Atkins, ou não Atkins?

Nos comentários das minhas postagens, são comuns perguntas sobre a dieta Atkins. Se tal coisa pode se consumida na fase de indução, se quem furou a dieta um dia precisa começar novamente a indução, etc.

A dieta Atkins é uma forma de fazer dieta low carb, mas não é a única. E, definitivamente, não são todas as pessoas que precisam seguir as etapas da dieta Atkins.

A ideia do Dr. Atkins era interessante: restringir quase completamente os carboidratos por no mínimo 14 dias a fim de precipitar o estado de cetose, que leva à redução da fome e, acreditava ele, a uma perda de peso mais rápida. Mas isso implica cortar os carbs para menos de 20g por dia, o que deixa o cardápio bastante restrito. Além disso, após esta chamada “fase de indução”, a dieta torna-se menos rígida, o que motiva a pessoa a continuar (“é ruim, mas depois melhora”).

Bem, como já disse em outra postagem, você não precisa estar em cetose para perder peso em dieta low carb. Cada um de nós é diferente, e cada um de nós pode tolerar uma certa quantidade de carbs. Para alguns, esta quantidade é 40g. Para outros, é 100g por dia. Diabéticos se beneficiam de manter a ingesta sempre muito baixa.

O grande motivo para seguir a dieta Atkins é simples: é o único livro decente de low carb traduzido para o português (embora esteja esgotado, mas encontra-se em sebos e pode ser comprado online). E, se você não pode contar com uma nutricionista que siga esta linha, ter um livro é importante.

Mas eu, pessoalmente, penso que a maioria das pessoas não precisa fazer a indução de acordo com o livro. Eu não vejo motivos para restringir saladas verdes em nenhum momento. E não vejo necessidade de restringir morangos, mirtilos e framboesas, tampouco nozes. Aliás, para a maioria das pessoas, mesmo ameixas, melão, maçã, nectarinas, etc, podem ser consumidos como sobremesa sem prejudicar a perda de peso. Eu digo isso o tempo todo, mas não custa reforçar: a eliminação total do trigo e do açúcar (e, em menor grau, da batata e do arroz) são responsáveis por 80% do benefício. O resto é secundário.

Não há necessidade de complicar com fases, regras detalhadas, etc. aquilo que, no fundo, é simples:

1) Cortar açúcar

2) Eliminar grãos

3) Evitar raízes (“tubérculos”)

4) Optar por comida de verdade

5) Não consumir azeites extraídos de sementes

6) Perder o medo da gordura natural dos alimentos.

Pessoal, no fundo é só isso!! Precisa de um doce? Coma uma fruta.

Tá difícil perder peso? Elimine um pouco as frutas. Cada um é diferente. Cada um precisa testar em si mesmo o que funciona, e aquilo que lhe torna possível seguir com o estilo de vida de forma continuada. De que adianta o livro dizer que você não pode comer frutas, se você não aguenta ficar sem?

Numa próxima postagem, vou recomendar os livros REALMENTE bons sobre dieta low carb. Se você ainda não lê inglês, é um bom motivo para se matricular em um curso.