domingo, 16 de setembro de 2012

Low Carb e Osteoporose

Recentemente, um leitor deste blog foi advertido por sua nutricionista de que uma dieta low carb era perigosa, pois prejudicaria seus rins, provocaria osteoporose e levaria a perda de massa muscular. Todas estas alegações são incorretas. Já lidamos extensamente com o assunto dos rins - leia o post "A dieta é perigosa para os rins?" (a resposta curta é não, não é).

Nesta postagem, vamos tratar sobre dietas low carb e metabolismo do cálcio.

A primeira questão é, de onde saiu a ideia de que uma dieta low carb produziria osteoporose?

Ao que parece, tudo se resume, mais uma vez, à ingesta de proteínas. Existe uma ideia esquisita segundo a qual uma dieta low carb é a "dieta da proteína". Já tratamento sobre isso na postagem sobre a dieta e os rins. As dietas low carb incluem algo entre 1,5 e 2g de proteína por quilo de peso ideal. Isso corresponde a cerca de 90 a 150 g de proteína ao dia - não muito diferente do que a maioria das pessoas já come numa dieta normal. Portanto, pela milésima vez, não se trata de uma dieta "da proteína". O que define a dieta é a baixa quantidade de carboidratos.

Pois bem, ocorre que a quantidade MÍNIMA de proteínas recomendada é cerca de 0,8g por Kg. O consumo de 1,5 a 2g produz um pequeno, mas mensurável, aumento da excreção de cálcio urinário em relação a quem consome o mínimo recomendado. Este é, pelo que pude ver, a origem deste rumor de que as dietas low carb causariam osteoporose. Mas e a ciência, o que diz a respeito?

O estudo mais importante a este respeito foi publicado em 2006. Intitulado "O efeito de Uma Dieta de Baixo Carboidrato Sobre a Renovação Óssea", este artigo recrutou 30 voluntários, e os dividiu em dois grupos de 15. Um grupo seguiu sua dieta habitual, e o outro foi colocado em uma dieta low carb de 20g de carbs no primeiro mês e 40g no segundo e terceiro mês. Foram medidos os valores de marcadores de renovação óssea (N-telopeptídeo urinário (UNTx), fosfatase alcalina osso-específica (BSPA) e a razão de remodelação óssea (BSAP/UNTx)), pois o que queremos saber é se há perda de massa óssea, e não se há excreção de cálcio na urina. Qual foi a única diferença em 3 meses?? Sim, óbvio: o grupo low carb perdeu quase 6 Kg e meio, e o grupo controle perdeu apenas 1 Kg.

Eis a conclusão do estudo: "Although the patients on the low-carbohydrate diet did lose significantly more weight than the controls did, the diet did not increase bone turnover markers compared with controls at any time point. Further, there was no significant change in the bone turnover ratio compared with controls." "Embora os pacientes em dieta low carb tenham perdido significativamente mais peso do que os controles, a dieta não aumentou os marcadores de remodelação óssea comparado com os controles em nenhum momento. Além disso, não houve mudança significativa na taxa de remodelação óssea em comparação aos controles".

Na verdade, o que acontece é que uma dieta com mais proteínas aumenta a absorção intestinal de cálcio, e é este o motivo da excreção levemente aumentada de cálcio na urina.

Um estudo mais recente indica a mesma conclusão: "A diet high in meat protein and potential renal acid load increases fractional calcium absorption and urinary calcium excretion without affecting markers of bone resorption or formation in postmenopausal women." Traduzido este título, que já diz tudo: "Uma dieta rica em proteína de carne e em carga ácida renal potencial aumenta a absorção fracional de cálcio e sua excreção renal sem afetar os marcadores de reabsorção ou de formação óssea em mulheres pós-menopáusicas".


Outro estudo muito recente (maio de 2012) avaliou os efeitos de uma dieta Low Carb versus Low Fat sobre a função renal e sobre o metabolismo do cálcio. Foram 307 pacientes alocados para uma das duas dietas por 2 anos! O resultado? A dieta low carb levou a uma MELHORA da função renal. Houve ainda um aumento de cerca de 35% na excreção urinária de cálcio, sem mudanças na densidade mineral óssea (avaliada por densitometria óssea) e sem episódios de cálculo renal.

Este outro estudo não encontrou diferenças em excreção de cálcio ou função renal em 99 pacientes diabéticos submetido a uma dieta de alta proteína versus normal.

Este outro estudo, também em pacientes diabéticos, indicou que não houve mudança na excreção de cálcio, mas que houve uma balanço protéico positivo (ou seja, o consumo maior de proteínas ajudou a fabricar MAIS massa muscular e óssea - já adiantando a futura postagem sobre como low carb NÃO leva a perda de massa muscular).

Este estudo em ratos indicou que uma dieta extremamente alta em proteínas (50% - uma dieta low carb páleo em geral fica entre 20 a 30% no máximo) não teve nenhum impacto sobre o metabolismo do cálcio, mas teve uma série de impactos positivos sobre a saúde dos animais (menor massa gorda, maior massa magra, menos manifestações de síndrome metabólica).

Este estudo indicou que voluntários consumindo uma dieta de alta proteína consumiam também 50% mais cálcio (laticínios são ricos em cálcio). Em função disso, excretavam 42% mais cálcio na urina - portanto não era cálcio dos ossos que estavam perdendo.

Em resumo - não há nenhuma evidência científica de que uma dieta low carb cause osteoporose.

O que há, isso sim, são evidências de que uma dieta com apenas 0,8g de proteína por Kg pode levar à osteoporose. 

Se você quiser manter sua massa magra (músculos e ossos), consuma mais proteínas, que é disso que a massa magra é feita. Em vista de todas as evidências elencadas acima, é constrangedor que alguém ainda afirme o contrário.

21 comentários:

  1. Acabei de colocar lá no blog o link pra essa matéria, perfeita!
    Esclarecedora!
    Obrigada Dr. José Carlos!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, vou compartilhar no meu blog tb. Dietadodratinsbrasil.blogspot.com.br. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. Apenas corrigindo, o endereço do blog da Jully é:

      http://dietadodratkinsbrasil.blogspot.com.br/

      Excluir
  3. Dr. José Carlos não sei se vc já viu essa matéria é de 2011:
    http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/926200-dietas-de-proteinas-nao-atacam-os-rins-dizem-estudos.shtml
    ANAHAD O'CONNOR
    DO "NEW YORK TIMES"
    Querido não sei se viu mas deixei uma msg in box no seu facebook (25/09) pq não achei seu e-mail rss qq coisa apague e desconsidere ok?
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! Já atualizei a postagem sobre rins com esta matéria (http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/05/dieta-e-perigosa-para-os-rins.html).

      Valeu.

      Excluir
  4. Ola, estou fazendo a dieta de corte de carboidratos e tenho algumas duvidas. Li q eh permitido comer queijos, eu moro no interior de MG e aqui eh fabricado um requeijão, que não eh cremoso eh em pedaços, tipico de fazendas do interior mineiro e acho q ele eh feito no mesmo processo dos queijos industrializados utiliza a gordura do leite e descarta o soro. Ja fiz varias buscas e pesquisas pra saber as informações nutricionais dele mas não encontro... Sera q o Dr saberia me dizer se ele tem carboidratos? Se sim sabe a quantidade?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se é fermentado, a lactose (açúcar) foi consumida pelos lactobacilos. O que acontece com alguns produtos industrializados é que se acrescenta soro do leite, leite em pó, amido, etc. Isso vc só saberá perguntando a quem fabrica. Mais uma vez, se for "queijo de verdade" (fermentado, extraído o soro, e pronto), não há problemas.
      Se eu tivesse que chutar, acho que que pode consumir sem problemas.

      Excluir
  5. Eduardo Rasche da Motta1 de julho de 2013 23:16

    Olá. Acrescento um link para leitura acerca dos efeitos da variação na quantidade de proteína na dieta:

    http://perfecthealthdiet.com/2011/01/protein-satiety-and-body-composition/

    Considero o trabalho deles o mais completo até agora. A referência a Anthony Colpo merece ser conferida. Ele publica e pesquisa intensamente acerca do tema. Seu "The Great Cholesterol Con" é seminal.

    Boa leitura.

    Eduardo Rasche da Motta

    ResponderExcluir
  6. Dr Souto, desde 2009 vivo em Low Carb, com alguns pequenos intervalos na dieta. Mas no final de 2012 fui diagnosticado com osteoporose. Vou fazer uma bateria de testes e RM de cela túrgica para ver minha hipófise. Prolactina normal, testo 300 e IGF-1 140. Vou repetir os testes daqui a 30 dias e esta semana vou fazer a densitometria óssea, depois de um ano de anti aging com reposição de testosterona (gel manipulação). Assim q tiver os resultados volto a postar.

    ResponderExcluir
  7. Dr. Souto, boa noite!
    Procurei no blog informações a respeito do assunto, mas como não encontrei gostaria de tirar a dúvida com o Sr.
    Venho seguindo o estilo paleo lchf há pouco tempo, mas já senti muitas melhoras na saúde (nem tanto no peso, ainda). Ocorre que fui diagnosticada com osteopenia, e a recomendação foi: ingerir leite e seus derivados 3 vezes ao dia.
    Como venho evitando a lactose fiquei um pouco perdida no que comer. Confesso que fiz o iogurte caseiro e até comprei 1 litro de leite para ir tomando antes de dormir, mas sinceramente não é bem o que eu gostaria de fazer.
    Existe alguma maneira de repor este cálcio sem ter que necessariamente ingerir leite e derivados?
    Muito grata pela atenção!

    ResponderExcluir
  8. Coma queijo. Evite o leite.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 16/12/2013 19:33, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  9. Boa noite Dr. Souto,
    Antes de mais nada PARABÉNS pelo excente blog!!!
    Tenho lido diariamente e aprendido muito graças a sua enorme generosidade em compartilhar seus conhecimentos.
    MUITO OBRIGADA!!!
    Gostaria de uma orientação, por favor: tenho vários problemas nas articulações (bursites, sinuvites, tenossinuvitess, paratendinites, tendinopatias, epicondilites, hérnias de disco, ...). O médico disse, após olhar a minha densitometria óssea, que a origem de todos esses problemas
    é o excesso de cálcio no meu organismo (os níveis estão acima de 100%). Pediu para eu evitar alimentos que contenham cálcio (ovos, espinafre, couve, rúcula, salsa, amêndoas, linhaça, leite, queijos, ...) até os níveis de cálcio diminuirem.
    Quero começar a low carb, mas acho que vai ficar restrita retirando todos esse alimentos. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  10. retificando.... "excelente"

    ResponderExcluir
  11. Desculpe-me, esqueci de citar as minhas dúvidas...

    Qual o sua opinião sobre os meus problemas? Como eu devo proceder?
    Obrigada!!

    ResponderExcluir
  12. Infelizmente, não dá pra fazer consulta por aqui

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 29/03/2014 19:24, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  13. Desculpe-me, a minha intenção não foi essa, não soube me expressar bem.

    Minha dúvida: com o seu conhecimento, o sr. acha que o excesso de cálcio pode provocar esses problemas?
    Caso sim, posso iniciar a lowcarb retirando os alimentos que contenham cálcio sem problemas?
    Obrigada pela atenção.

    ResponderExcluir
  14. Yuri Castello Branco29 de maio de 2014 04:51

    so gostaria de saber a questão das curas a partir da dieta low carb paleolitica - vi um video sobre cura de lupus. No entanto ,gostira muito de saber sobre GRIPES, SINUSITES, OSTEOPOROSE, HIPO E HIPERGLICEMINA, se existe cura para doenças comuns pela dieta palo?

    Pois, pelo que vejo a melhor dieta para cura continua sendo a do DR GERSOn e da ALI VIVA, mas a maioria nçao tem a disposição para se aventurar nessa mudança. No entanto as curas sao rapidas e numerossim... Que diz sobre isso?

    ResponderExcluir
  15. Pesquise os testemunhos aqui no blog

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 29/05/2014 04:51, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  16. ANA CAROLINA DE SOUZA6 de agosto de 2014 15:12

    Dr. souto li em um blog de nutrição que o cálcio, principalmente o proveniente do leite e seus derivados, atrapalha a absorção do ferro e por isso foco na dúvida quanto à sobremesa...posso mesmo ou não devo comer morangos com nata ou iogurte natural após uma refeição LCHF?

    ResponderExcluir
  17. Para a maioria das pessoas que fazem páleo, evitar a absorção excessiva de ferro é o foco.


    2014-08-06 15:12 GMT-03:00 Disqus :

    ResponderExcluir