Páleo ou low-carb?

Já escrevi um post sobre asdiferenças(esemelhanças!) entre asduasdietas. Mas frequentemente me perguntam qual dieta se deve seguir. A resposta é: depende! A dieta paleolítica contém entre 100 e 150g de carboidratos por dia, o que é muito menos do que os 300 ou 400g da dieta ocidental tradicional. No entanto, é muito mais do que uma dieta low-carb tradicional, como uma dieta Atkins (20g de carboidratos ao dia). Depende do quê? De três variáveis fundamentais: se você precisa perder peso, quanto peso, e se você já tem resistênciaà insulina e/ou síndrome metabólica e/ou diabetes.

Suponhamos que você não precisa perder peso, não tem resistência à insulina, e apenas deseja um estilo de vida mais saudável, além de livrar-se de alguns problemas potenciais, tais como azia, cólon irritável, dores articulares, etc. Neste caso, a dieta paleolítica está indicada. Isto significa que o consumo de carboidratos não-refinados está liberado: batata doce, frutas (todas, e em qualquer quantidade), raízes em geral; é provável que mesmo o acréscimo de alguns grãos genuinamente integrais, tais como arroz, aveia, centeio, etc também não tragam malefício (embora não façam parte da dieta páleo).

Se você é como a maioria dos adultos, você precisa perder peso ou já apresenta resistência à insulina, ou mesmo diabetes. Aqui vem o ponto importante: se você alterou o seu metabolismo por décadas de super-exposição a carboidratos refinados (açúcar, farinha), a ponto de estar obeso ou diabético, uma dieta paleolítica com mais carboidratos não será suficiente. Frutas e raízes não levam nenhum ser humano a engordar, mas um ser humano que engordou comendo açúcar e farinha precisará restringir até mesmo frutas e raízes para perder o peso. Fui claro? Dito de outra forma: a pequena e lenta elevação de insulina produzida por frutas ou por uma bata doce é insuficiente para determinar a deposição e o acúmulo anormal de gordura nas células adiposas. Contudo, em uma pessoa queapresentaresistênciaà insulina devido a anos de hiperinsulinismo desencadeado pelo consumo diário de carboidratos refinados, a quantidade de açúcar presente em uma banana (cerca de 25 gramas) será suficiente para elevar os níveis de insulina a tal ponto que a “queima” de godura torna-se impossível.

Em suma, se você é magro, o consumo de carboidratos naturais (exceto grãos) pode ser ilimitado. Se você está bem acima do peso, ou é diabético, ou está com dificuldade em emagrecer, a restrição de carboidratos (mesmo os naturais!) é fundamental.

Restringir em quantas gramas por dia? Depende! Em geral, a menos do que 50 gramas/24h. Mas cada um deve experimentar até descobrir qual a quantidade de carboidratos que pode consumir sem que o peso comece a voltar.

Espero que a dúvida esteja definitivamente esclarecida: se alguém perguntar: “como os índios consumiam mandioca aos montes e não engordavam, se mandioca é carboidrato?”, a resposta é: “pois eles nunca consumiram farinha refinada e açúcar”. Mas, se você pegar um índio aculturado, obeso após anos de pão e doces, ele não emagrecerá enquanto não restringir TODOS os carbs, inclusive a mandioca.