sábado, 26 de novembro de 2016

Ensaio Clínico: Low carb reduz espontaneamente a fome (e melhora a saúde no processo)

O artigo de hoje é um pequeno ensaio clínico, publicado em 2005: Ann Intern Med. 2005 Mar 15;142(6):403-11


O objetivo do estudo foi pontual: determinar de que forma uma dieta low carb produz perda de peso, e qual o efeito desta intervenção sobre o diabetes tipo 2 e a resistência à insulina que caracteriza esta patologia.

O estudo

10 pacientes obesos com diabetes tipo 2 (3 homens e 7 mulheres) foram recrutados para participar do estudo. Todos concordaram em ficar internados por 21 dias, com controle TOTAL de tudo que comiam. Repito - este não é um estudo (falho) no qual as pessoas tentam seguir regras ou lembrar do que comeram; foi um estudo 100% conduzido dentro de um hospital, com todos os voluntários internados.

Fase inicial: dias 1 a 7. Neste período, os voluntários foram encorajados a consumir suas dietas usuais. A cafeteria do hospital forneceu tudo o que eles pediram. Itens que não estavam disponíveis no hospital podiam ser encomendados de fora, incluindo sanduíches do McDonald's, Dunkin' Donuts e biscoitos recheados Oreos. A atividade física prévia dos internos foi mantida (na academia do hospital).

Fase low carb - dias 8 a 21. Neste período, os voluntários foram colocados na fase de indução da dieta Atkins:
  • Os carboidratos foram reduzidos para 21g por dia;
  • Os voluntários podiam comer tanta proteína e gordura quanto desejassem;
  • A quantidade de queijo e de cream cheese era limitada
  • Marcas específicas de molhos e lanches permitidos pelo Dr. Atkins podiam ser consumidas, assim como os produtos da empresa Atkins;
  • 100% do que foi consumido foi pesado e anotado, e os voluntários eram aferidos todos os dias de manhã (sinais vitais e exames).
O estudo foi financiado pelo NIH e pela ADA (não, não foi financiado pelas empresas Atkins).

Resultados:

  • O grupo low carb (Atkins) perdeu peso, o peso não foi de água, e sim de gordura. 
  • Houve uma redução ESPONTÂNEA de 1000 calorias consumidas ao dia, e a quantidade de peso perdida foi exatamente a quantidade esperada para um déficit calórico dessas proporções.
Vejamos:


Como se pode ver na tabela, houve redução de cerca de 2 quilos e meio de gordura. E houve um déficit calórico de 1027 calorias em média por dia.
Aqui cabe salientar algumas coisas:
  • A taxa metabólica média, que foi medida pelo método padrão-ouro (água duplamente marcada), era de cerca de 3200 calorias por dia;
  • Neste estudo, no qual as pessoas não podiam mentir, a ingestão de comida na dieta habitual era também de cerca de 3200 calorias por dia (as pessoas imaginam que comem muito menos do que realmente comem);
  • As pessoas podiam comer a quantidade que bem entendessem de comida na fase low carb, conquanto fossem alimentos low carb compatíveis com a fase de indução de Atkins.
  • Estas pessoas, que podiam comer o quanto quisessem, desenvolveram um déficit calórico diário de MIL CALORIAS. Eu disse MIL, quando a ÚNICA intervenção foi a restrição de carboidratos para 21g por dia.
Efeitos sobre os demais parâmetros
  • As pessoas relataram a mesma quantidade de fome em low carb (com MIL calorias a menos) do que em high carb (com MIL calorias a mais).

  • A glicemia diminuiu em TODOS os pacientes (de uma média de 135 para 113:

  • 2 pacientes precisaram diminuir suas doses de insulina, 2 tiveram de diminuis as doses de hipoglicemiantes orais, e um teve de interromper o hipoglicemiante oral. Em 14 dias.
  • A hemoglobina glicada reduziu-se de 7,3% para 6,8%. Em apenas 14 dias.
  • Houve melhora de 30% na sensibilidade à insulina verificada através do teste de clamp hiperinsulinêmico euglicêmico (padrão-ouro).
É interessante notar que, como sempre, o aumento do consumo de proteínas foi irrisório. Já expliquei isso em outra postagem.

Veja a distribuição de macronutrientes no estudo em tela:


O grupo low carb, que podia consumir tanta comida quanto quisesse, desde que fosse low carb, consumiu em média 14 (CATORZE) gramas de proteína a mais do que o grupo high carb. Então, POR FAVOR, não ofenda uma dieta low carb chamando-a de "dieta da proteína". Por favor.

***

Qual a grande lição deste pequeno e bem conduzido estudo? É o fato de que, em condições de vida livre (ok, as pessoas estavam confinadas, mas podiam comer o quanto quisessem), low carb produz uma redução do consumo calórico. Não existe contradição entre a afirmação de que, para perder peso, é preciso comer menos, versus a afirmação de que para perder peso, a melhor alternativa é restringir carboidratos.

Eu sempre fico pasmo quando as pessoas citam estudos nos quais os grupos foram alimentados com dieta low carb versus dieta low fat, mas as calorias foram artificialmente mantidas iguais. Então, conclui-se que low carb e low fat são equivalentes. Isso é um argumento de uma imbecilidade atroz. Senão vejamos: eu tenho uma Ferrari e um Fiat 147 lado a lado, prestes a disputar uma corrida. Mas eu tenho uma regra: a velocidade máxima é 40 Km/h. Ambos carros terminam juntos na linha de chegada. Conclusão? A Ferrari e o Fiat 147 são equivalentes. O que interessa é a performance em condições de vida livre, é evidente!

Por outro lado, como já discuti em outras postagens, low carb não é mágica e não viola as leis da termodinâmica (veja aqui, aqui e aqui). De forma que low carb não será uniformemente eficaz (como aliás soe ocorrer com QUALQUER intervenção em biologia). Uma pessoa que, mesmo comendo low carb, continue consumindo 3200 calorias, provavelmente não perderá peso. Este é um dos motivos pelos quais junk food low carb, uso excessivo de adoçantes em receitas low carb, e fat bombs tendem a ser contraproducentes. Este também é o motivo pelo qual laticínios de alta concentração calórica e alta palatabilidade, tais como queijos, podem ser complicados para algumas pessoas. Aliás, não creio ser coincidência o fato de que os únicos alimentos low carb cuja quantidade foi controlada no presente estudo foram justamente "queijo e de cream cheese".

Food for thought.

Nenhum comentário:

Postar um comentário