quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Ensaio Clínico Randomizado: low carb versus low fat e risco cardiovascular

Segue repercutindo FORTEMENTE o novo estudo publicado (prospectivo e randomizado), demonstrando MAIS UMA VEZ, que dietas low carb são superiores a dietas de baixa gordura tanto no que diz respeito a perda de peso quanto no que diz respeito a RISCO CARDIOVASCULAR.


Este estudo chega no momento em que a dieta de baixa gordura já está morta do ponto de vista conceitual (veja aqui, aqui, aqui e aqui), servindo de último prego no caixão da mesma.

Vou dissecar esse estudo bem devagarinho, para saboreá-lo aos poucos. Isso fica como homenagem a quem tentou nos censurar no Facebook, o que me deu uma súbita vontade de escrever MAIS.

Hoje, vamos tratar sobre o impacto da dieta low carb versus low fat sobre o escore de risco cardiovascular.

Relembrando: Por 12 meses, 148 indivíduos, homens e mulheres, negros e brancos, com IMC médio de 35, foram RANDOMIZADOS em dois grupos: LOW CARB com calorias à vontade, e LOW FAT (baixa gordura), high carb.

Vejamos o que aconteceu:


  • A linha azul é a dieta de baixa gordura e alto carboidrato, a dieta recomendada pelas diretrizes vigentes;
  • A linha vermelha é a dieta de baixo carboidrato (LOW CARB), com mais gordura;
Além do fato já absolutamente previsível de que o grupo que comeu mais gordura e menos carboidrato perdeu mais peso durante os 12 meses do estudo, olhem com cuidado o gráfico da direita.

O gráfico da direita mostra a mudança do risco de doença cardíaca nos próximos 10 anos, estimado de acordo com o Escore de risco cardiovascular de Framingham. Já falei extensamente sobre Framingham em outra postagem.

Sim,você está vendo certo. O grupo que comeu menos gordura e mais carboidrato, seguindo as diretrizes atualmente vigentes, teve um AUMENTO do risco cardiovascular, de acordo com o Escore de Framingham. E o grupo que comeu menos carboidratos, e mais gordura, especificamente mais do que o DOBRO da quantidade de gordura SATURADA do que as diretrizes nutricionais vigentes indicam, teve uma REDUÇÃO progressiva de seu escore de risco.

Se você acompanha esse blog há mais tempo, isso não deveria ser surpresa. Afinal, ainda em 2013 foi publicado um grande estudo prospectivo e randomizado, no New England Journal of Medicine, com 7500 pacientes, no qual foi demonstrado que uma dieta pobre em gordura AUMENTA a MORTALIDADE (não apenas "risco" calculado por um escore, mas morte mesmo - cadáveres, corpos):

A linha preta, acima, com maior mortalidade, o que motivou a interrupção precoce do estudo por motivos éticos, é a dieta de baixa gordura, aquela que é recomendada nas diretrizes nutricionais vigentes.

Ok, mas alguém poderia dizer que estas mudanças são todas de magnitude pequena. Afinal, no caso do estudo em pauta, a diferença absoluta entre os grupos é de 1,4% no escore de risco. No estudo do New England, a diferença de mortalidade, em termos absolutos, foi de apenas 1%. Bem, mas estas diferenças, embora pequenas, são maiores e mais significativas do que as dos estudos da estatinas. Ou seja, a MAGNITUDE do benefício ABSOLUTO do uso de estatinas é MENOR do que o da adoção de uma dieta mediterrânea com mais gordura. E, pelo visto, essa também é a tendência com as dietas low carb, ao menos segundo o escore de Framingham.

O que gera o seguinte paradoxo: você não confia no escore de Framingham? Então não faria sentido usá-lo como critério para indicar o uso de estatinas. Confia no escore de Framingham? Então deve admitir que o efeito de uma dieta de alta gordura e baixo carboidrato é mais benéfico do que o emprego das medicações em uma população de prevenção primária. You can't have it both ways.

Então, pra que serve uma dieta de baixa gordura e alto carboidrato? Ninguém sabe. E, como o fracasso é órfão, logo ninguém vai querer saber. Afinal, comer comida insossa, ficar com fome, engordar e ainda por cima aumentar seu risco de morrer do coração? Melhor comprar logo um maço de cigarros. Afinal, fumar também aumenta o seu risco cardiovascular, mas pelo menos emagrece. Dieta com restrição de gordura, nem isso faz.

77 comentários:

  1. doutor solto todos os comentarios do seu blog foram apagados ?

    ResponderExcluir
  2. você também nao consegue ler? Eu pensava que era um problema com meu browser

    ResponderExcluir
  3. Essas entidades que publicam/pesquisam não são entidades que fazem ou teoricamente fomentam dados para as diretrizes !?

    E se esses estudos possuem precisam de quase 100% como fica isso tudo !? O que falta 'tecnicamente' realmente para mudar !?

    Uma sugestão, outro dia você mostrou nos comentários algumas meta-analises novos estudos mostrando que gorduras são oks do ponto de vista cardiovascular, outro sobre manteiga falando que só com pão aumentou o risco cardiovascular , porem ao todo não.
    Acho que devia fazer um para eles também, já que está tão inspirado, porque o que vejo é as pessoas tendo medo das gorduras, não comer carboidrato é até ok, mas quando fala que é preferivel não evitar a gordura natural da comida as pessoas entram em literalmente loop e já recusam a ideia. Imagine falar que as kcal tem de vir no minimo de 60% das gorduras. Capaz de chamar ambulância

    ResponderExcluir
  4. Nada foi apagado


    2014-09-04 16:48 GMT-03:00 Disqus :

    ResponderExcluir
  5. e porque quando agente entra nas postagens mais antigas consta 0 comentarios ?

    ResponderExcluir
  6. Vou ver o que houve. É que os comentários são do Disqs, e migrou o domínio, muita complicação, informática não é o meu forte


    2014-09-04 17:15 GMT-03:00 Disqus :

    ResponderExcluir
  7. Quem faz as diretrizes são uma dúzia de especialistas altamente ligados à indústria


    Em 4 de setembro de 2014 16:52, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  8. doutor solto saiu mais uma noticia no new york times sobre lowcarb http://www.nytimes.com/2014/09/02/health/low-carb-vs-low-fat-diet.html?ref=todayspaper&_r=1

    ResponderExcluir
  9. sinto falta dos comments ...

    ResponderExcluir
  10. Essa é a que eu já linkei


    2014-09-04 17:19 GMT-03:00 Disqus :

    ResponderExcluir
  11. Helio Flores Filho4 de setembro de 2014 19:14

    me assustei quando vi o sumiço dos comentários. E ao mesmo tempo, entro no Facebook e nao me vejo mais nos grupos Paleo que estava inscrito, nem os localizo no search! É só comigo?

    ResponderExcluir
  12. O face está boicotando. E eu tive de trocar de domínio e não sei como fazer os comentários voltarem. Eles estão todos arquivados no Disqs, mas não se associam às postagens.


    Em 4 de setembro de 2014 19:14, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  13. Andrei Rocha de Almeida4 de setembro de 2014 19:49

    Dr. Souto,


    você não dorme não?

    ResponderExcluir
  14. Andrei Rocha de Almeida4 de setembro de 2014 19:50

    Mas por que o face está boicotando?

    ResponderExcluir
  15. E eu sei?? http://www.lowcarb-paleo.com.br/2014/09/facebook-bloqueia-o-blog.html


    2014-09-04 19:49 GMT-03:00 Disqus :

    ResponderExcluir
  16. Dr. Souto bom dia,

    Estou completamente atordoado, estava eu lendo a V DIRETRIZ BRASILEIRA DE DISLIPIDEMIAS E PREVENÇÃO DA ATEROSCLEROSE, e nas paginas 2 e 3 já tem uma propaganda de uma sinvastatina, na pagina 9 tem outra propaganda a de outro Laboratório e o mais curioso, olha isso, TODOS os coordenadores da diretrize estão envolvidos com quase todos os grandes laboratórios produtores das estatinas.

    COORDENAÇÃO GERAL DA "V DIRETRIZ BRASILEIRA DE DISLIPIDEMIAS E PREVENÇÃO DA ATEROSCLEROSE"

    Hermes Toros Xavier

    Maria Cristina de Oliveira Izar

    José Rocha Faria Neto

    Marcelo H. Assad

    Viviane Z. Rocha

    A unica que não tem envolvimento com os laboratórios pelo menos na declaração é a Viviane Z. Rocha o que pode ser observado na pagina 13 e olha o numero da pagina "13", fora isso falam em controle de até pessoas sem risco??? ai fica difícil de acreditar mesmo. A quem quiser comprovar segue novamente o link: http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2013/V_Diretriz_Brasileira_de_Dislipidemias.pdf

    Grande Abraço

    ResponderExcluir
  17. Pra você ver...


    Em 4 de setembro de 2014 20:18, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  18. Parabéns e obrigada pela persistência, Dr Souto! "tamo junto" rss...

    ResponderExcluir
  19. A veja tb publicou veja.abril.com.br/noticia/saude/para-emagrecer-e-melhor-evitar-carboidrato-do-que-gordura

    ResponderExcluir
  20. Dr Souto, o que sabes sobre esse estudo? Está sendo divulgado pela VAleria Pascoal, a nutri funcional mais famosa do Brasil...
    GORDURA SATURADA X GORDURA POLI-INSATURADA: QUEM PODE AUMENTAR A GORDURA ABDOMINAL?
    Uma dieta equilibrada deve ser composta por quantidades adequadas de carboidratos, proteínas e gorduras, além de micronutrientes e compostos bioativos – e isso todo mundo já sabe!!! Mas ainda tem muita gente com medo do consumo de gorduras – independente da sua origem e tipo!!! A gordura saturada (aquela aparente presente principalmente em alimentos de origem animal) em excesso é prejudicial à saúde e tem sido associada com elevação nos níveis de colesterol e risco aumentado de doenças cardiovasculares. Já as gorduras mono e poli-insaturadas têm sido associadas com efeitos benéficos. O que se demonstrou recentemente é que o consumo excessivo de gordura saturada está diretamente relacionado com o aumento da gordura abdominal, enquanto que o consumo de gordura poli-insaturada pode estar associado com melhoras na composição corporal. E a gordura abdominal está associada com diabetes tipo 2 - uma questão muito além da estética!!
    Esses resultados foram demonstrados no estudo de pesquisadores suecos publicados no Diabetes ; 63(7): 2356-2368, 2014. Os pesquisadores selecionaram 39 indivíduos jovens e com peso normal que receberam durante 7 semanas calorias extras provenientes de óleo de palma (gordura saturada) ou óleo de girassol (gordura poli-insaturada) na forma de bolinhos. Importante considerar que as dietas apresentaram quantidades similares de açúcar, carboidratos e proteínas. Apesar do ganho de peso semelhante nos dois grupos, os indivíduos que consumiram o bolinho com gordura saturada apresentaram aumento na quantidade de gordura hepática além de uma elevação duas vezes superior na concentração de gorduras visceral!!! Já o consumo de gordura poli-insaturada promoveu um aumento até 3 vezes maior na massa magra!!! Assim, mais importante do que contar calorias, precisamos nos preocupar com a qualidade de nossa dieta!!! Pratique nutrição funcional, consulte seu nutricionista!!! ‪#‎nutriçãofuncional‬ ‪#‎nutrição‬ ‪#‎gorduraabdominal‬ ‪#‎gordurasaturada‬ ‪#‎gordurapoliinsaturada‬

    ResponderExcluir
  21. É interessante. No entanto, foi um estudo de overfeeding (dar calorias a mais, fazer engordar de propósito), e não foi low carb, muito menos páleo. Os participantes foram entupido de Muffins contendo ou óleo de palma ou ômega 6 (e não carne).

    Como você pode ver aqui: http://lowcarb-paleo.blogspot.com/2013/12/o-figado.html , este estudo contradiz muitos outros.

    Talvez a melhor conclusão provisória seja a de que, se for comer bolos de farinha de trigo com açúcar, então talvez seja melhor reduzir sua gordura saturada. Se esse estudo tiver fundamento.

    Mas isso não se aplica a quem faz low carb que, como vc viu link acima, REVERTE gordura no fígado.

    Sent from mobile phone
    Em 05/09/2014 00:08, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  22. Viram essa matéria? (link abaixo)
    O Hospital Alemão Oswaldo Cruz está realizando uma pesquisa inédita que pretende COMPROVAR OS BENEFÍCIOS do TRATAMENTO CIRÚRGICO em COMPARAÇÃO ao MELHOR TRATAMENTO CLÍNICO para doenças microvasculares decorrentes da Diabetes tipo 2, como retinianas, renais e neuropatias. Com previsão de conclusão para 2015, a investigação consiste em realizar CIRURGIA BARIÁTRICA em pacientes com histórico de Diabetes há 15 anos ou menos com Índice de Massa Corpórea (IMC) entre 30 e 35 kg/m2, SEM OBESIDADE MÓRBIDA, e que apresentam SINTOMAS INICIAIS das doenças referidas....... Só eu acho bizarro?



    http://www.minhavida.com.br/saude/materias/17872-hospital-alemao-oswaldo-cruz-recruta-pacientes-para-pesquisa-medica-inedita-no-brasil?utm_source=news_mv&utm_medium=trigger&utm_campaign=9536257

    ResponderExcluir
  23. Sim, só que o tratamento clínico é low fat high carb. Aí, até um braço de cirurgia pelo espaço teria bom resultado quando comparado. Não fazer NADA é melhor do que o tratamento clínico padrão.

    Sent from mobile phone
    Em 05/09/2014 10:03, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  24. Pois é... (chorando de rir com o braço do espaço...) Mas um tratamento clínico "não convencional" LCHF seria melhor que essa intervenção cirúrgica. Minha indignação é que estão recrutando voluntários para uma "pesquisa" que até minha filha de 3 anos sabe que é melhor que o tratamento clínico convencional. Com dó dos voluntários, Dr........

    ResponderExcluir
  25. Andrei Rocha de Almeida5 de setembro de 2014 12:06

    Onde nós chegamos. Comparar a cirurgia bariátrica com o tratamento clínico, muito menos agressivo e muito mais seguro, barato. Num país onde faltam leitos...
    Claro que em alguns casos é necessário, mas fazer esta comparação parece priorizar a cirurgia. Sei não...

    ResponderExcluir
  26. Andrei Rocha de Almeida5 de setembro de 2014 12:09

    Esqueceram de dizer que a gordura polinsaturada está relacionada a inflamações, oxidação LDL-aterosclerose, câncer, entre outras coisas. Curioso para ver a fonte da pesquisa.

    ResponderExcluir
  27. Andrei Rocha de Almeida5 de setembro de 2014 12:18

    Muffins é de chorar...

    ResponderExcluir
  28. É de se espantar mesmo... preferem pesquisa com intervenção cirúrgica à pesquisa com tratamento clínico introduzindo uma alimentação lowcarb. Perceba que serão pacientes que apresentem sintomas iniciais e sem obesidade mórbida. Não estão falando de casos extremos.

    ResponderExcluir
  29. Obrigada pela resposta!

    ResponderExcluir
  30. Muito bom esse artigo Dr Souto. De uma lida se possivel. Abraço.


    http://www.arzt.com.br/artigos/o-grande-conto-do-colesterol

    ResponderExcluir
  31. O livro, que eu recomendo MUITO, é http://www.amazon.com/Catching-Fire-Cooking-Made-Human/dp/1469298708


    2014-09-05 14:32 GMT-03:00 Jose Carlos Souto :

    ResponderExcluir
  32. Texto definitivo, por uma EX-crudivorista brilhante, umas das pessoas que eu mais admiro, cujo livro é um MUST, Denise Minger:
    http://rawfoodsos.com/2010/03/18/what-is-the-optimal-diet-for-humans-part-2/
    Precisa ler isso antes de qualquer conversa sobre o assunto.


    2014-09-05 14:33 GMT-03:00 Jose Carlos Souto :

    ResponderExcluir
  33. Entendi, mas não se sustenta se não existirem evidências. Pode-se trocar todo o termo "cozimento" no texto dele por "alimentos cárneos" que teremos o mesmo resultado final. Ele escreve um texto fluido mas que parece (não tendo lido o livro) mais uma tese do que uma constatação. Ao contrário, a utilização de "alimentos cárneos", destes há sim evidência, pela existência da machadinha de mão, a ferramenta mais utillizada pela humanidade, por cerca de um milhão de anos.
    O que poderia ter contribuído mais para o desenvolvimento mental humano: a ingestão de carnes, gorduras, colesterol ou de calorias provenientes dos vegetais cozidos?

    ResponderExcluir
  34. Cyro, lê o texto da Denise minger cujo link eu postei numa segunda resposta.

    2014-09-05 15:01 GMT-03:00 Disqus :

    ResponderExcluir
  35. luciana mantoanelli5 de setembro de 2014 15:43

    É difícil. Procurei uma nutri da sua lista de profissionais e ela me atenderia por tel, skype etc porque sou de outro Estado, mas não vamos conseguir porque ela me disse que o CRN está no pé dela por causa da low carb pelo que entendi. Ela parece que mostrou vários estudos como os que vc posta, mas parece que simplesmente não estão interessados. Enfim....momento indignação!

    ResponderExcluir
  36. Muito bom esse artigo Dr Souto.

    ResponderExcluir
  37. Muito bom esse artigo Dr Souto. Dê uma lida se for possível.

    http://www.arzt.com.br/artigos/o-grande-conto-do-colesterol

    ResponderExcluir
  38. Luiz Daniel Pimentel Gonçalves5 de setembro de 2014 16:53

    Pelo que li tem que usar o Domain Migration Wizard

    https://help.disqus.com/customer/portal/articles/286778-migration-tools

    ResponderExcluir
  39. Como se faz agora para aceder aos comentarios, os mais antigos não encontro nada.

    ResponderExcluir
  40. Tenho aqui uma dúvida com relação as gorduras .

    Os animais na natureza, fora os que hibernam e os de ambiente muito frio, dificilmente tem percentuais de gordura corporal acima de 25%, e mesmo os animais para corte, que tem uma influência humana quase que total em sua alimentação, dificilmente tem concentrações de gordura corporal acima de 30%.

    Sendo assim, como os nossos ancestrais obtinham as proporções de gordura com relação as proteínas e carboidratos, tão recomendadas por algumas dietas ?

    ResponderExcluir
  41. Vou tentar resolver

    Sent from mobile phone
    Em 05/09/2014 18:04, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  42. Ótima pergunta! Também quero saber...

    ResponderExcluir
  43. Lê:
    http://lowcarb-paleo.blogspot.com/2012/12/a-dieta-dos-esquimos-aventuras.html
    Sent from mobile phone
    Em 05/09/2014 18:37, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  44. Desculpe doutor, o texto é um bocado extenso , eu até já li, e sei do que se trata, mas não responde a minha pergunta, a não ser que o mundo fosse totalmente gelado.

    ResponderExcluir
  45. Dê um ctrl+f e procure "gordura atrás dos olhos"

    Sent from mobile phone
    Em 05/09/2014 18:54, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  46. " A
    diferença entre Bellevue e o Ártico era, sem
    dúvida, a existência de uma pequena quantidade
    de gordura em nosso caribu polar - nós havíamos
    comido o tecido que ficava atrás dos olhos e
    quebrado os ossos para comer o tutano e, ao fazer
    tudo o que podíamos para conseguir um pouco de
    gordura nós evidentemente tivemos mais sucesso
    do que imaginávamos à época. Já em Bellevue a
    carne, cuidadosamente escrutinada, era tão magra
    quanto um tecido muscular o pode ser. No Ártico,
    nós consumíamos tendões e outros tecidos não
    digeríveis, nós mastigávamos as extremidades
    mais macias dos ossos de forma que, tentando
    consumir alguma gordura, acabávamos por
    consumir tecidos que ocupavam espaço no
    estômago. O que comíamos em Bellevue não
    continha resíduos não digeríveis, de modo que
    meu estômago conseguia acomodar uma
    quantidade bem maior deste músculo magro. Os
    sintomas produzidos em Bellevue por esta dieta de
    carne incompleta (isto é, músculo sem gordura)
    eram exatamente os mesmos do Ártico, porém
    vieram mais rapidamente - diarreia e uma
    sensação de incrível desconforto generalizado."

    Não dá trabalho pra ler. Dá trabalho é pra traduzir.

    Sent from mobile phone
    Em 05/09/2014 18:56, "Jose Carlos Souto" escreveu:

    ResponderExcluir
  47. Ok Doutor Souto, eu li e acho que sou meio burrinho mesmo, pois não li ali nada sobre a minha dúvida. A tal da gordura atrás dos olhos de um Caribu, que é um grande animal, que pesa entre 150 a 300kg, representaria quanto no peso dele total? O que entendi é que o tal pesquisador, para não ficar doente de tanto comer proteína sem gordura, aproveitava esta atrás dos olhos, e também tutano.

    Bem, de qualquer forma, não consigo imaginar este animal selvagem, em um ambiente normal, com muito mais de 20% de sua composição corporal de gordura. Inclusive, me arrisco a dizer, que mesmo no frio, não seriam muito maiores do que isto.

    Esta tal pesquisa, não vejo como um exemplo a ser dado, dado as circunstâncias que a mesma foi feita. Ali apenas indica que um determinado grupo de humanos, se adaptou ao consumo de gordura, devido ao fato, entre outras coisas, que viviam a temperaturas extremas, e que isto por si só, já demandava uma enorme quantidade "calorífica" para manutenção da temperatura corporal.

    Minha dúvida é, aqueles antigos sujeitos, entre os trópicos, como buscavam sua gordura ?

    ResponderExcluir
  48. Drº estava procurando alguma coisa escrita sobre a Artrite Idiopática Juvenil. O Srº alguma vez escreveu sobre isso, ou esta doença faz parte da lista das doenças auto-imunes.
    Tenho uma prima com 4 anos com este problema de saúde, agora esta com uma grande crise nem consegue andar, vai ser internada para levar umas infiltrações, já para não falar nas drogas que têm para tomar.
    Já falei aos pais para evitarem dar-lhe açúcar e glutém, mas não ficaram muito convencidos. Dizem que o que ela come melhor é pão e massa. Como se faz para convencer estes pais que pão e massa é um veneno!
    Bem haja para si Drº

    ResponderExcluir
  49. Dr. Souto.. fugindo um pouco desse assunto, mas dentro de uma alimentação o mais saudável possível... você já ouviu falar de um comentário, se não me engane, de um professor de biologia da UERJ - sobre colocar verduras/legumes/frutas numa solução de bicarbonato de sódio para diminuir os agrotóxicos?

    ResponderExcluir
  50. Doutor Souto, eu li todo aquele texto, e praticamente todos as excelentes traduções, teorias e estudos aqui postados. Foi o viés científico que me deixou mais tranquilo, diante de tanta idiotice existente na internet, de gente que lê meia dúzia de livros e blogs, e se acha um especialista apto a distribuir baboseiras ao publico incauto.

    Não é logicamente o seu caso, pois sei que é um médico, com inteligência e excelente formação. Aqui também aprendi que não devemos ser totalmente crédulos de estudos observacionais, ou sem a metodologia e critérios apropriados e honestos.

    Também aprendi aqui, que não é possível comprar ratos com humanos, e que esta extrapolação seria um absurdo, mesmo não sendo médico, sei que isto é bem óbvio em alguns casos.

    Mas voltando a questão, novamente observo que não me refiro ao ambiente extremamente frio, mas ao ambiente fora da "idade do gelo". De antemão, tenho certeza que parte do nosso problema, excetuando-se as compulsões do ser humano, e alguns péssimos hábitos que adquirimos em nossa evolução, é devido a comida altamente processada, com altos índices de glicose, e vários aditivos químicos.

    Mas excetuando-se a "experiência" de um pesquisador, lá do inicio do século 20, em um ambiente inóspito e super gelado, onde existem as evidências de altos indices de ingestão de gordura no paleolítico? Esta equação que não fecha pra mim, pois se tirarmos o carboidrato, restam as proteínas e gorduras, mas se restringirmos as proteínas, como é indicado, nos resta realmente ter que incrementar nossa alimentação com uma quantidade de gordura , não naturalmente existente em nenhum animal terrestre ou marinho, fora das geleiras.

    ResponderExcluir
  51. Doutor Souto como andam os contatos para tradução do The Big Fat Surprise? Eu gostaria de saber também como posso fazer a proposição, ou seja, qual o caminho das pedras pra chamar a atenção pro Alzheimer Desease What if there was a Cure, para que ele também possa um dia ser publicado em terras tupiniquins.

    ResponderExcluir
  52. Doutor Souto como andam os contatos para tradução do The Big Fat Surprise? Eu gostaria de saber também como posso fazer a proposição, ou seja, qual o caminho das pedras pra chamar a atenção pro Alzheimer Desease What if there was a Cure, para que ele também possa um dia ser publicado em terras tupiniquins..

    ResponderExcluir
  53. Li, mas doutor, não sei de onde tirastes que a Denise Minger é uma ex crudivorista; olha o nome do site dela: http:// raw food sos .com. Ela afirma que, ok, nossos intestinos são diferentes dos chimpanzés, bonobos e orangotangos (os mais parecidos conosco) e por isso podemos digerir "comidas de alta-qualidade, que são densos, menores em volume e fáceis de triturar." Que eu saiba nenhum 'raw foodist' espera que devamos comer o que os chimpanzés comem. Ela até sugere que se coma mais crus "In other words, there’s good reason to include plenty of fresh, raw foods in your diet even if you don’t jump on the 100% raw bandwagon."

    E fala mal dos cozidos:

    "A word on cooking

    Although we have adapted to the energy density of cooked food, we haven’t necessarily adapted to all the new substances cooking produces. Charred meat, for instance, contains compounds called heterocyclic amines (HCAs) known to contribute to cancer in humans. Acrylamide, another human carcinogen, occurs when many starch-based foods are heated. Maillard molecules and glycotoxins crop up in browned foods, and these suckers contribute to inflammation and other unpleasant conditions (research here is still in its infancy). And eating high-temperature cooked food may also accelerate aging due to advanced glycation end products."

    Tudo isso na página que indicastes.

    Quanto ao Dr. Richard Wrangham é de fato uma teoria, não aceita pela maioria dos antropologistas. Morou lá na África com os chimpanzés, comeu as coisas que eles comiam e viu que não dava. Teve a sua iluminação "quando sentado em frente a uma fogueira vendo o fogo crepitar".

    Claro está para os arqueólogos o uso do fogo a 250 mil anos atrás, quando houve uma ocorrência ou um "boom" universal de "flints" ou faisqueiros, pedras adequadas à geração de faíscas, nos sítios arqueológicos, coisa que não ocorria antes.

    Que papel seria relegado à teoria da seleção natural de Darwin se o Homem não fosse fruto, assim como a totalidade dos seres vivos do planeta, de um sucesso evolutivo ao apropriar-se de determinado nicho ecológico, que no caso humano é a inteligência?

    ResponderExcluir
  54. Ela era sim. Adoeceu muito por causa disso, aos 17 anos de idade. E melhorou quando deixou de ser. E criou um site para ajudar as pessoas que precisam deixar de ser veganas e/ou crudivoristas, por isso se chama rawfoodssos.

    Sim, eu sei o que ela escreveu. E mandei pra você justamente porque a posição dela é equilibrada, e pra dizer que eu CONCORDO com você em muitas coisas, que cozinhar com altas temperaturas não é bom, que comer algumas coisas cruas é ótimo, etc. Mas pra vc ver que MESMO ela, que é chegada numa comida crua, admite que nosso intestino está evolutivamente adaptado ao cozimento, pois houve pressão seletiva nesse sentido durante centenas de milhares de anos. É isso. Mas vc, obviamente, pode pensar diferente. E o texto dela é pra lhe AJUDAR, não pra criticar. Ali tem guidelines para comer bem mais cru, e bem mais vegetariano, do que eu normalmente defendo. Apenas quis lhe mostrar que eu falei pouco pois a entrevista não era sobre isso, mas que meu conhecimento sobre o tema não é tão superficial assim. O LIVRO da Denise, Death By Food Pyramid, é excelente, e cobre esses assuntos em bem mais detalhe - sugiro a leitura.


    Em 5 de setembro de 2014 20:49, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  55. Obrigado, vou ler mais ainda o site dela...

    ResponderExcluir
  56. Dr. Souto, como já dei a entender, sou um leitor assíduo do seu excelente blog, já fazem 3 meses. Foi devido a ele, que tomei conhecimento de várias coisas que desconhecia, e este conhecimento que adquiri aqui,no meu ponto de vista, foi muito importante.

    Como também já descrevi, a lógica existente neste blog, em alguns assuntos, é facilmente entendida e assimilada, até por leigos como eu, dado a facilidade na comunicação escrita do seu criador. Mas a parte da gordura sendo recomendada em quantidades não naturais, como se fosse remédio, é que não entendo.

    O sr. cita como exemplo a França como consumidora de gordura, onde a sua culinária usa manteiga abundantemente, mas eles continuam magros, mesmo também comendo muito pão. Bem, a questão é, eles são magros porque comem manteiga ou são magros porque comem pouco ? Acredito que a resposta poderia ser , ah, eles comem pouco porque comem mais gorduras, e eu até aceito plenamente esta afirmação, mas a questão é, o quanto mais ?

    A questão que quis levantar sobre a gordura, é justamente um ponto que pra mim não fecha, e não é por causa de colesterol, e sim pela quantidade que a mesma é recomendada. Não somos Inuits e nem vivemos no gelo.

    No meu ponto de vista, estamos ficando doentes mental e fisicamente, porque assimilamos em demasia a cultura americana, com sua péssima comida e seu "way of life". Porque estamos destruindo o nosso ambiente, estamos respirando pessimamente nos grandes centros, bebemos agua contaminada, comemos comida contaminada, seja ela processada ou não (eu sei que o bom não pode ser inimigo ótimo, mas francamente, nunca mais existirá o ótimo).

    O engraçado disto tudo, é que o país o pais que ajudou a ferrar a saúde de boa parte do mundo, com sua ciência e prepotência, é o que hoje nos fornece tão reveladoras verdades. Talvez se falássemos mais Frances no passado, teria sido melhor para nossa saúde.

    Nesta equação toda, ao meu ver, a única coisa que vejo como "denominador comum" é que , comer demais mata, qualquer coisa. O sr. mesmo já citou isto. O dr. Edson, que manteve um pequeno debate com o sr. , foi muito feliz quando indicou um Vídeo do Dan Ariely, o qual assisti novamente, pois também o admiro. Ali tem vários recados, bastante interessantes. O do Toyota Prius é hilário !

    Muito obrigado por sua atenção dr. Souto, e talvez não seja necessário uma outra resposta sua, pois a depender desta, não poderei acompanhar.

    ResponderExcluir
  57. O bicarbonato neutraliza os resíduos de agrotóxicos que são ácidos.

    ResponderExcluir
  58. Olá Fábio,

    penso que nossa lógica para o que é a quantidade 'natural' de gordura é que foi drasticamente alterada. Veja bem, com a lipidofobia que vivemos nas últimas décadas pode parecer absurdo qualquer consumo 'natural' de gordura. Se você ler aqui http://www.lowcarb-paleo.com.br/2013/06/prezado-dr-souto-como-comer-mais.html verá que não é nada abusivo!

    Não sei se sabe, sou mineira. Por lá é normal colocar manteiga no café, tratar dor de garganta com gordura de galinha, fazer caldo de mocotó pra quem está gripado... enfim, pura gordura! Mas não vejo isso só em Minas. Pergunte pras pessoas que moram no interior, eles acham tudo isso muito normal!

    Quanto aos franceses, eles definitivamente NÃO comem muito pão. E o que comem é bem diferente dos daqui... "Franceses não possuem dietas ricas em carboidratos! Fora que, os pães que eles consomem são muito diferentes dos nossos. São pães bem integrais, pouco refinados, com fermentação natural. Eles comem todo tipo de carne, muita manteiga, muita gordura, muito queijo. Toda refeição tem muito queijo gordo. E tem um detalhe importante: os franceses gostam é de comida de verdade. Não evitam chocolate, sempre bem amargo, tomam vinho acompanhando as refeições e comem muuuuito devagar. Cada refeição é um ritual. Na frança, as pessoas não ligam pra TV. É normal pessoas que não tem TV em casa. Mas se você entra na casa de alguém e não tem uma estante de livros isso sim é estranho."
    "Este fenômeno é chamado de o "paradoxo francês". Isto porque
    os franceses consomem DUAS vezes mais gordura saturada do que os americanos,
    QUATRO vezes mais manteiga, TRÊS vezes mais produtos de porco, 60% mais queijo
    mas sua taxa de doença cardíaca é UM TERÇO da americana. E isso que ele fumam
    MUITO mais do que os americanos, como sabe bem quem já foi a Paris. E o
    "paradoxo suíço"? Eles tem o segundo maior consumo de gordura
    saturada do MUNDO ocidental, e o segundo MENOR índice de doença cardíaca do
    mundo ocidental. E o "paradoxo espanhol"? Nos últimos 30 anos, o
    consumo de gordura saturada na Espanha tem aumentado, e a doença cardíaca tem
    diminuído. Claro que os franceses comem pão. Mas eles consomem MUITO MENOS
    carboidratos do que os americanos."
    Você tocou num ponto muito interessante. Realmente, estamos doentes mental e fisicamente - nem sei se tem jeito de separar um do outro. Estamos com a mente 'gorda'. Mas justamente porque o foco de todo o problema se voltou pra gordura.

    Espero ter ajudado!

    ResponderExcluir
  59. Caro dr. Souto
    Li um monte de coisas no site da Denise Minger. Deixe eu deixar claro uma coisa. Só tenho lido ao seu blog dr. por umas duas semanas, desde que o descobri. Minha mãe está passando por diabetes tipo 2 e com o mal de Alzheimer que se tornou muito incapacitante já faz uns dois anos; ela tem hoje 74 anos de idade. Também li umas páginas do dieta da mente do dr. Perlmutter. Mas logo volto aqui pois estou mais interessado. Minha opinião a respeito do dr. é de que és um sujeito extremamente inteligente, além de estudioso, boníssima pessoa, que é capaz de dividir informação (um dos bens mais caros) com os pobres ignorantes. Um cara que eu admiro.

    Isto posto, vem a questão do crudismo. Desde antes do ano 2000 eu descobri o crudismo através da Wai Geriiu, pseudônimo de um sujeito pesquisador autodidata tal qual, aquela que eu agora também admiro, a Denise Minger. Pois bem, é preciso desfazer um mal entendido. Quando eu vi a sua entrevista e o dr. se posicionou refratário ao crudismo eu não sabia da existência do crudismo vegano ou vegetariano, que agora, sabendo que existe, eu acho um absurdo, totalmente ilógico (só pra começar, de onde pretendem obter vitamina B12 ou colesterol?). O crudismo para mim sempre foi onívoro, o que eu acho muito sensato, apesar de não seguir mais, a não ser pelos eventuais sashimis e maionese de ovos crus além de ovos quentes. Mas não é porque não aplico que não acredito.

    Compartilho da crítica ao primeiro mas não ao segundo.

    O dr. lembra do George Ohsawa, da macrobiótica, quer morreu aos 74 anos de ataque cardíaco? Meu pai, que era gordo, nunca comeu um vegetal na vida, exceto laranjas e bananas e adorava pizza com guaraná morreu mais tarde.
    O ser humano não é herbívoro, nem carnívoro, é só observar - é onívoro.

    Quanto à Denise Minger, vamos aliviar, ela não é mais raw vegan, mas ela advoga muitíssimo o crudismo, apesar de ter em sua dieta alguns alimentos cozidos. Ao descrever a sua dieta ela cita a palavra "raw" quinze vezes. Como: "Basically, I eat a sort of raw food, plant-based, paleo-ish, Weston-A-Price style fusion. From largest proportion of my diet to the smallest:

    raw fruit; daily
    raw vegetables; daily
    raw fish and cooked or raw shellfish (salmon, tuna, mackerel, oysters, mussels, clams, roe); usually daily
    coconut water; usually daily
    cooked organ meats, usually chicken liver or chicken hearts; a few times per week
    raw eggs or sunny-side-up eggs, usually from ducks; a few times per week
    raw vegetable juice; a few times per week
    cooked tubers; once or twice per week
    cooked gelatinous animal foods like tendons; a few times per month
    home-made bone broth; more frequently in the winter
    seaweeds
    kimchi and sauerkraut"
    e lá embaixo ela até explica
    "Why raw?"
    Isso na página dela: http://rawfoodsos.com/2010/01/20/my-current-diet/
    É isso aí dr. Souto, não fique aborecido comigo que eu não quero te perturbar, eu só perguntei porque queria entender o seu ponto de vista, que pareceu naquele momento conflitante com o meu.
    Abraços

    ResponderExcluir
  60. Acabamos admirando a mesma pessoa ;-)

    Sent from mobile phone
    Em 06/09/2014 23:05, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  61. Fábio, pq vc não segue a páleo do Cordain?

    Em 7 de setembro de 2014 13:33, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  62. Fala Dr. Souto !
    Eu mesmo nunca pesquisei ou li especificamente algo sobre o tal do Cordain, apenas me lembro de ter lido alguns comentários em seu Blog sobre o mesmo. Nestes comentários o sr. observava que algumas coisas do Cordain eram um pouco ultrapassadas, pois não continham a variável gordura como sustentação, e também não permitia laticínios, é isto mesmo ?

    Bem, o sr. é médico, e esta aqui recomendando coisas em seu blog, sendo assim, procurei provocar uma certa contraposição a uma dúvida, procurando alguma resposta mais convincente sobre o meu entendimento do papel das gorduras na minha alimentação.

    O que estou entendendo, dada a sua recomendação, é que acha melhor eu seguir a orientação dada por Cordain ? É isto ?

    ResponderExcluir
  63. Existem muitas versões de páleo. TODAS são infinitamente superiores à orientação nutricional vigente. A versão do Cordain é muito mais próxima do seu entendimento, e você se sentirá mais confortável para segui-la. O livro do Cordain é de 2002, mas ele foi reeditado e atualizado recentemente (2012, se não me engano). Não deixe de conferir.


    Em 7 de setembro de 2014 20:34, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  64. Ganhei meu dia

    Em 7 de setembro de 2014 20:51, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  65. Realmente, seguindo a minha lógioca, não tenho dúvida com relação a qualidade de uma dieta dita Paleo versus a convencional.

    Bem, eu vou fazer melhor, vou seguir todas as informações contidas neste blog nas quais eu acredito , e simplesmente farei uma redução da gordura para ver que bicho vai dar.

    Grande abraço e sempre obrigado por suas traduções e interpretações, só espero chegar um dia e descobrir mais uma vez que tudo não passava de uma utopia e devaneio de experts midiáticos.

    ResponderExcluir
  66. Fábio...
    "Sou paleo" há pouco mais de um ano... No decorrer desse ano pra mim algo ficou claro e no decorrer dessa conversa com o Dr. Souto creio que ele deixou nas entrelinhas e muitas vezes disse explicitamente o seguinte:


    Adicionar gordura na sua alimentação, de forma não natural (comer tudo com nata, jogar manteiga em tudo, etc...) é (e pra mim foi) uma forma de adaptação à falta de carboidratos em massa na dieta diária. É uma forma de controlar a compulsão e deixar o seu corpo se readaptar a comida puramente de verdade.


    Há meses que não tomo café com manteiga, que não como nata adicionada nos ovos, não faço café a prova de balas, etc...


    Simplesmente não tenho mais fobia às gorduras. Dois ovinhos mexidos pela manhã na manteiga.. com um pouco de queijo derretido..Uma bisteca bem gordurosa...purê de batata doce com bastante manteiga...um bacon de vez em quando...e vou comendo normalmente com muitos vegetais e carnes, além de frutas, castanhas, etc...


    Não há necessidade de se adicionar meticulosamente gordura a tudo! é como vc disse, nesses casos se torna um remédio pra compulsão...


    Hj não penso tanto o que estou comendo, simplesmente não como trigo, açúcar e grãos...só comida de verdade e tento manter uma alimentação mais low carb.

    ResponderExcluir
  67. Eu não teria escrito melhor - perfeito.

    Em 8 de setembro de 2014 12:48, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  68. Amigo Leonardo, você é médico ?

    ResponderExcluir
  69. nem perto. Servidor Público do MP. Área do Direito

    ResponderExcluir
  70. marcus paulo da silva fernande8 de setembro de 2014 21:56

    ola felipe! o primeiro post que li no blog foi " prezado Dr. Souto: exercicio sem carboidratos é possivel? muito interessante, a partir deste post eu começei a ler os outros post que mostravam os estudos, vi tambem uma entrevista no you tube onde voce e o dr souto falavam sobre a dieta paleo para corredores, bela entrevista, muito esclarecedora e motivante. Parabens pelo seu trabalho e espero que como treinador voce consiga influenciar mais pessoas a adotar esse novo estilo de vida, tambem pratico esporte , rugby e como voce sabe é um esporte muito dinamico exige muita força, resitencia e velocidade e a dieta low carb esta me ajudando muito, em uma semana passei de 22 de BF para 16, muito rapido. Nao estou tentando apenas emagrecer com este novo estilo de vida, mas procurando uma melhor qualidade de vida e saude. Agora como bem ate estufar, mas somente comida de verdade, nao conto calorias e só como quando tenho fome. Isso é libertador é simplesmente incrivel e muito facil de fazer. Muito obrigado tambem

    ResponderExcluir
  71. Legal, Marcus. Fantástico saber que uma dúvida minha ajudou alguém a descobrir esse mundo e mudar de vida.

    ResponderExcluir
  72. Olá Dr. Souto! Iniciei em fevereiro deste ano minha vida LCHF. Consegui emagrecer bem e perdi muitas medidas, saindo do número 50 para o 44. Tenho Endometriose profunda grau IV com lesão intestinal e aderências e voltei a reter muito líquido desde agosto, já sentindo as roupas ajustarem. O que posso fazer pra ajudar a eliminar esses liquídos de forma natural?
    Até mais.

    ResponderExcluir
  73. Boa Tarde Dr. Souto, o sr. conhece o programa Queima 48 horas? estou fazendo os exercícios, o programa promete perder peso rápido em pouco tempo! estou no segundo mês e está dificil perder peso, já perdi 24 kg com a dieta de calorias e iniciei na low carb!

    ResponderExcluir