pequena cauda do elefante. - Este animal é como uma rocha com uma corda presa no corpo. Posso até pendurar-me nele.
E assim ficaram horas debatendo, aos gritos, os seis sábios. Até que o sétimo sábio cego, o que agora habitava a montanha, apareceu conduzido por uma criança.
Ouvindo a discussão, pediu ao menino que desenhasse no chão a figura do elefante. Quando tacteou os contornos do desenho, percebeu que todos os sábios estavam certos e enganados ao mesmo tempo. Agradeceu ao menino e afirmou:
- É assim que os homens se comportam perante a verdade. Pegam apenas numa parte, pensam que é o todo, e continuam tolos!"

472 comentários:

  1. Excelente artigo. Não somente consegue explicar o que há de mais avançado no entendimento sobre obesidade como ainda dá ótimas pinceladas de metodologia cientifica que qualquer leigo conseguirá entender. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Sensacional, Dr. Souto! Mais um excelente texto! Obrigado por compartilhá-lo conosco! Se puder indicar o link do artigo citado, eu agradeço!! Feliz ano novo para o senhor!!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado :-) http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3402009/?report=classic

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 01/01/2014 12:54, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  4. Meu Deus! Quanta
    paixão! Como é gratificante começar o ano encontrando outro gambá
    da mesma raça! (aqui em Minas há um ditado que diz que “um gambá
    reconhece sempre o cheiro de um outro da mesma raça”). Como você,
    sou também um apaixonado no meu assunto (arquitetura) e faço o que
    posso para informar o que deve ser informado...

    Comecei o esquema Low
    carb Paleo há cerca de 3 meses e sou outro hoje: 12Kg a menos (tenho
    72), HDL 74, Triglicerídeos 82 e 41 anos de muita disposição e
    expectativas. Agradeço ao Rodrigo Polesso, ao Caio e a Bruna e
    também a você. Um ótimo 2014 para todos e familiares!

    ResponderExcluir
  5. Como dizia o Clodovil: "boi preto conhece boi preto" :-)

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 01/01/2014 13:50, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  6. Dr.Souto, gostaria de agradecer imensamente por todas as informações agregadas nesse site, me convencendo a iniciar hoje (01/01) essa mudança de vida. Li tudo que podia no seu site, mas pela quantidade enorme de informações de uma hora pra outra, acabei me deparando com uma dúvida básica que sabia que li a resposta em algum lugar mas não consegui encontrar de novo: Iniciando a Paleo LCHF hoje, quanto tempo em média leva pro corpo se adaptar a isso e eu passar a sentir mais fome, maior energia etc? Pq li que alguns passam por um período de cansaço e fraqueza que seria o de adaptação do corpo, mas quanto tempo em média dura essa "transformação"?

    ResponderExcluir
  7. carlos Magno magno1 de janeiro de 2014 16:18

    Prezado DR Souto se esta é maneira que o amigo encontrou para desejar a aqueles que frequentam o blog um feliz ano novo, gostaria de dizer que o seu objetivo se torna um presente inestimável a todos que por aqui passam.Um ano extremamente fertíl em sua vida pessoal e profissional, e que DEUS o abençoe poderosamente nesta caminhada, pois é indiscutível a ajuda que muitos tem recebido com seus estudos muito bem redigidos, e todos com respaldo científico. Um forte e frateno abraço meu amigo!Feliz 2014.

    ResponderExcluir
  8. Que maravilha! Mas que maravilha, este post! Confesso que, como asmática e atópica, a hipótese do transplante fecal me deixou passada, rá. Eu estou na dieta paleo há um ano e um mês. Foram-se muitos quilos (não gosto de me pesar, mas foram), todos os índices metabólicos melhoraram e o bem estar, idem. No que concerne à atopia, o resultado é assombroso. Para mim a coisa mais importante deste post consiste naquilo que eu já adoto: ser paleo é mais fundamental, é algo que precede a dieta low carb, quando menos quando o que está em jogo é saúde, e não, apenas, emagrecimento. Outra coisa fundamental, sobre os carbos densos e a sua vinculação demonstrada na resistência à leptina, é que isto só reforça a tese de que GRÃOS VICIAM E SÃO PROJETADOS PARA CAUSAR DEPENDÊNCIA POR MEIO DA INSACIEDADE REITERADA E INDUZIDA por processos biológicos e intestinais! Ser paleo fez a demanda por carbos desmoronar, eu sempre digo. Mas eu sempre comi carbos. Tenho comido cada vez menos. E, nos dias de festa de dezembro, quando ingeri gluten - na cerveja ou em algum salgadinho -, o rebote veio intensamente - na pele, na rinite e no intestino. Obrigada, Souto. Obrigada, mesmo.

    ResponderExcluir
  9. Obrigado, Katarina. Tinha certeza que tu irias gostar! E aguarda que vem mais pela frente - ando especialmente interessado pelo tema.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 01/01/2014 17:17, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  10. No meu caso, a fase da
    fadiga e mal estar generalizado foi de apenas 3 dias – descobri
    depois no livro do Dr. William Davis (Barriga de Trigo) que isso era
    devido a abstinência do trigo. Minhas fezes ficaram amarelas na
    primeira semana – gordura não plenamente digerida, me corrija o Dr
    Souto. Já no quarto ou quinto dia eu simplesmente parei de sentir
    fome e já comecei a observar uma mudança na disposição e energia.
    O maior susto foi na balança, no início da 4ª semana : 6 Kg a
    menos. Para mim foi fácil mudar a alimentação porque fui
    vegetariano por 10 anos e acabei adquirindo o hábito de comer um
    generoso prato de salada antes da refeição principal, e não raro
    eu comia essa refeição apenas para não ficar sem comer,
    acreditando que isso era o correto - o resultado inevitável eram os 84 Kg que ostentava. Acredito que essa “transformação”
    varie de pessoa para pessoa, mas li alguns relatos de pessoas que
    levaram até 4 semanas para se adaptar. Você não poderia ter
    escolhido projeto melhor para iniciar o ano. Sucesso na jornada!

    ResponderExcluir
  11. Oba! Uma vez falei em algo da medicina chinesa para ti, uma coisa que uma acupunturista me disse, numa avaliaçao, e que nunca entendi, mas que o intestino, a pele e o pulmão seriam algo como "um só órgão", dada a concepção, se assim posso dizer, "funcional" ou "energética" que vigora no paradigma lá dessa medicina tradicional. É óbvio que se trata de algo muito diferente, como paradigma, mas será como conteúdo e como conhecimento, seriam, afinal, coisas tão distintas? Embora isso seja extravagante, para mim é notável a relação entre respiração, asma e funcionamento intestinal, e entre pele e pulmão (lembro que a dermatite atópica é vulgarmente conhecida como "asma de pele", uma expressão, no mínimo, bizarra). Conheci no Rio uma pessoa que tem um filho autista e que me disse que o autismo era um quadro derivado de um problema intestinal. Enfim, há muita água para rolar, e que bom! Que bom! Sigo no aguardo!

    ResponderExcluir
  12. Como o senhor msm me sugeriu, estava pensando em aumentar os carbs... bom, agora o medinho q ainda tava aqui sumiu! Assim q vier os resultados conto aqui e poderá ser uma prova da teoria.
    Só uma coisa... coisas feitas com polvilho e farinha de mandioca seriam consideradas carboidratos paleo ou ñ? (seriam densos?) Obrigada mais uma vez! como sempre, ótimas referencias e analogias.

    ResponderExcluir
  13. Dr Souto, eu e minha família (marido e dois filhos de 18 e 19 anos) estamos aprendendo a cada dia mais sobre a verdadeira ciência da nutrição e boa saúde que tu tens escrito e provado aqui. Somos muito gratos pelos ensinamentos e hoje seu texto me impressionou pois, apesar de longo, é claro e objetivo, também forte e convincente. Estamos cada vez mais apaixonados pelo novo modo de vida e somos testemunhs dos benefícios. Aguardamos ansiosamente pelas ssuas postagens e desejamos que assim como o menino que desenhou na areia para o cego concluir continues dando para nós a noção da importância deste caminho. Obrigada!

    ResponderExcluir
  14. Estou estudando isso - tudo indica que farinha de mandioca sim - é na sua maior parte amido resistente, que não é digerido e absorvido no intestino delgado e vai nutrir a flora saudável no intestino grosso - mas ainda estou estudando isso, pois a literatura é em inglês, e os produtos lá podem ser diferentes daqui - é importante que não seja cozido. Parece que o consumo dessas coisas cruas seria boa. Adiante, quando tiver terminado a pesquisa, vou postar. Por enquanto, fique com frutas de baixo açúcar e raízes.


    Em 1 de janeiro de 2014 18:05, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  15. Excelente, parabéns e aguardamos a continuação!

    ResponderExcluir
  16. Sempre q consumo farinha de mandioca (desde antes da paleo e esse fim de semana, numa farofa) percebo q fico beeeeem cheia. Como se ela triplicasse de tamanho no intestino. Bom... tomara q possa! E acho q o pão de queijo não vai salvar no final... (afinal, é de polvilho e ainda vai ao forno) mas ainda há esperança!
    mais uma vez, obrigada por pesquisar e nos passar informações de tanta qualidade. Feliz 2014 e q venham mts sucessos e reportagens para a paleo se espalhar!

    ResponderExcluir
  17. Se se confirmar, seria o consumo de algumas colheres de sopa de polvilho doce frio, diluídos em algo frio (água, iogurte, etc).


    Em 1 de janeiro de 2014 19:14, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  18. Mesmo sendo quase vegetariano e seguindo uma dieta basicamente composta de frutas (80% ou mais) sou leitor assíduo do blog. Sigo a
    dieta 80/10/10 do Dr. Douglas Graham e não entendia porque mesmo sempre
    consumindo muito carboidrato (80% carbo / 10 % gordura / 10 % proteína) eu não aumentava de peso nunca (IMC 23,5). Agora começo a entender. As duas dietas se assemelham na ausência de produtos industrializados. Vou fazer páleo nos primeiros 6 meses deste ano, buscando hipertrofia. Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
  19. EXATAMENTE - qualquer coisa que de desvie da dieta ocidental processada tende a ser mais saudável.


    Em 1 de janeiro de 2014 19:20, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  20. Eu ja comi polvilho doce frio todos dias para mais de 6 meses. Acho que ele tem muito amido resistente. Ainda nao faz test com monitor de glicose no sangue, mas e facil a ver efeita de gelatinization do amigo quando aquecer no fogoa com agua. Tambem o efeito com sua gas (fartage). Eu procurei varios papeis/documentos (studies) na internet que mostrar grande quantidade de RS/AR (Amido Resistente) em Polvilho Doce. Desculpa para meu Portugues! abs, Brad.

    ResponderExcluir
  21. Prezado Mauricio,


    como você faz para não sentir fome constante e fraqueza seguindo a dieta do Dr. Graham? Eu tentei fazer esta dieta, mas me sentia muito fraca e com muita fome, especialmente no período da manhã.


    Abraços e obrigada pela atenção.

    ResponderExcluir
  22. Obrigada pela dica! Adorei. E o português está excelente. O que eu queria era fazer pão-de-queijo (uma comida típica) que vai polvilho. Mas ela vai no forno, então acho que não convém. Obrigada pela ajuda!

    ResponderExcluir
  23. Prezado Dr. Souto,


    esta postagem foi de tirar o fôlego. Esclareceu algumas "incoerências" que estavam me incomodando há vários dias, mas que eu ainda não sabia muito bem como formular para perguntar ao senhor. Parabéns novamente!
    Aproveito para desejar um 2014 muito produtivo, de muita saúde e felicidade para o senhor e sua família!

    ResponderExcluir
  24. Ok. sem pão-de-queijo então... e no caso da mandioca e batata, a melhor forma de consumo são cozidas msm? Ou assadas? ou ñ faz diferença? pq, como todos alimentos, ao cozinhar o IG aumenta... mas cruas ñ dá tbm hahaha


    E sobre a Perfect Health Diet, os adoçantes naturais (xarope de arroz, de tapioca. Malte, dextrose...) seriam seguros? Não pretendo consumi-los por enquanto (aliás, pretendo ficar um bom tempo sem adoçantes), mas oq acha deles?


    Uma boa campanha pela paleo seria: Coma saudável ou isso acontece com você: (aqui, fotos de transplante de fezes acontecendo)!!! Agora sem brincadeiras, o intestino realmente melhorou após o início da páleo. E era algo q NADA resolvia.

    ResponderExcluir
  25. DDr Souto, eu e minha família (marido e dois filhos de 18 e 19 anos) estamos aprendendo a cada dia mais sobre a verdadeira ciência da nutrição e boa saúde que tu tens escrito e provado aqui. Somos muito gratos pelos ensinamentos e hoje seu texto me impressionou pois, apesar de longo, é claro e objetivo, também forte e convincente. Estamos cada vez mais apaixonados pelo novo modo de vida e somos testemunhs dos benefícios. Aguardamos ansiosamente pelas ssuas postagens e desejamos que assim como o menino que desenhou na areia para o cego concluir continues dando para nós a noção da importância deste caminho. Obrigada!

    ResponderExcluir
  26. Pao de queijo nao e alto em RS/AR. Depois temperatura de quasi 65C os graus de amido comenca mudar em processo de gelatinização. Depois isso o amido resistente é destruído e o amido esta facil para degerir e pode crecer sua insulina e glicose do sangue facilmente. (gelatinização muda amido resistente em um carboidrato simples)

    Algo como mandioca ou batatas cozidas podem ser cozidos e resfriados na geladeira, onde o amido vai retrógrada (o cristais de amido reforma) a criação de mais uma vez uma certa quantidade de RS / AR. Isso significa que comer batatas ou aipim frio terá menos efeitos sobre a insulina e glicose no sangue do que comer hem quente.

    A quantidade de RS / AR nestes alimentos frios eu não sei. Acho que com um alimento amido puro como batata e mandioca a retrógrada é maior do que com a comida como pão de queijo, onde as moléculas de amido são misturados com moléculas da gordura.

    Observe também se você comer batata ou aipim que não são totalmente cozidos eles terão mais de amido resistente por causa do interior cru.

    ResponderExcluir
  27. Ok! Agora td está bem claro. ñ vou arriscar no pão de queijo ñ. e nunca gostei de comida quente mesmo... hahaha. por enquatno vou começar um dia por semana com carboidratos paleo livres, e depois talvez aumente um pouco por dia. Obrigada pela atenção e explicação!

    ResponderExcluir
  28. Caro Dr. Souto, mais uma vez parabéns pelo texto. Realmente, o assunto é instigante e apaixonante.
    Posso dizer que essa postagem é a minha predileta de seu blog.
    Dois comentários que não influenciam em nada o conteúdo de seu texto:
    1- o transplante fecal tem sido estudado principalmente para o tratamento de colite pseudomembranosa RECORRENTE e, com esse intuito foi aprovado pelo FDA. Alguns artigos foram publicados recentemente sobre o tema. Caso queira, posso enviá-los. Aproveito pra oferecer ajuda em relação a algum artigo que queira e não tenha conseguido. Tenho acesso ao Periódicos Capes e à Bibioteca Rima. Caso necessite, é só pedir, terei o maior prazer em contribuir.
    2- Nós (Infectologistas e Microbiologistas) preferimos chamar de "microbiota", já que flora é o coletivo de vegetais (herança da época em que bactéria era do reino vegetal). Mas é importante ficar claro que não está errado chamar de "flora intestinal", pois é um termo consagrado pelo uso.
    Abração!

    ResponderExcluir
  29. Krisnamourt Correia1 de janeiro de 2014 21:15

    Em primeiro lugar...FELIZ ANO NOVO!
    Excelente postagem, pois complementa certas dúvidas que temos na chegada do platô, adaptações a certos alimentos, etc.De certa forma, explica até demais!
    Eu melhorei bastante minha flora eliminando todos os grãos e não tive nenhum problema intestinal neste período de quase 2 meses na dieta. Já minha esposa, que vez ou outra, põe os "integrais", mesmo com a perda de peso, se incomoda bastante com a mistura de gordura na alimentação e teve alguns distúrbios intestinais mais frequente, ou seja, a flora intestinal deve entrar na balança da insulina, leptina, etc. Observei também que somente na dieta low carb , os poucos carboidratos, proteínas e gordura mantém o meu peso quase que constante, embora as medidas menores sejam aparente, mas peso, não.
    Com o "intermitent fasting" eu consegui forçar mais a perda de peso. No início ,dos 121 Kg passou para 115 Kg e ficou por dias. Com o fasting forcei para os 113Kg agora. Percebemos também a necessidade de ingerir mais carboidratos, especialmente minha esposa que se sentia fraca, então, começamos a colocar batata doce ou macaxeira em algumas refeições de modo que melhorou mais a saciedade e no caso dela, a flora intestinal.
    O vício do Arroz em casa também complica, pois temos filhos adolescentes. Eu como mais fora e não tenho problema em manter a dieta e só como arroz branco uma vez por semana no almoço de Domingo. Ela como está em casa com mais frequência come mais arroz, embora menos frequente e pouca quantidade do que antes da dieta, mas come. Logo, juntando estas informações, os integrais de vez em quando e arroz, certamente estão irritando mais a flora dela, e eu , estou mais adaptado com a flora íntegra.
    Chegar abaixo dos 100Kg é um sonho!
    Com a inclusão de exercícios de Kettlebell e jejuns intermitente o peso baixa mesmo, mas não consigo fazer isto todas as semanas, ou seja, quando fico só na dieta, não engordo, mas também nenhuma grama a menos...o peso fica constante. Incrível como meu corpo estabiliza o consumo de energia, metabolismo, etc.

    ResponderExcluir
  30. Primeiro quero te dizer do prazer que sinto em ter te conhecido, e, depois de algumas ávidas leituras sobre tudo que escreves não me envergonho de dizer que estou apaixonada pelo tema que desenvolve nas suas mais variadas vertentes e, no primeiro dia do ano de 2014, resolvi escrever meu primeiro comentário a respeito do que postastes hoje apenas para te dizer que não senti apenas prazer, mas, como brasileira, senti ORGULHO em perceber que sutilmente, sem muito alarde, de uma forma coloquial declaraste que és autor do mais novo estudo científico cujo tema escreves em teu blog sobre a filosofia low-carb/páleo. Estabelecestes um novo paradigma. A teoria da flora intestinal inflamatória e percebi que não deixas nada a desejar em relação às teorias dos americanos, ingleses, franceses, etc., ... o bom é que a partir de então temos um brasileiro nessa tão importante lista de cientistas preocupados em encontrar solução para a obesidade e suas consequências. Parabéns, meu amigo. Feliz, você e toda sua casa, 2014..

    ResponderExcluir
  31. "Isso significa que comer batatas ou aipim frio terá menos efeitos sobre a insulina e glicose no sangue do que comer hem quente." Que legal! Bom saber disso, obrigado!


    ______
    42

    ResponderExcluir
  32. Dr. Souto, muito obrigado! Mas, muito obrigado mesmo!! Consegue se superar cada vez mais, fantástico!


    Parabéns!


    ______
    42

    ResponderExcluir
  33. Eu comia muita fruta, 10 bananas ou mais de cada vez, por
    exemplo. A fraqueza matinal foi só nos primeiros dias. Segundo os higienistas e crudivoristas, é o período de desintoxicação pelo qual o corpo passa. Mas ultimamente
    eu não ando mais satisfeito com esta dieta das frutas, pois percebi que apesar de não aumentar o peso total a minha composição corporal está se alterando. Perdi massa magra e ganhei gordura, mesmo fazendo musculação pesada 3x na semana. E também estou percebendo problemas nos dentes, um início de periodontite, que pelo que andei lendo pode ser devido ao excesso de frutas. Não te aconselho a
    seguir esta dieta frugívora. Vou abandonar a 80/10/10 e passar pra páleo de vez pois a pior parte eu já fiz, que foi me livrar do vício em farináceos e açúcar. Sem falar que o blog do dr. Souto me convenceu da superioridade desta dieta e cada postagem dele aumenta a minha segurança na transição.

    ResponderExcluir
  34. Obrigado pela explicação e pelo voto de motivação! Espero conseguir, infelizmente percebi que antes de tudo terei que convencer minha família a mudar também, como um adolescente de 17 anos que praticamente depende do que a mãe faz de comida, consigo manter os carboidratos longe apenas no trabalho, pra depois chegar em casa e me deparar com uma cozinha abarrotada de grãos e produtos industrializados. É realmente triste ver a resistência dos meus pais a essa mudança mesmo depois de todo o estudo apresentado no site, mas continuarei insistindo no convencimento. Alguém mais teve problemas desse tipo? ):

    ResponderExcluir
  35. Só preocupei um pouco porque há um tipo de mandioca que pode ser tóxica se consumida crua (mandioca brava), usam para fazer tucupi, ou maniçoba - como mineira, sou uma ótima paraense... rsrs!
    Eu tinha receio da minha tapioca não ficar bem aquecida, mas talvez o polvilho mais comum seja ok...


    Quanto ao artigo, explica bem o fato de que é necessário um verdadeiro compromisso com este modo de vida - a meu ver, não há retorno, ou dias liberados pq qualquer quantidade do que faz mal prejudica mesmo (trigo me dá mais ressaca que vinho, rsrs), ou me faz desandar a comer compulsivamente...


    Ah Dr. muito obrigada mais uma vez!
    Me perdoem os profissionais da área, mas os últimos 40 anos da nutrição não são páreo para os próximos 4...


    Enquanto isso, vamos experimentando, afinal, meu marido emagreceu mais de 10kg apenas retirando o glúten, já eu precisei cortar muito mais coisas e qualquer escapada engordo de novo!
    Firmeza em 2014!!

    ResponderExcluir
  36. Rodrigo, por enquanto, vc pode dar o livro "Barriga de Trigo" pra sua mãe (tá uns R$ 26 reais) compre mais verduras, com o que vai economizar na cerveja! Rsrsrs!
    Aposto que sua mãe vai gostar de uma mãozinha na cozinha (só procure cozinhar ou fazer saladas quando ela não estiver por lá e deixe arrumado depois... hehehe)
    E verdura é fácil de fazer, só lavar, picar, por sal, azeite e pouca água pra não virar sopa - nem precisa ficar mexendo muito. Quando enfiar o garfo e estiver macio já ta beleza.


    Você vai dar um jeitinho... eu já fiz tanta dieta doida aos 15 anos sem minha mãe nem notar... e ao contrário, esta é uma forma muito saudável de se alimentar!
    Até minha filhinha de 2 anos come paleo (claro que os parentes falam um monte na minha cabeça, mas ela finalmente vem ganhando somente o peso saudável para a altura).
    E não foi fácil abrir mão de comida de restaurante e ir pro fogão... Hoje ela come muitas verduras - tubérculos também, e eu vi que adoro cozinhar!

    ResponderExcluir
  37. Ana Cristina Castro2 de janeiro de 2014 02:08

    Primeiramente, obrigada! É revigorante ter acesso a textos tão informativos e bem escritos.
    Em segundo lugar, Feliz Ano Novo! Sinceramente espero que todas as coisas boas que você dá ao mundo lhes sejam retribuídas em dobro!

    Tenho 28 anos e luto contra a obesidade desde sempre - Até recentemente fui uma gordinha razoavelmente saudável - exames de sangue ok, com uma boa qualidade de vida (se não contarmos todos os problemas psicológicos de ser gordinha), mas ultimamente isso tem mudado - minha coluna literalmente não aguenta o meu peso.

    Enfim, ano novo - vida nova. Pretendo abraçar com tudo o estilo de vida paleo e, se Deus quiser, vou atingir pela primeira vez na vida o meu peso ideal.
    Se fosse possível, gostaria de tirar uma pequena dúvida - É possível fazer com que o intestino volte a ficar saudável somente com a dieta paleo?

    ResponderExcluir
  38. Realmente um dos melhores posts, se não o melhor (Teoria unificada da alimentação ancestral)! Essa teoria realmente preenche algumas lacunas das teorias relacionadas ao tema e como colocado no post.
    Dr. Souto fiquei pensando, faz sentido repor flora intestinal? Mark Sisson tem suplementação de flora intestinal, será que isso faria sentido? Simplesmente mudanças dietéticas já seriam suficientes para essa mudança da microbiota? alimentos fermentados seriam capazes de ajudar no processo?

    ResponderExcluir
  39. Bravo, Já fazia falta este "update". :) Nem só de insulina vive o Homem. :D
    Tem seguido a saga do "amido resistente"? Muito bom...
    http://freetheanimal.com/tag/resistant-starch
    Eu ando em experimentação, e é de longe a estratégia mais promissora relativa a uma recuperação sistémica total.
    Excelente início de ano! ;)

    ResponderExcluir
  40. Dr. Souto, primeiro parabéns pela excelente postagem e atitude diante de fatos novos da ciência!

    Bom, o que vou perguntar aqui é bastante sério, pois pode mudar um pouco minha dieta Páleo (por falar nisso, iniciei há dois meses e perdir 10kg e meus triglicérides baixaram de 137 para 54). Em vários outros blogs de receitinhas páleo/LCHF que visitei a partir dos links aqui do blog, percebi muito o uso de outras farinhas para se fazer alimentos considerados saudáveis/com poucos carbos. Pois então, eu mesmo aprendi a fazer uns pães com farinha de linhaça, de amêndoas ou de coco.

    Por esse fato novo, seriam essas farinhas substitutas da tradicional de trigo, também de alta densidade? Pois se sim, imagino que elas continuem nos prejudicando (numa proporção bem menor que a de trigo, é claro!).

    ResponderExcluir
  41. Pra quem esta fazendo low carb, e esta com peso estacionado, mudar para paleo seria o certo?Teria que tirar queijo?Creme de leite...?

    ResponderExcluir
  42. É possível e isso acontece muito mais rápido do que podes imaginar. Boa sorte!

    ResponderExcluir
  43. Roberta Evangelista2 de janeiro de 2014 11:12

    Queirdo Dr. Souto. você não faz ideia, ou faz do tamanho da alegria que essa postagem me trouxe.
    Eu utilizo a Dieta Paleo para o tratamento do autismo em meu filho.
    Desde que iniciei meus estudos sobre o tratamento biomédico para autismo , li muito sobre o assunto e os estudos apontam para que o intestino é noss segundo cérebro..
    Com a dieta Paleo e visando tratar o autismo pelo intestino consegui reverter muitas das esteriotipias do meu filho, inclusive a principal: Se balançar. Além disso obtive uma melhora em seu sono e sua concentração. Sem falar das dermatites insistentes por mais de 2 anos devido uma dieta com fórmula à base de soja =(
    Ver uma pessoa tão inteligente e interessada pela saúde constatar isso me deixa muito feliz.
    Posso dizer que compreendo e muito o fato de você ter protelado por cerca de 1 ano essa postagem, é um tema muito complexo e tão complicado de ser introduzido à sociedade quanto alegar que nossa Pirâmide Alimentar é aburda.
    Beijos!!

    Feliz 2014!!!!!

    ResponderExcluir
  44. Ok!


    Em 1 de janeiro de 2014 21:14, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  45. Elane: não sou o autor!!

    O estudo artigo em questão está citado claramente no texto: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3402009/?report=classic

    Apenas fiquei entusiasmado com as hipóteses levantadas, e que fecham com coisas que venho estudando - e fiz uma síntese :-)


    Em 1 de janeiro de 2014 22:41, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  46. :-)


    2014/1/1 Disqus

    ResponderExcluir
  47. ADIANTE, quando eu fizer uma postagem especificamente sobre "resistant starch", tratarei desse assunto. Mas a mandioca em questão NÃO é a brava, trata-se de polvilho doce.


    Em 2 de janeiro de 2014 00:51, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  48. Com certeza


    Em 2 de janeiro de 2014 02:08, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  49. AGUARDE...


    Em 2 de janeiro de 2014 04:39, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  50. Concordo e sim, tenho seguindo nos últimos dias. Essa postagem acima tem como objetivo introduzir o assunto do amido resistente. Mas primeiro quero fazer um pouco de auto-experimentação.


    2014/1/2 Disqus

    ResponderExcluir
  51. É, eu também me pergunto. Coco não, é apenas ralado (e é mais gordura que qualquer outra coisa). Amêndoas, idem. Tenho minhas dúvidas quanto à linhaça.


    Em 2 de janeiro de 2014 10:34, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  52. É uma das coisas a se testar.


    2014/1/2 Disqus

    ResponderExcluir
  53. Roberta, vc está no caminho certo COM CERTEZA. Há inúmeros relatos na blogosfera sobre a relação de autismo com intestino, flora e glúten. http://www.nature.com/news/bacterium-can-reverse-autism-like-behaviour-in-mice-1.14308

    Em 2 de janeiro de 2014 11:12, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  54. Depois de um post dessa grandeza, vejo que em 2014 muitas pessoas irão aderir a dieta Paleo. Muito obrigado, Dr. Souto.

    ResponderExcluir
  55. Ou vão sair correndo

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 02/01/2014 12:50, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  56. Essa era exatamente minha questão...Uma alternativa a sair do platô seria introduzir a páleo estrita? Imagino que uma paleo low-carb faça inicialmente um papel de "faxina" - quando o peso estaciona seria o momento de rever a alimentação e encarar uma paleo mais restritiva. Lembro que em alguma publicação o senhor falou de um estudo que começava com restrição de 20g de carbo e ia se adicionando 5g por dia/semana, isso em algum tempo poderia chegar a um valor de 100-150g de carbos, ainda pensando a perda de peso...E quem sabe numa alimentação que progredisse por ex. para 100g de carbo essencialmente paleo não haveria consideravel perda de peso?

    ResponderExcluir
  57. Acho bem possível. Leia o Perfect Health Diet, de P Jaminet


    Em 2 de janeiro de 2014 13:37, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  58. Caro Dr. Souto, este post é histórico! Eu acompanho assiduamente o seu blog há mais de um ano e, sempre que venho aqui, fico grato pela sua dedicação em trazer para o público brasileiro uma fonte altamente esclarecedora sobre estes assuntos tão importantes e tão ausentes aqui no Brasil.
    O Sr. é uma pessoa diferenciada pela sua capacidade de traduzir para o "leiguês" temas complexos. Tendo o hábito de frequentar os principais blogs em inglês sobre nutrição e saúde, digo tranquilamente que este blog é líder em densidade/abrangência/didática.
    Venho lhe pedir para compilar as informações já disponíveis e o que está no forno, na forma de um livro, que tenho certeza será um best seller em diversos idiomas!

    ResponderExcluir
  59. Andre, Os efeitos de comê-los frio são úteis, mas não enorme. A outra vantagem é que o efeito prebiótico de amido resistente é benéfico para a saúde dos seus intenstines - a microbiota (bactérias benéficas) no intestino grosso O que também reduz o risco de câncer de cólon.

    ResponderExcluir
  60. Já baixei no kindle! Gostei muito do blog também. Encontrei esse artigo que me pareceu bem interessante tb, um pouco na linha do que o Sr escreveu: http://livinlavidalowcarb.com/blog/is-there-any-such-thing-as-safe-starches-on-a-low-carb-diet/11809#comment-329138492

    ResponderExcluir
  61. A prescrição com probióticos funciona então para a redução da inflamação, não é? Claro, aliada a mudanças na alimentação...

    ResponderExcluir
  62. Roberta, não estou com o livro no momento para lhe dar a referência exata, mas em Barriga de Trigo, do Dr. William Davis, há um capítulo sobre a relação entre o autismo e trigo, incluindo relatos de experimentos realizados.

    ResponderExcluir
  63. Os melhores não-açúcares são, provavelmente, estevia e os açúcares de álcool - Xylitol, Erythritol, e Maltitol. Eles não aumentam o nível de açúcar no sangue e também ajudam a melhorar a saúde dental.

    De açúcares eu prefiro em pequenas quantidades esta melado de cana e fruta da palma por causa do conteúdo de nutrientes (vitaminas e minerais). Mel tambem tem benefícios. Claro que estas elevar os níveis de glicose no sangue, mas eu não vejo problema se a quantidade é pequena. Costumo usar melado no meu café.

    Eu nao acho e muito importante a forma de cozinha raízes/tubérculo. Naturalmente o nossas ancestrais torrado/assado as raízes. E eu acho que há algumas vantagens para isso - assando amidos de uma forma seca (sem água), cria um outro tipo de prebiótico chamado "indigestible dextrine" ID (dextrina não digerível).

    Então, se você levemente assado (não cozinhar completamente) aipim você terá amido resistente (AR) no interior e também ID no exterior... mas eu não acho que isso será bom gosto! rs rs Nao sei, eu nunca experimentei com aipim cru. Tenho medo! :-)

    ResponderExcluir
  64. Excelente artigo! A lenda indiana me fez imediatamente lembrar do caso Ancel Keys. É preciso analisar o todo, senão a conclusão pode sair totalmente errada. Mas como sempre cada caso é um caso, eu talvez seja dos casos raros, não sei, mas só comecei a ter bons resultados com a restricão de carbos. Diminuí muito o consumo de frutas, aí sim os resultados vieram. Quando eu atingir o meu objetivo vou aumentar um pouco e lentamente a ingestão de carbos.

    ResponderExcluir
  65. Tô por dentro :-)


    2014/1/2 Disqus

    ResponderExcluir
  66. :-)


    Em 2 de janeiro de 2014 13:58, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  67. eu imaginava! :D Ps. Muito grata pelo seu esforço e trabalho. Esse artigo era tudo que eu precisava para começar a juntar algumas peças do quebra-cabeça que estavam me deixando muito intrigada. Aguardo com animação os próximos artigos! :)

    ResponderExcluir
  68. Há mais mistérios entre as nossas bactérias intestinais e o sobrepeso do que julga a nossa nutrologia! Texto sensacional e inquietante. Nos nossos grupos do Facebook já falávamos dos fermentados na alimentação e os seus benefícios. Mas essa relação tão estreita com o ganho de peso(e outras doenças!!!) é realmente algo que merece muita atenção. Mas (não sei se já perguntaram isso), será que há como dar uma ajudinha no restabelecimento da flora(pra quem já é paleo/low carb) usando medicações como Florax, Reproflor, por exemplo? Ou apenas a remoção dos carbs densos que ainda restem e a ingestão de fermentados regularia essa flora e daria um up na perda de peso? Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
  69. A ingestão de fermentados é benéfica. Mas fique atenta ao amido resistente. Aguarde nova postagem.


    Em 2 de janeiro de 2014 14:54, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  70. Muito obrigada por compartilhar a tua experiência Mauricio. Com certeza a dieta páleo nutri muito mais o corpo, além de manter minha fome sob controle.


    Abraços.

    ResponderExcluir
  71. Alexandre de Oliveira2 de janeiro de 2014 15:13

    genial a coisa. genial como toda coisa simples e lógica é. eu ainda não consegui abandonar o arroz com feijão, mas a simples remoção do trigo e açúcar já fizeram um trabalho revolucionário. muito além do gosto pelo alimento a questão é cultural no q diz respeito a parar de comer isso ou aquilo. cada organizmo é único e o ajuste também. parabéns e obrigado por compartilhar tudo q já foi e será.
    feliz verão. rsrs

    ResponderExcluir
  72. Bem q eu queria achar xylitol, erythritol ou maltitol... vou procurar. o stévia eu acho com o sabor amargo, mas vou tentar ir incluindo ele. Também acho q pouco não faz mal, mas aqui em casa é eu e meus pais e tenho medo deles abusarem. Vou ir adaptando aos poucos e vendo o que dá...


    é, o fogo já existe há um bom tempo, então acredito q não seja tão prejudicial cozinhá-los. Mas ainda assim vou dar preferência para comê-los gelados ou após congelados. Porque comer aipim assim eu também não teria coragem hahaha acho que não conseguiria.


    Mais uma vez, obrigada pelas respostas e esclarecimentos ;)

    ResponderExcluir
  73. Dr. Souto,

    Excelente artigo. Parabéns mesmo.

    Pergunta: Se uma pessoa está entupida de problemas, como se daria esse processo de restauração da flora? Tipo... as bactérias "boas" já não teriam morrido após anos e anos comendo mal? Como se restaurariam novamente?

    Outra pergunta: Tenho alergia ao sol, desenvolvida recentemente (há pouco mais de 1 ano e meio), antes de adotar o Paleo. Nesses 6 meses de paleo, a alergia não reduziu quase nada. Deixei de comer praticamente tudo de industrializados, exceto uma ou outra escapada de fim de semana e exceto os suplementos de academia (Whey, BCAAs, Glutaminas etc).

    No começo de dezembro/2013 deixei de consumir esses produtos e minha tolerância ao Sol começou a aumentar. Antes ficava 15 min no máximo, sem reação. Hoje consigo 30 min. Seria um sinal de restauração ou é muita especulação de minha parte?

    Abraços e parabéns novamente.

    ResponderExcluir
  74. Parabéns pelo post, absurdamente inteligente como sempre! Na sua próxima postagem sobre o tema se puder comentar sobre o Kefir...
    Feliz 2014 e um grande abraço.

    ResponderExcluir
  75. Dr. Souto já li que o Sr. escreverá sobre alimentos indicados para repor a flora intestinal ou torná-la menos inflamatória. Gostaria de pedir que o Sr. fale a respeito do kefir, especialmente do kefir de água, já que sou intolerante a caseína.
    Muito obrigada por todos os esclarecimentos e feliz 2014 com muita saúde!

    ResponderExcluir
  76. Eu acho BEM provável. Comer uma dieta páleo e alimentos fermentados tende a restaurar a flora normal.


    Em 2 de janeiro de 2014 15:30, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  77. Dr. Souto, uma outra dúvida: como detectar que a flora intestinal não esta bem?

    ResponderExcluir
  78. Nos EUA: http://americangut.org/


    2014/1/2 Disqus

    ResponderExcluir
  79. Sites que começam a mostrar a verdade:http://revistavivasaude.uol.com.br/saude-nutricao/88/artigo180085-1.asp/

    ResponderExcluir
  80. Dr. Souto,

    Estou vendo uns experimentos em sites em inglês com "Potato Starch" para obter o "Resistent Starch" (RS).

    Fécula de Batata é o mesmo que Potato Starch? (Achei uns da Yoki pra vender...)

    ResponderExcluir
  81. Estou em fase de testar isso. Quando souber, vou postar


    Em 2 de janeiro de 2014 16:39, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  82. Puxa Ana, seja bem vida a um estilo de vida MARAVILHOSO!! E com certeza alcançarás saúde e alegrias...


    Abraços Kalrem.

    ResponderExcluir
  83. "(por favor, não saia correndo para catar as fezes daquela vizinha magricela!)".

    Ri alto Drº Souto!! Excelente síntese, como o sr mesmo diz em um dos comentários!

    Quero muito lhe deseja um feliz ANO NOVO e para sua família também...

    Drº o sr mudou e tem mudado a vida de muitos,pois quando o conheci ( através do Rodrigo Polesso,do emagrecerdevez.com),estava no caminho do estilo paleo, tendo alguns deslizes, mas sabendo que agora posso e sei como adquirir saúde e repassar o que tenho aprendido com o sr., Rodrigo, Hilton, Geosh e a Drª Polyana!! A todos vcs muitas felicidades e com certeza SAÚDE!!



    Bjinhos na família e mais uma vez parabéns!!


    Kalrem.

    ResponderExcluir
  84. Dr Souto, andei xeretando sobre amido resistente só para ter uma ideia...Muitos nutricionistas falam em legumes com índice alto de amido resistente. Como fica essa relação na paleo que os exclui?

    ResponderExcluir
  85. Há fontes de amido resistente sem lecitinas e antinutrientes (banana verde, amido cru de batata, polvilho doce cru).


    2014/1/2 Disqus

    ResponderExcluir
  86. Xerete em freetheanimal.com


    2014/1/2 Jose Carlos Souto

    ResponderExcluir
  87. Dr. Souto, os conservantes usados pela indústria alimentícia para prolongar a validade do alimento ou dispensá-lo de refrigeração (como, por exemplo, os queijos processados e o salame) podem prejudicar a flora intestinal?

    ResponderExcluir
  88. hehehe tô no caminho certo! Cheguei nesse site! :D Dr. Souto, quando for abordar mais para frente essa questão do cozimento ainda é muito complexa para mim. Li alguns artigos mas não compreendi muito bem! Vi alguém comentar aqui, vou procurar tb. Grata!

    ResponderExcluir
  89. Priscila, a goma de tapioca nesse caso não seria prejudicial, pois é feita de polvilho e quando fazemos na frigideira aquece muito pouco. O que vcs acham Brad e Priscila?

    ResponderExcluir
  90. Precisa medir a glicemia em jejum, comer a coisa, e testar a glicemia cada 30 mim após. A glicemia não deverá aumentar, se for resistant starch.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 02/01/2014 18:03, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  91. ... ... rsrsrsrs. Se você pinta o quadro da Monalisa imprimindo algumas hipóteses, diferente daquilo que já está lá, claro que com base em muitos outros estudos, isso não significa que você foi o autor desse novo quadro? De qualquer forma, se me atropelei, te garanto que meus elogios a voce não ficarão menor e sem brilho, visto que aqui em nossa praia, sobre o assunto, é você que BRILHA ... rsrsrs.

    ResponderExcluir
  92. Dr. Souto,

    Primeiramente quero parabenizá-lo pelo extraordinário trabalho! Seu blog é excelente e acredito que o grande diferencial é a atenção que o senhor dispensa aos seus leitores. A cada comentário respondido temos mais um ensinamento que agrega conhecimento de qualidade.

    Tenho lido muitos artigos e livros sobre a alimentação paleo/low carb e me entusiasmei bastante. Se não fosse incômodo, gostaria que o senhor avaliasse minha alimentação e indicasse se deveria mudar alguma coisa, pois no auge dos meus 126,8 kg distribuídos em 1,60 m, fico com medo de seguir erroneamente e piorar ainda mais minha situação. Desde o dia 30/12 estou seguindo a seguinte alimentação:

    Café da manhã: 3 ovos cozidos; queijo mussarela, 6 azeitonas;

    Lanche: 5 Amêndoas OU queijo mussarela

    Almoço: Peito de frango com salada (cebola, tomate, pepino, alface, nozes, azeite de oliva, sal, maçã, pimenta calabresa, azeitona)

    Lanche: 5 Amêndoas OU queijo mussarela

    Jantar: 3 ovos cozidos; queijo mussarela, 6 azeitonas;

    Minhas dúvidas estão relacionadas ao frango, pois cozinho com manteiga (Aviação, pois li sua indicação no blog) e a medida que vai secando a água, a manteiga vai se transformando em um tipo de óleo, sendo que deixo que o frango frite nesse óleo.

    Também queria saber se posso continuar consumindo o queijo ou devo tirar de vez, e focar em 100% paleo, ou restringir sua utilização.

    Por fim, quando bate a ansiedade, como chocolate cacau show 85% cacau. Devo excluir também?

    desde já agradeço sua atenção!

    ResponderExcluir
  93. ñ conheço a goma de tapioca... mas sei q existe pão de queijo feito direto da mandioca. Mas como o Brad falou, por se misturar com a gordura ao ser aquecido, ele ñ sabe se, ao voltar a temperatura ambiente, o amido resistente voltaria tbm, nesse caso. mas acho q vale MUITO um teste de glicemia. vou ver se pego o aparelho da minha avó e vou começar uma quantidade de carbs em mandioca e depois a msm quantidade no pão de queijo feito de mandioca. vamos ver oq q dá... mas se aquece pouco, ai eu acho q ñ tem problema nenhum... se estiver sismada, espere esfriar um pouco mais.


    E se for gostoso, depois me passa a receita =P

    ResponderExcluir
  94. Me parece ótimo, experimente banha no lugar da manteiga.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 02/01/2014 18:45, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  95. Pri, a goma de tapioca é feita com polvilho doce hidratado e depois aquecido levemente na frigideira...Aí vc faz um disco e recheia com o que desejar. Em SP vende em alguns mercados e em feiras livres...

    ResponderExcluir
  96. acho que a tapioca é uma alternativa para testes - feita de polvilho doce e aquece pouco...

    ResponderExcluir
  97. Muito obrigada! Continuarei utilizando o blog como referência principal e daqui a uns dias posto os primeiros resultados! =)


    Só mais uma dúvida, o senhor já tomou conhecimento sobre "cold themorgenesis"? Se sim, é válido utilizar esses preceitos, considerando que moro em Salvador, uma cidade pra lá de quente?

    ResponderExcluir
  98. Já ouvi. Está no livro do Tim Ferriss

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 02/01/2014 19:22, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  99. Dr Souto, fui até uma loja da Cacau Show e pesquisei o chocolate a 85% de cacau, daí reparei que tem açúcar em sua composição e para piorar, não informa qual a proporção da quantidade de açúcar. Perguntei se não existia chocolate a 85% de cacau sem adição de açúcar. Me disseram que não. Acho que está ai uma armadilha para quem segue a dieta LCHF. O que o senhor acha?

    ResponderExcluir
  100. É uma quantidade mínima de açúcar, que não afeta nem mesmo a cetose em dieta cetogênica. Mas me refiro ao Lindt 85% cacau. Eu desconfio da doçura do cacau show, pro meu paladar.


    Em 2 de janeiro de 2014 19:35, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  101. Pois é Doutor! Eu provei um pedaço do 85% da Cacau e senti o gosto doce escondido. Resolvi nem arriscar. Aproveito para dizer que há um mês estou sem nada de carboidrato, nem um grama. Somente gordura e proteína de bacon, linguíça, carnes. Continuo me sentindo bem. Estou apenas me testando, não sei se sou louco, mas gosto de ver até onde posso ir. Pelo menos para mim, qualquer carboidrato parece desnecessário, mesmo os páleos.

    ResponderExcluir
  102. Fernanda Somenauer2 de janeiro de 2014 20:50

    Será que comer batata crua seria muito ruim? Sempre amei batata crua.... =)

    ResponderExcluir
  103. Aonde se situariam os carboidratos de laticínios nessa escala, como açucares simples?
    Imagino que os fermentados (queijos e iogurte natural) tem menos açúcar, mas são da mesma natureza?

    ResponderExcluir
  104. Eu tb ia perguntar dos alimentos probióticos, aguardo ansiosa!

    ResponderExcluir
  105. Depende de quão ruim estava sua dieta (quanto açúcar você comia).
    No meu caso, o efeito foi ruim na 1a semana e devastador na 2a. A partir da terceira semana meu corpo estava adaptado. Tem gente que demora 1 mês, Tem gente que mal sente. Minha esposa quase nem sentiu nada.
    Mas eu comia muito biscoito integral (ou seja, muito açúcar mascavo), então foi meio difícil mesmo.


    Portanto, quão intenso e quão demorado será? depende do teu passado... teu passado te condena rsrsrs

    ResponderExcluir
  106. Só para você ter uma ideia... um exercício que faço na academia: barra fixa. Na época, antes do paleo fazia entre 8 e 10 repetições. Durante a adaptação, na primeira semana caiu para 5-7 reps. Na segunda semana mal conseguia fazer 3. Na 3a semana subiu para 12, tive que colocar carga. A diferença é assim mesmo: abrupta. Ao menos comigo foi assim.

    ResponderExcluir
  107. Rodrigo, meus pais não aceitaram de jeito algum. Meu pai é diabético. Minha mãe tá chegando lá. Eles foram a um endócrino que receitou uma ida a um nutricionista, que receitou uma ida a um nutrólogo que receitou um pó estranho para comer.
    Quando vi a composição, quase enfartei: Maltodextrina + farinha + um monte de outros venenos.
    Ao menos o maldito pó eu consegui fazê-los parar de comer. A luta agora é com o pão. O desgraçado (perdoe-me dr) do nutrólogo disse que pão integral faz bem e eles acreditaram. Pior é que o pão nem integral não é... kkkk Farinha enriquecida com ácido fólico é o principal ingrediente.
    Mas é assim mesmo... é difícil convencer nossos pais. Pena que o meu já está com a saúde deteriorada..

    ResponderExcluir
  108. Só tem que ter cuidado com esses produtos aí pois são industrializados. Yoki é conhecida por vender transgênicos.

    ResponderExcluir
  109. Farad Oliveira de Araujo3 de janeiro de 2014 01:48

    Dr. Souto, Essa constatação CHAVE de que a obesidade é fundamentada sobre as alteração da flora intestinal são constatações pessoais suas ou também são compartilhadas pelo autores das pesquisas referenciadas neste artigo? Parabéns por mais esse brilhante artigo!

    ResponderExcluir
  110. Ano novo, e vem mais uma camada de complexidade ao blog! Sempre digno de palmas!
    Esse assunto da flora era um dos "key-points" que mais faltava aqui. Assunto "quente", vai ter muito o que falar :)

    ResponderExcluir
  111. Tudo o que eu coloquei na postagem está no artigo, que é fortemente referenciado. E, como em cloquei com letras garrafais, é uma HIPÓTESE - embora cientificamente embasada.


    Em 3 de janeiro de 2014 01:48, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  112. Dr Souto, lembrei que durante muito tempo eu tomava meu suco verde (couve batida com água e hortelã e salsinha) batido com inhame cru ou a batata yacon crua. Pode ser 2 formas de uma boa experimentação...

    ResponderExcluir
  113. Oi Marcelo, não sou nutricionista mas acredito que esse caminho que você está seguindo não é saudável a longo prazo. Primeiro, nada é livre de carboidrato, até carne e ovo tem glicogênio. Segundo, precisamos dos micronutrientes (vitaminas e minerais) encontrados nas folhas e verduras. Eu aconselharia você a rever suas escolhas pois com o tempo poderão vir sintomas desagradáveis de avitaminoses.

    ResponderExcluir
  114. Sabe, Daniela, eu vejo assim: não é NECESSÁRIO fazer super-low-carb; mas o fato de não ser necessário não significa que seja DANOSO. E a jornada pessoal de cada um de nós dever ser uma jornada de auto-experimentação e aprendizado. Eu fiz super-low-carb por um bom tempo (e com ótimos resultados), mas hoje me sinto melhor com um pouco mais de carbs, que oscilam conforme a época (às vezes na faixa de 50g, às vezes até 100 ou mais). A hora que o Marcelo achar que precisa, ele vai comer umas cenouras!

    Em 3 de janeiro de 2014 10:41, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  115. É tem razão, a auto-experimentação realmente é o melhor nessas questões, é que ainda tenho "medo" de algumas deficiências nutricionais. Às vezes quando fico um dia sem comer nenhuma salada fico com peso na consciência me perguntando se não estou me prejudicando por causa disso, hahahaha. Nóia!

    ResponderExcluir
  116. http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/12/a-dieta-dos-esquimos-aventuras.html

    Em 3 de janeiro de 2014 11:01, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  117. Saudações, doutor. Tenho lido avidamente seu site, inclusive o fórum, e já formei uma certa base de conhecimento, sei a diferença entre dieta paleo e low carb, e que a princípio você recomenda que, depois de alguns meses, a pessoa que não precisa emagrecer migre pra paleo, ingerindo até 100g de carbs paleo por dia. Minha questão é a seguinte: sei que você abomina os pães e cereais, mas suponhamos que, quando eu migrar pra paleo, eu resolva consumir uma pequena parte destes 100g com pão ou arroz. Isso vai prejudicar muito minha saúde/boa forma? Sei que boa parte da nossa relação com carbs vem da tal adição que você sempre cita (e eu acredito!), mas creio que minha qualidade de vida, em termos de paladar seria bem prejudicada se eu imaginar que nunca poderei comer um pouco de macarrao ou de pão ou de arroz, dentro desta faixa de segurança. Ah, e não tenho problema com outros alimentos, sou bem carnívora, adoro ovos, etc. Super obrigada por este espaço! Abs, Ju

    ResponderExcluir
  118. Arroz, não vejo problemas. Pão são outros quinhentos. Mas cada um sabe onde lhe aperta o sapato, não é mesmo? Com certeza, fumar pouco é melhor que fumar muito.


    Em 3 de janeiro de 2014 11:48, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  119. Reproduzo aqui as palavras do colega Patrick Rocha para que os visitantes continuem votando. Dr. Souto, qualquer objeção, por favor me avise.

    Olá pessoal: um empreendedor digital chamado Seiiti Arata divulgou hoje um vídeo para a votação dos MELHORES EDUCADORES NA ÁREA DE NUTRIÇÃO E SÁUDE . Entre eles está o nosso amigo Dr Souto. Pedi a ele pra divulgar isso e ele me autorizou. Vamos compartilhar e votar para divulgarmos este estilo de vida tão importante para a vida das pessoas! Um abraço! Segue o link:

    http://www.arataacademy.com/port/melhores-de-2013/

    ResponderExcluir
  120. Olá Dr. Souto, excelente texto e realmente essa dieta mudou a minha vida
    Tenho 21 anos, 1,78, e em cerca de 5 meses de dieta fui de 120kg, para 87 sem exercicios.
    Ainda falta uns 9kg para o imc ficar ideal, porem ainda tenho cerca de 25% de indice de gordura, e penso em entrar para academia, existe algum fórum, ou lugar para se debater treino e dieta com base low carb / paleo?
    Já li o seus comentarios sobre focar em hormonios não em calorias, inclusive uma vez me recomendou que falasse ao instrutor que procurava hipertrofia com foco em aumento progressivo de carga, poucas repeticoes, tendendo a falha, entendi o conceito.
    Consegui o livro dieta tnt em pdf, queria comprar em português mas não acho.
    Mas além disso, acredito que a alimentação deva ser até mais importante que a execução completa de exercícios
    Como me recomendaria por cima uma dieta para ganhar massa magra ou melhor perder gorduras?
    Pratico ji de 24hrs diariamente apenas almoco, uns 3 bifes grande de contra file, e salada, devo continuar?
    Ir na acadêmica em jejum, comer algo depois do treino? O que exatamente?
    Não uso remedios, não sou diabético, nem nenhum problema cardiovascular. E tenho muita forca de vontade

    Obrigado Dr. o sr. mudou minha vida
    Atenciosamente, Mario

    ResponderExcluir
  121. Edmar é no capitulo 4

    ResponderExcluir
  122. Sensacional!
    O livro está aqui: http://www.estantevirtual.com.br/q/volek-jeff-campbell-adam-dieta-tnt


    Em 3 de janeiro de 2014 13:21, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  123. Procurando farinha de amêndoas para fazer uma receitinha para o natal, eu acabei comprando farinha de Chia, e só depois me dei conta de que grãos não entram nesta dieta, bom não usei. Mas será que a chia é tóxica?E a farinha de banana verde?Tem alguma verdade nos benefícios destas farinhas??

    http://www.minhavida.com.br/alimentacao/tudo-sobre/16804-farinha-de-banana-verde-emagrece-e-reduz-risco-de-diabetes

    http://www.bolsademulher.com/corpo/farinha-de-chia-emagrece-veja-como-consumir-e-por-que/

    ResponderExcluir
  124. Dr. Souto, recomenda suplementar probioticos (lactobacillus e bifidum) diariamente em capsula? Tipo o Mark Sisson? Nao tenho kefir e nem gosto muito de fazer iogurte caseiro por causa dos carbs.

    ResponderExcluir
  125. Dr. Souto, faço paleo na versão low-carb e agora que já quase atingi minha meta (faltam uns 5 kg apenas) estou pensando em voltar com alguns carbos paleo. Por enquanto estou só nas frutas e batata-doce. Depois de ler esta postagem fiquei um pouco na dúvida de quais seriam mais recomendados. Faço (muita) atividade física e percebi que estava faltando combustível em dias de alta intensidade, inclusive acusou isso num exame cardiopulmonar recente. Tento estudar bastante sobre a dieta e acredito que estou no caminho certo. Mas este post me deixou com um pouco de dúvida. Se puder me dar um norte, agradeço. Um abraço e parabéns pelo post espetacular.

    ResponderExcluir
  126. Obrigado. Mas é isso mesmo, frutas, raízes. Concentrar no pós treino.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 03/01/2014 19:25, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  127. Quando é o caso, recomendo o lactofos.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 03/01/2014 18:49, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  128. roberta a maior lider em autismo é aDr. Natasha Campbell-McBride ela curou a doença do proprio filho ela é uma medica russa que vive em inglaterra e sim a cura esta no intestino e passa pela dieta o que ela usa é a dieta Gaps que é muito parecido com a paleo mas ela fez algumas mudanças para recuperar o intestino e reverter a doença vc pode procurar pelo nome dela na net ou youtube melhoras para teu filho bjs

    ResponderExcluir
  129. Aproveitando a pergunta do Arthur e a sua resposta Dr, quando é o caso? Qual a indicação?

    ResponderExcluir
  130. Dr.Souto, parabéns! Ótimo post.
    É inegável a qualidade do texto e do conhecimento nele exposto. Muito obrigada por compartilhar todas essas informações.
    Mas não posso deixar de destacar que as suas analogias e o seu senso de humor são um diferencial e tanto :-)
    Abraços

    ResponderExcluir
  131. Ana Cristina Castro4 de janeiro de 2014 11:52

    Agradeço ao apoio, pessoal!
    Me pesei hoje - 85,6 kg - meu recorde pessoal ;(
    A estrada é longa, mas a força de vontade é maior. Aliás, dia três na LCHF :D

    ResponderExcluir
  132. Constipação em dieta cetogênica

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 04/01/2014 11:21, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  133. Gosto muito de queijos curados e leite inteiro.Será que prejudica a dieta low-carbo,Paleolitica?Antecipadamente muito obrigado Dr. Souto.Sou da Ilha da Madeira..

    ResponderExcluir
  134. Menos leite, mais queijo

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 04/01/2014 13:37, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  135. Muito obrigado pela rapidez da resposta.Considero-o o melhor especialista em Nutrição Científica,em língua portuguesa,ombreando com o dr. Loran Cordain.


    No dia 4 de Janeiro de 2014 às 15:39, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  136. Leitura incrível!!! Parabéns pelo tempo dedicado em traduzir os 3 artigos. Não restou nem um pouco de medo por passar alguns ou muitos dias sem comer vegetais. Muito obrigada mais uma vez!

    ResponderExcluir
  137. ;-)

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 04/01/2014 15:44, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  138. Obrigado!

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 04/01/2014 13:52, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  139. Dr. Souto, não deverá aumentar quanto? Imagino que nenhum alimento é composto de 100% de amido resistente. Vai lá meu auto experimento (nas coxas):
    3 hs após o almoço (low carb)
    Glicemia de jejum 89
    Ingestão de 4 colheres de polvilho doce dissolvido em água à temperatura ambiente (cerca de 80g de polvilho), seguem as medições:
    30 min após 107
    + 30 min 108
    + 30 min 100
    + 30 min 102
    É o comportamento esperado para um amido resistente, considerando-se que sou saudável (não tenho DM)?

    ResponderExcluir
  140. Meu teste deu igual ao seu! Amanhã vou testar fécula de batata para ver se é igual ao "raw potato starch" do freetheanimal.com. Com raw potato starch, no teste deles, ficava inclusive abaixo de 90, ou seja, praticamente só resistant starch.

    Olha só:

    Ok, sports fans, just did 2 hour pps after downing 5TBS of Bob’s Red Mill Tapioca Starch, aka Tapioca Flour.
    FBG – 78
    10 minute pp’s:
    108
    123
    118
    123
    138
    133
    130
    128
    125
    90
    For comparison, here is 6TBS of Bob’s Potato Starch I did last summer: FBG – 89
    PP’s:
    90
    91
    88
    87
    90
    92
    84
    84
    88
    89

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    [image: Disqus] Settings
    A new comment was posted on Dieta Low-Carb e Paleolítica ------------------------------ *Thiago Lovalho*
    Dr. Souto, não deverá aumentar quanto? Imagino que nenhum alimento é composto de 100% de amido resistente. Vai lá meu auto experimento (nas coxas):
    3 hs após o almoço (low carb)
    Glicemia de jejum 89
    Ingestão de 4 colheres de polvilho doce dissolvido em água à temperatura ambiente (cerca de 80g de polvilho), seguem as medições:
    30 min após 107
    + 30 min 108
    + 30 min 100
    + 30 min 102
    É o comportamento esperado para um amido resistente, considerando-se que sou saudável (não tenho DM)?

    2:54 p.m., Saturday Jan. 4
    * Reply to Thiago Lovalho * Moderate this comment by email

    Email address: *thiagoglovalho@gmail.com* | IP address: 187.104.25.226

    Reply to this email with “Delete”, “Approve”, or “Spam”, or moderate from the *Disqus moderation panel*.


    Thiago Lovalho’s comment is in reply to *J. C. Souto*:
    Precisa medir a glicemia em jejum, comer a coisa, e testar a glicemia cada 30 mim após. A glicemia não deverá aumentar, se for resistant ...

    Read more ------------------------------

    You're receiving this message because you're signed up to receive notifications about activity on threads authored by jcsouto.

    You can unsubscribe from emails about activity on threads authored by jcsouto by replying to this email with "unsubscribe" or reduce the rate with which these emails are sent by adjusting your notification settings.

    [image: Disqus]

    ResponderExcluir
  141. Pois é Dr Souto. Não que eu odeie verduras, saladas, ao contrário, adoro. Mas estou na minha aventura pessoal em busca dos alimentos mais eficientes para meu corpo, ou seja, aqueles que eu como pouco e me mantenho satisfeito por mais tempo. Um pedaço pequeno de bacon cru me satisfaz plenamente, ou dois pedaços de carne gorda (de segunda,com granito, bem barata) ou ainda um perna de linguiça seca. Reparei que esses alimentos me saciam muito e consequentemente consumo menos quantidade, daí estou economizando sem querer, visto que essas porções custam não mais do que 3 reais por refeição. Estou seguindo meu desejo e o balcão do açougue virou meu paraíso. Não estou forçando nada, e se desejar, devoro sim uma cenoura ou outro vegetal. Mas até agora, não sinto desejo. Já quando vejo gordura animal, salivo na hora. Gosto até de roer ossos das carnes. Acho que virei um neanderthal. KKKKKKKKKK.

    ResponderExcluir
  142. Com certeza bem melhor que comer a dieta da pirâmide alimentar!

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 04/01/2014 18:15, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  143. Essa é para a gente rir. Estou a 4 meses em LCHF e nesse tempo meu cabelo (que corto à máquina) começou a crescer o triplo mais rápido que antes. Minha cabeleireira notou que meu cabelo ficou mais grosso, forte. Indagou o que eu estava fazendo para isso acontecer, já que minhas idas até o salão ficaram mais frequentes. Eu falei que era gordura animal, sem dar detalhes. Depois de duas semanas, eis que ontem cheguei lá e ela falou que com ela não funcionava a gordura animal. Eu não entendi. Aí ela explicou: a doida pegou banha de porco e ficou passando no cabelo! Caí na gargalhada! Expliquei a ela que eu COMIA a gordura e não ficava passando na cabeça. Ela quase me bateu, mas no fim, choramos de rir.

    ResponderExcluir
  144. Hahaha!

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 04/01/2014 18:31, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  145. Bacana demais!! Vou tentar comprar esse raw potato starch pela amazon, obrigado pela pronta resposta Dr. Souto!!

    ResponderExcluir
  146. Antes de fazer isso, testa com o que temos aqui. Comprei da Yoki e de outra marca local.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 04/01/2014 18:35, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  147. Acabei de tentar, nem vendem...

    ResponderExcluir
  148. Dr comprei uma geleia e nela existem 2 substâncias que me deixaram em dúvidas, o sorbitol e polidextros e alguém, entre os paleo, me chamou a atenção. Sou uma leiga em relação a rótulos, mas fui procurar na net e encontrei benefícios em relação a essas duas substâncias. Poderia me auxiliar e esclarecer, por favor?

    ResponderExcluir
  149. Banha de porco eu não como por alergia, mas uso óleo de côco pra cozinhar e um dia joguei no cabelo.
    Ficou perfeito depois de enxaguar e secar!
    E depois que eu adotei páleo, mesmo sem fazer lowcarb, minha pele e meus cabelos melhoraram muito, nem preciso usar maquiagem mais. Meu cabelo também começou a crescer bem mais rápido também!

    ResponderExcluir
  150. Folha de São Paulo de hoje.

    ResponderExcluir
  151. Se vc ficar na comida de verdade, não terá esses problemas de novo.

    http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/02/adocantes-e-rotulos.html

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 05/01/2014 10:46, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  152. http://www.youtube.com/watch?v=dHng1zcuDJI

    Matando o câncer de fome com a dieta cetogênica

    ResponderExcluir
  153. Dr. Souto, boa tarde.
    Descobri seu blog há duas semanas e pela primeira vez encontrei os argumentos necessários para adquirir bons hábitos alimentares.
    Quando lia sobre as dietas de baixo carboidrato, mas com muitas proteínas e gorduras, eu pensava ser insustentável, pois via muita restrição alimentar. Aqui, descobri o contrário.
    Sempre vi essas "dietas" como um atalho para a magreza. Considerava que se para ter um corpo magro (ou definido) era preciso tamanha restrição alimentar, "logicamente" era insustentável e anti-natural. Aqui, descobri o contrário.
    Pela primeira vez, tive a demonstração cientifica do porquê das coisas.
    Pela primeira vez, passei a encarar a alimentação de baixo carboidrato como algo saudável, lógico, científico...
    Pela primeira vez, passei a vê-la não como uma dieta restritiva, e sim como uma alimentação natural.
    Sempre tive receio de aderir a essas dietas porque as via como "coisas da moda". Além disso, sempre as via associadas ao discurso do fitness, como se essas dietas fossem destinadas apenas para esse objetivo.
    Não sei se me faço entender, mas é como essas pessoas "saradas" abolissem os "prazeres da alimentação" unicamente pelo culto ao corpo.
    Como minha motivação não é essa, sempre torci o nariz para pessoas que deixavam de "viver" unicamente para esculpir músculos. Se era necessária toda essa disciplina, me dava preguiça só de começar.
    Enfim, lendo seus artigos, todos esses mitos se desconstruíram.
    Inicio amanhã, segunda-feira (sempre ela), minha nova alimentação. E agora, sabendo dos porquês, sinto que minha caminhada será muito tranquila.
    Meu muito obrigado!
    Samuel

    ResponderExcluir
  154. A Rede Globo continua malhando a carne e gordura animal e defendendo os cereais. A falácia de sempre em relação às calorias. Mais um desserviço da vênus platinanda. Plim plim. E a obesidade continuará matando, porque fome ninguém gosta de passar. Segue os links.

    http://globotv.globo.com/rede-globo/jornal-nacional/v/estudo-revela-que-populacao-de-paises-como-o-brasil-e-a-que-mais-engorda-no-planeta/3057216/

    http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2014/01/obesidade-quadruplica-em-paises-em-desenvolvimento-diz-relatorio.html

    ResponderExcluir
  155. Acho que alguém deveria dar o livro Barriga de Trigo para o Boninho. Para ver se ele acorda para a realidade.

    ResponderExcluir
  156. Dr. esse potato starch é batata branca? estou pensando em desidratar batata doce e moê-la será que tem mesmo efeito?

    ResponderExcluir
  157. Muito bom! Bem-vindo a essa moda que já dura 2 milhões de anos :-)

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 05/01/2014 14:54, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  158. Não. Batata doce não tem nenhum amido resistente.

    Leia em freetheanimal.com

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 05/01/2014 17:27, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  159. Aí sim, fui lá e votei.


    ______
    42

    ResponderExcluir
  160. Segue um salgadinho zero carb daqui de Penha- SC. Muito bom: http://www.biscoitosluna.com.br/?page_id=319

    ResponderExcluir
  161. Muito bom saber. Desde que comecei minha alimentação paleo que meu intestino ficou preso.

    Como no máxmo 20gr de carboidrato por dia. Bebo bastante água e consumo bastante gordura saudável na dieta (70-80%).


    Vou procurar esse lactofos (carinho, espero que resolva).


    Yakult ou fermento em pó ajudaria em algo (caso não encontre esse lactofos)?

    ResponderExcluir
  162. Dr. Souto,

    Sobre o controle de PH dos alimentos

    Tenho uma dúvida sobre a dieta lowcarb - paleo no que diz a respeito do PH dos alimentos nessa dieta.Como carnes e queijos fazem parte da dieta LCHF têm acidez entre 5-6. Pelo que eu tenho estudado nosso corpo precisa manter o PH entre 7,35 e 7,45 e que para equilibrar esse PH nosso corpo utiliza alguns minerais como, por exemplo, o cálcio dos ossos. Tenho estudado que bactérias, vírus e até mesmo células cancerígenas costumam se desenvolver em ambiente acido. Também vi que nosso corpo costuma funcionar melhor (melhor aproveitamento dos nutrientes) e com isso favorecer o controle de peso em um estado mais alcalino.


    Entendi o porquê os refrigerantes além de todo carb têm PH de 2,5 à 3, ou seja extramente ácidos provocam grande desequilíbrio em nosso corpo.


    Vi que alguns artigos citam o suco de limão, claro sem açúcar, como ótimo alimento alcalino. Vale tomar diariamente?


    Gostaria de saber sua opinião sobre esse assunto - o CONTROLE DE PH NA ALIMENTAÇÃO. Eu juro que procurei no blog algum artigo sobre, mas não achei.


    Desde já, obrigado!


    Maurício

    ResponderExcluir
  163. 20g de carbs é mais Atkins do que paleo. Experimente comer um molho inteiro de espinafre ou couve refogados ou na forma de smoothie. Festa no dia seguinte.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 06/01/2014 02:39, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  164. Artigo excelente, tanto no conteúdo quanto na forma. Comecei no low carb em 2003, após ler o livro do Atkins. De fato, a dieta páleo faz mais sentido, pois tem uma "filosofia" mais completa. É comum os praticantes do low carb se apoiarem em recursos como glúten, extrato de soja e outros venenos na tentativa de emular alimentos tóxicos -- pão etc. Parabéns Dr. Souto.

    ResponderExcluir
  165. Dieta paleo não inclui os laticínios, mas os queijos quase não tem carboidrato, e será que sem tirar os laticínios permitidos na low-carb, podemos incluir os carboidratos permitidos no paleo?E quais seriam ?

    ResponderExcluir
  166. Seguindo o gráfico a mandioca não é recomendada pela taxa alta de densidade de carbos?E a mandioquinha é mais próxima da cenoura, ou da mandioca?

    ResponderExcluir
  167. Andrei Rocha de Almeida6 de janeiro de 2014 12:54

    Este post é excelente e este artigo é histórico, pois liga muitos pontos deste maravilhoso enigma. Li o artigo original e fiquei impressionado como é coerente com tudo o que vemos neste site e nos livros paleo/low carb.

    A relação entre as inflamações bucais (gengivite, periodontite), inflamações do intestino (flora inflamatória), doenças inflamatórias (doenças coronárias, obesidade, diabetes, artrites, etc.) já havia sido parcialmente estabelecida. Porém ligar todos estes fatores a uma causa comum - consumo de carboidratos densos e acelulares - foi um grande feito.

    Eu mesmo me curei de uma gengivite crônica com apenas 2 meses de dieta paleo/low carb, Hoje minha dentista fica impressionada com a saúde de minhas gengivas. Além disso obtive remissão de refluxo gastroesofágico, e fiquei quase curado de uma dermatite crônica.

    Enfim, estou convencido que uma dieta paleo acrescida de carboidratos celulados provenientes de raízes, frutas e verduras é a chave para uma vida de muita saúde.

    Parabéns Dr. Souto pela exposição.

    ResponderExcluir
  168. Obrigado. Sempre lembrando que muito disso ainda é teórico. O que não é teórico é a ausência de doenças ocidentais nessas populações. Volto a dizer: se é o microbioma, a insulina, ou outra coisa, não muda O QUE DEVE SER FEITO: uma dieta compatível com a evolução.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 06/01/2014 12:55, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  169. Ju, com o tempo, o desejo passa. Eu era a LOUCA do arroz. Para mim, almoço era ARROZ + outras coisas.


    Alguns meses de páleo depois, fui jantar na casa de uma amiga e coloquei um pouco de arroz no prato. Nossa, que trem sem gosto! E olha que a mãe dela é super cozinheira (:


    Até no sushi já estou estranhando… Antes eu comia muito sushi, uns 20 a 30 peças, tranquilo. Hoje mal passo de 5 peças. Já o sashimi (;

    ResponderExcluir
  170. Ahahahha, adorei!!!

    ResponderExcluir
  171. É que estava com nível de obesidade I. Por isso quis ser mais radical de início, ficar em cetose para forçar uma perda mais rápida.

    Também não sou muito de comer legumes e vegetais. Então carne, queijo, bacon, azeitona, manteiga, banha de porco, azeite, nozes, amendoas e avelã é o que tenho comido (nozes, amendoas e avelã com muita moderação).

    Vou experimentar comer couve refogada. Tenho ido nos mercados e a parte de hortaliça está muito ruim, quase não tem nada.

    Saí de 97,5kg para 87,5kg. Após uma refeição de lixo subi para 90kg e não saio mais desse peso. As medidas também não estão alterando mais.

    Faço musculação em jejum de segunda a sábado.

    O curioso é que a maior perda foi nos primeiros 20 dias, depois fiquei em platô por mais de um mês. Depois perdi mais uns 3kg e entrei em platô novamente.

    Quase não faço dia do lixo, pois meu peso sobe absurdamente rápido. Na primeira refeição lixo que fiz, meu peso subiu 5kg e demorou 3 semanas para voltar ao que estava antes. E só comi umas 3 fatias de pizza e 3 chocolates pequenos, como baton.

    ResponderExcluir
  172. Dr. Souto, estou há dois meses aqui no nordeste e naturalmente aumentei o consumo de carboidratos. Em Brasília, não passava dos 30g, aqui fico entre 30-70g. O aumento se deve ao consumo quase diário de inhame e batata doce, e tapioca eventualmente. Não notei mudanças significativas, continuo bem disposta, não houve aumento de peso, a pele está ótima (aliás, as 2 ou 3 espinhas que apareciam, sumiram).


    Acho que está na hora de cortar o peito de peru e o adoçante da história e focar em comida 100% páleo (: Obrigada pelo texto, vou fuçar os sites indicados aqui nos comentários pelo senhor. E que didática, heim? (;

    ResponderExcluir
  173. Maurício,

    Veja estas páginas:

    http://chriskresser.com/the-ph-myth-part-1

    http://chriskresser.com/the-acid-alkaline-myth-part-2

    Foram citadas em http://lowcarb-paleo.blogspot.com/2013/09/o-mais-alto-nivel-de-evidencia.html

    ResponderExcluir
  174. Gostaria de sugerir que trocasse o tema do blog para um com a coluna mais larga. facilitaria um bocado a leitura, mesmo em dispositivos moveis.
    Obrigada pelas contribuições.

    ResponderExcluir
  175. Obrigado Dr. mas restou algumas dúvidas =)
    A fécula e bom para o intestino né, e ele ajuda a recarregar o glicogênio também, pois é um carbo, né?, Hoje fiz um teste com o pó de batata doce cerca de 60g , apos 45 min de caminhada e umas series de levantamento terra e remada.


    jejum 88
    após 30min 130 8h
    +30 105 8h30
    +30 115 9h
    +30 130 9h30
    +30 134 10h


    vou fazer o teste com polvilho...

    ResponderExcluir
  176. Amido resistente não ajuda em nada no glicogênio, pois não é nada absorvido. É para alimentar apenas a flora intestinal. Batata doce é puro açúcar, se vc quer repor o glicogênio, tudo bem, use batata doce; amido resistente pode ser consumido por quem está fazendo low carb - não muda a glicemia.


    Em 6 de janeiro de 2014 22:56, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  177. Sensacional!

    ResponderExcluir
  178. Marcos marinho de medeiros7 de janeiro de 2014 09:25

    Tem, mas com a vantagem de ser celulares.

    ResponderExcluir
  179. Valeu Dr.!
    Ate 150g de paleo carbs e low entao toto dentro.
    Por isso que os mais velhos ja diziam tah com dor de barriga toma maizena com agua que passa kkkkk , obrigado !

    ResponderExcluir
  180. Dr. Souto,


    Como está seu teste com a Fécula de Batata da Yoki?


    Para nós do Brasil, o polvilho doce seria bem mais em conta e mais disponível. Mas pelos testes já demonstrados, há bastante amido digerível nele, a julgar pelas leituras de glicemias realizadas.

    ResponderExcluir
  181. Ainda vou retestar a Fécula Yoki. Mas a fécula de batata marca Giro Verde deu o mesmo resultado em 2 dias consecutivos - uma glicemia mais BAIXA 1 hora após consumir 4 colheres de sopa em jejum do que antes!!!! Já o polvilho de 2 marcas elevou a glicemia de 85 para 100 (mostrando que tem bastante amido resistente, mas que tem impacto glicêmico também). Ainda falta o segundo teste da fécula de batata Yoki. Mas esta giro verde passa RETO pelo intestino delgado e vai direto pro cólon - impressionante. Porém, talvez comer um polvilho em menor quantidade e sem ser em jejum, para atenuar o impacto glicêmico, possa ser uma alternativa. Lembrando que tem não pode ser cozido/assado, se não vira amido simples.


    Em 7 de janeiro de 2014 10:02, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  182. Camila R Marquetto Saikoski7 de janeiro de 2014 13:38

    Olá dr Souto. Feliz 2014 para ti e família!
    Muito legal a postagem. Neste assunto de flora intestinal, vi esses dias um médico italiano que responsabiliza um fungo como causa de todos os tipos de câncer, um desequilíbrio que tem a ver com a flora intestinal. O causador seria a Cândida Albicans que pelo menos até onde se sabe se alimenta de carboidratos refinados (farinha e açúcar). Seria mais uma doença ocidental para a lista dos carbs. Gostaria de compartilhar aqui neste espaço onde tem tantas pessoas interessadas em saúde "fora da caixa". O site do cara é http://www.curenaturalicancro.com/

    ResponderExcluir
  183. Já comprei a Fécula de Batata da Yoki, vou começar a usar hoje à noite. Pena que eu não tenha o aparelho medidor de glicose.

    Dr, é necessário colocar um pouco de sal para dar um gostinho à mistura com água?

    São quatro colheres de sopa ou de sobremesa? (estava procurando a tradução correta de tablespoon e parece que nos EUA é equivalente à colher de sobremesa.

    ResponderExcluir
  184. Olá Dr Souto. O tratamento mostrado no link compartilhado pela Camila é falso? Obrigado.

    ResponderExcluir
  185. O aparelho não custa nem 70 reais - qualquer um tem acesso em qualquer farmácia, e é uma coisa muito interessante!

    Tablespoon é colher de sopa. Dessert spoon é de sobremesa; teaspoon é de chá. São colheres de sopa, no caso.

    Eu estou misturando em água pois estou testando o efeito na glicemia. Mas se fosse para usar como suplemento (coisa que pretendo testar em alguns dias), misturaria 1 colher de sopa em coisas como iogurte ou smoothies distribuídas em quatro x ao dia.


    Em 7 de janeiro de 2014 14:05, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  186. humm... então podemos comer carboidratos paleo, mas não percebi diferença também na batata - inglesa, que ficaria fora dos dois tipos de dieta, mas que também tem carbs celulares?

    ResponderExcluir
  187. Prezado Dr. Souto, retirei a glândula da tireoide aos 5 anos de idade, e desde a operação faço reposição hormonal com Synthroid, e hoje aos 29 anos gostaria de eliminar alguns quilinhos extras com a dieta alta em gorduras e proteínas e sem carboidratos, porém na embalagem do medicamento diz que o mesmo possui açúcar, será que isto poderia me atrapalhar a perder peso com esta dieta, não entrando em cetose? Abaixo segue a composição de cada comprimido.
    Cada comprimido contém:
    levotiroxina sódica..............................................137 mcg
    Excipientes: sacarose, lactose, goma acácia, povidona, estearato de magnésio, talco, corante laca de alumínio azul FD&C no 1.
    Att.

    ResponderExcluir
  188. Sim, picaretagem. 100% dos tratamentos que dizem que todo o câncer é causado por X ou Y ou que todo o câncer pode ser curado são picaretagem, fantasia e superstição. Não me considero um médico "alternativo". Sigo a ciência. É que, no caso da nutrição, as diretrizes oficiais é que não seguem a ciência. Isso não significa que eu acredite em qualquer coisa alternativa. Não existe alternativo e convencional, existe científico e não científico.


    Em 7 de janeiro de 2014 14:16, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  189. Pode comer batata inglesa se vc não for diabética ou tiver síndrome metabólica.


    2014/1/7 Disqus

    ResponderExcluir
  190. Muito promissor!!! Eu estou fazendo experiências, e estou espantado.


    Em 7 de janeiro de 2014 14:49, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  191. :-)


    2014/1/7 Disqus

    ResponderExcluir
  192. Pense em quanto pesa um comprimido, e julgue se essa quantidade de açúcar tem impacto.


    Em 7 de janeiro de 2014 15:38, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  193. Camila R Marquetto Saikoski7 de janeiro de 2014 17:59

    Já eu adoro um "alternativo" rsrsrsrsrsrsrs

    ResponderExcluir
  194. http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/01/como-devo-comer-comida-de-verdade.html

    ______
    42

    ResponderExcluir
  195. Dr. Souto, tenho algumas perguntas. Desculpe-me o linguajar, mas que diabo de dieta é essa que não funciona? O senhor enche a boca para falar mal da dieta dos pontos, fala que contar calorias não funciona, mas como explica as pessoas que perderam peso com R.A. ? mágica? plástica? é tudo mentira delas e elas fazem paleo escondido? O senhor deposita esperanças na cabeça das pessoas que procuram uma perda de GORDURA eficaz há anos, e no fim nos decepcionamos, novamente. Eu tentei a Paleo por 3 meses, Doutor, e não perdi medida alguma. Perdi apenas água retida. E digo mais, coloquei manteiga até no torresmo pra tentar emagrecer mais, como vocês aconselharam, e tudo que isso me rendeu foi uma bela de uma diarréia.
    Tudo bem que vocês conseguem emagrecer comendo apenas sebo de porco e se adaptam a essa vida, que cá entre nós não é vida, afinal e o Natal? e o bolo de aniversário dos filhos? E aquele almoção de domingo? Estamos fardados a comer torresmo com óleo de coco o resto da vida? Ah, acrescente um pouco de banha pra ficar mais gostoso. Não, não aguento mais banha! Me dá enjôo!
    não é para todo mundo que isso funciona. Digo isso porque adquiri o E-book emagrecerdevez.com, que prega a dieta paleo, paguei 90 pilas suados, para NÃO emagrecer. Sinceramente? amo a gordurinha da carne, ovos com bacon também, detesto leite e carne magra, mas me adaptei muito melhor À dieta DUKÃO" como vocês chamam. Isso porque ela me fez perder gordura, de fato, em 2 meses. Sabe aquela gordura encrostada nos flancos? Então, somente a Dieta Dukan tirou ela de mim. Eu depositei todas minhas esperanças, na Paleo, por 3 meses, e o resultado foi apenas um leve desinchaço. Perda de gordura que é bom nada.
    Fica aqui o meu relato, o senhor prega aqui que a sua dieta é a melhor e a única que funciona de fato, mas se formos parar para pensar, esse é o discurso de TODOS os endocrinologistas e profissionais da saúde, não é? Não é porque o rapaz ali em cima perdeu 31 cm de barriga comendo sebo e manteiga de amendoim, que você também vai emagrecer dessa forma. Fica a reflexão.

    ResponderExcluir
  196. Restrição de carboidratos é o que melhor funciona para a maioria das pessoas e a ciência é absolutamente clara nesse sentido. Obviamente passar fome emagrece, mas não solução no longo prazo, e as pessoas não contavam calorias há 50 anos e eram mais magras.
    Mas, como já expliquei em expectativas versus realidade, que obviamente vc não leu, há pessoas que respondem bem a outras dietas, e há pessoas que não respondem bem a nenhuma. E eu nunca lhe forcei a fazer nada, e nunca lhe cobrei nenhum centavo.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 07/01/2014 22:50, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  197. Dr. Souto, conheci a dieta Paleo agora. Tive bioquímica na faculdade e acho que isso me ajudou a entender seus argumentos, mas estou com algumas dúvidas.

    Diferentemente de muitas pessoas aqui eu não estou interessada em perder peso, apenas em ganhar saúde. Tenho 24 anos, sou sedentária (por falta de achar um exercício físico que me dê prazer. Já tentei caminhadas, natação e musculação), tenho algumas restrições de atividade física por conta de uma escoliose de 30 graus. Tenho 1,63 e meu peso oscila entre 48-49,5 kg, é bastante estável desde 18 anos.

    Tenho um pouco de gordura localizada na barriga, e só.

    Como bastante para alguém com meu peso, de tudo, inclusive carboidrato, adoro arroz. Mas como também bastante carne. Não controlo quantidades, como quando tenho fome. Minha única restrição são laticínios (leite, queijo e iogurte, especialmente) pois sou intolerante, embora eu consiga comer bolos e receitas preparadas com leite condensado ou creme de leite sem passar mal.

    Mas tenho um sistema digestivo um pouco sensível. Tive crises de diarréia por um tempo e fui diagnosticada com síndrome do intestino irritável. Hoje as tenho de forma bem espaçada.

    A minha preocupação é: com uma dieta paleo, eu corro o risco de emagrecer ainda mais? Posso perder massa muscular? Preciso iniciar uma atividade física? De que tipo, aeróbica ou alguma outra?

    A dieta pode beneficiar meu quadro intestinal?

    Obrigada

    ResponderExcluir