terça-feira, 11 de fevereiro de 2020

A mutante narrativa do campo anti-low-carb

Este texto foi escrito a convite do Francisco Silva, gestor do site www.PaleoXXI.com e presidente da Associação PALEO XXI, em Portugal, para ser publicado na revista Paleo XXI, que circula nas bancas por lá. Foi publicado na edição de dezembro 2019/ janeiro 2020. Com permissão do Francisco, reproduzo, abaixo, o texto na íntegra.

A mutante narrativa do campo anti-low-carb

Há quase 9 anos acompanho muito de perto a literatura científica no que diz respeito à alimentação pobre em carboidratos (“low-carb”) e saúde. Desde então, os estudos evidenciando os efeitos benéficos dessa intervenção para sobrepeso, obesidade, pré-diabetes, diabetes, resistência à insulina e síndrome metabólica vêm-se acumulando. Como trata-se de intervenção de estilo de vida, com baixos riscos e demonstrada eficácia, a ampla disseminação de tal informação deveria ter sido muito fácil. Mas não é o que tem ocorrido. A resistência do campo anti-low-carb é feroz. Tal resistência assemelha-se à hidra, o lendário monstro da mitologia grega, com várias cabeças: cada vez que se lhe cortava uma cabeça, nasciam outras duas. De forma semelhante, a narrativa do campo anti-low-carb muda a cada vez que a ciência demonstra que suas alegações são desprovidas de embasamento. O monstro não morre, apenas brotam-lhe novas cabeças. 

As primeiras objeções diziam respeito à gordura na dieta. A gordura era o inimigo. Comer gordura, diziam, engordava, e além disso entupiria as suas artérias. Grandes metanálises indicaram que a gordura da dieta não tinha nenhuma relação com doença cardiovascular, e muito menos com mortalidade por todas as causas. E as dezenas de ensaios clínicos randomizados mostravam perda de peso, a despeito da quantidade de gordura no braço low-carb dos respectivos estudos ser mais elevada.

Gorduras não eram o problema? Ah, então o problema são as proteínas! Proteínas, nos disseram, fazem mal para os rins! Esqueceram que uma dieta low-carb não é hiperproteica. E, mesmo que fosse, estudos observacionais não mostram relação entre consumo de proteínas e desenvolvimento de insuficiência renal. Ah, mas de certo irá sobrecarregar o fígado! Mas a ciência, essa inconveniente, mostrava justamente o contrário - todos os estudos indicavam benefícios da restrição de carboidratos (e do aumento de proteínas) sobre o funcionamento hepático.

Em seguida, vários ensaios clínicos randomizados (os estudos com maior nível de evidência científica) começaram a mostrar superioridade de low-carb para perda de peso e para o controle de diabetes. A narrativa passou então a salientar que low-carb não era TÃO BOA assim. Que estudos nos quais as calorias eram artificialmente mantidas fixas indicavam resultados iguais (nada mais óbvio); que, ao final de 12 ou 24 meses, não parecia haver diferenças (esqueciam de mencionar que, ao final deste tempo, a maioria não estava mais seguindo nenhuma estratégia dietética). Reparem que agora não mais se tratava de afirmar que low-carb não funcionava, e sim de que low-carb não era TÃO BOA assim - era apenas IGUAL às demais dietas. Como assim? Pouco tempo atrás as mesmas pessoas afirmavam que a estratégia era perigosa e não funcionava, e agora as mesmas pessoas fazem questão de dizer que funciona tanto quanto - mas não mais - do que as outras estratégias que eles sempre defenderam! Cortava-se uma cabeça da hidra, e outras cresciam em seu lugar.

A recente admissão pela ADA (Associação Americana do Diabetes) de que low-carb é a estratégia nutricional mais estudada em diabetes, bem como de que se trata da que produz as maiores quedas de hemoglobina glicada com redução simultânea da necessidade de medicamentos, colocou low-carb oficialmente nas diretrizes. Mais uma cabeça da hidra foi cortada. Não tardaria para que brotassem novas.

As cabeças mais recentes apontam para a carne. Você poderia alegar: “mas low-carb não precisa necessariamente de carne”, e estaria correto. Não obstante, a narrativa evolui nesse sentido, e tem sido muito eficaz. E trata-se de de uma narrativa muito mais forte do que as anteriores, eis que ataca por diversos ângulos simultaneamente - é um monstro de muitas cabeças!

A alegação de que carne vermelha faz mal à saúde é antiga, e é - ela mesma - uma narrativa mutante. Originalmente, a crítica era direcionada à gordura da carne. Como já vimos, tal crítica foi desmontada por vários estudos. Então surgiu outra cabeça, tentando correlacionar a carne com câncer colorretal. Mas tais estudos são estudos observacionais eivados de variáveis de confusão (os maiores comedores de carne em tais estudos também fumam mais, bebem mais, são mais obesos e sedentários). E há alguns fatos inconvenientes, tais como o European Prospective Investigation on Cancer and Nutrition (EPIC) no qual vegetarianos apresentaram mais câncer colorretal do que os que comiam carne, ou o fato de que não se consegue induzir câncer de cólon em animais de laboratório com carne.

Mal conseguimos cortar as cabeças das falsas alegações de saúde, e surgiu com força uma cabeça gigante: o consumo de carne estaria ligado ao aquecimento global e ao desperdício de água. Se você come carne, dizem-lhe, está destruindo o futuro de seus filhos e netos! 

Contudo, é um fato básico da ecologia que o CO2 emitido pelos ruminantes advém do capim que comem, capim esse que, para crescer, retirou O MESMO CO2 da atmosfera - não é CO2 novo, é um ciclo, que existe há milhões de anos. E o metano? Metano é um gás transitório, que é convertido em CO2 em cerca de 12 anos e, desta forma, volta ao capim que lhe deu origem. Se nossa preocupação for com o CO2 novo adicionado à atmosfera, bem, este vem dos combustíveis fósseis, que estão enterrados há 100 - 200 milhões de anos, e que portanto estavam FORA do ciclo fotossíntese-respiração deste planeta. É ridículo culpar ruminantes pelo que a indústria e os transportes estão a jogar na atmosfera.

O argumento do consumo de água é ainda mais falacioso. Quando se fala que 1 quilo de carne requer 15 mil litros de água, cerca de 95% disso é água da chuva! O que é bizarro, pois alguém acredita que a água deixaria de chover sobre a pastagem se o gado ali não estivesse? E a água que o gado bebe? Volta ao ambiente como vapor, urina e esterco. Isso não apenas não contamina a água, como na verdade fertiliza a pastagem e ajuda a sequestrar carbono no solo. A monocultura, contra a qual não se ouve falar quase nada nos dias de hoje, é que contamina aquíferos e rios com fertilizantes e pesticidas, além de desviar aquilo que seria destinado ao consumo humano para uso em irrigação - água essa que retorna contaminada para os rios, diferentemente do que ocorre com a água da chuva nas pastagens. Ademais, culturas alagadas liberam grande quantidade de metano, mas você não escuta as mesmas pessoas que criticam o consumo de carne vociferando contra o arroz. 

Recente documentário produzido por James Cameron e estrelando Arnold Schwarzenegger apresenta a hidra completa, no esplendor de todas as suas cabeças. Uma tremenda peça de propaganda, desenhada meticulosamente para avançar uma agenda vegana. Muitas pessoas serão vítimas dessa estratégia. E muitos têm a ganhar com a venda de alimentos ultraprocessados para substituir aquilo que não precisava ser substituído. Trata-se da velha tática de criar um problema a fim de vender a solução. Diga-se de passagem, James Cameron é dono da Verdient Foods Inc, que acaba de investir 140 milhões de dólares na Ingredion, fabricante de proteína extraída de ervilhas... 


Frente a esse monstro de múltiplas cabeças, é fácil ficar intimidado. É uma luta muito desigual. Como reza o ditado, uma mentira já deu meia-volta ao mundo no tempo que leva para uma verdade calçar seus sapatos. Temos apenas uma defesa - a informação de qualidade. Nesses tempos sombrios, expor a verdade é um verdadeiro ato de subversão, e comer carne tornou-se um manifesto de resistência. A moda low-fat durou 40 anos, mas acabou cedendo. Cabe a nós cortar as novas cabeças da hidra, mesmo que leve décadas.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

Reitor da Universidade A&M do Texas exige providências de Harvard

Há cerca de duas semanas publiquei aqui o escândalo da tentativa de censura das metanálises que indicavam que carne vermelha não deveria ser evitada (visto não haver evidência confiável de qualquer relação com câncer, doença cardiovascular e diabetes). Se você ainda não leu, leia aquela postagem antes de continuar.

O escândalo foi narrado em detalhes nas páginas do JAMA, e havia ali o seguinte trecho:

"Outro ataque veio durante uma recente conferência de cardiologia preventiva de um dia, na qual metade das apresentações foram sobre dietas plant-based. Durante seu discurso, Willett mostrou um slide intitulado "Desinformação", que culpou várias organizações e indivíduos: a "mídia sensacionalista", especificamente o periódico Annals of Internal Medicine e a repórter de ciência de longa data do New York Times Gina Kolata, que escreveu a primeira história do jornal sobre as metanálises da carne; “Big Beef” (a indústria da carne), citando especificamente o cientista de nutrição da Texas A&M University Patrick Stover, PhD, vice-reitor da escola e co-autor da diretriz de consumo de carne NutriRECS; e "acadêmicos baseados em evidências", ou seja, NutriRECS e Gordon Guyatt, MD, MSc, presidente do painel que escreveu as diretrizes de consumo de carne."
Na sua cruzada cega e semi-religiosa contra o consumo de carne, Willett e Hu, da Escola de Saúde Pública de Harvard, parecem ter passado dos limites. Eis o slide projetado por Willett difamando Gordon Guyatt (nada mais, nada menos do que o pai da Medicina Baseada em Evidências) e o Dr. Patrick Stover, vice-reitor da Texas A&M.

A Texas A&M University é a mais antiga instituição pública de ensino superior do Texas, fundada em 1871. É uma das 10 maiores universidades dos EUA. 

Pois bem, o reitor da Texas A&M está agora pedindo publicamente a cabeça do Hu e Willet. Eis a carta aberta endereçada ao presidente da Universidade de Harvard:



22 de Janeiro de 2020

Para:
Dr. Lawrence S. Bacow
President
Harvard University
Massachusetts Hall
Cambridge, Massachusetts 02138

Prezado Dr. Bacow,

Escrevo para informá-lo de meu desânimo com as recentes ações dos membros do corpo docente de Harvard, Dr. Walter Willett e Dr. Frank Hu e seus associados, Dr. David Katz e True Health Initiative (THI). Suas ações, conforme descritas em um artigo recente do JAMA, são antiéticas, distorcem os resultados de importantes pesquisas científicas e, em nossa opinião, são falsas e prejudiciais para a Texas A&M University e seus professores. São assuntos sérios que comprometem os valores defendidos por sua instituição e devem ser corrigidos imediatamente.

Confio que você tenha ficado tão surpreso quanto eu depois de ler o artigo da JAMA e peço que você dê uma olhada nas ações ultrajantes da THI. O JAMA descobriu que a THI e vários de seus membros do conselho, incluindo os professores Willett e Hu, de Harvard, descaracterizaram a pesquisa científica e acusaram falsamente os cientistas da Texas A&M de venderem-se para interesses da indústria. De acordo com o JAMA, a THI não apenas quebrou a política de embargo de periódicos, mas aparentemente usou bots automáticos para inundar a caixa de entrada de e-mails do editor-chefe dos Annals of Internal Medicine.

Vários professores da sua instituição estão envolvidos como membros do conselho ou consultores da THI e colaboraram com a THI em seus esforços para desacreditar as evidências científicas que são contrárias à sua ideologia. Posso garantir que a pesquisa da Texas A&M é conduzida em função da ciência, e apenas da ciência.

Além da minha preocupação com as descobertas do JAMA, estou anexando uma ilustração que o Dr. Willett apresentou em uma conferência de cardiologia para atacar um renomado professor da Texas A&M e a própria universidade como sendo influenciado pela indústria. Esta alegação sem fundamento foi rejeitada de forma independente e demonstrada falsa no artigo JAMA.

No momento, não temos uma base sólida para mostrar que essas ações contra a Texas A&M e seu corpo docente são endossadas ou toleradas por sua instituição e esperamos poder trabalhar juntos para resolver esse problema. Essa resolução deve incluir uma avaliação séria da Harvard de sua afiliação à THI e uma revisão ética abrangente de qualquer professor de Harvard envolvido com a THI. Vários cientistas cortaram laços com o THI por causa dos problemas discutidos nesta carta. A Texas A&M aplaude a posição adotada por esses cientistas e incentiva Harvard a mostrar a mesma coragem.

A Texas A&M pede que Harvard se junte a nós para uma abordagem puramente científica da nutrição em prol da saúde pública e da confiança pública e rejeite as políticas e ações antiéticas da THI que procuraram desacreditar a ciência e interferir no processo científico.

Atenciosamente,
 
John Sharp
Reitor

quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

A censura do blog - e o novo canal no Telegram

A coisa começou após uma postagem sobre diabetes. Mais especificamente, a postagem na qual eu falava das novas diretrizes nutricionais da ADA (Associação Americana de Diabetes) que passavam a adotar low-carb como uma das estratégias nutricionais padrão, e a que obtinha os melhores resultados, em diabetes tipo 2. Inúmeras pessoas começaram a me dizer que não conseguiam compartilhar a postagem nem no Instagram, nem no Facebook:


Logo descobri que não era possível sequer enviar o link da postagem pelo messenger ou por direct. O motivo permanece um mistério ("viola os padrões da comunidade"), e por mais que as pessoas selecionassem a opção "se você acha que isso é um erro, avise-nos", nunca houve uma resposta.


Não só isso: pouco tempo depois, o blog inteiro foi bloqueado. Faça o teste você mesmo. Tente compartilhar qualquer postagem desse blog no Instagram ou Facebook. A coisa chega ao extremo de bloquear qualquer página que aponte para o blog - inclusive Linktree, etc. Seja lá qual foi o crime, deve ser inafiançável...

Recentemente, tenho pensado muito sobre isso. A internet começou com o conceito da descentralização - não havia um computador central da internet. A internet é a coletividade das redes de  computadores que a compõem. Este blog deve o seu sucesso a esse aspecto democratizante da rede. Uma pessoa, com seu computador pessoal, é capaz de falar para o mundo. Antes da internet, isso só poderia ser feito através de uma rede de TV, ou de um grande editor. A internet parecia remover tais gargalos que separavam autor e audiência, e o algoritmo do Google, ao indexar as páginas por popularidade e por citação, parecia oferecer algum tipo de meritocracia digital. 

Mas isso foi antes da ascensão das redes sociais. Aquilo que surgiu para conectar antigos colegas de escola e parentes, virou A INTERNET de fato. Muitas pessoas obtêm todas as informações e notícias exclusivamente na Rede. Para boa parte da humanidade, a internet é o Facebook e o Instagram. Que são uma única empresa - A Rede Social. A internet, que nasceu descentralizada, agora roda - em sua maioria - nos servidores de uma única corporação privada, com sede nos EUA, regida por regras próprias e pouco claras, às quais você prestou vassalagem, num pacto faustiano, ao clicar "eu concordo".

Por este motivo, criei um novo canal para passar informações ao meu público sem a censura kafkiana da Rede Social. 

O canal pode ser acessado em t.me/drsouto

Lá no canal, escrevi um pequeno texto de boas-vindas:

"O Instagram e o Facebook baniram (há vários meses) o compartilhamento de qualquer link do meu blog, seja em postagens ou até mesmo em mensagens. Já reclamei - sem resposta. Meus leitores já reclamaram - sem resposta.
A verdade é que essa empresa tomou para si a prerrogativa de decidir, unilateralmente, o que você deve ou não deve ler, o que você deve ou não deve ver na sua time-line. E a culpa é nossa. Nós que conferimos a essa empresa o status de monopólio da informação, oferecendo de graça todos os detalhes de nossas vidas, em troca de vídeos de gatinhos. 
A verdade é que não podemos ficar na mão de tais plataformas. Existe vida fora do ecossistema Facebook/Instagram. Para essa empresa, você não é o CLIENTE - os clientes são as empresas que compram as suas informações. Para essa empresa, você (e seus dados, e sua vida) é o PRODUTO. 

De agora em diante, estarei postando aqui tudo o que for relativo ao meu blog, todos os novos estudos e publicações que achar relevantes para o meu público e - por que não? - o que me der na telha.
Seja bem-vindo ao Ciência low-Carb Sem Censura."

O fato de que o algoritmo deste leviatã digital decide o que você deve ou não ler e assistir deveria ser assustador. Nos anos de chumbo, a censura oficial tentou banir a circulação da informação inconveniente mediante o uso da força. Eram mesmo muito toscos, nossos censores. O que A Rede Social fez foi muito mais eficaz. Como explica Yuval Harari, um algoritmo que conhece você melhor do que você mesmo é capaz de lhe entreter com aquilo que você mais quer ler e ver, ao mesmo tempo em que censura aquilo que A Rede Social julga, em sua onipotência e onisciência, que deve censurar. Quando ainda se lia jornal, você poderia ler opiniões diferentes em diferentes periódicos. Agora, o algoritmo lhe fornece a versão que ele sabe que você irá gostar mais. E se a Rede decidir que você não deve ler algo - você nem saberá que está sendo cesurado. Pois a vida, nesta distopia para a qual caminhamos, é integralmente contida dentro do ecossistema da própria rede.

Voltando à censura do blog. O que fazer? É difícil saber, quando nem se sabe o motivo. Terá sido denúncia de um grupo organizado (no próprio Facebook?)? Terá sido uma queixa de alguma sociedade/grupo insatisfeito? Como resolver, se não sei o motivo? Como se defender quando não se sabe do que se está sendo acusado? 

Nessas horas, o livro O Processo, de Franz Kafka, vem à mente:

"Nesta obra, o protagonista, atônito, ao ser informado que contra ele havia um processo judicial (ao qual ele jamais terá acesso e fundado numa acusação que ele jamais conhecerá), percorre as vielas e becos da burocracia estatal, cumpre ritos inexplicáveis, comparece a tribunais estapafúrdios, submete-se a ordens desconexas e se vê de tal modo enredado numa situação absurda, que a narrativa aproxima-se (e muito) da descrição de confusos pesadelos. Mas não distam muito de pesadelos os processos reais que tramitam nos vãos da estrutura pesada, arcaica, burocrática e surreal das instituições zelosas da Justiça, de modo que, por fim, Franz Kafka terá sempre o mérito de ter, no início do século passado, retratado a sociedade de muitos povos, com fidelidade e crueza dignos de alçar sua obra à imortalidade." (Wikipedia)

Penso que a solução para essa situação kafkiana passa por sair um pouco do ecossistema da Rede Social, pois ao contrário Josef K., o personagem do livro, isso não nos foi imposto. Nós é que clicamos em "eu aceito".

Espero vocês todos em t.me/drsouto

sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

O dia em que a nutrição quase implodiu


Em 1962, o mundo quase acabou. No episódio conhecido como a Crise dos Mísseis, os EUA descobriram que a União Soviética havia instalado mísseis com ogivas nucleares na ilha de Cuba, a apenas 140 Km do território estadunidense. A tensão subiu a níveis perigosos. Nos 13 dias entre 16 e 28 de outubro, a civilização esteve à beira do abismo. No dia que ficou conhecido como "sábado negro", um avião espião dos EUA foi abatido pelos soviéticos em Cuba, e seu piloto morreu. Literalmente, o mundo como o conhecemos quase acabou. Mas as negociações diplomáticas e o empenho dos mandatários Kennedy e Kruschev evitaram a guerra termonuclear total, culminando com a retirada dos mísseis em 28 de outubro de 1962.

Você pode não ter percebido, mas algo muito parecido aconteceu no mundo da nutrição em 19 de novembro de 2019. O dogma nutricional esteve a um passo da aniquilação. Não fosse a intervenção de nossos bravos heróis, David Katz, Walter Willett e Frank Hu, você poderia achar que a carne vermelha não vai lhe matar. Assim como Kennedy e Kruschev, esses estadistas do status quo, esses faraós da pirâmide alimentar fizeram o possível e o impossível para bloquear a explosão do seguinte dispositivo termo-nuclear:

Disfarçado neste inocente exemplar de um dos mais prestigiosos periódicos científicos da medicina, estavam 5 revisões sistemáticas e metanálises sobre carne vermelha e mortalidade por todas as causas, mortalidade cardiovascular, desfechos cardiometabólicos, derrame, câncer e diabetes.

A conclusão?
Não há evidências de ensaios clínicos randomizados - o tipo de estudo que poderia estabelecer causa e efeito - de que o consumo de carne vermelha aumente o risco de doença cardiovascular, câncer ou diabetes. Quanto aos estudos observacionais de epidemiologia nutricional - o tipo de estudo que é repleto de vieses, nos quais fatores de confusão turvam os resultados -  relações entre carne vermelha e desfechos ruins eram de magnitude diminuta e grande incerteza, de modo que não justificariam a orientação de reduzir seu consumo. Coma seu filé.

19 de novembro de 2019 foi a terça-feira negra da ortodoxia nutricional. Na edição de anteontem do JAMA (Revista da Associação Médica Americana - um periódico científico altamente respeitado), foi publicado um extenso e detalhado relato das medidas desesperadas que Katz, Willet e Hu empregaram para censurar essa informação e, assim, proteger os crédulos cidadãos do mundo sobre as fake news. Afinal, o Hamburger do Futuro é sem carne vermelha, não é mesmo?


A seguir, traduzo alguns trechos deste excelente texto do JAMA, de modo que você, possa ter uma ideia da magnitude dos interesses por trás da demonização da carne vermelha. Todos os trechos em itálico são traduções literais do editorial do JAMA.

"É quase inédito que periódicos médicos sofram reações negativas sobre estudos antes que os dados tenham sido publicados. Mas foi o que aconteceu com o Annals of Internal Medicine no outono passado, quando os editores estavam prestes a publicar vários estudos mostrando que as evidências que ligam o consumo de carne vermelha com doenças cardiovasculares e câncer são muito fracas para recomendar que os adultos comam menos carne."

"A editora-chefe da Annals, Christine Laine, MD, MPH, viu sua caixa de entrada inundada com cerca de 2000 e-mails - a maioria trazia a mesma mensagem, aparentemente gerada por um bot - em meia hora. A caixa de entrada de Laine teve que ser fechada, ela disse. Não apenas o volume era sem precedentes em sua década à frente do respeitado periódico, como o tom dos e-mails era particularmente cáustico."

""Nós já publicamos muito sobre prevenção de lesões por armas de fogo", disse Laine. "A resposta da NRA (National Rifle Association, uma associação de defende os donos de armas de fogo no EUA) foi menos raivosa do que a resposta da True Health Initiative.""

E quem é a True Health Initiative ("iniciativa para a saúde verdadeira", em português)?

"A True Health Initiative (THI) é uma organização sem fins lucrativos fundada e chefiada por David Katz, MD."
"Walter Willett, MD, DrPH, e Frank Hu, MD, PhD, pesquisadores de nutrição de Harvard que estão entre os principais nomes em seu campo, atuam no conselho de diretores da THI."

"Katz, Willett e Hu deram o raro passo de entrar em contato com Laine sobre a retirada dos estudos antes de sua publicação"


 A MELHOR FRASE DE TODO O ARTIGO: "Talvez isso não seja surpreendente. "Alguns dos pesquisadores construíram suas carreiras baseadas em epidemiologia nutricional", disse Laine. "Entendo que é perturbador quando as limitações do seu trabalho são descobertas e discutidas à luz do dia."

OUTRO PARÁGRAFO LAPIDAR DO ARTIGO DO JAMA: "Mas o que em grande parte foi esquecido é que Katz, THI e muitos de seus membros do conselho têm numerosos laços na indústria. A diferença é que seus vínculos estão principalmente com empresas e organizações que lucram se as pessoas comerem menos carne vermelha e seguirem uma dieta mais baseada em vegetais. Ao contrário da indústria de carne bovina, essas entidades são cercadas por uma aura de saúde e bem-estar, embora isso não seja necessariamente baseado em evidências."

"Nos artigos do Annals, os membros do NutriRECS (a instituição que congrega os autores dos 5 artigos) e seus co-autores escreveram que procuravam trazer rigor científico às diretrizes atuais de consumo de carne, baseadas principalmente em estudos observacionais que não estabelecem relações de causa e efeito."

"[As metanálises] não encontraram nenhuma ligação estatisticamente significativa entre o consumo de carne e o risco de doenças cardíacas, diabetes ou câncer em uma dúzia de ensaios clínicos randomizados que registraram cerca de 54.000 participantes. Eles encontraram uma redução irrisória do risco de doença entre as pessoas que consumiam 3 porções a menos de carne vermelha semanalmente, em estudos epidemiológicos que seguiram a milhões de pessoas, mas tal associação era muito incerta".

"As demandas para retirar os documentos do Annals antes de serem publicados sugerem que a política de embargo da revista havia sido violada. (Os embargos proíbem repórteres e assessores de imprensa das instituições dos autores de divulgar artigos antes de serem publicados. Quebrar um embargo é uma violação grave.)"

Mas nossos valentes não estavam preocupados com a ética ou com as leis - afinal, estavam em uma missão para salvar a utopia plant-based que está por vir:

"Quatro dias antes da publicação dos artigos, Katz e 11 membros do THI enviaram uma carta a Laine pedindo-lhe que “retrate preventivamente a publicação desses artigos, aguardando uma revisão adicional por seu escritório”. Os signatários incluíam os membros do conselho do THI Hu e Willett; Neil Barnard, MD, presidente do Comitê de Médicos para Medicina Responsável (PCRM); o ex-cirurgião geral dos EUA Richard Carmona, MD, MPH; David Jenkins, MD, PhD, professor de nutrição da Faculdade de Medicina da Universidade de Toronto; e Dariush Mozaffarian, MD, DrPH, reitor da Escola Friedman de Ciência e Política Nutricional da Universidade Tufts. "

Barnard é o mesmo sujeito que disse em um documentário do Netflix que comer um ovo é o mesmo que fumar 5 cigarros. Esta gente é capaz de qualquer coisa para avançar sua causa fanática.

"É realmente assustador que esse grupo, que inclui pessoas como Walter Willett e Frank Hu da Escola de Saúde Pública de Harvard, que por acaso é a minha alma mater, tivesse ciência disso e estivesse ajudando nessa trama", disse Laine." 

"O PCRM de Barnard chegou ao ponto de pedir à Federal Trade Commission (FTC) "para corrigir declarações falsas sobre o consumo de carne vermelha e processada divulgadas pelos Annals of Internal Medicine".
"Apesar do nome do PCRM (Comitê de Médicos para Medicina Responsável), menos de 10% de seus 175.000 membros são médicos, de acordo com seu site, que descreve a missão da organização como "salvar e melhorar vidas humanas e animais por meio de dietas baseadas em plantas e pesquisas científicas éticas e eficazes".
"Cerca de três semanas depois, o PCRM pediu ao promotor público da cidade da Filadélfia, onde fica o escritório editorial da Annals, "para investigar possíveis perigos imprudentes" resultantes da publicação dos documentos e recomendações."

"Outro ataque veio durante uma recente conferência de cardiologia preventiva de um dia, na qual metade das apresentações foram sobre dietas plant-based. Durante seu discurso, Willett mostrou um slide intitulado "Desinformação", que culpou várias organizações e indivíduos"

Ancel Keys era um amador perto desse pessoal. Censura prévia, ameaças, judicialização, assassinato de reputações. E com a chancela da Escola de Saúde Pública de Harvard por trás... Entre os alvos de Willet, estavam "acadêmicos baseados em evidências ”, ou seja, a NutriRECS e Gordon Guyatt, MD, MSc, presidente do painel que escreveu as diretrizes de consumo de carne."

E quem é Gordon Guyatt? Nada mais, nada menos do que "um professor ilustre da Universidade McMaster em Hamilton, Ontário, [que] liderou o desenvolvimento, há 30 anos, do conceito de medicina baseada em evidências. Em uma entrevista à Canadian Broadcasting Company, alguns dias após a publicação dos artigos de carne, Guyatt chamou a resposta de "completamente previsível" e "histérica"."

Esse episódio poderia entrar para a história como o dia que a EMINÊNCIA tentou assassinar a EVIDÊNCIA. Literalmente, Willett, o mais eminente nome da epidemiologia nutricional, atacou publicamente o pai da Medicina Baseada em Evidências em um PowerPoint de uma conferência de cardiologia de viés plant-based. Por que a carne vermelha TEM QUE SER ruim!

"O THI faz parte de um "movimento" da dieta à base de plantas" "Enquanto isso, os laços da indústria e outros possíveis conflitos de interesse parecem ser comuns entre os membros do conselho da THI e a própria organização." "Entre os "parceiros" sem fins lucrativos listados no site da THI estão #NoBeef, o Olive Wellness Institute, que se descreve como um "repositório científico sobre os benefícios nutricionais, de saúde e de bem-estar das azeitonas e derivados"; e o Projeto Plantrician, cuja missão é "educar, equipar e capacitar nossos médicos, profissionais de saúde e outros influenciadores da saúde com conhecimento sobre os benefícios incontestáveis da nutrição baseada em plantas". "Entre os parceiros com fins lucrativos da THI estão a Wholesome Goodness, que vende "alimentos melhores para você", como batatas fritas, cereais matinais e barras de granola "desenvolvidos com orientação do renomado especialista em nutrição Dr. David Katz"; e Quorn, que vende produtos sem carne feitos de micoproteínas ou fungos fermentados transformados em massa." 

Parece delicioso.

Outra instituição de Katz é a ACLM. "Entre os "parceiros" corporativos da ACLM está o Plant Strong by Engine 2, que realiza retiros "projetados para promover e celebrar o seu potencial à base de plantas", e a MamaSezz, que oferece "refeições integrais à base de plantas prontas para consumo, sem porcarias”.

"O membro do conselho da THI Jenkins listou em seus “interesses concorrentes” dezenas de bolsas de pesquisa de empresas e grupos do setor, incluindo a Pulse (leguminosas) Research Network, o Almond (amêndoas) Board da Califórnia, o Conselho Internacional de Nozes e Frutas Secas; Associação de Alimentos de Soja da América do Norte; o Instituto de Amendoim; A Kellogg do Canadá; e Quaker Oats Canada."

Termina assim o artigo do JAMA: "As diretrizes confiáveis costumavam depender de quem eram as organizações ou as pessoas de quem elas vieram. ”Hoje, porém,“ o público deve saber que não temos grandes informações sobre dieta ”, disse Laine. "Não devemos deixar as pessoas com medo de sofrer um ataque cardíaco ou câncer de cólon se comerem carne vermelha".

***

No final de cada episódio do desenho animado, o narrador diz, com voz empostada "e, mais uma vez, o mundo foi salvo graças às Meninas Super-Poderosas". Bem, isso é ficção. Felizmente, na vida real, David Katz, Frank Hu e Walter Willett, nossos meninos super-poderosos, salvaram de fato, o mundo de seus patrocinadores. A terça-feira negra passou, as pessoas continuam achando que carne vermelha causa câncer e infarto, e a humanidade caminha alegremente para a normalização da noção de que a saúde virá não de uma fazenda, e sim de uma fábrica. Bem-vindo ao (hamburger do) futuro.

quarta-feira, 1 de janeiro de 2020

O que o artigo sobre jejum do New England realmente mostra?

Há alguns dias foi publicada uma revisão da literatura sobre jejum intermitente no New England Journal of Medicine (NEJM):



Para situar aqueles que não são da área médica, o NEJM é o mais prestigioso periódico médico do mundo. Revisões como essa são encomendadas pela revista a especialistas mundialmente reconhecidos. Quando algo sai em uma revisão do NEJM, é porque deixou de ser "fringe" (isto é, uma ideia periférica, endossada apenas por visões alternativas) e passou a ser "mainstream" (isto é, passou a fazer parte do cânone de conhecimento vigente, aceito pelos pares de profissão). Jejum agora é mainstream.

É importante que se diga que este artigo não traz nada de novo. Trata-se de uma revisão "narrativa", isto é, seus autores explicam, como em um livro-texto, sua convicções sobre o tema. É diferente de uma revisão sistemática ou de uma metanálise, que são feitas com critérios pré-estabelecidos de busca no PubMed pela totalidade da literatura. Ou seja, não agrega nada em termos de evidência. Então, qual a sua importância? Sua importância está na sanção oficial do establishment médico ao jejum intermitente. Não importa quantos ensaios clínicos randomizados e metanálises (os estudos com os maiores níveis de evidência) você mostre para seu médico, é provável que ele lhe diga que jejum é modinha, e que o certo é fazer tudo em moderação, o que inclui - em sua cabeça - comer de 3 em 3 horas. Mas basta uma revisão do New England para que seu médico passe a dizer que SEMPRE SOUBE que jejum intermitente é benéfico - e que o problema é apenas o grau de dificuldade em praticá-lo. Enfim, estamos já na década de 20 dos anos 2000 mas, para a maioria dos profissionais, uma peça de opinião no NEJM vale mais do que as reais evidências (experimentos em humanos, que não são de hoje): é a medicina baseada em eminência. Ainda assim, é uma grande vitória - nesgas de evidência acabam escapando de tempos em tempo por entre as frestas do dogma nutricional. Mas eu divago.

Há um outro aspecto que chama muito a atenção durante a leitura da revisão narrativa sobre jejum do NEJM: a esmagadora maioria das coisas que são citadas no artigo como sendo benéficas, ou como sendo as causas dos benefícios observados, ocorrem também em uma estratégia bem mais fácil de seguir, que requer muito menos disciplina e que não envolve a sensação de fome: DIETA CETOGÊNICA. A seguir, vamos explorar um pouco o artigo do New England, mostrando que, se jejum intermitente é bom pelos motivos que ali constam, decorre logicamente que cetogênica também é.

O artigo começa chamando atenção para a literatura existente sobre restrição calórica e benefícios para a saúde e longevidade de animais. Mas explica que os autores de tais estudos não perceberam que, na verdade, os animais consumiam a maior parte das calorias nas primeiras 4 horas, ficando o resto do tempo em jejum.


"Na época, não era geralmente reconhecido que, porque os roedores com restrição calórica normalmente consomem toda a sua porção diária de alimento poucas horas após sua provisão, eles têm um período de jejum diário de até 20 horas, durante o qual ocorre a cetogênese."

Veja que cetogênese é colocada como algo bom (é que, em 2020, ainda há profissionais de saúde que confundem cetose com cetoacidose). O artigo segue ainda explicado que, no jejum intermitente, ocorre:


"(...) a troca metabólica da glicose derivada do fígado para cetonas derivadas de células adiposas (...)."

Este conceito é muito importante - o "interruptor" metabólico, que alterna entre o uso de glicose para o uso de gordura e corpos cetônicos como fonte de energia é, corretamente, colocado no centro do benefícios do jejum:


"Estudos pré-clínicos consistentemente mostram a robusta eficácia modificadora da doenças do jejum intermitente em modelos animais em uma ampla gama de distúrbios crônicos, incluindo obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares, cânceres e doenças cerebrais neurodegenerativas. O acionamento periódico do interruptor metabólico não apenas fornece as cetonas necessárias para abastecer as células durante o período de jejum, mas também provoca respostas sistêmicas e celulares altamente orquestradas que são transportadas para o estado alimentado para reforçar o desempenho mental e físico, bem como a resistência a doenças."

Eu espero que não escape ao leitor que o jejum não é a única forma de ligar tal interruptor. É evidente que uma dieta low-carb cetogênica induz exatamente as mesmas adaptações. Não custa lembrar que a dieta cetogênica foi desenvolvida há 100 anos com o objetivo de produzir o mesmo benefício que o jejum oferecia no tratamento da epilepsia - através do acionamento do interruptor metabólico no sentido do uso de cetonas como combustível (ver o final desta postagem). A profunda semelhança entre o jejum e a cetose nutricional é, literalmente, conhecida há 1 século.


"Durante os períodos de jejum, os triglicerídeos são divididos em ácidos graxos e glicerol, que são usados para energia. O fígado converte ácidos graxos em corpos cetônicos, que fornecem uma importante fonte de energia para muitos tecidos, especialmente o cérebro, durante o jejum. No estado alimentado, os níveis sanguíneos dos corpos cetônicos são baixos (...)."

Desde os experimentos clássicos de jejum de Cahill nos anos 1950-70, é sabido que os corpos cetônicos são os principais combustíveis do cérebro quando não se está consumindo glicose. O mesmo ocorre, obviamente, em uma dieta cetogênica.


"A mudança metabólica do uso da glicose como fonte de combustível para o uso de ácidos graxos e corpos cetônicos resulta em uma taxa de troca respiratória reduzida (a proporção de dióxido de carbono produzido por oxigênio consumido), indicando maior flexibilidade metabólica e eficiência energética a partir de ácidos graxos e corpos cetônicos."

Mais um trecho que, corretamente, aponta as vantagens de acionar o interruptor metabólico no sentido do uso de gordura e corpos cetônicos. Desnecessário dizer que o mesmo paragrafo poderia ter sido escrito com referência a uma dieta low-carb.


"Corpos cetônicos não são apenas combustível usado durante períodos de jejum; são moléculas potentes de sinalização com efeitos importantes nas funções das células e órgãos. Os corpos cetônicos regulam a expressão e a atividade de muitas proteínas e moléculas que influenciam a saúde e o envelhecimento. (...) Ao influenciar essas principais vias celulares, os corpos cetônicos produzidos durante o jejum têm efeitos profundos no metabolismo sistêmico. Além disso, os corpos cetônicos estimulam a expressão do gene para o fator neurotrófico derivado do cérebro, com implicações para a saúde do cérebro e distúrbios psiquiátricos e neurodegenerativos."

Tudo absolutamente correto! Mas você não precisa estar em jejum para isso - basta restringir carboidratos.

Segue o texto:


"Quanto do benefício do jejum intermitente se deve à troca metabólica e quanto à perda de peso? Muitos estudos indicaram que vários dos benefícios do jejum intermitente são dissociados de seus efeitos na perda de peso. Esses benefícios incluem melhorias na regulação da glicose, pressão arterial e freqüência cardíaca; a eficácia do treinamento de resistência; e perda de gordura abdominal."

Mais uma vez, estudos com dieta cetogênica mostram algo idêntico: os benefícios, porquanto incluam sem dúvida a perda de peso, não dependem exclusivamente dessa perda de peso.


"Em contraste com as pessoas de hoje, nossos ancestrais humanos não consumiam três refeições grandes e espaçadas regularmente, além de lanches, todos os dias, nem viviam uma vida sedentária. Em vez disso, estavam ocupados em adquirir alimentos em nichos ecológicos nos quais as fontes de alimentos eram escassamente distribuídas. Com o tempo, o Homo sapiens passou por mudanças evolutivas que apoiaram a adaptação a esses ambientes, incluindo alterações cerebrais que permitiram criatividade, imaginação e mudanças físicas e de linguagem que permitiram aos membros da espécie percorrer grandes distâncias com seu próprio poder muscular para perseguir presas."

Este parágrafo em si já é sensacional. Porém, substitua acima o trecho "três refeições grandes e espaçadas regularmente, além de lanches, todos os dias" por "grandes quantidades de carboidratos" e releia. Entenda, caro leitor, que as adaptações evolutivas ao jejum e à restrição de carboidratos são fundamentalmente as mesmas.

A seguir, um trecho longo no qual, mais uma vez, se você substituísse jejum intermitente por dieta cetogênica, o texto permaneceria verdadeiro: 


"Em animais e humanos, a performance física é melhorada com o jejum intermitente. Por exemplo, apesar de terem peso corporal semelhante, os camundongos mantidos em jejum em dias alternados têm melhor resistência à corrida do que os que têm acesso ilimitado à comida. O equilíbrio e a coordenação também são aprimorados em animais com regimes de alimentação com restrição de tempo diário ou jejum de dias alternados. Homens jovens que jejuam diariamente por 16 horas perdem gordura enquanto mantêm a massa muscular durante 2 meses de treinamento de resistência. Estudos em animais mostram que o jejum intermitente melhora a cognição em vários domínios, incluindo memória espacial, memória associativa e memória de trabalho. O jejum de dias alternados e a restrição calórica diária revertem os efeitos adversos da obesidade, diabetes e neuroinflamação na aprendizagem e memória espaciais. Em um ensaio clínico, adultos mais velhos em regime de restrição calórica a curto prazo melhoraram a memória verbal. Em um estudo envolvendo adultos acima do peso com comprometimento cognitivo leve, 12 meses de restrição calórica levaram a melhorias na memória verbal, função executiva e cognição global. Mais recentemente, um grande ensaio clínico randomizado, multicêntrico, mostrou que 2 anos de restrição calórica diária levaram a uma melhora significativa na memória de trabalho. Certamente, é necessário realizar estudos adicionais de jejum e cognição intermitentes em idosos, principalmente dada a ausência de terapias farmacológicas que influenciem o envelhecimento cerebral e a progressão de doenças neurodegenerativas."
Sobre jejum e câncer:
"Pensa-se que o jejum intermitente prejudique o metabolismo energético das células cancerígenas, inibindo seu crescimento e tornando-as suscetíveis a tratamentos clínicos. Os mecanismos subjacentes envolvem uma redução da sinalização através dos receptores de insulina e hormônio do crescimento e um aumento dos fatores de transcrição FOXO e NRF2."
O mesmo ocorre com dietas cetogênicas.

Sobre doenças neurodegenerativas:
"Os dados epidemiológicos sugerem que a ingestão excessiva de energia, principalmente na meia-idade, aumenta os riscos de derrame, doença de Alzheimer e doença de Parkinson. Há fortes evidências pré-clínicas de que o jejum de dias alternados pode atrasar o início e a progressão dos processos da doença em modelos animais da doença de Alzheimer e da doença de Parkinson. O jejum intermitente aumenta a resistência ao estresse neuronal através de múltiplos mecanismos, incluindo o reforço da função mitocondrial e o estímulo à autofagia, produção de fatores neurotróficos, defesas antioxidantes e reparo do DNA. Além disso, o jejum intermitente aumenta a neurotransmissão inibitória GABAérgica, que pode prevenir convulsões e excitotoxicidade."
Não há uma única frase nesse parágrafo que não permaneceria verdadeira se "jejum" fosse trocado por "dieta cetogênica".

A seguir, vem um trecho muito interessante, no qual os autores explicam que não há dúvidas sobre os benefícios, e que a questão recai sobre a DIFICULDADE DE IMPLEMENTAÇÃO: 
"Apesar das evidências dos benefícios à saúde do jejum intermitente e de sua aplicabilidade a muitas doenças, existem impedimentos à adoção generalizada desses padrões alimentares na comunidade e pelos pacientes. Primeiro, uma dieta de três refeições com lanches todos os dias é tão arraigada em nossa cultura que uma mudança nesse padrão alimentar raramente será contemplada por pacientes ou médicos. A abundância de alimentos e o amplo marketing nos países desenvolvidos também são grandes obstáculos a serem superados.Segundo, ao mudar para um regime de jejum intermitente, muitas pessoas experimentam fome, irritabilidade e capacidade reduzida de se concentrar durante períodos de restrição alimentar. No entanto, esses efeitos colaterais iniciais geralmente desaparecem dentro de 1 mês, e os pacientes devem ser avisados desse fato."

Chegamos então ao ponto crucial: os benefícios atribuídos ao jejum são largamente obtidos em uma dieta cetogênica. Se a dificuldade (que não é pouca) de praticar o JEJUM não é obstáculo para que os autores do artigo do NEJM advoguem seu emprego por médicos, por que tantas pessoas ainda falam que o problema de uma dieta low-carb é a dificuldade de empregá-la? Dos sintomas listados acima, ao menos a fome não existe em uma dieta cetogênica. Dieta cetogênica é o jejum, sem a fome e o risco de desnutrição. Quem diz isso não sou eu. Isso foi descoberto há cerca de 100 anos! Em uma espetacular série de artigos sobre a origem da dieta cetogênica, Travis Christofferson e Dominic D’Agostino explicam essa conexão. O que se segue são trechos dessa série:

"Charles Howland, era um rico advogado corporativo de Nova York. Chocado que a cura para a epilepsia de seu filho estivesse tão longe da medicina tradicional, Howland ficou obcecado com uma única pergunta: por que o jejum curou seu filho de epilepsia?" (...) ". Comparando os exames de crianças epiléticas antes e depois de um jejum de 4 dias "Ele monitorou cuidadosamente todas as variáveis bioquímicas conhecidas enquanto elas passavam para o estado de jejum. Ele coletou e analisou exaustivamente sua urina e sangue com minuciosos detalhes - da perda de água ao equilíbrio de eletrólitos, equilíbrio ácido / base e a curiosa menção à estranha ocorrência de duas cetonas, beta-hidroxibutirato e acetoacetato, no plasma e na urina do paciente em jejum. Para Gamble, os compostos eram um mistério. Ele especulou que eles não tinham sentido; o subproduto da “oxidação incompleta de gorduras” - nada mais que um escapamento inútil expelido quando os pacientes começaram a queimar gordura." (...) "Enquanto Woodyatt estava expondo fissuras em preconceitos alimentares (no que diz respeito ao diabetes), no verão de 1921, a 380 quilômetros a nordeste de Chicago na clínica Mayo em Rochester Minnesota, um médico chamado Russell Wilder publicou três parágrafos curtos no The Clinical Bulletin. A carta descrevia a mesma epifania na dieta que Woodyatt - manter um estado análogo ao do jejum através da substituição de carboidratos por gordura - mas Wilder imaginou tratar uma doença diferente: epilepsia. "Ocorreu-nos que o benefício do procedimento do Dr. Geyelin pode depender da cetonemia que deve resultar de tais jejuns, e que resultados possivelmente igualmente bons poderiam ser obtidos se uma cetonemia fosse produzida por outros meios", escreveu Wilder. Mas Wilder deu um salto adicional de lógica. Woodyatt havia sugerido o protocolo alimentar simplesmente como um meio de contornar o metabolismo prejudicado dos carboidratos dos diabéticos. Como o jejum, ou a manutenção dietética do jejum, funcionava para controlar as convulsões, exigia outra explicação. Wilder argumentou que talvez houvesse mais - sugerir que as cetonas geradas a partir da dieta podem ter um significado não reconhecido. Afinal, eles eram a única variável metabólica compartilhada entre o estado de jejum e uma dieta baixa em carboidratos e rica em gorduras. Até agora, os pesquisadores assumiram que as cetonas não eram nada além de resíduos metabólicos prejudiciais, mas agora, por causa de Wilder, essa suposição foi questionada. Talvez tenham sido as próprias cetonas que puxavam as alavancas metabólicas dentro do cérebro dos epiléticos em jejum. Wilder estava ansioso para testar sua teoria. "Portanto, propõe-se tentar o efeito de tais dietas cetogênicas em uma série de epiléticos".

O resto é história. Hoje, a dieta cetogênica é amplamente aceita para o tratamento de epilepsia, bem como na remissão do diabetes tipo 2.


***

O artigo do NEJM é, sem dúvida, um marco para alçar o jejum intermitente de "fringe" para "mainstream". Não surgiu nenhuma nova evidência, mas agora o JI foi UNGIDO pelo New England, de modo que deixa de ser algo alternativo (muito embora as evidências já tenham cerca de 100 anos).

O que muitos não perceberam é que, sem querer, e a reboque, o artigo empresta prestígio à dieta cetogênica. E aí vem a pergunta: por que é mais palatável para o mainstream falar sobre jejum do que sobre low-carb?

Ao meu ver, trata-se de dissonância cognitiva. A demonização, por décadas, da abordagem low-carb - que tem muito, mas MUITO mais evidência de alto nível publicada do que o jejum - tornaria bem mais constrangedora uma revisão narrativa no New England propagando os benefícios de uma dieta cetogênica do que uma sobre jejum. Além disso, o jejum é politicamente agnóstico no que diz respeito ao Zeitgeist vegano em que vivemos, ao contrário da cetogênica, cuja aplicação é muito mais fácil com o emprego de alimentos de origem animal.

O mundo, nesta nova década, já está pronto para aceitar que cetose é uma coisa boa. Desde que não seja através de low-carb, é claro.








.