domingo, 23 de março de 2014

Gordura não é a vilã - Revista Istoé

Eu nem pretendia mais tocar no assunto - afinal, como já disse, a dieta de baixa gordura está morta. Mas é mais forte do que eu. "Eu não disse?" é, sem dúvida, a melhor combinação de 3 palavras de nosso idioma...

http://www.istoe.com.br/reportagens/353591_NEM+TAO+VILA+ASSIM+?pathImagens=&path=&actualArea=internalPage


Nem tão vilã assim?

Ao revisarem estudos sobre a relação entre gorduras e doenças cardíacas, cientistas concluem que não há evidências definitivas de que ingerir alimentos como carnes vermelhas, manteiga e queijos faz mal ao coraçãoCilene Pereira (cilene@istoe.com.br)
Uma ampla pesquisa divulgada na última semana colocou em xeque um dos pilares usados até hoje para a prevenção das enfermidades cardiovasculares. De acordo com o trabalho, não há evidências científicas fortes o bastante para assegurar que o consumo das gorduras saturadas – presentes em alimentos como carne vermelha, manteiga e queijos – aumenta o risco de ocorrência de infarto e de acidente vascular cerebral (AVC). Tampouco existe comprovação definitiva de que as chamadas gorduras do bem, as polinsaturadas, encontradas no azeite de oliva, abacate e amêndoas, por exemplo, realmente protegem o coração como sempre se acreditou. Ou seja, de uma vez só, o trabalho jogou por terra duas certezas a respeito do que seria a dieta ideal.
GORDURA-03-IE-2313.jpg
REFLEXÃO
Para Faria Neto, pesquisa inicia debate sobre quantidade ideal de consumo
Publicada na “Annals of Internal Medicine” – uma das mais importantes revistas científicas do mundo –, a pesquisa foi realizada por um time internacional de cientistas coordenado por Rajiv Chowdhury, da Universidade de Cambridge, na Inglaterra. Os autores revisaram 72 estudos que haviam sido realizados anteriormente em 18 países, envolvendo cerca de 600 mil participantes. Entre eles, constavam 27 trabalhos randomizados, considerados o padrão ouro da investigação científica (eles comparam duas ou mais intervenções, aplicadas de maneira aleatória aos voluntários). O modelo de trabalho escolhido pelos pesquisadores é chamado de metarrevisão e tem sido bastante utilizado na busca pela confirmação de evidências sobre a eficácia de uma técnica.
Os pesquisadores observaram não só a dieta que os participantes informaram, mas também as concentrações de gordura na corrente sanguínea e no tecido de gordura reportadas. Na conclusão, foram enfáticos: “As evidências atuais não suportam claramente as recomendações que encorajam o alto consumo de gordura polinsaturada e a baixa ingestão de gorduras saturadas.” A única orientação atual confirmada pela revisão foi a de não ingerir alimentos com gordura trans, como biscoitos, sorvetes, salgadinhos e frituras.
As gorduras saturadas sempre estiveram associadas a risco cardiovascular porque aumentam as taxas do LDL, chamado de mau colesterol porque se deposita nos vasos sanguíneos – o que eleva a chance de infartos e AVC. No entanto, na explicação de Chowdhury, seu consumo tem impacto sobre uma partícula do LDL que não seria tão prejudicialA parte que realmente leva perigo seria influenciada não pela gordura saturada, mas pelo carboidrato, presente em massas, pães e doces.
Diante das conclusões, os cientistas defendem uma revisão das recomendações em vigor. “Estes resultados são interessantes e potencialmente estimulam novas linhas de investigações científicas e encorajam à realização de uma reavaliação cuidadosa das orientações atuais”, argumentou Chowdhury.
IEpag74e75Gordura-2.jpg
Recentemente, outros especialistas levantaram discussões sobre o real peso das gorduras no desenvolvimento das doenças cardiovasculares. Em artigo publicado no “British Medical Journal”, também conceituada revista científica, o cardiologista Aseem Malhotra, do Croydon University Hospital, de Londres, afirmou: “É hora de acabar com o mito do papel da gordura saturada na doença cardíaca.” Segundo o especialista, evidências mostram que a recomendação de diminuir a ingestão desse tipo de gordura levou, na verdade, a um aumento no risco cardíaco. Malhotra citou a evolução do problema nos Estados Unidos como argumento. Naquele país, o consumo de calorias derivadas de gordura declinou cerca de 40% nos últimos 30 anos. No entanto, a obesidade só cresceu nesse mesmo período. Uma das razões seria o fato de que a indústria alimentícia teria compensado a queda do consumo de gordura substituindo o nutriente com adição de mais açúcar.
Por enquanto, porém, as sociedades especializadas em cardiologia não pretendem mudar suas recomendações de restrição de ingestão de alimentos ricos em gordura saturada [Albert Einstein definiu insanidade da seguinte forma: "Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes" - com TRÊS metanálises mostrando a mesma coisa, e a experiência desastrosa do low fat no mundo, o que estão esperando pra admitir que estavam errados??]. Hoje, preconiza-se que no máximo 5% do total energético de uma dieta de cerca de duas mil calorias deva ser proveniente desse nutriente. “Mas o estudo desencadeou uma reflexão. Será que o consumo precisa mesmo ser tão restrito?”, diz o cardiologista José Rocha Faria Neto, presidente do Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia e professor da PUC-Paraná. “Mas não sabemos ainda o quanto mais pode ser liberado. O importante é que hoje há consenso de que a culpa não é de um nutriente específico. Por isso, o importante é ter um padrão alimentar saudável como um todo.”
FOTO: João Castellano/Istoé 

38 comentários:

  1. Pedra dura em água mole...e esta insanidade passa, pois não é possível as evidências estarem tão definidas e dizerem - que, por enquanto as sociedades cardiológicas não vão mudar suas recomendações - meu Deus, até quando? Estão matando pessoas e não se dão conta desta insanidade?

    ResponderExcluir
  2. "Eu não disse?", é, dá mesmo uma coceira na mão de tanto segurar essa frase na boca (ou nas pontas dos dedos, no teclado), não? rss rss rss

    ResponderExcluir
  3. O que mais escrevo ultimamente na minha time line enquanto posto os links daqui: Eu avisei! Eu falei! rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  4. Quem já viu a "Why almost everything you've been told about unhealthy foods is wrong"do The Guardian de hoje?

    ResponderExcluir
  5. Eu já. E o Hilton já traduziu! Amanhã eu posto.


    2014-03-23 21:56 GMT-03:00 Disqus :

    ResponderExcluir
  6. Boa noite Dr. Souto, mais um ótimo texto! Parabéns!! A coisa toda esta crescendo e rápido. Mas fiquei com uma dúvida, suplementar ômega 3 então não vale a pena??

    ResponderExcluir
  7. Parece que o negócio é comer peixe. Real food.


    2014-03-23 23:37 GMT-03:00 Disqus :

    ResponderExcluir
  8. "Mas não sabemos ainda o quanto mais pode ser liberado." - por que esses caras adoram estragar o final feliz com uma ponderação infeliz e desnecessária que continua tentando, a qualquer custo, desencorajar o consumo de gordura saturada e carne vermelha?


    O histórico artigo da revista Time de 26 de Março de 1984 (Hold the Eggs and Butter), que fez o mundo defenestrar a gordura saturada da sua dieta, tinha algum "porém" ou advertência final que fazia o leitor refletir sobre os perigos de tal alteração dietética?

    ResponderExcluir
  9. Dr. Souto, por favor, tire uma dúvida enorme minha!

    Uma pessoa com tudo isso junto: diabetes tipo 2 (tomando metformina) hipotireoidismo (tomando puran T4), hipertensa (tomando Betalor) e com colesterol total 269 (HDL 70/LDL 178/VLDL 21 / tomando Vytorim) quando começa a dieta paleo-low carb, segue tomando os medicamentos da mesma forma? Essa pessoa é minha mãe, que quer começar com a paleo mas eu tenho um pouco de receio do que ela vai fazer com os remédios, se pára, segue ou diminui!
    O médico dela não concorda com a dieta paleo -low carb mas ela quer fazer assim mesmo, eu sei orientá-la muito bem em relação aos alimentos mas quantos ao que fazer com os medicamentos não..
    Se o Doutor ou alguém com caso parecido puder me ajudar, ficarei muito agradecida!

    ResponderExcluir
  10. Não posso manejar os medicamentos via internet. Mas ela pode muito bem adotar a dieta e ir trabalhando com seu médico quanto às medicações, e sua eventual redução/retirada.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 24/03/2014 08:54, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  11. Não só matando as pessoas como as privando de alimentos que muitos prefeririam, tenho certeza, ao invés de carbs...como o Dr Souto disse aqui uma vez é libertador saber que podemos comer a maravilhosa gordura animal e sem culpa.

    ResponderExcluir
  12. Eu realmente gostava das pizzas e bolos, cujo funeral já fiz e não sofro mais, mas meu irmão por exemplo se priva da picanha que ele tanto ama...e da manteiga....por fazerem "mal".... e come resignado o peito frango de franco seco, ainda que frito na margarina.

    ResponderExcluir
  13. Me irrita é esse inatingível "padrão alimentar saudável como um todo". Essa dita "alimentação balanceada" que a maioria dos nutricionistas, cardiologistas apregoam, soa, para mim, como "o fim da corrupção", ou "a paz mundial". Muito fácil clamar por elas, mas poucos sabem ao certo como obtê-las.

    ResponderExcluir
  14. Problema é que até o "real food" está sendo adulterado: Maioria do salmão comercializado aqui no Brasil é de cativeiro, ou seja não tem o Omega 3 que a maioria do povo acredita. Eu até tento comer peixe, sardinha "fresca", toda semana. Mas mesmo assim faço suplementação com esse aqui: http://www.jarrow.com/product/90/Max_DHA

    Chris Kresser: http://chriskresser.com/the-definitive-fish-oil-buyers-guide

    ResponderExcluir
  15. Simples: interesse econômico do bilionário mercado de junk food, grãos e sementes.

    ResponderExcluir
  16. Esses dias li uma reportagem ridícula afirmando que o ser humano não seria carnívoro nem vegetariano, seria granívoro (se alimenta de grãos), nossa foi o fim!!

    http://m.operamundi.uol.com.br/conteudo/cultura/34097/de+diversas+cores+e+sabores+milho+e+base+das+raizes+culturais+mexicanas.shtml

    Falta muito tempo gente, pro pessoal realmente adotar outra vida.. nos resta torcer para que nenhum ente querido morra por causa disso... dureza!

    O canal é continuarmos espalhando as boas novas (ou boas antigas...)

    Nesse ponto, um best seller viria a calhar Dr..

    ResponderExcluir
  17. Bom dia Pris!!

    Eu só nao tomava o Puran, mas tomava 8 remédios.
    Dr. Souto falou a mesma coisa pra mim, comecei a dieta, 4 meses fiz novos exames e meu cardiologista retirou a Metformina.
    Hoje só tomo 4 remédios, meu cardiologista aceitou minha dieta porque viu os benefícios.

    Beijinhosssssss e boa sorte para sua mae!!

    ResponderExcluir
  18. Olá Dr. Souto, olá pessoal que frequenta o Blog. Eu moro na Alemanha, e por causa da minha doença autoimune, iniciei com a nutrição paleolítica (chamada aqui por muitos, não de dieta e sim nutrição "Paleoernährung" ). Fico feliz que no Brasil a busca por uma alimentação saudável e correta de verdade, tenha à frente profissional como o Senhor. O Blog está de parabéns. Na Alemanha muitos médicos já prescrevem a dieta e têm o apoio e a cooperação de cientistas nutricionistas. Aqui eu sigo o site alemão Paleo 360, que é muito rico em informações, textos científicos e entrevistas médicas. Inclusive o aval de oncologistas que defendem a dieta cetogenica e o jejum intermitente como coadjuvantes no combate ao tumores malignos. O site é em alemão, mas se alguém souber o idioma, deixo aqui o link para entrevista http://www.paleo360.de/gesundheit/schuetzt-paleo-vor-krebs-interview-mit-krebsexperte-dr-rainer-klement/. No mais, abraços de terras germânicas.

    ResponderExcluir
  19. Podia mudar o nome do meu blog para Paleoernährung :-)

    Obrigado pelos seus comentários - e fico feliz em saber que por aí a coisa está avançando!


    Em 25 de março de 2014 08:39, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  20. Imagina, o nome do blog já aparece de cara no google. Está perpetuado ;)!

    ResponderExcluir
  21. Que fantástico! Saberia me dizer se na sua perspectiva a dieta paleo aí já é meio que "padrão" (como na Suécia) ou, ainda, é a minoria dos profissionais de saúde que a praticam? Qual a opinião geral sobre gordura saturada?

    ResponderExcluir
  22. Creio não ser a maioria. Mas um número considerável põe em prática para com os pacientes. A minha médica endocrinologista é paleo purista. Só recomenda low Carb nos casos já citados pelo dr. Souto, e é contra o uso de lacticínios e adoçantes (aqui em casa é vetado o uso deste último, neste ponto sou 100 % Paleo) , mas claro, respeitando o desejo do paciente em adotar outras correntes. Tenho amigos também que adotaram o estilo e os respectivos médicos endossam. Nesse ponto, acho que levamos vantagem em estarmos aqui, pois é mais fácil e mais em conta, considerando nosso padrão de vida na Alemanha, ter acesso a produtos bio e orgânicos. Eu moro á 10 minutos de uma fazenda que só comercializa produtos orgânicos. Lá você vê literalmente o que a sua "comida" come, tem queijaria e charcutaria próprias. Além de um celeiro maravilhoso que funciona como um mercado para se comprar frutas, legumes e hortaliças. Temos também nossas feiras semanais, onde os pequenos fazendeiros tem suas chances de vender seus produtos. Eu percebi que agora deu um Boom de consciência ambiental e salutar na nossa sociedade. Abraços cordiais.

    ResponderExcluir
  23. Nossa, que maravilha!

    ResponderExcluir
  24. Nei Robson Ribeiro de Brito25 de março de 2014 23:18

    É doutor, talvez fique mais fácil de achá-lo. Rs...

    ResponderExcluir
  25. Eu bem que gostaria, mas não consigo gostar do gosto do peixe... já tentei, mas não vai de jeito nenhum. Então eu suplemento com o ômega 3, nunca achei que fosse ser exatamente a mesma coisa, mas pensei que ajudaria. Então essa suplementação não vale de nada???

    ResponderExcluir
  26. Entre o "ajuda muito" e o "não ajuda nada" deve haver o "talvez ajude".
    Lembre do camarão. Fica tão bom na moranga...


    2014-03-27 10:44 GMT-03:00 Disqus :

    ResponderExcluir
  27. NEUSA BRAGA
    Dr Souto, estou com muitas caibras até no meu pescoço tenho tido muito, faço dieta já tem uns 2 meses....será que pode me ajudar? que devo fazer existe remédios que aumentem meu potássio,magnésio etc... ou só alimentação que posso aumentar o consumo....
    aguardo sua resposta...

    ResponderExcluir
  28. Olá Neusa,


    Óxido de magnésio. Comece com 200/250mg 1 hora antes de dormir. Se continuar com cãibras, pode aumentar a dose. Se a dosagem estiver alta, é levemente laxativo, então, diminua. Além de ajudar do controle glicêmico, ajuda no sono, nas cãibras, evita que o cálcio se deposite nas artérias, ajuda nas arritmias cardíacas.

    ResponderExcluir
  29. Oi Iraima, que alegria por você! Muito obrigada!!! Minha mae iniciou a dieta ha uma semana, segue com os remedios...tomara que logo consiga eliminar alguns como você! um beijo grande!

    ResponderExcluir
  30. "... mas poucos ninguém sabem ao certo como obtê-las"


    _____
    42

    ResponderExcluir
  31. Eduardo Broering Nascimento9 de abril de 2014 15:52

    Dr. Souto, comecei a dieta no domingo e de lá pra cá meu consumo de água aumentou muito, de cerce de 1,5L pra uns 3L por dia. É normal?
    Obrigado.

    ResponderExcluir
  32. Ola, gostaria da ajuda de alguem para esclarecer um ponto, sobre a nata que é permitida. Ela possui lactose, não?

    ResponderExcluir
  33. Muito pouca

    Sent from mobile phone
    Em 16/07/2014 12:02, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir